Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Tite acerta na preferência pelo 4-4-2 em losango

07 de setembro de 2009 31

O diagrama tático do Inter contra o Avaí, melhor atuação colorada no ano

O que mais se criticava no trabalho de Tite à frente do Inter, na ainda recente queda de rendimento da equipe, a partir da perda da Copa do Brasil: falta de alternativas táticas. O Inter tinha se tornado uma equipe previsível, sem novidades, facilmente marcável. O 4-4-2 em losango parecia esgotado.

Tite então sacou da manga um 3-5-2 muito bem sucedido. Com ele, a equipe goleou o Goiás. No jogo seguinte, entretanto, o mesmo 3-5-2 não surtiu efeito, e no 2º tempo a retomada do 4-4-2 em losango foi responsável pela vitória. Na véspera do jogo contra o Avaí, estabeleceu-se esta dúvida: Tite adotaria qual sistema tático como o preferencial? Em entrevista coletiva na sexta-feira, ele respondeu:

“O Inter encontrou uma forma de jogar. Os jogadores estão adaptados ao 4-4-2. Esta é a tendência”.

Bingo! Esta é a filosofia de trabalho em uma equipe vencedora. Ter um sistema tático definido, bem estruturado, introjetado pelos jogadores. E contar com uma segunda alternativa, caso encontre-se algum problema pontual, em circunstância qualquer de um jogo específico. Mas não abandonar a base tática.

Ontem o Inter venceu o Avaí e certamente proporcionou aos torcedores e críticos assistir à melhor partida colorada no ano. Com o retorno de seus expoentes técnicos, com opções no reservado, sem mais excesso de desfalques por lesão ou cartão, o 4-4-2 em losango esfacelou – acredito – eventuais resistências. Impressionou a desenvoltura dos jogadores em campo.

Os colorados pareciam que, mesmo de olhos vendados, teriam o mesmo desempenho. Cada jogador sabia exatamente o que fazer, e onde estavam posicionados os companheiros. As táticas individuais e as táticas de grupo sincronizaram-se perfeitamente. Movimentos como aproximações, passagens, tabelas curtas, passes longos, inversões, e muitas sequências de passes de primeira, foram comuns. O Avaí entrou na roda, não viu a bola, e no 1º tempo o Inter chegou a ultrapassar os 70% de posse de bola. É muito. É o controle quase absoluto da partida.

E a que se deve isso? À compreensão da base tática. Como bem disse Tite na sexta-feira: o Inter encontrou sua forma de jogar. O 3-5-2 foi bem, e é excelente contar com uma alternativa desta envergadura. Mas não se pode abandonar o 4-4-2 em losango. Pelo contrário. Ele é a primeira alternativa pelo simples fato de que seus movimentos são de notório conhecimento dos jogadores. Cada um sabe exatamente o que fazer, e o que seus companheiros estão fazendo.

Os jogadores podem, com isso, adaptar-se a qualquer função. Giuliano sabe como desempenhar a ponta-de-lança, ou o vértice direito da segunda linha; vale o mesmo para Andrezinho; Magrão saiu do vértice direito e assumiu o primeiro, como volante central, sem que a ausência de Sandro fosse sentida. Os movimentos, as táticas individuais e de grupo, estão introjetadas. Méritos à base tática, que faz prevalescer o crescimento técnico de cada jogador.

A base tática do Inter é o 4-4-2 em losango. Há uma segunda alternativa, clara, o 3-5-2. E o Inter conta ainda com uma terceira opção de sistema, as duas linhas de quatro. A esta Tite sempre recorre quando perde um jogador por expulsão. Arma duas linhas de quatro e tem um atacante à frente. No 2º tempo, ele fez isso contra o Avaí.

Alguém saberia apontar quem foi o melhor em campo ontem? Magrão? Giuliano? D`Alessandro? Kleber? Guiñazu? Fabiano Eller? Todos tiveram uma atuação de alto nível. Danilo Silva entrou arrebentando na lateral-direita. Lauro, quando acionado, salvou. Bolívar jogou pela lateral, depois foi para a zaga, e não se nota queda de rendimento, porque ele sabe o que fazer – reitero – porque este 4-4-2 em losango é a base tática, e está treinado à exaustão. Não precisa mudar.

Um detalhe, até certo ponto engraçado: domingo participei de um programa de rádio, e falei sobre o losango assimétrico do Inter. Porque assimétrico? Porque, com Giuliano, o vértice direito não está alinhado com o esquerdo (vejam o diagrama tático que ilustra o post). Giuliano sai mais que Guiñazu. Esta passagem dele é fundamental por dois aspectos: ocupa um espaço não explorado por Bolívar; e equilibra os lados, já que na esquerda Kleber está voando baixo e Taison joga por ali. Assimetria. Um termo simples, quase óbvio.

Mas minha análise foi ironizada pelo pessoal que tem aquele pensamento da “velha crônica”, que remete-se ao treinador batendo palmas na casamata, e aos jogadores “decidindo sozinhos”. Futebol não é assim. A teoria tática é peça fundamental para a análise, a compreensão e a contextualização do que está acontecendo. Tite aplica com muita ênfase seu conhecimento tático no Inter. Seus jogadores compreendem todas as funções requeridas pelo 4-4-2 em losango assimétrico (sim, é assimétrico).

Teoria tática não é um bicho de sete cabeças. Tite e seus jogadores sabem, e aplicam esses conceitos na prática. E, ainda bem, os leitores do Preleção também sabem que sem o embasamento a análise do futebol lembra o tempo do rádio à válvula.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (31)

  • ronaldo diz: 7 de setembro de 2009

    o nome da mudança é FABIANO ELLER, GIULIANO e preparo fisico pois todo time esta jogando muito olha como o kleber esta jogando timais

  • Gabriel Lopes diz: 7 de setembro de 2009

    Concordo com o Ronaldo: a mudança no Inter deveu-se à estabilização da zaga com Eller, ao fato de Giuliano ser simultaneamente armador e marcador (e um jovem com fôlego) e à melhoria geral do preparo físico do time. O 4-4-2 continua a deixar o time manco pela direita, quando Bolívar atua por lá. O lugar dele é na zaga, como zagueiro da sobra. E, com esses jogadores que estão aí, o 3-5-2 ainda é melhor opção. E o Atlético-MG perdeu no 2ºT porque se gastou todo marcando no campo colorado no 1ºT…

  • João Antônio Pinto de Oliveira diz: 7 de setembro de 2009

    O Tite tem Sandro, Magrão, Guiñazu, Giuliano, D`Alessandro, Andrezinho, etc. São excelentes jogadores, mas pelo que colocaste, não tem substituto para o Giuliano na função que ele está desempenhando. Portanto, nem sempre ser treinador é simplesmente trocar um nome por outro. Mesmo num grupo bom como o do Inter devem ser feito ajustes que parecem simples aos nossos olhos de leigos. Por isso o Carvalho deu aula ao manter o Tite. Pode não ser o melhor, mas é um bom técnico.

    Resposta do Cecconi: assino embaixo, João Antônio. Abraços.

  • Rodrigo diz: 7 de setembro de 2009

    Boa Cecconi.
    Concordo com o q tu disse..sabe.Axo q o time de ontem – mas com o edu no lugar do taison e o sorondo no time..deva ser o titular..magrao e sandro disputam uma..com o d-ále jogando o minimo q esperamos dele, o time fica um relogio…bem certinho…eles sabem jogar. A entrada do eller no time equilibro, o kleber tá jogando bem com ele, apareceu seu futebol, dah mais alternativa ao time na frente, +
    o alecsandro, eles se entendem por lah. Se manter a regularidade, seremos campeos.ab

  • João Castro diz: 7 de setembro de 2009

    Grande, Cecconi! Sempre com artigos muito bem escritos e bem fundamentados. O único porém de ontem foram as poucas conclusões do Inter. O Inter joga bonito, mas, às vezes, falta objetividade. Isso tem que ser trabalhado. O Inter tem que jogar mais verticalmente. A defesa está bem ajustada com F. Eller. Além de ser um grande zagueiro sabe jogar com a bola.

    Resposta do Cecconi: Eller vive realmente uma fase sem precedentes. Não perdeu uma bola ontem. Abraços.

  • Filipe Nunes diz: 8 de setembro de 2009

    Eduardo, não entendi o seu ponto de vista qdo diz que com Andrezinho o losango voltaria a ser simétrico. Pq vc acha que ele não jogaria mais adiantado que o Guiñazu?

    Resposta do Cecconi: Filipe, acredito no retorno da simetria porque o Andrezinho não tem a mesma capacidade de movimentação do Giuliano. Na prática, ele se movimentaria tanto quanto o Guinazu, sem chegar ao fundo como faz o Giu. Abraços.

  • Joel Cornelli diz: 8 de setembro de 2009

    Cecconi
    Quando não se tem condições de acompanhar a linha de pensamento e não se tem argumentos para o debate, a única solução é desqualificar a quem tem coragem de emitir uma opinião com conteúdo.
    Parabéns pelo trabalho e a ousadia de tentar o novo.

  • Jerônimo diz: 7 de setembro de 2009

    Cecconi, parabéns pelo Blog, de muita qualidade e muito bem escrito, apresentando claramente a teoria do futebol a nós, leigos apaixonados. Pelo que eu vejo (sem muita propriedade), o Giuliano pode fazer a ala quando o Inter ataca. Porém, quando defende, ele recompõe mais central, com Guiñazu e Magrão. Retornando Sandro à 1ª posição, o inter ganha em defensivamente, já que, a meu ver, Sandro marca mais que Magrão. Dessa forma, o Giuliano poderia ficar apenas na ala,retornando, então, ao 3-5-2?

    Resposta do Cecconi: Jerônimo, muitos colorados compartilham do mesmo pensamento que tu. Eu compreendo, mas penso da seguinte forma – não seria um desperdício tirar o Giuliano do meio?^Logo agora que o guri emplacou em qualquer das duas funções – apoiador ou ponta-de-lança? Posso estar enganado, e de repente ele na ala consiga manter o mesmo padrão de atuações. Mas o desempenho dele no meio, para mim, o qualificaria como titular do vértice direito. Abraços.

  • Fabricio Fugueiredo diz: 7 de setembro de 2009

    Cecconi, gosto do teu blog e aprendo muito sobre futebol, mas percebi que infelizmente você, como toda imprensa, escreve ao sabor do vento… ou seja, se o time está ruim o esquema é ruim e o Tite previsivel, se o time jpga bem o Tite é bom e o esquema não deve ser mudado, na minha opinião vc não é coerente. É apenas uma opinião pessoal…

    Resposta do Cecconi: olá Fabricio. Eu não entendi muito bem tua crítica. Se o time está ruim eu digo que está ruim, e se está bom eu digo que está bom…se fosse o contrário, aí sim – acredito – haveria incoerência. Eu sempre defendi, na verdade, o 4-4-2 em losango. E sempre defendi que houvesse alternativas quando ele se apresentasse engessado. Aliás, quem acompanha aqui o blog, sabe que eu sou ferrenho opositor do 3-5-2 “à brasileira”, mas no jogo do Inter contra o Goiás destaquei que o Inter foi bem porque Tite corrigiu o problema da marcação, adiantando os zagueiros. Mas respeito tua opinião. Abraços.

  • Paulo Dixon diz: 7 de setembro de 2009

    Cecconi, O Edu não poderia fazer o vértice direito… ou o Bolanhos com o pé invertido… ou ainda lançar mão de uma nova estreia/lançamento de outro dos jovens talentos (Marinho? Tales? O próprio Marquinhos) por ali, privilegiando realmente a função e não o nome… Diga ai, Cecconi.

    Resposta do Cecconi: Paulo, já cogitei o Bolaños em entrevista com Tite, e ele descartou. Ainda acho que o Bolaños saberia exercer essa função. Mas não vou discutir com o treinador, que sabe muito mais do que eu…hehehehe. Os garotos citados são mais de frente. O Edu também, é da posição do D`Alessandro. As duas únicas opções que consigo antever fariam o time sentir essa perda do Giuliano: ou Andrezinho, na troca simples, ou retornar Magrão para esse vértice, e colcar Glaydson de primeiro volante. Pena o Giuliano ter crescido tanto logo na hora em que é convocado. Abraços.

  • Mauro diz: 8 de setembro de 2009

    Veja se estou viajando: vejo o Inter ora como losango, com a bola, tocando; ora como trapézio (Giuliano e D`Ale nas pontas), com a bola, lançando, ou sem a bola; ora com três aparadores (Magrão, Giu e Guina) e D`Ale na espera da recuperação. Acho que versatilidade é o nome, e penso que Marquinhos ainda seria melhor que Bolanos, na vaga do Giu. E olha que gosto do André. Há tempos não tínhamos um zagueiro com perna esquerda, não? Acho que faz diferença na saída de bola. E parabéns pela análise!

  • Marcelo colorado diz: 7 de setembro de 2009

    Sem Giuliano, o esquema do Inter vai por água abaixo. Andrezinho é concorrente do D`Alessandro, nunca do Giuliano. Se não houver alguém da base pronto pra entrar ou alguma contratação miraculosa, o Inter vai sair da briga pelo título.

  • Lorival diz: 7 de setembro de 2009

    Caro cecconi, concordo contigo e realmente esse losango é diferente daquele de antes pois percebemos que o magrão rende melhor no 1º vértice e que os 2 “volantes-apoiadores” não estavam dando certo, pois deveria ter um meia no vértice direito para deixar o time menos capenga para a esquerda e descentralizar o D`alessandro. No entanto, vejo como maior mudança a o apoio de kléber, onde tite resolveu segurar de vez o bolívar(compensando com giuliano lá na frente) e liberar kléber. Abraços.

    Resposta do Cecconi: É verdade, Lorival. Magrão vai dar esta dor de cabeça para o Tite quando tiver Sandro à disposição. Hoje, para mim, a maior perda será o Giuliano, que estava fazendo muito bem esta compensação no lado direito. Lamentável a convocação dele. Abraços.

  • Lucas diz: 7 de setembro de 2009

    No gol do magrão é nítido que ele vê o edu se deslocando pela esquerda e então, o magrão dá uma arrancada em direção ao ataque… recebe o passe, ocupando o espaço do centroavante… gol!!!! claro, isto tudo é leitura do jogo feita pelos jogadores em campo.

    Resposta do Cecconi: exato, Lucas. Edu fez a diagonal inversa do meio para a esquerda e levou o zagueiro da sobra junto. O Magrão vi, mas acredito que tenha percebido o Edu em impedimento. E aí passou batido no espaço que não tinha mais zagueiro da sobra. Bem observado. Abraços.

  • Daniel Lubisco Pandolfi diz: 7 de setembro de 2009

    Cecconi, não concordo contigo. Na minha opinião ontem não foi a melhor atuação do Inter no ano e o esquema 4-4-2 deixa o inter com poucas alternativas. O 4-4-2 segura demais o Kléber, que joagando na lateral é um jogador comum, perde a alternativa do elemento surpresa com Índio e Eller chegando na frente e, ainda, faz com que o Bolívar tenha necessidade de fazer o que ele não sabe: apoiar. Ontem o time melhorou no segundo tempo porque teve as duas linhas de quatro, mesmo com um jogador a menos.

    Resposta do Cecconi: Daniel, respeito tua opinião. No 1º tempo o Inter teve 70% de posse de bola, mas criou pouco. Ainda assim, venceu por 1 a 0. Mas o que tu chama de “jogador comum” no 4-4-2 participou dos três gols do Inter contra o Atlético-MG – no 4-4-2, e ontem fez a jogada do 2º gol. Ele cresceu tecnicamente – “passou a má fase”, e tenho certeza que o Kleber continuará rendendo bem em qualquer dos sistemas. Abraços.

  • pacato diz: 8 de setembro de 2009

    Como disse Silas, ao final do 1o tempo: “eles tiveram a posse de bola mas não criaram nada; gol de bola parada. Disse pro time deixar tocar a bola, e marcar lá trás pra sairmos no contra-ataque veloz” E assim foi. Inter tocou a bola pra lá, pra cá e não criou nada. Gol de bola parada. Aliás, se fosse melhor o avaí saíria ganhando no 1o tempo. Jogadores rápidos, sim, mas ruins, sem estrela. Muriqui perdeu 2 gols na cara do goleiro: chute por cima e outro nas mãos de Lauro.

  • rodrigo diz: 8 de setembro de 2009

    Como sempre, post lúcido da equipe. Perguntas: e quando Andrezinho voltar? e o Sorondo? e quando Giuliano e Sandro sairem e voltarem? será q não vai rolar briga? qual os 11 pra colocar em campo? Abs!

  • Jacira Franco diz: 8 de setembro de 2009

    UAU, DEPOIS DE UMA ANÁLISE EDIFICANTE DE QUEM É MESTRE E COMPETENTE E GOSTA DO QUE FAZ COMO O CECCONI; O QUE MAIS ME RESTA A DIZER SENÃO; MUITO OBRIGADAAA DÁ-LHE TITE; ESSE CORÔA É SHOW E COM UM ELENCO QUE VAI E JÁ ESTÁ INCOMODANDO MUITOS HEHEHEHEHEH FALA QUE É NÓS; QUE VENHA O AZULÃO…
    VALEU CECCONI, ABRAÇOS

  • Marcelo Scharlau Coelho diz: 7 de setembro de 2009

    O que tu achas que vai acontecer à escalação com a ausência do Giuliano e do Sandro, convocados pra seleção? A tendência é manter o mesmo esquema e colocar o Andrezinho no vértice direito, mas ele não tem a mesma movimentação do Giuliano… Será que a maldita CBF não vai acabar nos prejudicando em mais um título esse ano?

    Resposta do Cecconi: Marcelo, é um prejuízo irreparável a convocação do Giuliano. Confesso que não sei ainda como Tite vai manter esta movimentação caso Andrezinho jogue por ali. O losango vai se tornar novamente simétrico, e vai perder a profundidade das jogadas do Giuliano. Abraços.

  • Felipe colorado 1.a divisao diz: 7 de setembro de 2009

    O Inter nao tem jogadores para jogar no
    4-4-2.O Bolivar e zagueiro e o Kleber e
    ala.Tres zagueiros e o esquema correto.
    Tem que ter um zagueiro de pe esquerdo
    para substituir Fabiano Eller.

  • Pedrão3 diz: 7 de setembro de 2009

    Eduardo, parabéns pelo Blog por todo o trabalho. Seguinte, supondo que Giuliano e Sandro saiam mesmo para a sub-20, quem poderia fazer a do Giuliano? A do Sandro, Magrão está fazendo bem. Adiantá-lo novamente será um erro imenso. Andrezinho não tem a mesma movimentação e qualidade do Giuliano, Glaydson menos. Então, quem poderá ocupar esse espaço com qualidade?

    Resposta do Cecconi: Pedrão, o Magrão está tão bem na primeira função que não vejo o Sandro voltando como titular absoluto. Teria de brigar muito pela posição. Não é fácil ver um primeiro volante dar um pique de 50 metros aos 35min do 2º tempo e marcar um golaço. Sobre a do Giuliano, o problema seria grave. Ele é muito mais móvel do que o Andrezinho. A função poderia sim ser executada pelo Andrezinho, mas se perderia esta mobilidade intensa do Giuliano, que está jogando demais. Problemaço para o Tite. Abraços.

  • Jonas Rafael diz: 8 de setembro de 2009

    Há algum tempo todo mundo concordava que Magrão era muito lento pra atuar como primeiro volante. O que mudou em relação a isso na na tua opinião?

    Resposta do Cecconi: Jonas, eu não pensava dessa forma, mas acredito que mais pessoas vêem no Magrão um primeiro volante de qualidade pelas atuações recentes dele. O desempenho positivo do Magrão nesta função derruba qualquer tese em contrário. Abraços.

  • Julio Domingues diz: 7 de setembro de 2009

    Cecconi acho q no plantel atual existe apenas um jogador capaz de realizar a função de Giulianno , pois tem velocidade apoia como ninguém e é originário da meia além do introsamento (as vezes até de exagerado com o d`ale ) pra mim seria Taison recuado para o meio e colocaria o Edu ao lado do Alecsandro , atraz jogaria com sorondo ,Eller e Bolivar como falso Zagueiro protejendo a lateral direita . O q vc acha , sei q Taison ja foi testado ali mas faltou repetição, deixa ele livre para flutuar.

    Resposta do Cecconi: Júlio, é uma boa perspectiva. Eu ainda defendo que o Bolaños deveria ser testado ali, até porque o Taison – acredito – quer ficar na briga no ataque. Mas é uma alternativa, sim. Abraços.

  • valério laureano diz: 7 de setembro de 2009

    Edu Fica frio com as ironias.Isso significa que acertaste e que tuas observações estão corretas. Faz muito tempo que a crônica esportiva gaúcha não se renova. Com raríssimas exceções, são os enganadores de sempre, com mais de 30 anos de profissão ou, então, alguns “novos” que, infelizmente, pensam (ou fingem que pensam) igual. E assim a panela se perpetua. Segue em frente Edu. Pensa pela tua cabeça. Abraço Valério

    Resposta do Cecconi: valeu, Valério! Abração!

  • Adriano diz: 7 de setembro de 2009

    perfeito seu post, a gente aprende mto com suas analises. venho aqui pra te dizer q eu andava malhando o tite, mas botei minha cabeça pra pensar e cheguei a essa conclusão: qdo ele acerta o time comessam as estripulias! onde ja se viu a cbf nos tirar na reta final 2 jogadores? ja nos ferraram na copa do brasil e no brasileiro vai ser igual, vc viu o jogo do porco como foi? penaltezinho arranjado e tudo!! tá loko vamo pega essa VAGA PRA LA2010 q tá bom demais…

  • joao antonio diz: 7 de setembro de 2009

    o andrezinho jou bem na sul americana,na posiçao que giuliano esta exersendo agora!!!
    so para lembrar

  • Alexandre de Santi diz: 7 de setembro de 2009

    Cecconi, acho o Inter está jogando num falso 4-4-2. Sem querer desmerecer a tua tese, que está ótima. Mas não consigo enxergar 4 jogadores atrás. Desde o 2º tempo contra o Atlético-MG, o Guiliano virou praticamente um ala. O Bolívar não sobe. Kléber voa pela esquerda, quase nunca é visto dentro da área do Inter. Se um estrangeiro mal informado ver um jogo do colorado, capaz de chamar o esquema de 3-5-2. O Tite encontrou uma ótima fronteira entre os 2 esquemas. Eu vejo 3 zagueiros. Abs!

    Resposta do Cecconi: fala meu bruxo. Compreendo tua análise. É que há algumas diferenças entre o 4-4-2 e o 3-5-2. O sistema de marcação, por exemplo. No 4-4-2 o Bolívar marca por zona, pelo lado. Já no 3-5-2, se ele fosse um zagueiro pela direita, marcaria individualmente o segundo atacante adversário. Ele “não afunda”, como fala o Tite. Marca só lá no lado dele, por zona. Acredito que a diferença seja realmente técnica. Quando joga o Danilo Silva pela direita, no lugar do Bolívar, ele apoia. Mesmo ficando na base sem a bola, ele apoia – ontem ele decolou na direita, enquanto o Bolívar não consegue subir. Eu, na verdade, acredito que o Danilo Silva deveria ser o titular da lateral-direita.

    Te cito como exemplo o Manchester. Também atua com linha de quatro atrás. Um zagueiro pela direita – O`Shea, ou Brown. E um lateral-apoiador na esquerda. A mesma coisa. Na direita o cara não avança, mas marca pelo lado. E na esquerda o Evra faz linha de fundo o tempo inteiro.

    Mas, respeito tua observação. E valeu pela contribuição aqui no blog. Abraços!

  • Roberto Nehme diz: 9 de setembro de 2009

    Cecconi, com a ida de Sandro e Giuliano para selção, você acha que o inter deve manter o 4-4-2 mesmo que o Giu não tenha substituto no grupo ou você acha que pode mudar para o 3-5-2 com o D`ale o Guinha e Magrão no meio?

    Resposta do Cecconi: tem que manter a base do 4-4-2, Roberto. Tite já está pensando em como compensar a ausência dele sem mexer no sistema tático. Abraços.

  • William Vidal diz: 10 de setembro de 2009

    Baita Post!
    Parabéns pelo trabalho!

  • Maurício diz: 9 de setembro de 2009

    Cecconi, gostaria de sua opinião sobre utilizar o Arilton (lateral/ala contratado junto ao coritiba) no vértice direito do losango quando em 442 e na ala direita quando em 352. Até hoje este jogador foi muito pouco utilizado mas pelas que pelas características que dizem que ele possui, ele não substituiria bem o Giuliano enquanto este estiver na seleção? Um abraço, e parabem pelo post.

    Resposta do Cecconi: Maurício, acho que o Tite nem cogita isso. Não sei se o Arílton poderia cumprir essa função. Eu preferia que o Bolaños fosse testado ali. Abraços.

  • Preleção » Arquivo » Cuca resgata o 4-4-2 em losango no Cruzeiro diz: 9 de setembro de 2010

    [...] do 4-4-2 em losango. O desenho do meio-campo pode ser considerado “assimétrico”, como já fizeram Tite no Inter e Carlo Ancelotti no Chelsea. Conceito geométrico que se aplica em função do desalinhamento [...]

Envie seu Comentário