Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Confronto dos 4-3-3's espelha o meio-campo

20 de abril de 2010 30

Eu ainda ontem utilizei a palavra “espelhamento” com alguma restrição, em post sobre o Inter de Fossati. Para mim, a palavra é empregada equivocadamente, porque o espelho configura a imagem invertida, não a exata. Quando se fala que dois sistemas iguais jogam espelhados, eu discordo. Mas hoje aconteceu um espelhamento que atende ao significado da palavra. Foi no meio-campo, na partida entre Inter de Milão e Barcelona.

As duas equipes optaram pelo 4-3-3. José Mourinho, na Inter, organizou o meio-campo com dois volantes e um meia-articulador – desenho que pode ser descrito como “triângulo de base baixa”. Thiago Motta e Cambiasso foram os volantes, muito atentos à marcação dos meias adversários, e também à cobertura dos laterais. Eles contaram ainda com o auxílio de Pandev, que recuava pela esquerda – sem deixar de ser atacante – para fazer o primeiro combate a Daniel Alves. Confiram no diagrama tático abaixo:

Já no Barcelona, Guardiola – também no 4-3-3 – desenhou seu meio-campo em triângulo de base alta. Um volante (Busquets) e dois meias ofensivos (Xavi e Keita). A compensação, para a basculação da linha defensiva, se dá – na teoria, pois hoje não funcionou como o planejado – com a permanência de um lateral na base. Busquets, quando preciso, também pode recuar por dentro, empurrando um dos zagueiros para a cobertura da faixa direita ou esquerda. Também em diagrama tático, abaixo:

Isto sim configura um espelhamento. O triângulo de base alta do Barça se encaixa perfeitamente ao triângulo de base baixa da Inter. Dois volantes italianos pegando dois meias espanhois, um volante catalão marcando um meia milanês.

E, quando há encaixe na marcação espelhada, os técnicos sempre destacam: é hora da individualidade. O debate foge às limitações táticas, e passa para a avaliação do desempenho de cada jogador envolvido na trama. Afinal, para qualquer das duas equipes funcionar, deveria haver vitória de alguém – ou do marcador, ou do armador.

Neste aspecto, os jogadores da Inter saíram-se melhor. Principalmente os dois volantes, que forçaram Keita a abrir mais lateralmente, e Xavi a buscar o corredor central. Perderam poucas batalhas. Messi também centralizou, talvez na tentativa de jogar às costas dos dois volantes. Zanetti, entretanto, não saiu da base.

O confronto destaca diversos aspectos que fazem de José Mourinho um técnico acima da média. Apesar de discordar de algumas decisões dele - sempre quando recorre a um defensivismo injustificável - hoje Mourinho conseguiu anular as muitas virtudes de uma equipe quase imbatível. Cada peça do diagrama tático da Inter foi meticulosamente movimentada no sentido de combater, anular, bloquear, impedir de jogar, para daí em diante buscar os contra-ataques.

O reflexo deste espelhamento do meio-campo de duas equipes no 4-3-3 – uma vocacionada ao ataque, outra tradicionalmente cautelosa – está na estatística: uma posse de bola assustadora para o Barcelona (71% contra apenas 29%), mas total equilíbrio no número de oportunidades de gol – 9 da Inter, 10 do Barça. E vitória dos donos da casa, por 3 a 1.

Comentários (30)

  • João diz: 20 de abril de 2010

    Mais uma vez, obrigado pela qualidade dos comentários.

  • Ademir Neissinger diz: 20 de abril de 2010

    Edu, que belo post, realmente eu acho que você pegou o motivo principal da vitoria da Inter, a equipe de Mourinho, foi COMPETITIVA, na excelência da palavra, nao abdicou de atacar nunca, mas sem a bola (na maioria do tempo) marcou com lealdade! Outro ponto inteligente de mourinho foi designar Zanetti pra marcar o Messi, argentinos, foi uma chamada “briga de cachorro grande”, e ai o interminável Zanetti se saiu melhor! Outra comparação eu acho é de qualidade, os defensores da Inter sao melhores, veja na comparação : maicon e daniel se equivalem, lucio e samuel sao melhores ZAGUEIROS que Puyol e Pique, e o Zanetti como marcador é muito melhor que o Maxwel. Talves esses pontos aliados ao espelhamento verdadeiro do meio campo deram a vitoria a Inter, veremos o jogo de volta! e QUE JOGO

  • diego soveral diz: 20 de abril de 2010

    Cecconi, Manda essa matéria pro FOSSATI. Pelo amor de deus!

  • Antonio diz: 20 de abril de 2010

    Belo post Cecconi. A diferença a favor da Inter se deu pela força defensiva de seus atacantes que foram mais competitivos do que os do Barça.
    Discordo em parte em relação as tão famosas numerações táticas. Sem a bola só ficava o Milito na frente em um eficiente 451. Com a bola o 4-3-3 é acetável como caracterização.

  • Nicolas Fraga diz: 20 de abril de 2010

    Notei no segundo tempo, com a saída de Pandev e a entrada do Stankovic, uma variação na Inter que se assemelha muito ao 4-4-2 à Brasileira, com o meio-campo em quadrado. Em diversos momentos os volantes, Thiago Motta e Cambiasso, se mostravam alinhados, assim como Stankovic e Snjeider jogando quase que alinhados também.

    E acho também que o gol do Barcelona se deu mais por uma falta de comunicação entre Lúcio e Cambiasso do que mérito tático ou técnico, que eram previsíveis. Mourinho conseguiu mostrar que o Barcelona após mais de 2 temporadas jogando da mesma forma pode sim ser anulado.

  • Alberto diz: 20 de abril de 2010

    Pandev jogou quase de Volante hoje, o posicionamento dele pra mim foi mais recuado que o mostrado no seu desenho. Abraços.

  • Ederson diz: 20 de abril de 2010

    Parabéns pelo post Cecconi! Uma análise de um jogo com embasamento teórico aplicado na prática!

  • LEONARDO diz: 20 de abril de 2010

    e é o que FOSSATI faz. primeiro tenta não perder para depois ganhar . em regra. quando o jogo vale alguma coisa . foi assim contra o D. QUITO lá , contra o CERRO , e contra um Pelotas que batera inapelavelment eo Gremio, num jogo decisivo, teve intgeligencia para buscar o resultado. Porém e o MESSI. então não é tudo isso. O nosso Inter jogou em 1984 final Juan Gamper contra o Barcelona de Maradona, e ganhamos. Em 2006, voltamos a jogar contra o Barcelona no Mundial e ….ganhamos, e em 2008 jogamos contra uma forte INTER DE MILÃO em DUBAI, e….ganhamos. E ganharia-mos de novo, por um simples motivo. ELES NOS SUBESTIMAM e isso é fatal, como tanas vezes provado. . tanto na INTERCONTINENAL, como nos Mundiais, os sul-americanos, na maioria das vezes, BATERAM os campeões da Europa.. É FATO. Bom. a história conta isso. e o MESSI jogou. esava em campo.

  • Vinicius Mathies diz: 21 de abril de 2010

    Cecconi, discordo de ti quanto ao posicionamento de Messi, faz vários jogos que ele tem atuado pelo meio, atrás do centroavante.

  • Roberticus diz: 21 de abril de 2010

    Antonio,

    toda equipe europeia, seja qual for a formação inicial ou average posição, todos colocam nove jogadores detras da linha da bola quando perdem a posse dela, ‘dixit’ Fabio Capello.

  • Léo Gomes diz: 21 de abril de 2010

    Concordo em Número, Gênero e Grau. Mas com uma ressalva, não foi só o esquema, a inter tem um jogador que permite utilizar o triangulo de base baixa como tu descreveu muito bem, pode-se jogar com dois volantes mais marcadores quando se tem um Sneijder como armador, ele tem a capacidade de sozinho armar as jogadas e servir muito bem os atacantes, e mesmo não fazendo uma partida tão excelente ele cadencia e organiza as chegadas de ataque, até para a passagem dos alas. Já voltando aos esquema a integração destes dois volantes marcadores com a Dupla de Zaga da Inter esteve sensacional, o Mourinho é muito inteligente e ainda tem jogadores para utilizar o esquema que precisar. Já o Barcelona não contava com a competência ofenciva de um adversário com dois volantes, se surprienderam quando viram a organização do ataque Italiano e na tentativa de corrigir se perderam na organização do seu próprio ataque, perderam o apoio ofensivo tantando marcar a Inter e ficaram presos na marcação do quarteto de meio/defeza azul e preto.
    Que nó deu o Mourinho no badalado Barcelona, que nó!!

  • Conrado Gallo diz: 21 de abril de 2010

    Não concordo, Cecconi. Olha só, as marcações individuais impostas pelo Mourinho foram importantes é claro, ninguém ganha do Barcelona se deixar Messi, Xavi e Ibramha livres. Mas o grande lance do Mourinho hoje, foi fazer o seguinte:O Barça joga da seguinte forma: quando o adversário está com a bola, o time inteiro faz uma marcação pressão até roubar as bola, isso dentro ou fora de casa. Ós zagueiros do Barça jogam 80% do tempo de jogo dentro do circulo do meio campo. Bom, continuando, quando o Barça rouba a bola trocam passes, devido a qualidade de seus jogadores, e invariavelmente fazem gols. Ou seja,o Barcelona passa o maior tempo jogando dentro do campo adversário. O que fez o Mourinho: primeiro, escalou o time em um 4231, com dois jogadores abertos.Bom, a partir das marcações individuais e com elas sendo bem sucedidas, ele determinou o seguinte para seu time: roubou a bola, não tem nada de ficar trocando passes no campo defensivo, rodando a bola para encontrar espaço.Ele determinou que logo que seus volantes roubassem a bola, passariam a bola rapidamente pro campo do Barça, ou seja, impedino que Barça jogasse dentro do campo da Inter e impusesse seu jogo. Por isso ele abriu dois jogadores, pra facilitar a transição dos volantes com os jogadores no campo do Barça. Enfim, tudo isso, na minha opinião foi o esquema dele para esse jogo tão específico, mas de nada adiantaria se os seus jogadores não fossem tão superiores na partida como foram. Hoje o time da Inter foi praticamente perfeito nas suas individualidades, todos estavam extremamentes atentos durante todo tempo. Isso foi o que eu vi do jogo!!!
    Grande abraço,

    Conrado Gallo

  • Camilo diz: 21 de abril de 2010

    Que belo post, e que JOGÃO! Vi uma Internazionale jogar para a frente, marcando com muita habilidade, sempre visando o ataque, e como se diz, “com a faca nos dentes” na motivação de seus jogadores.
    Mourinho realmente sabe armar/preparar um time.
    Zanetti teve uma atuação fenomenal, achei o melhor em campo, junto com o Diego Milito – que é perseguido demais pelos banderinhas europeus.
    Achei que a Inter perdeu mais dois “gols feitos” e que o Barcelona teve apenas uma grande chance de gol perdida (cabeceio do pedro, defesa do Julio Cesar).
    Uma vantagem de 3 gols para a Inter não seria injusta, embora essa vantagem de 2 sirva para tornar o jogo da volta muito mais emocionante.
    Esse ano as partidas da UCL me parecem muito melhores de se assistir que ano passado.

  • Cristiane Calixto diz: 21 de abril de 2010

    Olá Cecconi! Gostei muito do seu post, pois me fez pensar que o seguinte: Digamos que em uma hipotética semifinal de copa do brasil – GrêmioxSantos – tranportando os ensinamentos de Mourinho para o Brasil, não teria como parar o Santos com um esquema de jogo fazendo o chamado espelhamento? Pensei que o Grêmio poderia jogar num 4-3-3 com triangulo de base baixa com os mesmos jogadores, ou até mesmo colocando outro zagueiro no miolo da zaga e deslocando o Mário F. pra lateral direita ficando esse mais preso ao estilo do Zaneti, dessa forma, o Leandro seria o terceiro atacante pela direita com funções defensivas (ex: acompanhar o Arouca que vai muito ao ataque) com o Jonas (tambem poderia acompanhar o Weslei) sendo o atacante pela esquerda e o Borges o atacante centralizado. No meio Ferdinando pela esquerda marcando o Ganso e o W. Magrão pela direita marcando o Marquinhos. Acho que poderia dar certo, MAS há um problema que o esquema não resolve: a lentidão do Rodrigo onde justamente ataca o Neymar … no entanto, passando para a pratica a superação do zagueiro poderia superar esse problema … o que acha?

  • Gilberto Arruda diz: 21 de abril de 2010

    Novamente grande post, Cecconi. Como sempre. O espelhamento, no outro caso, se chama enantiomorfismo, ou i,agem enantiomorfa.

    abs

  • RETRANQUEIROFC diz: 21 de abril de 2010

    Concordo com o Antonio, nessa consideração sobre a força defensiva dos atacantes da Inter. No gol do Barça, a defesa da Inter se abriu porque Maxwell avançou e não teve acompanhamento do Eto’o. A partir do gol, Eto’o ficou mais esperto e matou essa jogada, passou a acompanhar Maxwell. Idem para Pandev mas com menos força defensiva que o camaronês. Já do lado do Barça, as descidas do Maicon não foram acompanhadas por Pedro, descidas essas que decidiram o jogo.

  • marcelo padilha diz: 21 de abril de 2010

    O recuo de Segio se deu por causa da pressão na saida de bola do Barça que a inter executava, não foi pra auxiliar a cobertura de um dos laterais somente, foi para gerar superioridade numérica na transição desde a primeira linha. Pergunta: Porque você nunca coloca os goleiros? Victor Valdés foi praticamenteu um líbero ontem.

    abraços

  • Vinicius diz: 21 de abril de 2010

    Melhor técnico do mundo, sem mais, e ganhou do time que tinha que ganhar, dos queridinhos da mídia, muito bom ver isso, da-lhe Mourinho.
    agora voltando ao debate tatico, QUE PARTIDA DA INTER, que AULA do Mourinho, ontem Guardiola percebeu que ele pode ser tudo, menos técnico, se ele der aulas de balé faz mais o estilo dele, foi muito lindo ver o barcelona se dando mal com aqueles toquinhos irritantes, e a inter inteligente e eficiente

  • Mauricio – de Barcelona diz: 21 de abril de 2010

    Parabéns Cecconi, eu como treinador principiante senti o jogo relatado nesse post.
    Sobre as chances de gols igualadas, creio que Julio Cesar e o árbitro também influenciaram para o resultado. Apesar de que as chances de gol do Barça foram “mascadas”, “desiquilibradas” e as da Inter mais consistentes.

    Gostaria de que tu falasse da opçao do Pep pela entrada de Abidal no lugar do Ibra, realmente nao entendi, pois nem ele nem o Maxwell sao grandes ofensivistas, ja estava 3 a 1 naquele momento e o Barça pecava ofensivamente.

  • Rodrigo diz: 21 de abril de 2010

    Cecconi, você ja recebeu convite pra trabalhar de comentarista na rbs ?
    você entende mais de futebol do que a maioria dos atuais que estão la.

  • Éverton diz: 21 de abril de 2010

    Cecconi, hoje vou discordar de ti. Pra mim, o Barcelona jogou num 4-4-2 em losangulo com Messi de meia centralizado fazendo a ligação com o ataque. O principal erro do Guardiola foi jogar com dois laterais ofensivos, as jogadas da Inter se deram sempre nas costas deles, como tu disse a falta de um lateral base confundiu a cobertura. O ideal era ter jogado com o Milito por ali ou ainda o Marquez na zaga e o Puyol na esquerda, improvisado, como muitas vezes já jogou. Parabéns pelo blog, abraços!

  • Vicente Fonseca diz: 21 de abril de 2010

    Excelente. Incrível como o espelhamento foi realmente perfeito, e as tuas pranchetas deixam isso bem claro. Quem viu o jogo sabe que foi justamente isso que aconteceu.

    Além de ganhar o duelo do meio, a Inter ganhou nas laterais também. Apesar do Maxwell ter feito a jogada do gol do Barça nas costas do Maicon e superando o Lúcio, teve de ficar contido devido à qualidade dos avanços do lateral da Inter em todo o jogo – inclusive marcando um gol importantíssimo no início do segundo tempo. Do outro lado, o Pandev tinha toda a liberdade para agredir o Daniel Alves, até porque a cobertura do Zanetti permitia. Show de José Mourinho, realmente.

  • Valentino diz: 21 de abril de 2010

    Quem marcou o Messi foi o Motta, brasileiro. Houve uns 10 minutos em q o Messi foi cair lá pela direita de ataque do Barça, qndo houve o combate entre Messi e Zanetti – todo o resto do tempo houve marcação individual do Motta. A se destacar ainda a imbecil substituição do Guardiola; colocar o Messi posicionado como atancante mais avaçado [centroavante] para jogar isolado num mar de grandoes. O q a partir dos 30 mins da etapa final empurrou o Piquet pra função de centroavante.

    Nao achei que houve este espelhamento no meio de campo; penso q o Cambiasso jogava em uma linha mais atrasada no meio; Motta marcava o Messi; Pandev, Sneijder e Eto’o formavam uma linha de meio mais avançada. Sendo q Pandev pegava o Daniel Alves na subida e o Sneijder acompanhava o Xavi.

  • Ricardo Petry Moura diz: 21 de abril de 2010

    Venceu o melhor sistema defensivo da Internazionale, para min surpreendente vitória do time de Milão, vai ser difícil a reversão deste resultado, mas o Barcelona é uma grande equipe e será um duelo épico na próxima quarta feira. Essa partida demonstra que não existe equipe imbatível, e também comprovou a grande capacidade do Mourinho em armar suas equipes, acho um tanto defensivista, mas o que realmente importa são os resultados, trabalha muito taticamente suas equipes. A Internazionale em termos individuais é inferior ao Barça, mas com boa postura conseguiu este grande resultado.

  • Antonio diz: 21 de abril de 2010

    Oi Roberticus e RETRANQUEIROFC , obrigado por terem lido meu comentário.
    Realmente falamos a mesma coisa com outras palavras. Em um futebol cada vez mais competitivo, retomar a bola começa pelo esforço dos atacantes. Sei que o Cecconi gosta das variações núméricas e entende como poucos sobre elas. Particularmente acredito que elas ficam em segundo plano. O 352 x 442 x 451 importamenos do que imaginamos se com a bola o time ataca em bloco e adianta a marcação, e se, sem a bola, o bloqueio defensivo tem a participação de 9 jogadores. Fórmula para o sucesso não existe, mas treino, capacidade física e técnica associadas a jogadores escalados nos lugares apropriados é meio caminho para a vitória. Parabéns a todos pelo excelente nível dos comentários.

  • Adriano diz: 21 de abril de 2010

    Lindo jogo, mas nada esta decidido. a inter jogou ligada, todos deram o maximo e isso é o minimo q a torcida espéra do seu time numa semifinal. pressão na saida de bola adversaria, jogadores de ataque e meio voltando pra ajudar na marcação, e de posse de bola jogo rapido e na vertical, nada de tóquinho pro lado, pra traz e mto menos ençebação de bola. notem q mesmo com essa marcação o barcelona criou bastante e deu mto trabalho mesmo o messi jogando pouco. té

  • Bruno diz: 21 de abril de 2010

    cecconi explica uma coisa…qual a diferença entre um zagueiro central e um quarto zagueiro, mas tipo com relaçao a FUNÇAO e nao ao posicionamento…

    Resposta do Cecconi: Bruno, a função é a mesma. Mas o zagueiro central joga pela direita, e o quarto zagueiro pela esquerda. No mais, as funções são idênticas. Abraços.

  • Rafael Vieira diz: 21 de abril de 2010

    Estimado Cecconi: primeiramente gostaria de parabenizar pelo seu blog, pela qualidade dos seus posts… meu nome é Rafael Vieira e sou analista de desempenho do técnico Mano Menezes no S.C. Corinthians Paulista. Gostaria de colocar que a foto no post de referências teóricas em 4-1-4-1 foi tirada pelo auxiliar técnico Marcelo Rospide e editada por mim no ano de 2006, no Grêmio, onde éramos auxiliares técnicos do Mano. Quanto ao colocado no texto abaixo, realmente o técnico Mano Menezes é sim um técnico muito cuidadoso com a parte tática e principalmente com o comportamento tático que seus jogadores desempenham. Sempre, claro, de acordo com o seu modelo de jogo. Agradeço a atenção , obrigado Rafael Vieira

    Resposta do Cecconi: olá Rafael. Obrigado por frequentar o blog. Fifco à tua disposição sempre que precisar. À época não sabia do crédito da foto, por isso não consta. Grande abraço!

  • Pedro Breier diz: 22 de abril de 2010

    Vou discordar de ti quanto à formação do Barcelona, Cecconi. O PVC falou durante a transmissão que era o 4-2-3-1 usado nos últimos tempos pelo Guardiola, e eu concordo com ele. Até porque, salvo engano, o Pedro jogava pela direita, o Messi pelo centro e Keita pela esquerda, embora mais recuado. Abraço.

  • Vinicius diz: 23 de abril de 2010

    To pensando no que ele irá fazer quarta, espero sofrer pouco com os Nerazzuri e ver um 0-0, o resultado m ais seguro pra partida de volta

Envie seu Comentário