Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Seleções da Copa de 2010: análise tática da Itália

23 de maio de 2010 4

Muito difícil é, hoje, analisar com precisão o que pretende Marcelo Lippi – taticamente – com a seleção da Itália na Copa do Mundo de 2010. Isso porque, recentemente, ele já fez uso de pelo menos três sistemas diferentes. O diagrama tático que ilustra o post traz uma projeção sobre aquilo que parece ser o mais provável, mas ainda distante de uma certeza.

A ideia principal de Lippi é o uso de um trio ofensivo. No amistoso contra Camarões (0 a 0) ele adotou o 3-4-3; em treinamentos, já com os 28 pré-convocados, a Itália varia entre o 4-3-3 e o 4-5-1 com três meias e dois volantes – o 4-2-3-1 (que, pelo avanço dos wingers, também apresenta um trio ofensivo).

Pela convocação, é possível imaginar que este trio seja formado por Gilardino, centralizado à frente; Iaquinta e Di Natale pelos lados. Ambos – Iaquinta e Di Natale – são qualificados o suficiente para atuar como atacantes no 4-3-3 e no 3-4-3, ou então como meias-extremos no 4-2-3-1.

As dúvidas passam para os outros setores. No 4-3-3 e no 4-2-3-1, a base defensiva do meio-campo deve ser formada por Pirlo e De Rossi. Abre-se uma vaga na articulação, disputada por Cossu, Pepe…e quem sabe Montolivo, Palombo. Vá saber.

Na defesa, tudo indica que a dupla de área tem Cannavaro e Chiellini, com Zambrotta ou Maggio na lateral-direita (ou na ala, no caso do 3-4-3) e Criscito na esquerda. Buffon, é lógico, veste a camisa 1.

Será preciso, entretanto, acompanhar os treinamentos e os dois amistosos derradeiros – contra México e Suíça – para saber qual sistema, e qual escalação, venceu a disputa.

Confira agora a pré-lista de 28 convocados por Lippi:

Goleiros:
Buffon – Juventus
De Sanctis – Udinese
Marchetti – Cagliari
Sirigu – Palermo

Defensores:
Bocchetti – Genoa
Bonucci – Bari
Cannavaro – Juventus
Cassani – Palermo
Chiellini – Juventus
Criscito – Genoa
Maggio – Napoli
Zambrotta – Milan

Meias:
Camoranesi – Juventus
Cossu – Cagliari
Gattuso – Milan
Marchisio – Juventus
Montolivo – Fiorentina
Palombo – Sampdoria
Pepe – Udinese
Pirlo – Milan
De Rossi – Roma

Atacantes:
Borriello – Milan
Di Natale – Udinese
Gilardino – Milan
Iaquinta – Juventus
Pazzini – Sampdoria
Quagliarella – Napoli
Rossi – Villarreal (ESP)

Comentários (4)

  • Ronan diz: 23 de maio de 2010

    Itália, como sempre, com defesa e meias defensivos muito bons e o ataque mais uma vez comprometendo. O Di Natale ainda dá trabalho, porém aquele Gilardino sempre foi bem enganador. Obs: Eu fico pensando em como os narradores vão se portar quanto o tal do Bocchetti entrar em campo…

  • Guilherme diz: 23 de maio de 2010

    Uma ideia,diga se concorda ou não Cecconi: Poe o Pirlo ou o De Rossi pra articular e poe o Gattuso na base defensiva do meio-campo.

    Aliás,o Gilardino não tá na Fiorentina não?

  • Silvio diz: 24 de maio de 2010

    Impossível imaginar o Pepe como meia de ligação, é um jogador que atua quase que somente como ponta pela direita. Penso que, nesse esquema, o jogador da armação seria o Pirlo, ou até mesmo o Beppe Rossi, sendo Gattuso ou Palombo o jogador a atual ao lado do De Rossi. Também discordo em relação ao atacante pela direita. Iaquinta é centroavante trombador e pouco técnico, e a seleção perderia muito com um jogador desses fazendo a função pelo lado. Os jogadores mais indicados seriam Pepe (mais indicado, para manter equilíbrio defensivo), Quagliarella ou Rossi.

  • Claudio Sacramento diz: 25 de maio de 2010

    Pela primeira vez em várias copas a Itália não tem um articulador (meia ou atacante) fora-de-série entre os convocados. Se tivesse seria uma solução para o meio. Por isso eu resgataria Del Piero e Totti na seleção. Totti seria titular na ligação meio-ataque. Del Piero ficaria no banco e o usaria sempre que possível. O Pirlo é fora-de-série mas nem é meia ofensivo e nem atacante o que o deixa apenas como auxiliar (embora brilhante) na armação das jogadas. Se o deslocarmos para a ligação ele não irá render. O lugar dele é atrás, dando combate e fazendo lançamentos. Como analisou o Cecconi, Lippi usa muitas variações. Mas a Itália é confusa desde a última Eurocopa. Na Copa das Confederações, ano passado foi ainda pior. Um time que não se encontrou e deu vexame. A organização tática tem que evoluir muito para a Itália ir longe na Copa. Por isso acho que, dentre as seleções grandes, a Itália é a que eu menos acredito em sucesso no Mundial.

Envie seu Comentário