Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Espelhou, e se deu mal

09 de abril de 2010 4

Contra o Liverpool, após vencer em Portugal, o Benfica alterou o planejamento tático original e partiu de uma formação diferente – mais defensiva. E não suportou a pressão dos ingleses, levando uma goleada de 4 a 1, caindo nas quartas de final da Liga Europa.

Acredito que a intenção do técnico benfiquista fosse o espelhamento tático. Ao invés do 4-4-2 com meio-campo em losango, o Benfica entrou em campo utilizando-se do mesmo 4-5-1 em duas linhas com um meia-ofensivo, desdobrado em 4-4-1-1. Não deu certo.

Sem o atacante Saviola, o meia Fábio Coentrão, e o lateral Maxi Pereira, o técnico escolheu como substitutos respectivamente o meia Aimar, o zagueiro Sidnei, e o lateral Rubem Amorim. Repito: trocou um atacante e um meia por um meia e um zagueiro.

Ao contrário do bom losango com Javi Garcia de vértice, Ramires e Di Maria como apoiadores, e Coentrão no enganche, o Benfica teve uma linha de quatro jogadores – dois volantes marcadores por dentro (Javi Garcia e Carlos Martins), e Ramires e Di Maria mais abertos pelos lados; à frente da segunda linha, Aimar fez o enganche para o isolado Cardozo na frente.

No banco, o técnico tinha opções para manter o sistema 4-4-2 com meio em losango. Felipe Menezes, ex-Goiás, é meia ofensivo. E os também brasileiros Alan Kardec e Éder Luís são atacantes natos. Desfalques, portanto, não servem de justificativa para a alteração no sistema tático. A mudança faz parte de uma estratégia mais defensiva.

E sempre é arriscado buscar um espelhamento contra times ingleses na Inglaterra. Em campos mais curtos, equipes como o Liverpool adiantam suas linhas de marcação, e sabem se utilizar dos sistemas em duas linhas – tática que nasceu em Anfield Road. Contra “expertises” no assunto, melhor não arriscar. Na teoria, embates espelhados em duas linhas oferecem vantagem a quem domina o assunto, familiarizado com as virtudes e a vulnerabilidades.

Comentários (4)

  • Henrique Abreu diz: 9 de abril de 2010

    Só corrigindo…o Fábio Coentrão jogou como lateral esquerdo lá em Portugal e não na meia, com o David Luiz na zaga juntamente com o Luisão.

    Ele improvisou o David Luiz na lateral esquerda para atuar no lugar do Coentrão, e colocou o Sidnei para jogar no lugar do David Luiz que estava na zaga anteriormente.

    E o Aimar já tinha sido titular lá em Portugal.

    Abraço, e parabéns pelo blog.

  • Bruno diz: 9 de abril de 2010

    eu acho que o esquema foi bem feito, o problema foi o cardozo ter errado um gol q passou perto, mas o benfica jogou bem…

  • Alberto diz: 9 de abril de 2010

    Cecconi, acho que acima desse erro tático aí que o Benfica cometeu, o maior pecado do time foi o descuido defensivo, tomou praticamente 3 gols de contra ataque, o time dominou a primeira parte do jogo até tomar um gol, logo em seguida partiu pro ataque e tomou mais um em um passe em profundidade do gerrard, no segundo tempo mais 2 gols de contra ataque. Enfim, achei uma pena pois estava torcendo para o Benfica…abraços.

  • Gonçalo Monteiro diz: 10 de abril de 2010

    Olá Eduardo. Sou de Portugal e adepto do Benfica e decidi comentar para tentar acrescentar qualquer coisa nesta sua análise.
    O Benfica tem jogado em losango sim mas, a espaços, nomeadamente no jogo contra o Porto para a liga e neste último com a Naval, devido a uma ou outra ausência, Aimar avança no terreno para se juntar mais a cardozo. Não se trata de desfazer o losango, mas sim tentar que aimar faça o papel do saviola. Claro que são jogadores diferentes e isso torna a equipa mais povoada no meio campo e o cardozo tende a ficar mais isolado na frente. Outro dos factores que influenciou esse resultado foi o cansaço notado no plantel do benfica, que, claramente não tem soluções de banco suficientes para manter a forma nas varias competições.
    Relativamente ao papel dos jogadores no losango normal gostava de esclarecer também o onze base:
    Garda-Redes (Goleiro) – Quim (na liga); J. César (na europa)
    Lateral Direita – Maxi Pereira
    Lateral esquerda – Fábio Coentrão (actua mais como um ala e sobe muito no terreno)
    Centrais (zagueiros) – Luisão e David Luiz
    Medio defensivo (volante) – Javi Garcia
    Meia direita – Ramires
    Meia esquerda – Di Maria
    Medio Ofensivo – Aimar
    Avançados – Saviola e Cardozo
    Este é o onze que tem vindo a ser utilizado com maior regularidade por jorge jesus, que como já disse acima tem vindo a ter dificuldades em encontrar no seu banco jogadores com maturidade e experiencia para substituir estes. Pareceu-me existir alguma confusão nomeadamente no posicionamento de coentrão na sua análise.
    Cumprimentos e bom trabalho no blog

Envie seu Comentário