Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Chelsea tem o melhor losango do mundo?

29 de agosto de 2009 22

Como funciona o losango assimétrico de Ancelotti

Hoje assisti à fácil vitória do Chelsea sobre o Burnley por 3 a 0, pela Premiere League. E o técnico Carlo Ancelotti manteve a tendência tática apresentada nos torneios de pré-temporada que disputou nos Estados Unidos. Depois de várias temporadas no 4-3-3, com José Mourinho e Guus Hiddink (tendo um pequeno hiato de 4-5-1 com Felipão), o Chelsea joga definitivamente no 4-4-2 em losango.

E o losango do Chelsea é assimétrico. O apoiador do lado esquerdo passa mais da linha da bola do que o apoiador direito. Hoje, sem Zhirkov e Malouda – dois canhotos muito ofensivos – Ancelotti recuou Lampard da ponta-de-lança para o lado esquerdo da segunda linha. E foi Lampard o responsável pelas incisivas subidas em parceria com Ashley Cole na esquerda.

Na direita, a assimetria se dá com o posicionamento mais rígido de Ballack. Mas como Ancelotti compensa, para não deixar o time capenga? Com o recuo de Anelka, o segundo atacante, pelo lado direito. O time avança de um lado com o apoiador Lampard (certamente será com o russo Zhirkov no futuro próximo), e de outro com o Anelka. Time equilibrado.

Deco foi o último vértice hoje, centralizando a organização, e Essien permaneceu como primeiro vértice do losango do Chelsea. Ancelotti é um privilegiado, pois conta com outros quatro jogadores para o setor. E entre os oito meio-campistas, grande parte tem condições de atuar em mais de uma tática individual neste desenho. Lampard já foi ponta-de-lança e apoiador; Ballack e Essien podem ser o primeiro volante ou apoiadores por qualquer lado. Joe Cole pode ser apoiador na direita, levando Anelka para a esquerda, ou organizar. Deco até pode ser apoiador também. Zhirkov e Malouda têm condições de ser ponta-de-lança ou apoiador pela esquerda.

Guardadas as devidas proporções técnicas entre os jogadores, este 4-4-2 com losango assimétrico do Chelsea é muito parecido com o atual do Inter. Giuliano passa mais da linha da bola pela direita do que Guiñazu pela esquerda. E Taison é o atacante aberto pela esquerda. Também assimétrico, como o do Chelsea, mas com a inversão dos lados. Fechado o parêntese, voltemos ao Chelsea.

O losango está na moda. Jonathan Wilson articulista do The Guardian e autor dos livros “Behind the Curtain: Travels in Eastern European Football” e “Inverting the Pyramid, a book on football tactics” - e para mim o cara que mais entende de táticas no mundo – fez uma brilhante análise sobre a difusão do losango no futebol europeu. Pegou o Chelsea como exemplo. Apontou uma falha no sistema – ele acredita que o losango centraliza demais e torna a equipe vulnerável pelos lados – e apontou a assimetria como uma solução para abrir o jogo – leiam o brilhante texto do brilhante Jonathan Wilson.

A questão agora é: será o losango assimétrico de Ancelotti no Chelsea a melhor aplicação deste sistema no futebol atual? A melhor combinação da sincronia de movimentos com o melhor repertório de jogadores para cada tática individual? Por enquanto, até mesmo pelos resultados, é forte candidato. Para citar, além de Chelsea, na Europa temos Benfica, Inter de Milão, Juventus (um pouco diferente, é verdade) e várias outras equipes jogando no 4-4-2 em losango.

PARÊNTESE HISTÓRICO: Reforço a dica para que leiam o artigo de Jonathan Wilson sobre o 4-4-2 em losango. Segundo ele, este desenho de meio-campo foi criado pelo brasileiro Flavio Costa, no Flamengo, em 1937. O losango teria nascido como uma oposição de Flavio ao W.M que o técnico húngaro Dori Kurschner, seu antecessor, tentou implantar no rubro-negro, sem sucesso, porque os jogadores brasileiros não conseguiam compreender aquela cultura tática europeia.

Mas o losango não nasceu em um 4-4-2, sim no 3-4-3. O W.M é o primeiro sistema tático reconhecido, criado no Arsenal. Ele era um 3-4-3, com três zagueiros, meio-campo em quadrado, e três atacantes. Flavio Costa apenas alterou o desenho do meio-campo, mantendo o 3-4-3, e trocando o quadrado pelo losango. Esta inversão foi responsável, segundo o Jonathan Wilson, pelo surgimento da tática individual do ponta-de-lança, último vértice do losango.

Outro detalhe: deste 3-4-3 em losango teria nascido o 4-2-4 que proporcionou ao Brasil o título no Mundial de 1958. O primeiro volante recuou para a zaga (criando a expressão quarto zagueiro, porque até então só existiam três), e o ponta-de-lança foi avançado para o ataque, deixando apenas os dois apoiadores alinhados no meio-campo.

Para quem acha que futebol se resume à qualidade dos jogadores, que treinador não tem importância, e que teoria tática é enrolação, um pouco de história resgatada pelo Jonathan Wilson comprova a importância do treinador, da estratégia. Por isso que eu amo o futebol!

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (22)

  • William Vidal diz: 29 de agosto de 2009

    Baita Post…melhor blog do clic; Um belo trabalho ! A pergunta é… até onde esse time do Chelsea marca e desarma!?

    Resposta do Cecconi: William, esses jogadores de meio – à exceção do Ballack – têm muita mobilidade. Podem ir e voltar. Hoje só não gostei do Deco no desarma. Já o Ballack, que fica mais posicionado, tem demonstrado boa capacidade de marcação. Mas não houve ainda um grande teste contra adversários de grandes atacantes para testar realmente. Abraços.

  • Luís Carlos Zenatti diz: 29 de agosto de 2009

    Caro Cecconi, como não encontrei nenhum e-mail seu para comunicação resolvi fazê-lo via comentários. A muito que acompanho este blog e sempre tive a curiosidade de saber se você usa algum programa específico para a montagem dos esquemas graficamente. Me interesso por táticas e se possível gostaria de saber mais sobre o assunto. Caso seja um programa especial como poderia adquiri-lo. Parabéns pelo teu trabalho, pois tens uma visão muito boa das formações táticas da maioria das equipes. Grande

    Resposta do Cecconi: olá Luís. Eu faço os diagramas em um arquivo de Photoshop criado pelos nossos gênios da Arte do clicEsportes. Eu passei o que tinha em mente, e eles conseguiram reproduzir exatamente o que eu imaginava. Abraços.

  • Ricardo diz: 29 de agosto de 2009

    O Wilson trata como um dos principais problemas tambem a organizacao das jogadas, muito centralizada no diamante, e assim, muito facil de ser bloqueada. Provavelmente o Chelsea nao passe por muito problema por causa dessa centralizacao e um possivel bloqueio, tendo em vista a grande quantidade de grandes meio campistas. Sera que o diamante nao passa por problemas no Brasil, com uma certa falta de grandes meio campistas (um possivel efeito indesejado do 3-5-2 nos times de ba

  • Rodrigo Vellozo diz: 30 de agosto de 2009

    Olá Cecconi, antes de tudo, parabéns pelo melhor blog sobre táticas da internet brazuca. Sobre o post, que elenco tem o Chelsea, basta ver os 4 que ficaram no “banco”, Obi Mikel, Malouda, J. Cole e Zhirkov. Bem, mas tenho algumas ressalvas a fazer, em relação à Internazionale e a Juventus, pelo que jogaram nesse fim de semana.Em Milão, a Inter teve uma linha de três: Zanetti (dir.), Stankovic (meio) e Motta (esq.), com o recém-chegado Sneijder como ponta-de-lança. À frente, Milito e Eto´o…

  • cjr diz: 29 de agosto de 2009

    É..são muito bons jogadores esses do CHELSEA. Só que com a bola…sem a bola nao tem marcador de verdade. Ou seja, anota aí, ou eles corrigem isso ou esse time vai parar uma hora para alguem que marque mais. Ballack nao é primeiro volante e todos do meio campo só servem para cercar…agora, marcar a la Sandro, Guina nao tem aí.
    No entanto com a bola no pé…é um time maravilhoso. Sem discussao aí.

    Abço. Belo trabalho com esse blog.

  • Luiz diz: 29 de agosto de 2009

    Agora o que tu acha desse: É um, bastante eficiente. Só coloca jogadores altos. E joga por cima e faz gol só de xiripa, cabeça, nada de gol trabalhado…é mandar no fedor, e esperar o rebote. Mais ou menos o esquema do Murici. Balao para a cabeça de alguem. Só que para isso tem que ter bons e altos jogadores. É mais facil furar uma retranca por cima no fedor do que trabalhar a morrer a bola com toquinhos laterais e pra cá e pra lá a la INTER. Nao acha? Gostaria da tua opiniao sobre esse sistema?

    Resposta do Cecconi: Luiz, confesso que não entendi nada. Tu está defendendo que os times joguem na ligação direta da defesa para o ataque, apostando em trombadores altos? Se for isso, sou totalmente contra. Abraços.

  • Filipe Nunes diz: 31 de agosto de 2009

    Aproveitando o comentário feito sobre ligação direta `à la Muricy` e etc, pergunto: Pra vc, existe jogar feio ou bonito? Ou esse padrão de jogar dos times de Muricy são, na verdade, uma deficiência de seu trabalho?

    Resposta do Cecconi: para mim existe sim essa diferença, Filipe. E não tem nada a ver com dribles ou firulas. Um time que não consegue se articular para mim joga feio. Um time que tem organização inteligente, sincronia de movimentos, e cria alternativas ofensivas, concluindo bastante, joga bonito. Abraços.

  • Jonas Silveira diz: 29 de agosto de 2009

    Que baita time que é o Chelsea… Pena que dá sempre azar; sempre acontece uma tragédia e eles são eliminados… Eduardo… com as contrataçoes do Grêmio, como ficará nosso meio de campo? Será que o 4-5-1 não seria melhor para um time que não tem um segundo atacante de qualidade, mas agora conta com Lúcio, Rochemback e Renato Cajá? Pro meu gosto, o time seria: Vítor; Mário, Réver, Rafa Marques e Lúcio; Túlio, Rochembach, Renato, Tcheco e Souza; Maxi López…

    Resposta do Cecconi: Jonas, tem que esperar o Autuori se posicionar sobre a utilização destes reforços. Eu confesso, por exemplo, que não tenho referências sobre o Cajá. Também não sei como está o Rochemback fisicamente. Mas te prometo que mais adiante faremos essa projeção. Grande abraço!

  • cjr diz: 29 de agosto de 2009

    Para mim, os dois melhores sistemas do mundo sao: duas linhas de 4 compactadas no 4-1-4-1. ou até no 4-4-2 com as linhas, linhas mesmo, ou o do Mano, com o 4-5-1 defendendo e virando um 4-3-3 atacando.

  • Rodrigo Vellozo diz: 30 de agosto de 2009

    Continunando, na Juve, contra a Roma na capital italiana, o Felipe Melo é titularíssimo, só não jogou a estréia porque estava suspenso pelo último jogo na Fiorentina. Por isso Poulsen jogou contra o Chievo. Aliás, os dois brasileiros da Juve estão arrasando, decidiram o jogo. O resto é aquele mesmo, e com boas opções no banco, Legrottaglie na defesa, Poulsen e Camoranesi no meio, e Del Piero na frente. O Benfica não vi jogar. Com isso, não vejo os “losangos” dos italianos atrás do Chelsea. Abs.

  • Alan diz: 30 de agosto de 2009

    Nossa, ainda não acompanhando bem o Chelsea, acho difícil mesmo ficar sem Zhirkov, Malouda e Joe Cole… acho até que, no losango, o maximo que poderia ser é o Joe Cole perto do que faz o Anelka, mais com o Deco. Reiterando que pra mim pelo menos Malouda e Joe Cole devem ser titulares (dependendo das condições, claro), acho dificil que o Chelsea siga no Losango. Abração Cecconi

  • Stefen diz: 29 de agosto de 2009

    Caro Cecconi, como você veria o time do Grêmio nesse esquema do losango, seria ideal??, considerando os atuais titulares e também o que mudaria com a entrada de Lúcio, Magrão e Rochemback?? Parabéns pelo blog, sempre muito bem escrito.

    Resposta do Cecconi: olá Stefen. É como eu respondi para o Jonas, precisamos saber duas coisas primeiro: qual a situação física e técnica deles; e qual o aproveitamento que o Autuori pretende deles. Acho melhor, para não cometermos nenhum equívoco, deixar essa análise para mais tarde. Aí sim teremos mais elementos para o debate. Abraço.

  • Filipe Nunes diz: 31 de agosto de 2009

    Eduardo, interessante a solução da assimetria pra descentralizar as jogadas e reforçar a marcação pelos lados. Qdo tiver oportunidade, recomendo assistir à uma partida do Botafogo que, com o Estevam, não tem jogado mais com 3 zagueiros e cujo sistema funciona de forma parecida. O desenho do meio é o mesmo losango. V. Simões recua pela esquerda pra preeencher o espaço que teria o lateral adversário, evitando que Michael, agora armador pela esquerda, fique sobrecarregado por aquele lado.

  • João diz: 29 de agosto de 2009

    Mais uma vez parabéns. Isso é que é falar de futebol. Sempre aprendo alguma coisa quando leio esta coluna.
    Tem muita gente discutindo futebol sem se preparar.
    Tem muito comentarista que deveria ler este blog. É assim que eu gostaria que o futebol fosse tratado na imprensa. Fica muito mais interessante.

  • João diz: 29 de agosto de 2009

    Não sei se foge da tua proposta. Mas, como colorado, gostaria de ler uma análise tua sobre o momento atual do Inter. Porque o Tite não está conseguindo resultados? A crítica dos comentarista me parecem mutio simples como se os treinadores fossem burros. Eu acho que não é tão simples assim.

    Resposta do Cecconi: João, assim resumidamente será bem difícil. Posso te enumerar em tópicos alguns fatores – enrijecimento tático (falta de alternativas ao 4-4-2 em losango); muitos desfalques simultâneos (por lesão e suspensão); adaptação à diferença de estilo entre Nilmar e Alecsandro; decréscimo técnico de alguns atletas. É como bem diz o Tite…o Inter passa por um momento de transição, com muitas modificações, jogadores voltando de lesão (portanto, abaixo da melhor condição física), reforços forçados a estrear apressadamente…tem que esperar o “time titular” se redefinir e assentar para o time crescer de novo. Abraços.

  • EDUARDO diz: 29 de agosto de 2009

    calro que existe muita diferença técnica entre os jogadores do chelsea e o nosso inter…. mas o lado assimétrico do chelsea com om um lateral apoiador(Ashley Cole).. Já no inter o Giuliano não tem esta parceria(Danilo ou Bolivar)… PODE SER ESSE O PROBLEMA PRINCIPAL DO INTER? LEMBRO:estou falando de características de jogadores, não estou comparando a qualidade entre eles…

    Resposta do Cecconi: Olá Eduardo. Sei que estás falando das características, não comparando a qualidade – aliás, esta é a intenção do post também. E, como bem observas, realmente o Chelsea libera seus laterais – principalmente Ashley Cole, que hoje jogou com o Lampard mas vai fazer uma bela dupla com o Zhirkov. O Bosingwa também sobe na direita. Já no Inter apenas o Kleber apoia, e não é pelo lado do Giuliano. Não sei se é um dos principais problemas, mas é uma constatação pertinente. Abraço.

  • William Macedo diz: 29 de agosto de 2009

    Hoje jogaram Inter e Milan e a Inter deu banho de bola no Milan jogando no lozango. O time ficou muito bomcom o acrescimo do Sneider. Julio, Maicon, Lucio, Samuel, Chivu, Zanetti, Thiago Motta, Vieira, Sneider, Eto`o e Milito.

    Como entender o real Madrid vendendo o Sneider e o Robben cecconi? Robben fez dois gols e Sneider jogou muito e olha que mal treinaram.

    Falando domeio campo do chelsea. Não há um meio campo que saiba jogar. Gosto muito do Essien e do Lampard pois marcam muito e jogam

  • fernando diz: 29 de agosto de 2009

    post genial com meu querido chelsea. vou arriscar um prognóstico: ballack parece ter se encontrado na disposição tática do ancelotti e deve crescer nesta temporada – ainda q executando função mais defensiva. tb aposto numa boa temporada do drogba (fantástico). tenho curiosidade pra saber quem ficará pela esquerda – se malouda, mais próximo do ataque, se zirkhov, fazendo o double-side com o ashley cole ou se mesmo o lampard, com o deco pelo meio (como hj – mas eu não gosto!). abs!

  • Gustavo Frantz diz: 30 de agosto de 2009

    Olá Cecconi , sou grande fã seu, fico todo dia ansioso esperando por seus posts, queria saber se é possivel o Paulo Autuori realizar esse esquema no Grêmio com Douglas Costa fazendo a função de winger pela esquerda e Lúcio apoiando pela lateral-esquerda, com Souza na função do Deco , Tcheco na função do Balack, como volante Adílson ou Túlio e na função de Anelka o mais indicado seria Leandro mas como ele não vem mais poderia ser Herrera ou Jonas nessa função.

    Resposta do Cecconi: olá Gustavo. É um desenho bem possível. Só não tenho convicção ainda da contribuição técnica que o Douglas Costa pode dar. Sinceramente, não consigo vê-lo como titular do Grêmio. Acho que eu tenho azar, quando vejo jogo que ele entra, nunca vai bem. Abraços.

  • pacato diz: 31 de agosto de 2009

    A imagem que tenho do Anelka é aquele jogador ruim, coxa colada e pouco jogo de cintura. Não consigo imaginar ele jogando bem e aberto (!!!). A diferença do ANTIGO losango do Inter para o Chelsea são os laterais. Imagina esse esquema do Chelsea com dois laterais que não passam da bola.

  • Alberto diz: 31 de agosto de 2009

    Execelente análise Cecconi, o Ancelotti utilizava um meio campo assim no Milan com Pirlo atrás, Ambrosini pela esquerda, Gattuso pela direita e Seedorf no meio, com Kaká executando a função do Anelka. EXATAMENTE IGUAL ao que utiliza no Chelsea, e parece que o chelsea tem as peças ideiais para os pensamentos do Ancelotti, sendo pra mim o principal favorito ao titulo da EPL pois é o time mais consistente do momento. O que acha ? abração.

  • Roberto Althoff diz: 31 de agosto de 2009

    Cecconi, voce nao acha que todos os jogadores do meio-campo (essien, ballack, lampard, deco) tem condiçoes tanto de marcar quanto apoiar muito bem?
    Neste caso, para confundir a marcaçao naos eria ideal eles trocarem de posicionamento sucessivamente? Talvez jogando em linha, ou em “carrossel”?
    abraços

Envie seu Comentário