Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

O 3-5-2 do Fluzão

02 de dezembro de 2009 16

Diagrama tático do Fluzão no 3-5-2

O time que contagiou o Brasil no segundo semestre é o Fluminense. E no 3-5-2, sistema tático pelo qual não tenho predileção. Ainda assim, é justo fazer esta análise para mostrar que não tenho preconceito contra este sistema, e que há bons exemplos. A questão principal é saber qual o segredo do Fluzão de Cuca.

No 3-5-2, o Fluminense não pratica o Muricybol. A articulação da equipe não se resume à ligação direta da defesa para o grandalhão da frente. E nem as oportunidades de gol surgem de jogadas aéreas em cobranças de faltas ou escanteios. O Fluminense está jogando bola, pelo chão, com excelente sincronia de movimentos, muita variação no repertório ofensivo, infiltrações, passagens…enfim, o Fluzão joga futebol.

O desenho tático é típico do 3-5-2 brasileiro. Três zagueiros fixos, meio-campo em triângulo de base baixa – dois volantes e um meia no vértice – um atacante de mobilidade e um centroavante de referência, e dois alas ofensivos abertos pelos lados. Na teoria, nada muda na comparação com o posicionamento inicial de outras equipes que atuam no mesmo sistema.

Há algumas características do Flu que podem ser destacadas, porém. Conca, por exemplo, é um articulador nato. Camisa 10. Pede o jogo. O restante do time procura Conca para que ele dê início às jogadas. Diguinho, volante pela direita, faz a passagem pelo lado, como um apoiador - momento no qual Diogo centraliza na cobertura – acrescentando mobilidade ao setor.

Maicon é um atacante que joga pelos dois lados, e durante toda a partida varia da direita para a esquerda. E Fred, ao invés de ser “o grandalhão”, é um centroavante participativo e técnico, que busca o jogo no meio-campo, participa das tabelas curtas com Conca e Maicon, e finaliza com muita qualidade.

Mas o principal elemento não é tático, nem técnico. Foge um pouco ao debate do blog Preleção. Mas é justo que receba o crédito. Empenho, que pode ter como sinônimos intensidade, entrega, comprometimento, garra, disposição, energia.

É com toda esta vibração que os jogadores do Fluminense compensam a ocupação de espaços deficitária do 3-5-2 brasileiro. Com alas abertos, o meio que teoricamente ficaria desguarnecido com apenas três jogadores, conta com Diguinho, Conca e Diogo preocupados em correr e preencher estes espaços. Vale o mesmo para Maicon e Fred, que recuam e avançam com a mesma intensidade. E para os alas. E para os zagueiros.

É uma política de compensação. Os problemas de posicionamento são atenuados pela mobilidade constante de todos. É um raro exemplo de 3-5-2 brasileiro compacto. Esta é a palavra, acredito. Cuca encontrou uma maneira de tornar um sistema com três zagueiros e alas abertos compacto. Os jogadores estão sempre próximos, agrupados, tanto na marcação como na transição ofensiva.

E as equipes compactas fecham espaços na defesa, e ocupam espaços desguarnecidos na frente. É um curto espaço de tempo, e com extrema urgência por resultados de recuperação. Não sei se o Flu conseguiria manter este alto desempenho por longo período, aplicando intensidade como compensação no 3-5-2. Mas está muito bonito de se ver o Fluzão jogar.

Torço pela sua permanência na primeira divisão. E hoje torço pelo milagre do título da Sul-Americana, contra a LDU, no Maracanã lotado, em mais um show da torcida que injeta toda esta vibração com a qual o Fluzão contagia o Brasil.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (16)

  • Rui diz: 3 de dezembro de 2009

    Mas na final o Flu veio diferente. Ví um 4-3-3, 2 volantes, 1 meia, 2 pontas em cima dos laterais e o Fred centralizado. No primeiro tempo acredito que a LDU mostrou como não se deve marcar quando se joga em duas linha de 4, sem falar que o time abriu mão de jogar. No segundo tempo o Fossati corrigiu, mandou o time jogar um pouco mais e acertou a marcação. Já o Cuca no intuito de aproveitar as costas dos 2 volantes colocou mais um meia, porém era o “grande” Ruy “gênio”.

  • Alberto diz: 4 de dezembro de 2009

    Excelente análise Cecconi, só discordo um pouco quanto ao posicionamento dos volantes quando o Fluminense tem a bola, o Diguinho avança mais pelo meio e não pelo lado direito. O Diogo já raramente avança, toca para os alas ou para o Conca na maiora das vezes. É isso, abraço.

  • Nelson diz: 3 de dezembro de 2009

    Muito bom mesmo, Eduardo.

    Perfeita análise, principalmente na comparação com o Burricy, onde a diferença é o Flu tenta jogar bola…

    O 3.5.2 por excelencia faz os jogadores correrem mais,e até minha vózinha já sabia, que deve correr mais é a bola e quem faz a bola correr mais (com objetividade) é que tem mais chance de ganhar o jogo !
    Abomino o 3.5.2, tira um meio-campo prá colocar zagueiro ! Santa burrice…

  • antonio diz: 2 de dezembro de 2009

    concordo contigo em tudo cecconi, nao sou admirador do 3-5-2, e acho que uma linha de 4 na defesa da mais equilibrio ao time independente da formaçao do meio pra frente, mas o fluminesnse esta surpreendendo… só como correçao: digao e maicon nao jogaram os ultimos jogos, pois estao machucados, e quem vem jogando é o cassio na zaga e alan no ataque… parabens pelas boas analises sempre, raramente comento pq assino embaixo sempre e nao tenho nada a acrescentar, haha abraço obs.: conca é craque

  • Luiz Carlos Knopp diz: 2 de dezembro de 2009

    Cecconi, independente do esquema tático utilizado, para mim o mais importante foi retirar da equipe um zagueiro lento e ultrapassado: Luis Alberto.

  • antonioa_ra@hotmail.co, diz: 2 de dezembro de 2009

    concordo contigo em tudo cecconi, nao sou admirador do 3-5-2, e acho que uma linha de 4 na defesa da mais equilibrio ao time independente da formaçao do meio pra frente, mas o fluminesnse esta surpreendendo… só como correçao: digao e maicon nao jogaram os ultimos jogos, pois estao machucados, e quem vem jogando é o cassio na zaga e alan no ataque… parabens pelas boas analises sempre, raramente comento pq assino embaixo sempre e nao tenho nada a acrescentar, haha abraço obs.: conca é craque

  • Catimba diz: 2 de dezembro de 2009

    Funciona principalmente graças ao talento do Conca e do Fred! Os dois estão no auge e voando! O Grêmio precisa de um meia como o Conca! Se mandasse embora Souza e Herrera pagava o salário dele de barbada e ainda sobrava.

  • Rui diz: 3 de dezembro de 2009

    Continua… Em função das 2 linha de 4 da LDU, Diguinho ficou com a missão de vir de trás carregando a bola e distribuir o jogo. Ele não fugiu dessa responsabilidade e na minha opinião fez uma baita partida. Quem ficou devendo foi o Conca que não tirou proveito do fato de estar jogando nas costas dos volantes e com a marcação indefinida.
    De qualquer maneira vale destacar a luta do Fluminense, com raça e determinação os caras estão jogando muito!

  • Filipe Nunes diz: 2 de dezembro de 2009

    E, portanto, dando continuidade, no Palmeiras, a um sistema campeão no SPFC, ficou claro que este é realmente o predileto, faz parte da filosofia dele, INDEPENDENTE do material que tem em mãos.

  • Filipe Nunes diz: 2 de dezembro de 2009

    Concordo com a maioria das suas opiniões sobre futebol e com grande parte do post. Além disso, aprendo muito, diria até que, a cada 2 ou 3 posts, aprendo algo diferente. Mas qdo vc diferencia o Muricybol com o 3-5-2 do Cuca me pareceu que só faltou ao Muricy, o Fred e o Conca, pra que o estilo antigo sumisse. Suspeito que não seja essa a sua opinião. Penso que o Palmeiras é a grande mostra de que com um elenco diferente, incapaz de jogar “à la Muricy” é impossível fazer dar certo esse estilo.

  • Renato Zanata diz: 2 de dezembro de 2009

    Parabéns mais uma vez, mestre Cecconi!
    Vale registrar que “nasci” Flamenguista,mas acima de tudo gosto de Futebol, por causa do “Bom Futebol F.C”.E este time do Fluminense treinado pelo Cuca no seg.semestre está me enchendo os olhos, demais!
    O Conca está provando que não funciona apenas como coadjuvante de “Tiagos Neves”,não! Ele tem sido mais produtivo dentro e fora do campo,que o brasileiro foi no ano passado.
    Maravilha de post mestre,aprendo muito contigo!
    Abraço PINCHARRATA, Zanata

  • Francisco Duarte diz: 2 de dezembro de 2009

    Como carioca, que mora no Sul há mais de 3 anos aprendi que o melhor blog de tática do país é o seu Eduardo. Por isso, peço a todos da RBS… por favor tirem o esses horrorosos (…) e seja comentarista oficial da emissora!! O seu conhecimento tático só se iguala ao PVC!! Excelente!!

  • vinicius diz: 2 de dezembro de 2009

    eduardo, por favor analisa como o flu vai jogar hoje, precisando do resultado, com tres atacantes e dois zagueiros. abraço.

    Resposta do Cecconi: Vini, essa análise já foi feita, com base na partida contra a Universidad de Chile. Chama por Fluminense na busca do blog que vais encontrar. Abração!

  • Fabio M diz: 2 de dezembro de 2009

    Não acha, Cecconi, que muitos técnicos viram reféns do 3-5-2 porque seus meias ofensivos não voltam para recompor a defesa como os wingers costumam fazer na Europa?

    Na Inglaterra mesmo Kuyt, Ronaldo (na época), Lennon, Malouda e outros voltam pra marcar até o campo de defesa. Acho inimaginável vermos Conca, Petkovic, Madson e outros voltarem pra marcar. Só o Diego Souza costuma fazer isso.

    Assim é uma forma de recompor a marcação e não deixar o adversário em vantagem numérica.

  • Fagner diz: 3 de dezembro de 2009

    Eduardo muito boa tua análise, pena a RBS não ter um comentarista qualificado como você, e teimar com Maurício Saraiva por favor este não tem como aturar.

  • Elton diz: 2 de dezembro de 2009

    Todos pelo fluzão hoje.
    Vai haver analise dos classicos europeus
    do fim de semana?

Envie seu Comentário