Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Seleções da Copa 2010: análise tática da França

06 de maio de 2010 18

Embora envelhecida, a Seleção da França tem bons jogadores, um sistema tático equilibrado, e mesmo tendo obtido a classificação na repescagem europeia, e amparada em um absurdo erro de arbitragem, pode apresentar bom desempenho no Mundial da África do Sul. Como vocês percebem, a França é o assunto do quarto post da série do blog Preleção sobre as seleções da Copa do Mundo de 2010.

Nas eliminatórias, Raymond Domenech se utilizou do 4-3-3 com triângulo de base baixa. A defesa se posiciona em linha de quatro jogadores, com um lateral apoiador, e outro na base; o meio-campo tem dois volantes marcadores e um articulador central; e o ponto alto está no ataque, com um trio ofensivo caracterizado pela habilidade e pela velocidade de todos os seus protagonistas.

Anelka, em excelente fase, joga centralizado. Ribéry, outro jogador em alta na Europa, atua aberto pela direita. O problema está na esquerda, onde Henry ocupa lugar cativo, mas declina na carreira. Por ali, Domenech pode lançr mão de Benzema, ou inverter Ribéry e colocar Govou na direita – duas opções com decréscimo técnico, mas manutenção da velocidade.

Gourcuff, cérebro do Bordeaux, é o organizador. Jogador que oferece à equipe o ritmo, buscando maior velocidade na bola longa acionando os atacantes, ou retirando intensidade com passes mais curtos e laterais.

Na defesa, Abidal repete o que faz no Barcelona. É o lateral-base, fazendo a basculação defensiva com os zagueiros Gallas e Escudé sempre que a seleção francesa sobre a transição ofensiva adversária (contra-ataque). Já Sagna é o apoiador, que empurra Ribéry para as diagonais, abrindo-se um corredor à frente.

Na convocação para os jogos da repescagem contra a Irlanda, Domenech deixou de fora jogadores como Frank Ribéry, do Bayern de Munique (ALE); Mexes, da Roma (ITA); e Patrick Viera, do Manchester City (ING). Ribéry estava lesionado. É possível que este trio ocupe espaço de alguns dos demais convocados para estas partidas, na lista definitiva para a Copa do Mundo, que deve ser divulgada nos próximos dias.

Confiram a última convocação da França para jogos oficiais:

Goleiros:
Cédric Carrasso – Bordeaux
Hugo Lloris – Lyon
Steve Mandanda – Olympique de Marselha

Defensores:
Eric Abidal – Barcelona (ESP)
Aly Cissokho – Lyon
Patrice Evra – Manchester United (ING)
Julien Escudé – Sevilla (ESP)
Rod Fanni – Rennes
William Gallas – Arsenal (ING)
Bacary Sagna – Arsenal (ING)
Sebastien Squillaci – Sevilla (ESP)

Meio-campistas:
Abou Diaby – Arsenal (ING)
Alou Diarra – Bordeaux
Lassana Diarra – Real Madrid (ESP)
Yoann Gourcuff – Bordeaux
Moussa Sissoko – Toulouse
Jeremy Toulalan – Lyon

Atacantes:
Nicolas Anelka – Chelsea (ING)
Karim Benzema – Real Madrid (ESP)
Andre-Pierre Gignac – Toulouse
Sidney Govou – Lyon
Thierry Henry – Barcelona (ESP)
Florent Malouda – Chelsea (ING)
Loic Rémy – Nice

Comentários (18)

  • Geferson Kern diz: 6 de maio de 2010

    O Malouda está jogando muita bola no Chelsea, poderia perfeitamente entrar pela ponta-esquerda, com o deslocamento do Henry que, mesmo em decadência, ainda tem mais a oferecer do que o Anelka. E na lateral-esquerda, será que só eu acho o Evra melhor do que o Abidal?

  • fernando diz: 6 de maio de 2010

    Apesar de existirem exemplos no sentido contrário, sempre acho estranho quando os jogadores realizam funções diferentes das que tem nos seus clubes na seleção. Confesso que não acompanhei muito a França, mas pela tua análise, isto está acontecendo “a rodo” com os ‘bleus’. Ribery atua qse sempre à esquerda no Bayern. Anelka não faz a referência de maneira nenhuma no Chelsea. Gourkuff é, de fato, articulador, mas me parece muito mais isolado aqui na seleção do que no Bordeaux. E mais dois pitacos: Sagna, apesar de bom jogador, viveu uma temporada muito ruim. E ignorar o extraordinário ano de Malouda pra jogar com Henry ou Benzema me parece qse uma heresia, não? Abs!

  • Arthur diz: 6 de maio de 2010

    Eduardo… mas cadê o Malouda nessa história? Tá arrebentando lá na Inglaterra… Num sei não hein…. eu escalaria a França num 4-2-3-1, Lloris; Sagna, Gallas, Escudé, Evra; Lass Diarra, Toulalan; Anelka, Gourcuff, Malouda; Gignac. Esse seria a minha França ideal.

  • Conrado diz: 6 de maio de 2010

    Tira correndo o henry/benzema e coloca o malouda e tira o abidal e coloca o evra!!!

    Resposta do Cecconi: Conrado, e todos os amigos que perguntam. Há essa polêmica na França, mas Domenech se mostrou irredutível nas Eliminatórias. A não ser que mude de opinião, Malouda é reserva. Em alguns jogos, ele substituiu Gourcuff, não os atacantes. Ou seja, entrou como o articulador central. Veremos na Copa se esta tendência se confirma. Abraços a todos.

  • Luís Guedes diz: 6 de maio de 2010

    Dae Cecconi!! Sempre leio seu blog e sou fã de seus posts. Bela análise da sempre temida, ainda mais por nós brasileiros, seleção francesa. Não sei se tiveste oportunidade de ver o jogo do Grêmio ontem, mas gostaria, se possível, de ler um comentário sobre as diferentes formações táticas utilizadas por Silas na partida. No primeiro tempo, foi armado uma espécie de losango no meio-campo, muito parecido com o do Inter, apenas com uma pequena diferença: ao contrário do colorado, o lado direito ficava mais preso com Rocca e lado esquerdo era mais liberado com Hugo. No segundo tempo, em função do Borges, cansado, ter pedido para sair, Silas utilizou um 4-5-1, que pode ser desdobrado em 4-2-3-1, no estilo do Arsenal de Wenger. Devo dizer que aprovei essas duas formações, por aproveitar bem as características dos jogadores utilizados. Estou virando fã do Silas. Abração!!

  • Bryan diz: 6 de maio de 2010

    CECCONI VC SE FOSSE TECNICO DA FRANÇA, QUAL SERIA O SEU ESQUEMA TATICO? SE FOSSE EU MANTERIA O ESQUEMA SÓ TROCANDO O HENRY PELO MALOUDA NA ESQUERDA , QUE ESTA NUMA FASE EXCEPCIONAL, E MESMO O ABIDAL SENDO O CAPITÃO E UM OTIMO LATERAL ESQUERDO , EVRA TALVEZ SÓ PERCA PELO ASHLEY COLE NESSA POSIÇÃO E MERECIA SER TITULAR. E MEXÉS PARA MIM É TITULAR ABSOLUTO.

  • Gustavo diz: 6 de maio de 2010

    Grande Edu!

    Muito bom esse teu blog… gostaria de dar minha opinião sobre essa bela seleção: o limitado Abidal vai pra zaga e entra o ótimo Evra na lateral esquerda.

    O Henry joga até de muletas nesse time… caso não jogue, é certo que joga o Gignac, porque o Benzema, que pode até vir a ser um grande atacante, nunca fez nada além do que dar passe pro lado na seleção (e não pegou furo no milionário Madrid).

    E o Malouda, que tá jogando muito no Chelsea, parece que o péssimo Domenech não gosta muito, que seria titular certo com qualquer outro técnico.

    E lá vai a França cruzar com o Brasil… queremos vingança, Dunga!

    Abraço!

  • Bruno Matos diz: 6 de maio de 2010

    Cai na primeira fase, ou oitavas de final. Timeco. Tudo errado do princípio ao fim.

  • iury diz: 6 de maio de 2010

    Boa escalação!

    mais ainda acho que falta mais oficio no ataque
    eu colocaria Cisse no ataque pela direita centralizando Thierry Henry no meio traria Ribery ou Benzema para Esquerda
    Manteria Gourcuff como armador
    Lassana e A Diarra como marcadores
    Sagna e Abidal fechando o meio
    Gallas e Mexes na Zaga
    Hugo Lorris no gol

  • marcos diz: 6 de maio de 2010

    Cade o CISSE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Roberticus diz: 6 de maio de 2010

    Outro polemica na Franca ao torno de se deveria recuar a Gourcuff como espécie de segundo volante (tipo Xabi Alonso) para assim melhorar a distribuição do jogo frente da zaga, e dai colocar a Nasri ou até Ribery como camisa 10 em frente dele. De fato, a revista France Football vem advogando por isso desde que o pai de Gourcuff, Christian, quem e técnico do Lorient sugeriu a adoção do seu filho à esta posição como volante-criador. Pois com a presença de Toulalan mais qualquer dos Diarra, o meio-campo vira burocrático.

  • Alex diz: 6 de maio de 2010

    Essa é quase o mesmo esquema da ultima copa, a diferença é que era mais pra um 4-5-1 do que um 4-3-3, os pontas ficavam mais recuados. E tinha o Zidane no lugar do Gourcuff, mas isso é outra história…

  • Leonardo diz: 7 de maio de 2010

    Caro Cecconi, acredito que a Domenech não vá se utilizar de um 4-3-3 clássico na Copa, a não ser que os “ponteiros”, sem posse de bola, voltem e marquem, tal como, no Chelsea de Avram Grant, formando um 4-5-1, como disse o Alex. Também acredito que a eficácia do jogo francês seja comprometida por não contarem mais com a qualidade de Zidane, Vieira e Makelele.

  • Mini-Crítico diz: 7 de maio de 2010

    Aposto em Evra como titular. E aí, o lado esquerdo ganha uma importante opção ofensiva. Na direita, não acredito que o apoio de Sagna vá ser tão constante.

  • Jonas Rafael diz: 7 de maio de 2010

    Prefiro o Henry em má fase que o podre do Anelka. Esse tá em má fase desde o início da carreira. O Benzema não é de área também?

  • Carlos Augusto Nunes diz: 7 de maio de 2010

    Olá Eduardo! Seguinte: Que tal Ribery no meio, e ataque com Cisse, Henry e Benzema? Ribery precisa de campo pra criar… colocar na frente é queimar um ótimo jogador, que não deve jogar de costas pra zaga, pois tem ótimo passe e visão de jogo…

    Abraço!

  • Pablo Fernandes diz: 12 de maio de 2010

    Ribéry tem que ter liberdade, não tem tanta velocidade para jogar apenas na ponta. Com dois volantes a França parece bem segura na defesa, isso faz bastante diferença em mata-mata. Aposto em boas atuações do Gourcuff.

  • As 32 seleções » Blog Archive diz: 17 de maio de 2010

    [...] PRELEÇÃO: ANÁLISE TÁTICA DA FRANÇA [...]

Envie seu Comentário