Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Seleções da Copa de 2010: análise tática da Alemanha

15 de maio de 2010 12

A série de posts diários do blog Preleção sobre as 32 seleções da Copa do Mundo de 2010 abre hoje a análise sobre os integrantes do Grupo D com a Alemanha de Joachim Löw. A base do texto e do diagrama tático – esta é a metodologia para todas as postagens desta sequência – está em vídeos com trechos de jogos, reportagens e análises táticas das imprensas locais, e últimas notícias sobre cada seleção.

A proposta da Alemanha abre espaço para, pelo menos, duas interpretações. É quase consenso entre os analistas que o time treinado por Joachim Löw atua no 4-5-1 com linha de três meias ofensivos, desdobrado em 4-2-3-1. A formação básica é a utilizada na derrota por 1 a 0 para a Argentina, no início do ano: Rene Adler no gol; Boateng, Mertesacker, Tasci e Lahm na linha defensiva; Ballack e Schweinsteiger de meio-campistas centrais; Podolski, Muller e Ozil na linha ofensiva; e Klose como referência.

A dinâmica de jogo, entretanto, apresenta uma possibilidade diferente de análise. Podolski e Muller, sem a bola, alinham-se a Ballack e Schweinsteiger. Este movimento foi muito evidente no confronto com a Argentina. Quando a seleção de Maradona controlava a posse de bola, a Alemanha posicionava-se ainda no 4-5-1, mas com variação no desdobramento para o 4-4-1-1: duas linhas de quatro bem definidas, com Ozil dando o primeiro combate, e apenas Klose no campo adversário.

Retomada a posse de bola, este 4-2-3-1 se reconfigura. Está correto, portanto, na análise em três faixas de campo, definir o sistema da Alemanha como o 4-5-1 com dois meias marcadores e três meias ofensivos. Para quem prefere o desdobramento em quatro, existem as duas interpretações: o 4-2-3-1 com a bola, o 4-4-1-1 sem ela. Sintam-se à vontade para debater e apresentar suas perspectivas sobre o tema.

Esta Alemanha tem a mesma qualificação sem brilho que lhe caracteriza historicamente. Ballack e Schweinsteiger são meio-campistas com grande capacidade para fazer a saída de bola pelo chão, com passes precisos, e para se aproximar da intermediária adversária, controlando a segunda bola; Podolski e Muller são velozes para o jogo pelos lados ou para as diagonais; Ozil é competente, e Klose é artilheiro. Não há, porém, espaço para o improviso.

A equipe combina uma estratégia ortodoxa – todos jogadores cumprem à risca suas funções, e mantêm milimetricamente seus posicionamentos – com jogadores abnegados, eficientes, mas pouco versáteis. Ainda assim, é um time forte.

Nesta semana, Löw escalou uma Alemanha reserva na vitória de 3 a 0 sobre Malta, em amistoso. Dos titulares, jogaram apenas o zagueiro Tasci, e o meia Podolski. Beck, que disputa posição na lateral-direita com Boateng, também atuou. O brasileiro Cacau foi o destaque, com dois gols, credenciando-se a permanecer na lista de 23 convocados definitivos. E o sistema tático foi o 4-4-2 em duas linhas, com Cacau e Kiessling na frente; Khedira, Podolski, Kross e Trochowski na linha de meio-campo.

Confira a lista de 27 pré-convocados:

Goleiros:
Hans-Jorg Butt – Bayern de Munique
Manuel Neuer – Schalke 04
Tim Wiese – Werder Bremen

Defensores:
Per Mertesacker – Werder Bremen
Heiko Westerman – Schalke 04
Philip Lahm – Bayern de Munique
Jerome Boateng – Hamburgo
Andreas Beck – Hoffenheim
Arne Friedrich – Hertha Berlim
Serdar Tasci – Stuttgart
Marcell Jansen – Hamburgo
Holger Badstuber – Bayern de Munique
Dennis Aogo – Hamburgo

Meio-campistas:
Michael Ballack – Chelsea (ING)
Sami Khedira – Stuttgart
Piotr Trochowski – Hamburgo
Marko Marin – Werder Bremen
Bastian Schweinsteiger – Bayern de Munique
Christian Trasch – Stuttgart
Mesut Ozil – Werder Bremen
Toni Kroos – Bayer Leverkusen
Lukas Podolski – Colônia
Thomas Muller – Bayern de Munique

Atacantes:
Miroslav Klose – Bayern de Munique
Stefan Kiessling – Bayer Leverkusen
Cacau – Stuttgart
Mario Gomez – Bayern de Munique

Comentários (12)

  • homero felipe diz: 15 de maio de 2010

    acho q é mesmo um 4-2-3-1!

  • Pedro Lampert diz: 15 de maio de 2010

    Alemanha tem uma geração muito boa para o futuro. Alguns jogadores já estão nesta seleção, como: Jerome Boateng, Andreas Beck, Holger Badstuber, Dennis Aogo, Sami Khedira (substituto do Ballack no futuro), Marko Marin, Mesut Ozil, Toni Kroos e Thomas Muller, além de alguns que não estão na pré-lista, como por exemplo o Diego Contento e os irmãos Bender.

  • luiz felipe diz: 15 de maio de 2010

    Apesar de previsível é uma das favoritas pela tradiçao e pelos bons jogadores que tem. Observe-se que com a exceçao de 1 convocado todos atuam na liga germânica!

  • Filipe Nunes diz: 15 de maio de 2010

    Essa mesma variação acontece também no Liverpool, concorda? Talvez a diferença seja que nessa Alemanha os meias-externos não fiquem só colados à linha lateral como ocorre no L’pool…

  • fernando diz: 15 de maio de 2010

    É interessante notar um movimento que o Lahm faz na seleção e não no seu clube. Como atua com o “pé trocado”, acaba por centralizar a partir da intermediária adversária – o que é bom por um lado, pq ele tem um chute bastante decente, mas é ruim por outro: quem vai cruzar pro Klose? O fraco Boateng pela direita que não vai ser… Mas concordo com o teor gerla da análise e dos comentários: vai jogar como sempre, ortodoxa e, como sempre, deve ser candidata.

  • Felipe Corbellini diz: 15 de maio de 2010

    Considero uma seleção muito forte, o meio campo é muito qualificado… com Ballack e Schweinsteiger como médios defensivos, a saída de bola fica ótima e os dois wingers também são muito bons e sabem fazer gols, e na linha de frente o Ozil é muito habilidoso e o Klose dispensa comentários. O esquema acho que seja o 4-4-1-1, pois necessariamente os dois wingers tem que recuar para ajudar na marcação, afinal, nem um dos médios defensivos são realmente grandes marcadores. Abraço!

  • Daniel Hoppe diz: 15 de maio de 2010

    A Alemanha não jogou especificamente com o time reserva contra Malta. Jogou na verdade com o que tinha de melhor. Os jogadores que não jogaram atuam no Bayern München, Werder Bremen ou Chelsea, times que disputaram as finais das Copas dos seus respectivos países hoje. Ao todo, 12 jogares atuam nesses 3 times.

    Apesar de esta ter sido a escalação contra a Argentina, não acredito que este será o time base da Alemanha na Copa. Pra mim, vai pesar a experiência do Friedrich, e ele vai jogar, provavelmente no lugar do Serdar Tasci. No meio também acho que haverão mudanças: Pra mim, Trochowski entra no lugar do Müller, e Toni Kross ou Marko Marin no lugar do Podolski, que fez uma péssima temporada

    Outro que pode perder o lugar é o Klose, não apenas por estar no banco do Bayern, mas principalmente pelo excelente momento que vive o Cacau.

  • Bernardo De Biase diz: 16 de maio de 2010

    Rolfes vai para a Copa, e se ele for para a Copa bem fisicamente, será titular.

    Eu jogaria com Schwinsteiger e Ozil aberto por que são os jogadores titulares mais leves e versáteis dessa seleção, Ballack como box-to-box centralizado, Rolfes recuado fazendo o papel do Pirlo na Itália(lembrando que ele é um cabeça de área canhoto e técnico), e Podolski e Kiessling/Muller na área.

    Na minha opinião essa seleção vem muito forte

  • Everton diz: 17 de maio de 2010

    Ballack está fora da copa, então haverá mudanças. Será que ele manterá o mesmo esquema tático?E para manter esse esquema quem é o mais indicado para suprir a ausência do Ballack?

  • Everton diz: 17 de maio de 2010

    Ballack está fora da copa, então haverá mudanças. Será que ele manterá o mesmo esquema tático?E para manter esse esquema quem é o mais indicado para suprir a ausência do Ballack? Sami Khedira seria a solução, mesmo sendo a primeira copa dele?

  • Luis Garibotti diz: 18 de maio de 2010

    A seleção da Alemanha tem 27 jogadores. Apenas o Ballack joga FORA da Alemanha.

    Justamente o único e de maior destaque, se machuca.

    Agora sim, “Alemanha somente de alemães”.

  • Claudio Sacramento diz: 25 de maio de 2010

    Dentre os destaques da seleção alguns estão em má fase, outros são subaproveitados (não tem outro jeito) e um está fora da Copa por contusão. Mas a melhor opção de escalação e formação tática é essa mesma. Podolski e Klose vivem péssimo momento mas são as melhores opções para as posições de winger-esquerdo e atacante de área. Ballack e Schweinsteiger jogam mais recuados o que não permite aproveitar devidamente a boa técnica que os 2 possuem. Mas com a contusão e Michael, um volante apenas de contenção deve ser escalado no seu lugar podendo dar um pouco mais de liberdade para Schweinsteiger poder usar sua boa qualidade de passe e chute de fora da área. Tomas Müller, promessa do Bayern, fez uma ótima temporada e é candidato à revelação da Copa. Outro candidatíssimo à revelação da Copa está no banco: Toni Kroos. Meia ofensivo de ótima visão de jogo é o talento de maior futuro do futebol alemão. Por fim, Lahm um dos melhores laterais do mundo, completa a lista de maiores talentos da Alemanha.

Envie seu Comentário