Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O 3-5-2 híbrido do Flamengo

25 de julho de 2010 9

Acompanhei hoje a vitória do Inter por 1 a 0 sobre o Flamengo, no Estádio Beira-Rio. E achei curiosa a movimentação defensiva dos cariocas, o que motiva o debate sobre o rubro-negro no blog Preleção.

O Flamengo do técnico Rogério Lourenço apresentou um 3-5-2 híbrido. Na prática, Rômulo atuou como um zagueiro centralizado, entre Jean e Ronaldo Angelim, caracterizando o sistema com três zagueiros. No meio-campo, dois volantes alinhados (Willians e Correa), e Petkovic centralizado na ponta-de-lança. Completaram o time os atacantes Vinícius Pacheco e Diego Maurício abertos pelos lados.

Com a bola Rômulo avançava seu posicionamento, dando margem à percepção de uma variação tática para o 4-4-2 com meio-campo em losango, tendo ele no primeiro vértice do setor. Durante todo o primeiro tempo ele fez este balanço, recuando e avançando, muito atento à movimentação do único atacante fixo colorado – Everton.

A presença de Rômulo no trio defensivo espetou Juan e Léo Moura nas alas do Flamengo, posicionando ambos bem próximos dos pouco apoiadores laterais colorados Daniel e Juan. Essa estratégia, entretanto, voltou-se contra o próprio time de Lourenço.

Quando Rômulo recuava para marcar Everton, e os alas flamenguistas adiantavam-se para bater no alto com os laterais colorados, abria-se muito espaço pelos lados. Nesta faixa entre o ala e o zagueiro Taison atuou sem ser incomodado. O treinador do Flamengo, sem alterar a estrutura, tentou anestesiar a circulação de Taison invertendo os volantes – Correa, mais combativo, passou para o lado direito, e Willians foi para a esquerda.

Como meia-extremo pela esquerda, no 4-5-1 (ou 4-2-3-1) colorado, Taison jogou das costas de Léo Moura até o combate de Jean, entre as intermediárias. Espaço suficiente para desenvolver velocidade, observar o melhor caminho a seguir, analisar possibilidades, e ter vitória pessoal. Assim ele marcou o gol e criou as melhores chances do Inter na vitória de 1 a 0.

No segundo tempo, Lourenço corrigiu o problema mais comum dos 3-5-2′s à brasileira (indefinição da marcação pelos lados). Rômulo deu lugar ao meia Marquinhos, e o 4-4-2 se configurou.

Comentários (9)

  • Eduardo diz: 25 de julho de 2010

    Esse movimento do zagueiro não seria o movimento esperado de um Líbero? (no sentido italiano da coisa) Só que como é tão raro aqui no brasil (ele só fica na sobra) quando o cara realmente atua de líbero tem que dizer que ocorre uma modificação no sistema, enquanto todo 3-5-2 deveria funcionar desse jeito?

  • EL LOCO diz: 25 de julho de 2010

    Porque Everton nao jogou nada hoje parecia uma mosca tonta no campo
    Damian devia ter jogado.O Renan fes umas fiuradas mas teve sorte de nao levar gol

  • Joao Gouveia diz: 25 de julho de 2010

    Correia mais combativo que Wilians?
    Correia é meio-de-campo, jogando improvisado de volante

  • Augusto diz: 25 de julho de 2010

    Cecconi, a formatação tática do Inter no jogo de hoje não lembrou a Espanha da copa? Um 4-2-3-1 com muita cara de 4-1-4-1, como tu mesmo dizes (e eu concordo plenamente).

  • luciano krause diz: 25 de julho de 2010

    preferiria ter o andrezinho no lugar do everton e o tyson jogando mais a frente, poiso everton naum jogou nada de nada

  • alex cunha diz: 25 de julho de 2010

    Bom,
    O que faltou para a tatica dar certo é alguem do perfil do gilberto silva (volante/zagueiro) também vejo uma melhor adaptação do 3-5-2 para o 5-3-2 o qual uso muito isso no time que sou tecnico. (sub-17). Hoje não dá para cobrar do Lorenço muita coisa com o elenco que tem! falta um atacante de nivel de seleção (vagner love)e no minimo um meio de ligação com um bom passe (ganso).

    Pergunto: quando o Renato começa a jogar?

  • Alisson Gomes diz: 26 de julho de 2010

    na verdade esse esquema não funciona no fla, pois romulo e muito lento deve ser o jogador mais lento do mundo!!! como um cara desse chega a profissional?
    esse fla não tem raça e nem garra, o time esta perdendo e eles se acomodando. sera que so eu tô vendo?
    por favor até meu time de pelada ganha dessa baba.
    esse time é uma vergonha,time sem vergonha…

  • Michel Costa diz: 26 de julho de 2010

    Olá Cecconi,
    Concordo que essa questão da indefinição da marcação sobre Taison foi decisiva no gol colorado, mas, assim como o João Gouveia escreveu acima, também não vejo em Correa uma capacidade de marcação maior que a de Willians. Aliás, a maior característica do último é justamente marcar bem. Vale lembrar que ele foi o maior ladrão de bolas no último Brasileiro, acima até de Guinazu.
    Abraços.

  • Alex Diniz diz: 26 de julho de 2010

    Na verdade o Flamengo joga no 4-4-2 com meio-campo em losango. O fato do Rômulo recuar para fazer o terceiro zagueiro é mais da característica do jogador. No último jogo do Flamengo, contra o Avaí, quem fez essa função foi o Correa e não dá pra dizer que ele alternava entre primeiro volante e terceiro zagueiro.

    Na minha opinião o maior problema do Rogério é mudar o time (quase nunca fica melhor depois das alterações) e dar um padrão de jogo para o Flamengo, apesar do posicionamento estar bem definido.

Envie seu Comentário