Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Seleções da Copa de 2010: análise tática da Nova Zelândia

26 de maio de 2010 6

A Nova Zelândia fecha o debate sobre o Grupo F do Mundial da África do Sul, na série diária de posts do blog Preleção sobre as 32 seleções da Copa do Mundo 2010. E, só para manter a rotina, a equipe da Oceania se utiliza do 4-4-2 britânico, conhecido pelas duas linhas de quatro jogadores.

Neste 4-4-2 em duas linhas, a Nova Zelândia assume a inferioridade técnica evidente na comparação com outras seleções. O posicionamento inicial dos oito jogadores de defesa e meio-campo parte de faixas recuadas do próprio campo, oferecendo ao adversário posse de bola, mas bloqueando espaços. A Nova Zelândia não propõe o jogo, mas também não deixa jogar.

Poucos atletas atuam fora do quase amador futebol neo-zelandês, e quem se tornou um “internacional”, milita em clubes do segundo (ou até menos) escalão europeu. O futebol norte-americano também abriu mercado aos representantes do All White, como é conhecido o time nacional.

Com a bola, a Nova Zelândia simplifica, como faziam os clubes ingleses assim que surgiu o 4-4-2 em duas linhas, na década de 1970. A prioridade está nas jogadas pelos lados, com os meias-extremos, tentando a inversão longa ou o cruzamento para os dois atacantes. A dupla de frente deve ser formada por Killen e Smeltz, dois jogadores com mais de 1,80m, bom uso da força física, e familiaridade com o jogo aéreo. Ambos sofrem com a estratégia da equipe, sendo pouco acionados, e aparecendo apenas na conclusão das raras jogadas de ataque.

Neste ano, a Nova Zelândia perdeu amistosos para México e Austrália. Os 23 jogadores convocados pelo técnico Ricki Herbert recém começaram os treinamentos, e têm mais duas partidas de teste antes da Copa do Mundo: contra Sérvia e Eslovênia.

Confira a lista de 23 convocados pelo técnico Ricki Herbert:

Goleiros:
James Bannatyne – Team Wellington
Glen Moss – Melbourne Victory
Mark Paston – Wellington Phoenix

Defensores:
Andy Boyens – New York Red Bulls (EUA)
Tony Lochhead – Wellington Phoenix
Ryan Nelsen – Blackburn Rovers (ING)
Winston Reid – Midtjylland (DIN)
Ben Sigmund – Wellington Phoenix
Tommy Smith – Ipswich Town (ING)
Ivan Vicelich – Auckland City

Meio-campistas:
Andy Barron – Team Wellington
Leo Bertos – Wellington Phoenix
Tim Brown – Wellington Phoenix
Jeremy Christie – FC Tampa Bay (EUA)
Aaron Clapham – Canterbury United
Simon Elliott – sem clube
Michael McGlinchey – Motherwell (ESC)
David Mulligan – sem clube

Atacantes:
Jeremy Brockie – Newcastle Jets
Rory Fallon – Plymouth (ING)
Chris Killen – Middlesbrough (ING)
Shane Smeltz – Gold Coast United
Chris Wood – West Bromwich (ING)

Comentários (6)

  • Jonas diz: 26 de maio de 2010

    Reclamamos que o Dunga convocou reservas, mas a NZ convocou jogadores sem clube.

    Com esse estilo, o máximo que podem conseguir é repetir a campanha de três empates da Suíça. Se eu sou o treinador desses times menores, começava a treinar penaltis agora mesmo.

  • Claudio Sacramento diz: 26 de maio de 2010

    Um dos 2 destaques da Nova Zelândia sofreu uma lesão e pode estar fora da Copa: o meia Tim Brown. O outro destaque é o atacante Chris Killen do Middlesbrough.

  • As 32 seleções » Blog Archive diz: 27 de maio de 2010

    [...] PRELEÇÃO: ANÁLISE TÁTICA DA NOVA ZELÂNDIA [...]

  • Danilo diz: 27 de maio de 2010

    por que o 442 e o esquema mais utilizado pelas selecoes na copa do mundo?e por que nao e muito utililizado 433 ou 352?

  • Daniel Machado diz: 29 de maio de 2010

    Edu, desculpe a falta de informação no caso dessa seleção, mas tu sabes me informar se os lateriais são zagueiros, como na Argentina, por exemplo?

    Um abraço e parabéns pelo grande trabalho.

  • Marcelo Silva diz: 3 de junho de 2010

    Caro Eduardo, parabéns pela iniciativa em tentar desvendar o esquema tático de todas as seleções da Copa, mas você errou em algumas coisas da Nova Zelândia. Para começar, o time deverá jogar mesmo num 3-4-3, já que hoje o país não tem nenhum lateral-direito de origem confiável. Na primeira linha jogam Sigmund, zagueiro pela direita, Vicelich pelo centro e Nelsen pela esquerda. No meio, os quatro são Bertos, pela direita e não pela esquerda, Brown, que agora se machucou, Elliott e Lochhead. Na frente jogam Killen, pela direita, Fallon no centro e Smeltz na esquerda.

Envie seu Comentário