Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

0 4-2-3-1 não é novidade no futebol gaúcho

16 de julho de 2010 15

O 4-5-1 com dois volantes e três meias ofensivos utilizado por Celso Roth na vitória do Inter sobre o Guarani, na última quarta-feira, não é novidade no futebol gaúcho. Outros cinco técnicos da dupla Gre-Nal se utilizaram do 4-2-3-1 nos últimos meses – antes mesmo deste sistema se tornar referência na Copa do Mundo 2010.

O primeiro foi Paulo Autuori, no Grêmio, em novembro de 2009leiam aqui. Ele organizou a equipe no 4-5-1 com uma boa linha de meias ofensivos (Souza na direita, Douglas Costa na esquerda, e Tcheco centralizado), jogadores com as características exigidas pelas funções. Mas empatou em casa com o São Paulo em 1 a 1, e dias depois deixou o cargo.

Depois, também no Grêmio e em novembro, Marcelo Rospide manteve a base tática do 4-5-1leiam aqui. Foi no empate em 1 a 1 com o Cruzeiro, no Mineirão. Houve diversas variações táticas, mas a principal decisão de Rospide à época foi encontrar um bom lugar para Maylson na extrema direita da segunda linha.

No mesmo mês – novembro de 2009 – Mário Sérgio utilizou o 4-2-3-1 por mais de uma oportunidade no Inter – leiam aqui. A formação obteve bons resultados, e na soma foi a mais utilizada pelo treinador em sua curta passagem no colorado.

Outro exemplo de 4-5-1 com dois volantes e três meias é o de Jorge Fossatileiam aqui. O 4-2-3-1 foi a primeira alternativa do ex-técnico do Inter aos três zagueiros. Foi com ele que o Inter empatou em 0 a 0 com o Cerro-URU em Rivera, pela Copa Libertadores.

Silas fecha a lista de cinco treinadores da dupla Gre-Nal que adotaram recentemente o 4-5-1 desdobrado em 4-2-3-1leiam aqui. Foi na semifinal da Copa do Brasil, em derrota para o Santos. Aplicou uma estratégia de recuo demasiado das linhas, desabastecendo o único atacante.

Celso Roth é, portanto, o sexto técnico a experimentar o 4-5-1 (ou 4-2-3-1) na dupla Gre-Nal desde novembro do ano passado. Pela curta amostragem, credencia-se a ser o de melhor aplicação da estratégia exigida por esta formação: linhas adiantadas. No 4-5-1 com dois volantes e três meias, é necessário marcar no campo adversário, avançar a defesa e os volantes, para evitar o isolamento do único atacante. O Inter tem treinado desta forma, aplicando a pressão-alta ao 4-2-3-1, e fez isso com sucesso no 3 a 0 sobre o Guarani.

Comentários (15)

  • Marco diz: 16 de julho de 2010

    Mas o Mano já usava este recurso em 2005, nos jogos fora de casa! Recordo do jogo contra o Santo André, na segunda fase da série B.

  • Tef diz: 16 de julho de 2010

    Grande Cecconi, vou fazer um “retruco” neste post: mesmo antes, o Mano Menezes, no Grêmio, já havia utilizado o 4-5-1, com dois volantes marcadores, utilizando o Carlos Eduardo aberto pela esquerda e Diego Souza pela direita, com Tcheco centralizado e apenas Tuta no ataque. Me corrige se eu estou errado. Inclusive foi esta equipe a da campanha do vice da Libertadores, em 97. Abraços.

  • AQUINO diz: 16 de julho de 2010

    Quem iniciou este esquema e melhor armou uma equipe assim foi o Mano Menezes do Grêmio em 2006 quando ele escalava :Marcelo ( Galatto) Patrício , Willian ,Evaldo e Bruno Telles (Wellington) ,Jeovânio e Lucas ( S.Goiano) , Tcheco ,Léo Lima e Hugo e o Rômulo na frente. 4 x 2 x 3 x 1 .
    Isto aconteceu a parir de agosto no jogo contra o Fortaleza que o Grêmio venceu de 4 x 1 e estava em 8º lugar .
    Venceu o Forataleza , depois o Corinthians 2 x 0 ,o Cruzeiro aqui 2 x 1 ,o Paraná aqui 2 x 1 ,empatou com o Vasco no Rio 1 x 1 ,venceu o Botafogo aqui 4 x 0 , venceu a Ponte Preta aqui 4 x 0 (escalação deste jogo ) Marcelo , Patrício , Willian( Maidana),Evaldo e Wellington,Jeovânio e Lucas : Theco ( Sandro ) Léo Lima ,Hugo , e Rômulo ( Herera) .
    Gols 2 Herrera , 1 Hugo 1 Lucas .
    Ai o Grêmio chegava em segundo lugar na classificação do campeonato brasileiro , decaiu depois chegando assim mesmo em 3º lugar porque o Léo Lima no jogo contra o Goiás teve uma lesão muscular e quem entrou no seu lugar foi o Ramon que era muito inferior.
    ESTE FOI O PRIMEIRO 4 x 3 x 2 x 1 aqui no sul .
    abrs
    Aquino

  • antonio diz: 16 de julho de 2010

    Antes desses que tu falasse teve os do mano menezes. Em 2006 com jeovanio e lucas;ramom/leo lima, tcheco e hugo; romulo/herrera e em 2007 com gavillan e sandro;tcheco, d souza e carlos eduardo; tuta. Este ultimo com mais variaçao pra 4-4-2, mas teve muitos momentos no 4-2-3-1. Isso aí, grande abraço

  • MARCELO DOS SANTOS diz: 16 de julho de 2010

    Otimo esquema se o guarani tivesse atacantes bons não craques ja teria matado o inter antes mesmo dos 3 gol feitos,so gremista e digo,este time do inter e muito ruim so estes comentarista colorados estão vendo um super time,para passar do SP vai ter que melhorar uns 80%do que jogou contra o guarani,outra coisa este timeco perdeu para o meu Gremio no gauchão vai ganhar de quem,pois o meu time do coração se não mudar a atitude vai para no fundo do posso de novo.Mudança ja,diretoria e fora silas pastor

  • Gabriel diz: 16 de julho de 2010

    Faltou o 4-5-1 mais bem sucedido: o grêmio do Mano menezes em 2006/2007.

    sempre com 2 volantes e 3 meias.

  • Pedrinho Carvalho diz: 16 de julho de 2010

    Abel Braga usou isso tb:

    Clemer;
    Ceará, Bolivar, Eller e Jorge Vagner;
    Edinho e Fabinho;
    Tinga, Fernandão e Alex;
    Rafael Sobis.

    Foi no 1º tempo do jogo com o São Paulo, no Morumbi, na 1ª partida da decisão da Libertadores 2006.

  • Adriano diz: 16 de julho de 2010

    Daqui uns dias o Grêmio estará usando o 4-6-0…..e o treinador ainda vai falar: “Não chuta a gol que o goleiro deles é muito bom, eu conheço, não vai adiantar”.

    O Silas poderia ler Blog Preleção!!! Aprenderia muito!!!

    Abraço

  • Antonio diz: 16 de julho de 2010

    O “vício” deste esquema é a tendência em optar por centrovantes de referência, centralizados. Nada contra o estilo, não quero briga com o Drogba,Crespo, Kluivert, VanBasten e tantos outros. A lista é enorme, vai de Dario, passa por Baltazar e chega em Jardel. Para saudosismo de gremistas e colorados. A questão é pontual. Neste esquema teremos que aguentar o Alecsandro e seus gols dados por quanto tempo? Ele não entra na lista anteriormente citada.

  • Arthur Costa diz: 16 de julho de 2010

    Fahel Jr. joga assim no Brasil, sendo que um dos volantes é o moscatelli

  • Ronaldo diz: 16 de julho de 2010

    Quanto ao time do Grêmio de 2006, me recordo de um post em que o Cecconi ilustra que aquele Grêmio jogava no 4-1-4-1 e não no 4-2-3-1, por que o Lucas, mesmo sendo um volante (o que pelas posições “nominais” dos jogadores seria um 4-2-3-1) NÃO jogava alinhado com o outro volante, o Jeovânio, mas praticamente alinhado com os 3 meias: Tcheco, Hugo e Léo Lima (Ramón ou Alessandro), com o Jeovânio mais atrás configurando um 4-1-4-1 semelhante ao da Itália campeã de 2006. No tiime da Libertadores de 2007 também não vejo que fosse 4-2-3-1. O Carlos Eduardo jogava mais adiantado como um 2º atacante mesmo. Então aquele time jogava mesmo no 4-4-2 (ou 4-2-2-2, se preferirem), com meio-campo em quadrado com dois volantes na 1ª linha do meio-campo, Tcheco e Diego Souza na 2ª.

  • zanda diz: 17 de julho de 2010

    Eu também ia falar antes dos comentários, o pioneiro disso foi Mano Menezes e o Grêmio de 2007, e o esquema foi tão bem armado que com um time mediocre (Patricio, Tuta, Teco, Schiavi, Gavilan, Sandro Goiano …) chegamos na final da Libertadores.
    Mas esse esquema é muito fraco, qual foi o time da copa que chegou a algum lugar jogando assim? R: nenhum. Dos quatro semi finalistas Espanha e Alemanha com 2 atacantes e meias avançados e Holanda e Uruguai praticamente com três atacantes.
    Esse time do Inter é muito ruim, pois perdeu o Gauchão pra nós com o BURRO Silas e seus bruxos (Ferdinando, Edílson, Ozeia, …). Não é esse esqueminha que vai resolver, e logo mais com o BURRO Celso Roth os 05 do meio campo serão: Sandro, Glaydson, Guinazu, Wilson Mathias e Tinga. ha ha ha ha ha!!! 05 volantes. Dá-le tricolores.

  • Luis Cesar Santos diz: 17 de julho de 2010

    Concordo com o comentário do Marco. Acredito que Mano Menezes iniciou o 4-2-3-1 ainda em 2005 quando jogava com Lipatin centralizado no ataque com Ricardinho mais recuado, principalmente em jogos fora de casa. Outra alternativa seria Ricardinho e Marcel, sendo este o mais recuado por ser um meia de origem.

  • TK diz: 17 de julho de 2010

    Existe uma coisa que eu percebi em alguns esquemas desse tipo… como você disse, em um 4-2-3-1 “convencional” não pode haver lateral-base, é preciso que os dois laterais avancem em apoio simultâneo, porque os volantes no 4-2-3-1 “clássico” são isso mesmo… DMs que só sabem destruir e manter a posse de bola com toques simples, não vão ajudar com aproximações ou chutes. Busquets, Van Bommel e Felipe Mello são exemplos clássicos disso, Gilberto Silva ou De Jong me parecem ainda piores nesse aspecto. Com isso os meia-extremos só tem opções de passe central e os laterais, a saída de bola fica desqualificada.

    No fim das contas, se os laterais não apoiarem, ou você isola os meia-extremos em um 4-3-3 de base baixa com atacantes e posicionamento ruins, ou fica com o time preso no meio do campo, sem opções de abertura.

    Agora, aí existe um problema… poucos times tem laterais de ambos os lados com habilidade para avançar, e poucos técnicos parecem ter confiança para montar um esquema tão “faceiro”. A solução para isso, na minha opinião, é “assimetrizar” o esquema (bom, na verdade a solução é contratar Maicon e André Santos), assim abrindo o esquema mesmo que de forma desalinhada, da mesma forma como se faz com meio campos em losango ou até em quadrado no 4-4-2… Existem diversas opções, normalmente adotadas em conjunto:

    1- Trocar um dos meia-extremos por um atacante aberto pelo lado com boa movimentação.
    2- Trocar um dos volantões por um box-to-box, com boa chegada. O problema é que o outro volante tem que ter mais habilidade, não pode ser um carregador de piano padrão, porque ele não terá a opção do passe curto para o outro volante na manutenção da posse de bola.
    3- Para compensar, um dos meia-extremos pode ter menos chegada, ficar mais no apoio do lateral…

    Eu vejo isso na Seleção, é um 4-2-3-1, mas como um dos laterais avança mais (Maicon) devido a debilidade defensiva e dificuldade de linha de fundo do outro, o meia-extremo do da esquerda é avançado, e acaba sendo mais um atacante, enquanto o meia-extremo do lado contrário atrasa compensando…

    Vejo isso também na Alemanha com Badstuber: lateral esquerdo apóia pouco, lateral direito apóia muito, com isso Podolski avança mais em diagonal, Müller abre tentando compensar, o time tem problemas defensivos devido ao buraco na esquerda.

    Na Seleção Holandesa é ainda pior. O time não tem laterais com bom apoio, então para abrir o jogo Robben vira um “segundo atacante pelo lado”, Kuyt fica mais preso atrás, todo mundo sofre para fechar os buracos gerados, e o time precisa de mais alguém para manter a posse de bola no campo ofensivo, porque caso contrário o sistema se perde.

  • Rodrigo Leão diz: 19 de julho de 2010

    (não é referente ao tópico)
    Cecconi,

    tu sabe me indicar onde eu posso encontrar fotos de jogos que demonstrem posicionamento defensivo/ofensivo de alguma equipe? Digo, fotos como as que tu usa aqui no blog volta e meia?

    Abraço,
    Rodrigo Leão

    Resposta do Cecconi: Rodrigo, as poucas fotos aqui utilizadas são de minha autoria, nos estádios, ou capturadas de vídeos. Abraços.

Envie seu Comentário