Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Mourinho do Italiano x Mourinho da Champions

29 de novembro de 2009 8

Diagrama tático da Inter de Milão que venceu a Fiorentina por 1 a 0, neste domingo

Já falei aqui no blog Preleção várias vezes sobre o livro “Mourinho: o porquê de tantas vitórias” escrito por quatro jornalistas portugueses, que dissecam o método de trabalho do hoje técnico da Inter de Milão. Nele, Mourinho afirma que trabalha apenas com dois sistemas táticos: o 4-3-3 – seu predileto, por considerá-lo o que faz a melhor ocupação de espaços – e o 4-4-2 com meio-campo em losango.

Na Inter, Mourinho adotou o 4-4-2 em losango. Recorre ao 4-3-3 apenas em circunstâncias de exceção. Como hoje, vencendo a Fiorentina em casa por 1 a 0 com um interessante equilíbrio de ações na escolha dos jogadores. A Inter, com a mudança para os três atacantes, voltou a jogar futebol.

No 4-3-3, Mourinho desenhou um triângulo de base alta no meio-campo. Cambiasso foi o vértice defensivo, com Stankovic na direita e Muntari na esquerda, de armadores. E na frente, ele optou por um ataque de dois centroavantes – Eto`o pouco à esquerda, e Diego Milito centralizado (às vezes, ambos trocavam de posição). E Quaresma muito aberto pela direita.

O equilíbrio se deu da seguinte forma: Mourinho “segurou” Stankovic, atribuindo a ele a distribuição das jogadas. E “soltou” Muntari para o apoio pela esquerda. Essa estratégia compensou a utilização de um atacante aberto pela direita. Quaresma foi quase um ponta, municiando os dois centroavantes. E Muntari fazia a passagem pela esquerda, aproximando-se de Eto`o quando o camaronês abria pelo lado.

Para não perder a segurança sem a posse de bola, Zanetti e Chivu foram laterais marcadores. Muito presos à base da linha defensiva. Somados a Cambiasso e aos zagueiros, eram cinco jogadores de bloqueio constante, com outros cinco apoiando.

Essa mudança, para um jogo em casa pelo Campeonato Italiano, explica um pouco o grande sucesso de Mourinho à frente do Inter no Nacional, e os recentes fracassos na Liga dos Campeões. Existem dois Mourinhos. O treinador português adota uma postura no Italiano – ofensiva, de “time grande”, requerendo o protagonismo de cada partida, com posse de bola e objetividade; e outra postura na Champions – cauteloso em excesso, quase defensivista, burocrático e pragmático.

Contra o Barcelona, fora de casa – pela Champions – a Inter perdeu por 2 a 0 jogando no 4-4-2 com três volantes no losango: Cambiasso, Zanetti e Thiago Motta. A Inter não teve nenhuma posse de bola, nem velocidade na transição ofensiva. Simplesmente, deixou o Barça bater, aceitou o domínio, e foi a nocaute. E hoje, no Italiano, escalou a equipe no 4-3-3 com apenas um volante. Uma mudança radical de estrutura tática e de estratégia.

Talvez se o Mourinho do Italiano começar a treinar a Inter na Champions, a multicampeã nacional possa enfim, sob o comando do técnico português, vencer também no continente.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (8)

  • Marcelo Padilha diz: 29 de novembro de 2009

    Não são 4 jornalistas, são 4 graduados em educação física com especializações em futebol na Universidade do Porto.

  • Gustavo F. Barbosa diz: 29 de novembro de 2009

    Acredito que ambos se entenderam errado. Está coerente e concordo com algumas de tuas colocações que são inteligentes.Não quis dizer que está sem coerência.Porém há de admitir,quando cita que de uma forma se joga como time grande fica implícito que da outra forma joga como time pequeno,a isto me referia.O fato de jogar com 3 volantes contra Barcelona não foi determinante para o resultado.Poderia jogar como hoje e se repetissem os erros de passe e transições o jogo seria o mesmo ou quase. Abraço

  • Fernando diz: 30 de novembro de 2009

    Edu, o time titular idealizado pelo Mourinho é: JC, Maicon, Lucio, Samucao e Chivu, Cambiasso, Zanetti, Stank e Sneijder; Eto`o e Milito. Com o Maicon em campo, o Zanetti muitas vezes cobre a lateral, pois o Maicon apóia demais. E o Quaresma em campo é mais uma tentativa de acreditar no sobrenatural de almeida, pois o atleta citado ja teve N chances e as desperdiçou.

  • Robson Mendes diz: 30 de novembro de 2009

    Cecconi sempre acompanho as suas analises e acho excelentes e eu gostaria de lhe pedir que vc fizesse uma analise tatica comparando o Flamengo dos anos 80 com o Flamengo do Andrade, sem entrar em comparações de jogadores, somente posicionamento, gostaria de ver oq o Andrade tem nesse Flamengo q ele pode ter usado como escola quando era jogador.

  • Robson Bonadeo diz: 29 de novembro de 2009

    a para cecconi…tatica eh importante sim,mas nao mais que a qualidade de jogo…a verdade eh que nem querendo a inter ganha do barça,nem com 4-3-3 nem com losango…eh bem grande a diferença dos dois times…e o futebol italiano esta cada vez mais fraco…juventus perde pra bordeaux,milan nao ganha de olimpique…campeonato italiano nao eh base pra nada,me desculpa..os times sao horrorosos…dizer que o 4-3-3 da inter eh maravilhoso pq ganha de 1 a 0,da “poderosa”fiorentina”.eh demais

    Resposta do Cecconi: Robson, o blog é sobre teoria tática. É só um debate. Se supremacia técnica de jogador fosse a suprema definição do futebol, como tu me explicaria o Barça com seus talentosos jogadores neste 4-3-3 que tu me sugere quase imbatível perder para o Rubin Kazan em casa? Os jogadores do Rubin são melhores tecnicamente, então? Não né. Outra coisa, não lembro de ter dito que o 4-3-3 da Inter é maravilhoso. Só comparei duas situações e fiz uma contextualização. Podes discordar, mas sem “ficar brabo”. Abraços.

  • Gustavo F. Barbosa diz: 29 de novembro de 2009

    Hoje a ausência de Maicon, Sneijder e Santon foram determinantes para adoção desta estratégia.Com Maicon no time cria-se a necessidade de compensação defensiva,isto é fato.Gosto mais do time no 4-3-3 mas contra o Milan, por exemplo utilizou o 4-4-2 Losango. Resultado 4×0 para Inter.Generalizar postura e determinar,em função dos 3 volantes que o time joga como time pequeno não me parece análise consciênte. É muito importante pensar no contexto, no adversário. Abraço.

    Resposta do Cecconi: olá Gustavo, não lembro de ter dito que a Inter joga como time pequeno. Só evidenciei duas diferenças de estratégia, contextualizando com argumentação e consciência. Podes não concordar com minha opinião, mas não há inconsciência nem descontextualização ali. Abraços.

  • Vinicius diz: 23 de abril de 2010

    Acho que o mestre andou lendo o blog HUAHUEAHUEAHUAHUAUHAHUHUA
    porque d eum tempo p´ra cá veio usando o 4-3-3 com postura mais ofensiva na UCL, demorei pra postar isso porque queria ver se era só naquele jogo contra o Chelsea em especial ou se ele ia fazer isso direto

  • Vinicius diz: 23 de abril de 2010

    tinha comentado mas deu erro o.O HUAHUAHUA

    acho que o mestre andou lendo o blog, lol HUAHUAHUA
    de um tempo pra ca começou usar o 4-3-3 na UCL tambem, eu demorei pra fazer essa brincadeira porque achei que ele ia fazer isso só naquele jogo com o Chelsea

Envie seu Comentário