Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

O 4-3-3 do Cruzeiro contra o Real Potosí

04 de fevereiro de 2010 20

Hoje abro uma série de posts sobre os brasileiros na Copa Libertadores falando sobre o Cruzeiro. Fica até difícil se basear no diagrama tático que ilustra o post, apontando o posicionamento inicial dos jogadores do Cruzeiro na vitória de 7 a 0 sobre o Real Potosí, ontem, pela Libertadores. Houve muita movimentação, trocas e inversões de posicionamento, obedecendo a uma proposta ofensiva avassaladora.

Adilson Batista adotou o 4-3-3 para massacrar o frágil time boliviano. E acertou. Além dos sete gols, poderia ter marcado outros sete. Ou mais. Ao sistema tático naturalmente ofensivo, soma-se uma estratégia que reúne linhas adiantadas, apoio dos laterais, avanço dos meias, e incessantes trocas de posição do meio para a frente.

Originalmente, o meio-campo teve Elicarlos com vértice de um triângulo com base alta. Henrique – pela direita – e Marquinhos Paraná – na esquerda – foram os apoiadores, marcando sem a bola e articulando com ela. No ataque, Kleber começou pela esquerda, com Wellington Paulista centralizado, e Thiago Ribeiro na direita. Mas não foram poucas as vezes em que Kleber ingressou pelo meio, tendo T.Ribeiro na esquerda, e W.Paulista na direita. Assessorados por Elicarlos, recuando Henrique…um repertório extenso de variações e de movimentos sincronizados.

É evidente, entretanto, que este 4-3-3 com dois meias adiantados e laterais com liberdade para apoiar não será o usual do Cruzeiro em 2010. A circunstância pediu, Adilson Batista foi inteligente em perceber que seria viável. Acredito que o sistema tático preferencial permanecerá o 4-4-2 em losango no meio-campo, conforme diagrama abaixo:

Nesta formação, Fabrício assume o vértice primeiro, protegendo os zagueiros, e Gilberto substitui um dos atacantes, como ponta-de-lança. Também pode ser Roger, recém-contratado, o escolhido para desempenhar esta função. Na frente, suponho que Thiago Ribeiro deixe o time, mas Adilson deve ter apenas Kleber como titular absoluto, escolhendo entre o velocista T.Ribeiro, ou entre o centroavante W.Paulista, conforme as características do adversário.

Comentários (20)

  • Marcelo Barboza diz: 4 de fevereiro de 2010

    O adversário era muito fraco, mas foi bonito de ser os três atacantes. Eu queria ter vivido a década de 40 e 50 onde os times jogavam com 5 jogadores no ataque, devia ser uma maravilha. Se os grandes times jogassem pensando em fazer gols e não ficar na defesa querendo não perder, o futebol seria muito mais bonito. Sei que hoje eles jogam por resultados, mas o futebol de antigamente era muito mais agradável para nós torcedores. Viva o 4-3-3 do Cruzeiro! Pena o Adilson Batista ter dito que não usará mais, disse que o jogador brasileiro não tem cabeça pra jogar num esquema assim onde todos tem que marcar.

  • Felipe Corbellini diz: 4 de fevereiro de 2010

    Concordo contigo Cecconi em relação ao losango que deve ser adotado pela equipe do Cruzeiro, mas, não me surpreenderia se continuasse o esquema 4-3-3, pois, mesmo tendo um triângulo com base alta, tanto o Marquinhos Paraná quanto o Henrique são volantes de origem, mas com muita qualidade para chegar à frente, porém acredito que nesse esquema falta um meia de qualidade, no caso Gilberto ou Roger, o que me faz concordar novamente consigo que o losango no meio é o que será utilizado. Abraço

  • Guillermo Martinez diz: 4 de fevereiro de 2010

    Cecconi,

    tu não acha que o Grêmio poderia jogar neste esquema?
    no meio com adilson, maylson e douglas…
    e na frente jonas (esquerda) borges (centralizado) e leandro (direita)
    considero uma boa opção.

  • Gustavo F. Barbosa diz: 4 de fevereiro de 2010

    Adílson disse que foi circunstancial, o que é uma pena. Gostaria de ver o Cruzeiro pensado em 4-3-3. Tem jogadores para isto e acredito fortemente ser um esquema que usaria mais o potencial de alguns jogadores como Guerrón, além de ser um equema de mais fácil assimilação, eficiência e beleza de jogo. Obviamente um modelo mais equilibrado, mas seria um Cruzeiro mais forte neste 4-3-3.
    Quanto ao esquema padrão, discordo. Vejo o Cruzeiro no 4-4-2 com meio campo em quadrado.
    Com 2 volantes Fabrício/Henrique e M. Paraná e dois jgadores à frente, Gilberto e Pedro Ken/Henrique/Bernardo. Adílson é treinador de 4-4-2 quadrado.

    Grande Abraço.

  • Capitão Al diz: 4 de fevereiro de 2010

    Esse desenho tático é o que o Internacional de 75 usava. Sob a batuta de Rubens Minelli e o suporte inigualável de Gilberto Tim, aquele time assombrou o Brasil. O Barcelona de hoje, me parece, salvo equívoco, jogar sob a mesma disposição tática. Alguns teimam em dizer que o 4-3-3 está morto….e o Internacional de hoje, com o plantel que tem, poderia jogar nessse esquema também, seguramente. Alguém se habilitaria a montar um time colorado, hoje, nesse padrão?

  • Thomas diz: 4 de fevereiro de 2010

    Mostra essa tática pro Silas, dá pra montar o Grêmio assim, só precisa informar os meias que eles precisam marcar tb, aí funciona, imagina o Grêmio jogando com Victor; Mario, Rafa Marques, Mauricio, Lucio(Fabio Santos); Rockembach(pra ficar protegendo a zaga) Douglas e Maylson; Leandro, Jonas e Borges fazendo o Pivo, acho que seria uma boa, o que vc acha?

  • Yuri diz: 4 de fevereiro de 2010

    Cecconi eu não pude ver o jogo do cruzeiro apenas os melhores lances e mesmo assim não consegui decifrar o esquema tatico pelos mesmos olha só um amigo que olhou me falou o seguinte que o cruzeiro jogou em um falso 3-4-3 eu porem não entendi tu podes confirmar que existiu qualquer variação para esse sistema?? e se realmente ocorreu poderia me explicar como foi essa variação no mais um grande abraço otimo trabalho e me perdoe o encomodo meu amigo parabens pelo otimo blog estou pensando em fazer alguns cursos de tecnico tb moro em brasilia vc poderia me indicar alguma coisa??

  • Yuri diz: 4 de fevereiro de 2010

    Não me entenda de forma errada eu quero fazer faculdade de tecnico porem sei que não serei um profissional do ramo a não ser que a sorte esteja ao meu lado rsrs porem quero fazer para aprender ter maior conhecimento e tal não sei se me entende um abraço amigo

  • Guilherme Accetta diz: 4 de fevereiro de 2010

    O Tite usava esse modelo de losango na sua passagem pelo Inter. A diferença essencial é que ele não tinha nas mãos um lateral da qualidade do Jonathan.

  • Thomas Thorun diz: 5 de fevereiro de 2010

    Gustavo F. Barbosa,
    Sou cruzeirense e afirmo com toda propriedade que o esquema utilizado pelo adilson desde que o mesmo ingressou no Cruzeiro é o 4-3-1-2, ou seja, o meio campo tem sim três volantes.
    No caso eles devem ser Fabrício, M. Paraná e Henrique, sendo o Gilberto(Roger) o meia.
    O Pedro Ken chegou ao Cruzeiro mas o mesmo vem sendo usado como volante, apesar de também ter a característica de meia. E o bernardo é reserva. Claro que o Adilson vez ou outra varia a formação tática e faz rodízio de jogadores, principalmente na disputa do estadual… isso vai muito do adversário e principalmente ele costuma alterar a formação tática no decorrer dos jogos. Mas no geral, o esquema PADRÃO e o mais utilizado é o 4-4-2 com três volantes, embora ele ja tenha utilizado em alguns jogos o 3-5-2 (eu particularmente não gosto desse esquema no Cruzeiro), o 4-4-2 com 2 meias, o 4-3-3 e até o 4-2-4 nesse ultimo jogo contra o potosí, no segundo tempo… mas claro isso foi devido à fragilidade do adversário…
    pra um time jogar bem em um esquema extremamente ofensivo como o 4-3-3 os atacantes tem que ter uma noção muito boa de recomposição defensiva, por isso esse esquema não tem dado muito certo no Brasil…
    A grande verdade mesmo é que esse Cecconi deve ter acompanhado muitos jogos do Cruzeiro, pois falou com muita propriedade acerca da nossa equipe.
    Abraços a todos

  • AILSON GAMARRA diz: 5 de fevereiro de 2010

    Sem dúvida foi uma partida muito boa do Cruzeiro. Mesmo enquanto estava 0 x 0 o time teve calma, variou as jogadas, teve toque de bola, inversões, movimentações. Tanto que no gol que na minha opinião foi do Wellington Paulista, quem estava lá conferindo era o M. Paraná, infiltrando às costas da zaga e chegando para receber. Mais uma vez Adilson arma o time com inteligência, e ganha o jogo. Mas principalmente porque tem um elenco com jogadores extremamente qualificados e inteligentes, que sabem ‘ler’ o jogo e jogar conforme a variação que seu treinador pede a eles, com posicionamentos e movimentações precisas. Dentre eles citaria M. Paraná (o Tinga do Cruzeiro), Henrique, Jonathan e Elicarlos.

  • eusebio diz: 5 de fevereiro de 2010

    Eduardo,

    Vejo muito preconceito do pessoal sobre o esquema 4-3-3, vi gente falando que só contra o POTOSI pode se usar toda essa ofensividade, porem ano passado o CORINTHIANS com TRES ATACANTES foi campeao Copa do Brasil. Incluindo o RONALDO GORDO que pouco marca e 2 volantes e um meia-armador enquanto o Cruzeiro jogou com tres volantes ontem!

    BARCELONA campeao espanhol e da UCL
    CHELSEA campeao Ingles
    CORINTHIANS campeao da copa do brasil
    BOCA JRs acho que foi campeao com o 4-3-3 em alguma libertadores tambem, isso teria que verificar.

  • Vanderson diz: 5 de fevereiro de 2010

    Cecconi, peço a sua permissão para um ‘off-topic’ aqui: Muricy Ramalho deu uma longa entrevista a um site palmeirense. O técnico fala como nunca falou antes a ninguém da imprensa. Talvez seja do seu interesse e também do pessoal aqui. O link é:

    http://tinyurl.com/ykkk3op

  • Samuel Ritter diz: 5 de fevereiro de 2010

    Eu assisti ao jogo e digo que esse ano o Cruzeiro é o favorito ao título da Libertadores. Não vou dizer que o Adilson é o melhor técnico do mundo, mas o biotipo dos jogadores cruzeirenses é espantoso. Os caras são altos, rápidos e fortes. Somando isso a eficiência de alguns jogadores como Jonatan e Kleber (que estava extremamente fora de forma nesse jogo), temos um time muito perigoso na frente e seguro atrás (Fábio é um bom goleiro).

  • Leonardo diz: 5 de fevereiro de 2010

    Vendo esses comentários, faz me ter certeza de uma coisa: o campeão da llibertadores não será brasileiro. Quem ganha campeonatos, sempre é um time equilibrado, ainda mais copas na américa do sul, onde a malandragem e a catimba anulam uma possível superioridade técnica (na europa isso não existe, por isso a facilidade de um time como o barcelona ganhar – vide o sufoco que Chelsea e Estudiantes deram ao Barça, vez que, esses jogam mais à “sul-americana”). Não que um time com alta qualidade não possa ganhar assim, mas esse não é o caso dos times brasileiros atuais. E não é isso: também os demais sulamericanos são mais competentes taticamente que os jogadores brasileiros. O próprio Cecconi fala da dificuldade em se implantar 442 em duas linhas aos times tupiniquins, coisa que os demais executam muito bem, tirando os espaços e causando os famosos “apagões” criativos nos times brasileiros. O resultado já sabemos, mas parece que gostamos de viver na ilusão.

  • Rafel Chat diz: 6 de fevereiro de 2010

    Responde aí Cecconi:
    Onde entra o Roger nesse time?

  • Alberto diz: 6 de fevereiro de 2010

    Cecconi, o Kléber jogou centralizado nesse esquema, quem atuava pelas pontas eram W.Paulista e Thiago Ribeiro. Abraço.

  • Marcellus diz: 7 de fevereiro de 2010

    Gustavo Barbosa, nunca que o 4-3-3 tem mais fácil assimilação do que o 4-4-2 em losango ou em quadrado. O único exemplo recente em que o 4-3-3 teve sucesso no Brasil foi o do Corinthians (muito por parte do treinador ser o Mano e de ele ter o Jorge Henrique), por que exige mais atenção, entrega e inteligência por parte dos jogadores, principalmente dos pontas e dos meias centrais

  • Fred Bastos diz: 7 de fevereiro de 2010

    Mas contra um time do nível do Real Potosí, entrar com 3 atacantes que marcam muito pouco é fácil. Quero ver pegar Corinthians, São Paulo, Flamengo assim…

    Contudo, é inegável a força do Cruzeiro. Adílson é um excelente técnico.

    Mas também com laterais da qualidade do Jonathan e Diego Renan, e um volante com o naipe do Marquinhos Paraná… tudo fica mais fácil!

  • Gustavo F. Barbosa diz: 7 de fevereiro de 2010

    Thomas Thorun,
    O fato de uma equipe jogar com 3 ou 2 volantes não define a disposição tática. Pode-se sim jogar no 4-4-2 Quadrado (4-2-2-2) com 3 volantes, assim como era com Ramires. Da mesma forma que se pode jogar com 4-3-1-2 com 2 volantes. Disposição tática é a ocupação racional dos espaços do campo, o que não pode ser limitado à uma análise baseada na quantidade de volantes que estão a jogar. Observa-se a equipe, principalmente sem a posse de bola, e assim vemos a disposição tática, a ocupação dos espaços, que no Cruzeiro, na maioria dos jogos foi o 4-4-2 Quadrado (4-2-2-2), claramente. O própio Cecconi já postou aqui análise do quadrado do Cruzeiro. Post de 19 de junho de 2009.

    Marcellus,
    O 4-3-3 é sim o sistema de mais fácil assimilação. Geometricamente falando dá muito mais opções já que sempre teremos oportunidade de triangular. É mais assimilativo nas transições também devido à sua melhor ocupação dos espaços. Cecconi já citou aqui um livro que explica muito bem isto, na minha visão. Livro de título: “Mourinho: Porque Tantas Vitórias?”. Obviamente temos que transpor para o futebol brasileiro algumas realidades, como por exemplo a cultura, mas limitar o jogador brasileiro ao “não consegue” é tirar todo o respeito e subestimar a capacidade do atleta. Futebol é futebol, salvo as devidas proporções e a antropologia…rs

    Grande Abraço.

Envie seu Comentário