Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

São Paulo no 4-4-2 sem Ricardo Gomes

26 de fevereiro de 2010 16

No primeiro jogo sem Ricardo Gomes, o auxiliar Milton Cruz abdicou dos três zagueiros e sistematizou o São Paulo no 4-4-2, ontem, pela Copa Libertadores. A equipe levou 2 a 1 do Once Caldas de virada, na Colômbia, mas teve uma boa atuação no primeiro tempo. Uma disposição tática diferente de tudo o que haviamos observado nesta temporada – leiam aqui.

O 4-4-2 do São Paulo teve dois desenhos. Sem a bola, Cléber Santana e Hernanes – pelos lados – alinhavam-se aos volantes Jean e Richarlyson. Mas com a bola eles não atuaram como “wingers” clássicos, não foram meias-extremos incisivos, ofensivos, de condução para a linha de fundo ou de diagonais para a conclusão dentro da área.

Com a posse, tanto Cléber Santana quanto Hernanes posicionavam-se mais centralizados, à frente dos volantes, em um 4-4-2 bem brasileiro: dois marcadores e dois armadores no meio-campo. Assim que o adversário recuperava a bola, ambos rapidamente retornavam à linha de meio-campo, bloqueando a frente da área, à frente da linha defensiva.

No 2º tempo, entretanto, Milton Cruz apresentou uma terceira alternativa tática. Ele recuou o atacante Marcelinho Paraíba, centralizou Cléber Santana, e inverteu Hernanes para a direita. O trio manteve-se à frente dos volantes com ou sem posse de bola. Configurando um 4-5-1 com dois volantes e três meias, também chamado de 4-2-3-1.

O mais interessante, apesar da derrota, é contrariar os defensivistas que atribuem os sistemas com três zagueiros à inviabilidade de se jogar com laterais ofensivos. Ou o lateral é base, ou é ala. Está errado. Milton Cruz armou o 4-4-2 com Cicinho e Jorge Wágner nas laterais. E eles respeitaram o posicionamento inicial na linha, alternaram o apoio, e sempre que o ataque do Once Caldas se dava pelo lado oposto, faziam a basculação defensiva, ingressando na área para formar uma sobra.

Pode se discutir não o 4-4-2, ou a escalação de dois laterais ofensivos – mesmo que eles tenham se dedicado ao cumprimento de todas as atribuições exigidas pela função. O que me desagradou foi o mau desempenho técnico de alguns atletas. Faltou a Milton Cruz, no intervalo, recorrer ao reservado. Ao invés de trocar jogadores que iam mal – Marcelinho Paraíba, Richarlyson e Cicinho não estavam inspirados – ele preferiu alterar o sistema tático. Não deu certo, e o time permitiu a virada.

Ainda assim, torço para que Milton Cruz não desista, e siga se utilizando deste 4-4-2 que varia da linha para o quadrado. E, acima de tudo, com laterais que apoiam e defendem, como deve fazer todo o jogador escalado para a função. Sem a ideia de que é preciso jogar com três zagueiros para proteger os lados do campo.

Comentários (16)

  • Bruno diz: 26 de fevereiro de 2010

    Gosto do esquema, mas acho que está faltando um pouco de pegada no meio campo do São Paulo. O time sem a bola demora pra recuar e deixa muito espaço para o adversário trabalhar a bola.

    Acho que o Cicinho, Marcelinho e o Cleber Santana ainda não tem condições físicas de jogo.

    Acredito também que o Jean não tem condições de ser titular do meio campo do São Paulo

  • Marcelo F C Gomes diz: 26 de fevereiro de 2010

    O que eu não consigo entender é porque o melhor volante do país (Hernanes) tem que ser um meia comum neste time do SPFC…. porque não se pode ter um volante de qualidade sem que ele seja passado para a função de meia?
    Hernanes como volante é o melhor (no mínimo um dos melhores) volante do Brasil. Como meia, é bem “meia boca”. Ou seja, abrirão mão de um excelente volante para terem um meia sem brilho.

    O mesmo tem acontecido com alguns zagueiros que sabem jogar co ma bola no pé… dois toques já querem passar ele pra lateral.

  • Luis diz: 26 de fevereiro de 2010

    Pra ver como é…No futebol se perde em qualquer esquema. O que vale é resultado ( tirando o aborto da natureza, do juiz e da cartolagem, contra o Nóia). O Inter só tem vitórias com a equipe dita titular. Palpite todo mundo sabe dar. Mas botar na reta quem bota é o treinador. O que vale é a vitória no final da partida. Fica Fossati e deixa de lado o corneta…O …Ladra mas a caravana continua.

  • Blog do Carlão – Futebol é nossa área diz: 26 de fevereiro de 2010

    Mano faz isso no Corinthians, com Tcheco pela direita e Danilo pela esquerda. Sem a bola, 4-4-2 em linha. Com ela, em quadrado. Abraço, professor.

  • Vinicius Grassi diz: 26 de fevereiro de 2010

    No inicio do jogo e na volta do intervalo o sao paulo alinhou 3 atrás, com o xandão, miranda, e o richarlyson de stopper pela esquerda.

    Jean e Hernanes a frente deles.

    Cicinho vai virar nome de avenida em sao paulo

  • Fernando diz: 26 de fevereiro de 2010

    Pode ficar com teus elogios ao sitema preferido ( 4-4-2). Gosto de resultado. Titi fazia o inter jogar um futebol lindo, como nunca vi o inter jogar. E no final do ano?? Só o gauchao neh, alem de tomar um nó tatico da LDU do fossati com jogadores mt inferiores tecnicamnte. Futebol é resultado. Jogar bonito é secundario..
    abraçao Ceconi. Gosto muito de seus post

  • Diego diz: 26 de fevereiro de 2010

    Que me desculpem os ofensivistas, caso do cronista, mas um time que joga com esses dois laterais tem mais é que sofrer os gols que o São Paulo sofreu, mesmo.

    Tentou compensar jogando com 4 jogadores que tem característica de marcação no meio-campo. Faltou um jogador de mais chegada nesse meio, e os laterais não deram conta do recado.

    Como gremista, eu espero que o São Paulo passe para 3 zagueiros nessa Libertadores, ou não vai longe. E que use essa formação faceira no brasileira, pelo mesmo motivo. Mesmo com um dos melhores plantéis do futebol brasileiro, se insistir nesse erro, vai naufragar.

  • Alan diz: 26 de fevereiro de 2010

    Ficou parecido com os times ingleses mesmo, com o meio jogando em linha, mas as posições pra mim foram o problema… o Hernanes tinha que jogar no meio, e o Jorge Wagner jogar naquela ponta… vi o Chelsea jogar no mesmo esquema esses dias, e então to comparando na minha cabeça os jogadores que mais se assemelham por posição (Hernanes volante, por exemplo).

  • Gilsom diz: 26 de fevereiro de 2010

    ola cecconi!!na sua opinião o inter tem jogadores pra jogar no esquema 4.5.1.Eu acho o melhor esquema é minha escalação seria pato,nei,indio,bolivar,cleber,sandro,guina,giuliano.dalesandro,taison e alexsandro. obs. acho o 3.5.2 muito fraco!!!!!!

  • MARTINI diz: 27 de fevereiro de 2010

    CECCONI, O 3-5-2, FOI IMPLANTADO PARA TORNAR OS TIMES MAIS PROTEGIDOS E LEVAREM MENOS GOL. CREIO QE ISSO É BESTEIRA, CREIO Q QUALQUER ESQUEMA DA CERTO OU NAO DEPENDENDO DAS CARACTERISTICA DOS JOGADORES.INTER X NOIA, JOGAMOS COM 3 ZAGUEIROS E A TODO MOMENTO O NOIA LEVAVA PERIGO AO NOSSO GOLEIRO,CONTRA EMELEC, LEVAMOS UM GOL DE CONTRA ATAQUE QE PEGOU NOSSA DEFESA DESARRUMADA, ONDE ESTAVA O BOLIVAR? NO RESTANTE DO JOGO O Q SE VIA ERA 3 ZAGUEIROS SOBRANDO ATRAS E NOS FALTANTO ARTICULAÇÃO,TABELAS, INFILTRAÇÃO NA FRENTE. QUALQUER TIME DEVE BUSCAR É EQUILBRIO DENTRO DE CAMPO, UMA SINCRONIA ENTRE DEFESA,MEIO E ATAQUE, E COM O QUE O INTER TEM HJ, CREIO Q 4-4-2, DEIXA O TIME MAIS COMPACTO E AINDA AMENIZA NOSSA MAIOR CARENCIA QUE É NOSSO ATAQUE. ABRAÇOS

  • Roberticus diz: 27 de fevereiro de 2010

    Isso e parecido aos times classicos do Arsene Wenger entre 2000 e 2005 quando os meias abertos Pires e Ljunberg e os meio-centros Viera e Edu/Gilberto Silva.

    A Espanha de Del Bosque tambem adotou um esquema parecida em um amistoso contra Inglaterra em fevereiro do ano passado: Xabi Alonso e Marcos Senna no centro, Xavi e Iniesta partindo desde as bandas.

  • Bernardo Hausmann diz: 27 de fevereiro de 2010

    Não consigo entender esses esquemas tacticos do sao paulo que n privilegiam as melhores caracteristicas de cada jogador. Hernanes é um ótimo segundo volante, Cleber Santana é terceiro homem de meio campo, Jorge Wagner até pode jogar de lateral, mas sem dúvida rende mais jogando de meia atacante. Então porque não armar o time da seguinte forma: Rogério, Cicinho, Xandão (Alex Silva), Miranda, Richarlyson (Júnior César), Jean (Rodrigo Souto), Hernanes, Cleber Santana e Jorge Wagner (Marcelinho Paraíba), Dagoberto (Marcelinho Paraíba) e Washington. 4-4-2 básico com um 1º volante, um 2º volante, um terceiro homem de meio campo que marca e chega no ataque (estilo Tinga na libertadore de 2006) e um meia armador. O que acha Eduardo?

  • juliano diz: 28 de fevereiro de 2010

    o são paulo não tem como dar certo em 4-4-2 com o jorge wagner de lateral esquerdo!

    sem ser 3-5-2 o único jeito que o são poderia jogar seria em 4-4-2 seria naquele mais 4-3-1-2

    cicinho – xandao(alex silva quando voltar de lesão) – miranda – algum lateral que saiba defender tbm – jean – hernanes – cleber santana – marcelinho paraiba (de meia) – dagoberto/fernandinho (algum ataque de movimentação) – cone/washigton

    alias, você não acha que o pouco uso do 4-4-2 tem a ver com a falta de laterais que saibam defender bem? tipo que nem o roger antigamente, isso dá pra perceber que depois de velhos quando perdem velocidade a maioria dos laterais viram meias e poucos viram zagueiros ou volantes

    os times que usam esquemas com 4 na defesa é por que usam 3 jogadores defensivos no meio de campo tipo cruzeiro e flamengo, no caso do são paulo cairia como uma luva, jogadores tipo hernanes e cleber santana seriam ótimos nesse esquema (e pra acabar com aquele velho vicio de técnicos daqui de enfiar jogadores habilidosos só pra funções bem ofensivas)

  • Bernardo diz: 3 de março de 2010

    Não entendo essa aversão ao 3-5-2 por parte do Ricardo Gomes. O time se encaixa perfeito, você só precisa ter pulso e incutir seus métodos. Ricardo Gomes vem fazendo um bom trabalho mas não é nada diferenciado.

    Dá para jogar bola com o 3-5-2, o Flu já mostrou isso ano passado, e não tinhamos nem um Cicinho, um Jean ou um Hernanes(mas tínhamos o Conca e o Fred, que são dois jogadores que cadenciam o jogo, o Conca no meio, o Fred no ataque).

    André Dias, Alex Silva e Miranda; Cicinho, Jean, Hernanes e Jorge Wagner(Júnior César); Marcelinho Paraíba; Fernandinho(Dagoberto) e Washington(Henrique).

  • Paulo diz: 31 de março de 2010

    Vejo o time do Santos jogando e me empolga muito ver um time que ataca sem medo, com a posse de bola consciente e organizado. E vejo no São Paulo, jogadores que poderiam formar um esquema semelhante ao Santos. Com a formação no 4-3-3, com Rogério, Cicinho, Xandão, Miranda e Jorge Wagner, de volante Jean ( ou Richarlyson), Cleber Santana e Hernanes, no ataque Dagoberto, Fernandinho e Washington. Coragem para atacar, com jogadores técnicos para manter a posse de bola. Sobram peças e falta coragem, e enquanto isso só podemos aplaudir o Santos.

  • O QUE FALTA AO SÃO PAULO “EUROPEU”? « TWITEIROS diz: 2 de abril de 2010

    [...] condução para a linha de fundo ou de diagonais para a conclusão dentro da área.” (leia mais aqui). Portanto, quando estão no ataque os wingers devem permanecer abertos, procurando sempre a linha [...]

Envie seu Comentário