Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Barcelona e Manchester: posse e contra-ataque

26 de maio de 2009 11

Tudo indica que a final da Liga dos Campeões terá o Barcelona valorizando a posse de bola, com a iniciativa de jogo; e o Manchester aguardando bem posicionado, para os contra-ataques

É sempre complicado fazer projeções táticas, ainda mais quando as próprias escalações das equipes estão indefinidas. Mas, frente àquilo que Barcelona e Manchester United apresentaram durante a temporada, é possível se fazer uma previsão do enfrentamento de amanhã, que decide o grande vencedor da Liga dos Campeões da Europa.

O Barcelona vai manter seu 4-3-3 histórico. Os desfalques de Daniel Alves, Abidal, Rafael Marques e Milito obrigam o técnico Guardiola a mexer na escalação, mas não no sistema tático. Principalmente, porque seus protagonistas estarão em campo, até Henry e Iniesta, que recuperam-se de lesão.

A principal característica do Barcelona é a manutenção da posse de bola. Nesta edição da Liga dos Campeões, em média a equipe catalã permanece durante mais de 70% de cada jogo com o controle da bola. Não surpreende, portanto, o Barça ter emplacado o melhor ataque, e Messi na artilharia.

Isso porque o Barcelona alia a valorização da posse de bola com a objetividade. A equipe não troca passes com monotonia. É uma posse de bola agressiva, vertical, estruturada naquilo que Paulo Autuori bem conceitua de “pequenas sociedades”: o Barça articula-se com diversas triangulações, pelos lados e pelo meio. Na frente, o trio ofensivo tem os “pés invertidos” – o canhoto Messi na direita, e o destro Henry na esquerda, municiados pelos meias Xavi e Iniesta, e com Eto`o centralizado.

A estratégia proporciona uma grande variação de jogadas. Há linha de fundo, com os laterais, em cruzamentos rasteiros ou bola aérea; há diagonais, com os atacantes; há tabelas curtas, pelos lados ou pelo meio, quando reúnem-se meias e atacantes; e há conclusão a média distância, com a precisão dos meias.

O Manchester, do contrário, não tem dúvidas por lesão. Ferdinand se recuperou, e apenas Fletcher está fora, por suspensão. Mas Sir Alex Ferguson mantém a incógnita no sistema tático. Qual será sua escolha? Afinal, nesta temporada, ele se utilizou do tradicional 4-4-2 britânico, em duas linhas de quatro jogadores, e de outras duas variações: o 4-1-4-1, e o 4-4-1-1.

Minha hipótese (mesmo a milhas de Roma, e sem ter acompanhado nenhum treino): Ferguson deve apostar no 4-4-1-1. Foi este o sistema tático que lhe garantiu o empate em Milão contra a Inter, e desde então tornou-se predileto do técnico do Manchester.

Neste 4-4-1-1, Ferguson faz várias alterações estruturais: descarta ao mesmo tempo os atacantes Berbatov e Tevez; inverte Cristiano Ronaldo e Rooney, passando o português para o ataque centralizado, e o inglês para a asa-esquerda do meio-campo. Ali, Rooney se alinha com Park na direita, e com Giggs pouco mais atrás, pelo meio. Os volantes são Carrick e Anderson.

Fico, entretanto, com uma suspeita. Em jogos decisivos, Ferguson costuma apostar nos mais experientes. Não me causaria espanto a presença de Scholes, por exemplo, no lugar de Anderson. Nesta possibilidade, o Manchester ficaria no 4-1-4-1, com Carrick entre as duas linhas, e Scholes formando o meio-campo com Giggs ao lado, Park e Rooney abertos.

ENFRENTAMENTO: os dois sistemas táticos, e as duas estratégias, encaixam-se perfeitamente, mesmo que quase opostos. O Barcelona gosta de jogar com a bola, prefere ter a posse e insiste no campo ofensivo; já o Manchester, equipe de melhor defesa da competição, desde o preterimento do 4-4-2 se tornou um time que gosta de ceder posse e campo ao adversário, abdicando da articulação para adotar como estratégia principal as estocadas rápidas em contra-ataques mortíferos.

Estas duas situações me levam à convicção de que teremos um jogo de posse de bola versus contra-ataque; Barcelona com a bola, tendo iniciativa e propondo o jogo, à procura de espaços, contra o Manchester bem posicionado defensivamente, com linhas agrupadas, pronto para o bote. Ambos atuando como gostam, com os sistemas táticos e estratégias que os levaram até o final.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (11)

  • Wagner diz: 27 de maio de 2009

    90% dos jogos o MU vai no 4411, se for o caso, alterando durante a partida pra 442…As peças q jogarão só Ferguson sabe…no centro da linha acho q Carrick e Scholes, na frente dos 2 acho q vai de Giggs…nas duas extremas e no comando do ataque, não tenho a menor idéia…Rooney e CR jogam, onde, não sei…acho que o China joga, e na esquerda…pegaria o Messi de frente…talvez Anderson e Tevez aguardem no banco…faria a linha Tevez, Carrick, Scholes e Park..CR…Rooney na frente…

  • Jonas Rafael diz: 26 de maio de 2009

    Foi assim, num contra-ataque mortal que o Manchester matou o Palmeiras em 99 e levou o título num jogo em que o time brasileiro foi superior…

  • Marcelo Unikowsky diz: 27 de maio de 2009

    Será um jogão, sem dúvida. Aposto no barça, acho um time mais equilibrado. Não entendi esta frase “Na frente, o trio ofensivo tem os “pés invertidos” – o canhoto Messi na esquerda, e o destro Henry na direita, municiados pelos meias Xavi e Iniesta, e com Eto`o centralizado.” ??

    Resposta do Cecconi: Marcelo, na onda da inversão, quem fez confusão fui eu…hehehehe. É o canhoto na direita, e o destro na esquerda. Errei. É o que dá escrever tarde da noite…hehehehe. Desculpem a falha. Abração!

  • Gabriel Garcia diz: 27 de maio de 2009

    Cecconi, acho q a atitude de escalar o Scholes é a mais certa, além da experiência,é um baita jogador e com uma visão de campo única.

  • Fred Silveira diz: 27 de maio de 2009

    Vou pagar um pau aqui,mas merecido. Cecconi,acompanho teu trabalho desde o Cidade Futebol,depois no Entrevero,todos ótimos blogs,mas aqui tu te superou,cara!As análises são perfeitas e muito bem explicadas,eu que sou aficionado por tática admiro bastante o teu trabalho.detalhe:tu antecipou a escalação do Manchester,eu n acreditava que ele iria entrar assim,meus parabéns!Posso fazer uma sugestão?Tática do Huracán,que na Argentina ta fazendo historia jogando um futebol bonito e ofensivo.Abração

    Resposta do Cecconi: grande Fred! Valeu pela mensagem, fico muito feliz em saber qued nosso debate aqui está sendo bem sucedido. E vou tentar atender o teu pedido, assim que conseguir assistir a jogos do Huracán, trarei a equipe argentina ao debate também. Abração!

  • Rafael Kafka diz: 26 de maio de 2009

    Excelente análise, na torcida pelo futebol arte do Barcelona!

  • Jonas Rafael diz: 27 de maio de 2009

    43 do segundo tempo podemos dizer que a vaca do Manchester foi pro brejo. Também podemos constatar de vez que Messi e Eto`o são 80% do time. Na verdade eu vou mais longe em dizer que sem Eto`o e Messi o Barcelona é quase um timinho de m…

  • Marcellus diz: 27 de maio de 2009

    belo post, eduardo, mas devo alertá-lo sobre um erro seu de concordância: “Na frente, o trio ofensivo tem os “pés invertidos” – o canhoto Messi na esquerda, e o destro Henry na direita, municiados pelos meias Xavi e Iniesta, e com Eto`o centralizado.” Deveria ser o canhoto Messi na direita e o destro Henry na esquerda, se não, o trio ofensivo do Barça não teria os pés invertidos. abraço

    Resposta do Cecconi: Marcellus, assim como o Marcelo e o Vinicius Guerreiro, que pediu pra eu nem publicar o comentário dele, você percebeu uma rateada minha, já corrigida. É o canhoto na direita, e o destro na esquerda. Devo ter tido uma crise de “mão inglesa” de trânsito. Abração!

  • Gibson Weinert diz: 26 de maio de 2009

    Cecconi, não sabia que era tu que escrevia neste blog, pra mim é um dos melhores aqui do clic. Parabéns !!
    Abraços

  • Carlos Pizzatto – Blog do Carlão diz: 27 de maio de 2009

    Cecconi, se o United for no 4-1-4-1 a partida ficará meio que espelhada taticamente? Os pontas baterão com os laterais adversários (Rooney e Park com Cáceres e Sylvinho, e Messi e Henry com Evra e O`Shea), os meias baterão com os meias (Scholes e Giggs/Anderson com Iniesta e Xavi), e os volantes (Carrick e Touré) atuarão na cobertura. A diferença é que Rooney e Park voltam e são mais efetivos na marcação que Henry e Messi. É mais ou menos por aí?

    Resposta do Cecconi: isso Carlão, conforme respondido no e-mail, acredito que a intenção do Ferguson é exatamente espelhar a marcação. Arriscado, porque ele priva as virtudes da equipe para conter o adversário. Abraço!

  • Fabio Henrique diz: 27 de maio de 2009

    No esquema que vc colocou, o Manchester joga na verdade com 4-2-3-1,com o Rooney na frente, CR oscila entre o meio do campo e as pontas, Giggs pela esquerda e Park na direita, com volantes fixos. Digo isso porque assisti diversos jogos da equipe nesta temporada. Em geral, o Manchester não jogou bem na temporada, apesar da boa defesa. Analisando os resultados, veremos diversas vitórias por 1×0, 2×1.E um futebol muito feio, mesmo. Não posso dizer nada sobre o Barça, mas acho-o favorito.

Envie seu Comentário