Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Paraguai surpreende no 4-3-3

20 de junho de 2010 3

Depois de atuar durante praticamente todas as Eliminatórias Sul-Americanas no 3-5-2, e começar a Copa do Mundo no 4-4-2 em duas linhas, o Paraguai apresentou hoje mais uma novidade tática. Com sucesso, afinal, venceu bem a Eslováquia por 2 a 0, encaminhando sua classificação às oitavas de final do Mundial da África do Sul.

Contra a Eslováquia, o Paraguai jogou no 4-3-3. E com um triângulo de base alta no meio-campo – um volante centralizado, com dois meias à frente. A principal virtude da equipe foi a composição ofensiva, combinando Valdez e Lucas Barrios, atacantes de movimentação, com o centroavante Roque Santa Cruz.

A estrutura tática, entretanto, não desguarneceu a equipe paraguaia. A linha defensiva se manteve, com apoio alternado e cauteloso dos laterais. Cáceres protegeu e deu cobertura a ambos os lados. E os meias – Riveros e Vera – não foram pontas-de-lança demasiadamente ofensivos, trabalhando mais na troca de passes e na aproximação para a segunda bola, do que mais precisamente na infiltração – o que evitou a abertura de espaços.

Na frente, Barrios abriu na direita, e Valdez na esquerda. Mas o posicionamento não permaneceu lateralizado. Martino procurou manter o trio ofensivo bastante próximo. Quando Barrios recebia na direita, Valdez fechava na área junto com Santa Cruz. O mesmo acontecia do outro lado. O camisa 9 também recuava no pivô, trazendo a marcação e possibilitando aos dois atacantes ingressarem simultaneamente na área.

Foi interessante ver o Paraguai identificando, em seu planejamento, a Eslováquia como um adversário mais vulnerável. E, a partir daí, buscando no sistema tático as condições para tornar-se protagonista, controlar a partida, e jogar para vencer. Foi uma estratégia acertada, sem riscos iminentes.

Comentários (3)

  • Renan diz: 20 de junho de 2010

    Eu acho que existe uma confusão muito grande entre o 4-3-3 e o 4-5-1.
    O paraguai entrou em campo no 4-5-1. O que aconteceu, é que o time adversário deu liberdade para os meias chegarem ao ataque toda hora. Eu acho os dois esquemas muito parecidos. Eles podem ser diferenciados apenas na postura e atitude dos jogadores escolhidos para compor o meio campo, (ou ataque). Por exemplo, o esquema do Brasil é um legítimo 4-5-1. A diferença é o elano que não se torna atacante, quando com a bola. Se fosse utilizado o Daniel Alves o time estaria num 4-5-1 pra se defender e num 4-3-3 pra atacar.

    Resposta do Cecconi: Renan, seria preciso saber em que conceitos tu te ampara. Nas imagens e no heat map do jogo é bem claro o 4-3-3. A definição do sistema não se dá pela postura ou atitude dos jogadores, mas sim pelo posicionamento inicial e pela função desempenhada – independentemente de suas características. Sobre variações com e sem a bola, quando o jogador cumpre o papel de sua função, não há variação na perda ou na conquista da posse. Abraços.

  • luiz carlos knopp diz: 20 de junho de 2010

    Gostei muito do futebol apresentado pelos paraguaios. Defesa consistente e ataque muito rápido. Vai longe nesta copa.

  • Daniel diz: 20 de junho de 2010

    Cecconi, o PVC no blog dele discorda da tua analise, pois coloca que, embora com trës atacantes de oficio, Valdez atuou mais recuado, pelo lado.

    Resposta do Cecconi: Daniel, eu não concordo nem discordo com ninguém. Apenas fiz uma análise. Se alguém analisa de forma diferente, é porque se ampara em conceitos teóricos diferentes, só isso. Eu vi o jogo, analisei as imagens, observei o heat map da partida, e para mim o Paraguai jogou claramente no 4-3-3. Abraços.

Envie seu Comentário