Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Corinthians joga no 4-3-3 com marcação europeia

04 de junho de 2009 19

Corinthians de Mano Menezes alterna características de 4-3-3 com posicionamento defensivo de 4-1-4-1

O Corinthians de Mano Menezes combina duas formações pouco usuais no futebol brasileiro. Com a bola, o Timão posiciona-se no 4-3-3; e sem a bola, apresenta duas linhas de quatro, guarnecidas por um volante, sistema semelhante ao 4-1-4-1 dos times britânicos que se difundiu pela Europa.

No 4-3-3, o Corinthians é uma equipe de vocação ofensiva. Mano Menezes abre Jorge Henrique pela direita e Dentinho à esquerda – mas também pode invertê-los de lado, como fez ontem no empate em 0 a 0 com o Vasco. Ambos têm como movimentações principais a busca pela linha de fundo, ou as diagonais na direção da área.

Ronaldo joga centralizado, e faz um pivô consistente. Ele retorna até a intermediária de ataque para buscar a bola, e à medida do possível se movimenta de lado a outro, oferecendo-se para as tabelas curtas com Jorge Henrique ou Dentinho. Pelos lados, ainda deveria haver o apoio alternado de Alessandro na direita, e André Santos na esquerda – mas como ele está na Seleção Brasileira, o substituto Diego (originalmente zagueiro) sobe menos. Sem André Santos, a defesa é quase uma linha rígida.

No meio-campo, Cristian é o primeiro volante, centralizado. Elias joga como apoiador, pela direita, e Douglas é o articulador, mais à esquerda. São dois jogadores que proporcionam características diferentes. Elias é veloz, condutor, e gosta das tabelas com o pivô de Ronaldo, correndo junto com a bola; Douglas é pensador, mais lento, e faz a bola andar sem necessariamente se movimentar, com passes longos e lançamentos. Bons exemplos da diferença de características entre o apoiador nato e o articulador clássico.

Sem a bola, o movimento sincronizado transforma o 4-3-3 em um 4-1-4-1 europeu. Cristian permanece centralizado, à frente da linha de defesa. Jorge Henrique e Dentinho recuam, alinhando-se a Elias e Douglas. As duas linhas se compactam – a defesa adianta, o meio-campo recua – e Cristian faz a cobertura. Ronaldo ganha liberdade para permanecer lá na frente, para receber a bola e puxar o contra-ataque.

Mas o sistema de marcação é diferente daquele por zona com pressão sobre a bola do tradicional 4-1-4-1 britânico. Jorge Henrique e Dentinho acompanham os laterais adversários individualmente, se preciso for, até a linha de fundo defensiva. Elias e Douglas bloqueiam meias e/ou volantes, enquanto Cristian costuma perseguir o protagonista do meio-campo adversário (ontem, contra o Vasco, vigiou Carlos Alberto). É diferente da zona com pressão sobre a bola exercida pelas linhas britânicas em times como Manchester United, ou Liverpool, por exemplo – e que o Defensor dá bom exemplo na Libertadores.

Retomada a bola, Jorge Henrique e Dentinho disparam, Douglas e Elias se adiantam, e o Corinthians rapidamente reconstitui o seu 4-3-3. Com este sistema, Mano Menezes conquistou o título invicto do Campeonato Paulista, e fez campanha impecável na Copa do Brasil. Mesmo que aparente uma ofensividade natural, com três atacantes, o time não é irresponsável, marca com dez jogadores atrás da linha da bola, e sabe jogar das duas maneiras – propondo o jogo, articulado; ou controlando o adversário, sem posse de bola.

Será um embate tático entre dois estrategistas com sistemas definidos, organizados e consolidados, e bem-sucedidos nesta temporada.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (19)

  • DANIEL R SANTOS diz: 4 de junho de 2009

    vai ser parada dura. Mas acho que o Corinthians leva vantagem, principalmente por não se intimidar em jogar fora de casa. nesta sua analise, fica claro como a articulação do inter ficará presa. se o Tite não treinar uma variação, Jorge Hemrique e Dentinho pegarão os laterais, elias e douglas marcam guina e Magrão, Cristian fica na posição de D´ale. Com isso o inter terá que estar preparado para variações taticas

  • Wagner diz: 5 de junho de 2009

    Deixando de lado esta pequena rixa…O Mano as vezes é como tu disseste, mas também já vi 4411…daí Cristian vai para a linha, ao lado de Elias, e Douglas fica na frente dos 2…de qualquer maneira, ou o Inter muda este jeito arcaico de se posicionar, ou vamos levar fumo…notem que desde o jogo ctra o Mano, com exceção do Avaí e 2ºt ctra o Coritiba aqui, perdemos o meiocampo, independente da qualidade e do esquema utilizado pelo adversário..

    Resposta do Cecconi: sim, certamente que há este 4-4-1-1. Essa formação já foi objeto de análise aqui no Preleção, e o Mano utilizou na semifinal contra o Santos, na Vila Belmiro, com o Cristian e o Elias alinhados, o Douglas à frente para puxar contra-ataque, e o Ronaldo fincado. Abraço!

  • rafael colorado diz: 4 de junho de 2009

    Acho que uma boa atuação do Inter depende em grande parte da atuação do Magrão, que pra mim tá abaixo do resto do time, errando passes e uma lentidão maior do que é natural dele.

    Independente de onde for o primeiro jogo, espero que ao menos desta vez o Tite pense em algo diferente para o jogo fora de casa, senão esse título vai pro saco.

  • daniel diz: 4 de junho de 2009

    Seja qual for a formação o timinho vai levar um baile do colorado!!!!!!!!!

  • Vinícius diz: 4 de junho de 2009

    De longe, mas de muito longe a melhor estruturação tática que já vi de meu time.
    Muito boa.

  • Wagner diz: 5 de junho de 2009

    ..esta distância do mcampo p o ataque, do Inter, só era vista a uns 30 ANOS ATRÁS, tudo q ñ se faz no futebol d hoje o Inter tem feito..compactação, jogar em bloco, tudo isto ñ tem existido..é ridículo o posicionamento do time do Inter, beira o absurdo…7-0-3..bico pro Nilmar e Taison..o Inter involuiu nestas últimas 8 partidas, ñ é assim q se joga..o Corintians, ao contrário, é o time + organizado taticamente do Brasil..e agora sem Nilmar..e o pior é q no BRio ñ estão vendo isto..tôh apavorado

  • Oda Júnior diz: 4 de junho de 2009

    grande time, esse eu aposto minhas fichas na final hehehe

  • Carlos Pizzatto – Blog do Carlão diz: 4 de junho de 2009

    Particularmente também enxergo o Corinthians no chamado 4-2-3-1 (assim como o Santos, a Seleção, o Shakhtar, etc). Elias atua pela direita e Cristian pela esquerda. No entanto Elias sai mais para o jogo que Cristian. (como no Santos Souto sai mais e Brum menos; na Seleção Felipe Melo sai mais e Gilberto Silva menos; no Shakhtar Fernandinho sai mais e Lewandowski menos, e por aí vai). Vejo o miolo da meia-cancha corintiana com dois volantes (7 e 6) e um meia (10).

    Abraços.

  • Felipe Albernaz diz: 4 de junho de 2009

    Comparando o que já sabemos dos dois times, acho que a saída para o jogo dos volantes de ambos os times podem ser um ponto de desequilíbrio. Pelos lados haverá marcação individual, pelo meio o Corínthinas vai tentar anular principalmente o Guina com Elias (já dito pelo Mano) e naturalmente colar o Cristian no D`Alessandro, Sandro e Magrão precisam passar porque o Douglas quase não acompanha, quando o Corinthians atacar (continua)

  • Jonas Rafael diz: 4 de junho de 2009

    No papel é muito bom, mas vamos ver so o time do Mano não amarela de novo na hora H. Será que ele finalmente vai conquistar algo mais que um regional? Ou vai ficar no vice de novo? Também vale ressaltar que esse esquema ressente muito de peças adequadas. Se os dois “ponteiros” não marcarem o time vai sentir muito. Por isso a briga deles pra conseguir o efeito suspensivo do Dentinho. Também o André Santos faz falta…

    Resposta do Cecconi: é verdade, Jonas. O Mano encontrou dois jogadores que se encaixam perfeitamente no modelo de marcação que ele aplica no 4-3-3. Mas nem Dentinho nem Jorge Henrique têm reservas que possam fazer o mesmo. Sem qualquer um deles, o time precisa mudar a maneira de jogar. E a perda de André Santos, que fazia a saída pela esquerda, é irreparável. Bem observado. Abraço!

  • Pedro Lapinscki Junior diz: 4 de junho de 2009

    O texto foi bem desenvolvido, só q parte de uma premissa equivocada. O curintxa joga no 4-5-1, praticamente no mesmo esquema do Mano no Grêmio. Ele diz q é 4-3-3 pra imprensa não ficar chafurdando ele e o chamando de retranqueiro. Dessa forma ele agrada a imprensa e não abre mão do seu esquema predileto.

    Resposta do Cecconi: olá Pedro. Eu me permito discordar. Dentinho e Jorge Henrique são claramente atacantes, jogam em uma faixa muito mais adiantada de campo, embora cumpram inúmeras atribuições defensivas. É bem diferente do que faziam Léo Lima e Hugo no Grêmio, que atuavam em faixa mais recuada, e não entravam na área para concluir. Também acho que o Mano errou em várias decisões pelo Grêmio, mas se a gente rotulá-lo (retranqueiro, no caso), corre o risco de se impor um preconceito que prejudica a análise de outros sistemas. Eu nunca ouvi o Mano Menezes dizer que joga no 4-3-3. Este post é feito com base na minha observação, sem levar em consideração qualquer entrevista do Mano. E para mim o Corinthians joga claramente no 4-3-3. Abraço.

  • Pedro Lapinscki Junior diz: 4 de junho de 2009

    Me permita a tréplica, então. 4-3-3 é executado pelo Barça, onde o Messi volta até o meio campo pra compor a marcação. Vc não vai ver o Messi acompanhando alguém até a própria zaga, pois como ele é atacante, precisa estar no meio pra dar início ao contra ataque, como uma válvula de escape. Jorge Henrique volta até a própria área. É um auxiliar de lateral direito. Uma espécie de Alessandro do Mano no Grêmio. Só q ele é atacante de origem, mas a função dele é a mesma do Alessandro no Grêmio.

  • Blog do Carlão – Futebol é nossa área diz: 4 de junho de 2009

    Outra formação da linha do meio utilizada por Mano é, da direita à esquerda, JH, Elias, Cristian e Dentinho (4-4-1-1).

    Resposta do Cecconi: olá Carlão. É verdade, por vezes o Corinthians faz essa marcação também. Tem um post sobre isso no Preleção, é só dar uma busca. Aí o Douglas se adianta e faz o “1″ antes do Ronaldo. Foi assim que o Corinthians marcou o Santos na Vila Belmiro, na semifinal do Paulistão. Abraço!

  • Wagner diz: 4 de junho de 2009

    Com a bola é um esquema, sem, é outro…tu ñ aprendes mesmo…tudo bem, segue assim…ninguem entende mesmo…

    Resposta do Cecconi: podes fazer então um curso, humilde professor. Ensine os mortais. Abraço!

  • Treinador diz: 4 de junho de 2009

    tá errado! Corinthians joga em um 4-2-3-1. Cristian e Elias são volantes. Dentinho e Jorge Henrique completam com Douglas a articulação do meio (sendo dois médio-alas)e um atacante mais fixo (Ronaldo ou Souza. Ao olho leigo parece ser um 4-3-3 pela origem de cada jogador, mas perceba as funções deles em campo.

    Resposta do Cecconi: olá treinador. As funções estão percebidas sim. O posicionamento E as funções de Dentinho e Jorge Henrique são de atacantes, não de meias. Messi e Henry fazem o mesmo no Barça, embora com menor intensidade defensiva (não se compara a parte técnica) e nem por isso são meias. Não poderia ser 4-2…, também, porque Cristian é primeiro volante centralizado, e o Elias alinha com o Douglas. Dentinho e Jorge Henrique não são articuladores. São atacantes de velocidade. Não organizam o jogo, como tu sugere – e não se leva em consideração a origem deles, mas a tática individual que desempenham. Quem organiza é Douglas e Elias. Eles fazem a jogada terminal, para o último passe, recebendo de Elias ou Douglas. Para mim é um claríssimo 4-3-3. Abraço.

  • Felipe Albernaz diz: 4 de junho de 2009

    (Continuação)Quando o Corinthians atacar a marcação vai estar encaixada nos meias e atacantes de lado porque o Tite prioriza anular as infiltrações, compactando meio e defesa, o que precisa ser resolvido é que o Inter deixa muito espaço pra finalizações de média distância e o Cristian é ótimo chutador, no mais, acredito que terá vantagem quem estiver em dia mais inspirado.

    Resposta do Cecconi: bem observado, Felipe. Assim como aconteceu contra o Flamengo, veremos novamente um encaixe na marcação – Elias no Guiñazu, Douglas no Magrão e Cristian no D`Alessandro. Mas a recíproca é verdadeira, e eles também serão marcados. No 1-a-1, Magrão leva muita vantagem sobre o Douglas, que é lento e dispersivo, e talvez não o acompanhe. Uma boa alternativa para o Inter é sair por este lado. Ontem o Vasco liberou o Ramón, mas atacou mesmo pela direita com o Paulo Sérgio, e o Douglas não acompanhava ninguém. Abraço!

  • Felipe diz: 4 de junho de 2009

    Gremistas aqui, mas vão cuida do CARACAS!!! que senão vai ser o próximo ATLÈTICO-GO!!! eliminando os segundinos… O INTER FOI CLARAMENTE ROUBADO EM 2005 e NADA vai mudar isso o que podemos é eternamente lembrar a toso nesse país sem memória e egoista que o INTER ganhouu o Brasileiro no campo e perdeu fora dele. R de … REVENGE!!!! PRA CIMA DELES INTER!!!! VAMO SER CAMPEÃO!!!

  • Preleção » Arquivo » Mano tem estilo europeu no planejamento tático diz: 24 de julho de 2010

    [...] ao lado de Douglas, deixando Cristian como o volante de sobra entre as linhas da equipe – leiam aqui, em post de junho de [...]

  • Victor diz: 26 de julho de 2010

    Ai ai…

    Que saudades!

Envie seu Comentário