Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Cronologia tática do Gre-Nal 382

01 de agosto de 2010 7

Pude trabalhar na cobertura do Gre-Nal 382 hoje pelo clicEsportes, e compartilho este privilégio com os leitores do blog Preleção trazendo ao debate uma análise tática sobre fotos, com a cronologia das decisões de Celso Roth e Silas. O empate em 0 a 0 pode ser atribuído a este confronto dos treinadores de Inter e Grêmio, que se esmeraram em aplicar venenos e antídotos no combate às virtudes do adversário.

Preservando cinco titulares, Celso Roth manteve a estrutura tática do 4-5-1 com dois volantes e três meias ofensivos (ou 4-2-3-1). Sandro e Guiñazu atuaram na primeira linha do meio-campo; Giuliano na direita, Andrezinho centralizado, e Rafael Sobis na esquerda formaram a segunda frente do setor. A distribuição é clara na foto abaixo, que registra uma saída de bola pela direita com Bruno Silva, e a consequente aproximação de Giuliano para receber:

No Grêmio, Silas também manteve o sistema tático recente – o 3-5-2. Defesa formada por Ozeia, Rodrigo e Rafael Marques; Ferdinando (esq) e Adilson (dir) na proteção, Maylson e Hugo nas alas, Douglas na articulação solitária, e Jonas-Borges na frente. Com um detalhe: Jonas recuava por dentro, buscando jogo e atuando entre as costas dos volantes do Inter, e a linha defensiva colorada. A foto é quem fala:

Antes do jogo Silas prometeu apresentar variações ao 3-5-2. E ocorreu uma. Em determinado momento do primeiro tempo, Ferdinando passou a marcar Giuliano individualmente. O volante do Grêmio abria pela esquerda, na mesma faixa dos três zagueiros, formando uma tradicional linha de quatro jogadores. Adilson centralizava como volante, marcando Andrezinho individualmente, e a articulação tinha um trio com Maylson, Douglas e Hugo. Uma espécie de 4-4-2 (ou 4-1-3-2) disfarçando-se de 3-5-2. Assim que a equipe retomava a bola o 3-5-2 se reconfigurava rapidamente.

A medida, entretanto, buscava muito mais o combate sem a bola do que a transição ofensiva com a posse. Ferdinando perseguia Giuliano para se manter a sobra. Isso porque Ozeia saía em combate a Rafael Sobis, e Rodrigo batia com Everton. Rafael Marques, mesmo que originalmente na esquerda, tornava-se o zagueiro da sobra. A análise sobre a foto é esclarecedora:

No segundo tempo, o contra-veneno de Celso Roth ao encaixe da marcação gremista foi espelhar o 3-5-2. Saiu Índio, entrou Fabiano Eller, Juan recuou, e Giuliano abriu como ala pela esquerda. Reparem:

Os técnicos persistiram com decisões de clara resposta às medidas do adversário. Quando Celso Roth formou o 3-5-2 com Giuliano na ala, Silas prontamente trocou Maylson por Edilson – projetando atuar com maior força nas investidas pela linha de fundo, às costas do meia destro improvisado no setor. A resposta de Roth veio em poucos minutos: Taison substituiu Andrezinho e abriu na ala-esquerda, centralizando Giuliano na armação. Ou seja: Edilson já não poderia apoiar tanto, sob pena de desguarnecer o setor para Taison.

Nesta corrida de gato-e-rato, o empate em 0 a 0 parece de acordo com tamanha preocupação dos técnicos em não deixar o adversário jogar.

Comentários (7)

  • William Souza diz: 1 de agosto de 2010

    Análise perfeita,agora sim eu tenho que elogiar!

    Explicou tudo de forma justa!

  • marco diz: 1 de agosto de 2010

    Cecconi tu eh o cara veio! pelo amor de Deus treina o gremio!

  • sidnei diz: 1 de agosto de 2010

    Roth não é tão burro como diziam os gremistas ou Silas não é tão inteligente coo quando veio do Avaí.

  • Renan diz: 1 de agosto de 2010

    Bom resultado para o inter, o mistão quente ta dando conta do brasileirão hein hehe
    Só que o Indio ta muuuito mal, embora nós tenhamos perdido força na defesa aeria com a entrada de Eller ele deu muito mais segurança no setor. O indio era um bom zagueiro, mas atualmente ta muito lento e parece sem confiança… ou talvez com confiança demais, todas chances de gol no primeiro tempo desse grenal e no jogo contra o são paulo foram por falha de marcação e bote dele. o problema é que botando o Eller começamos a passa sufoco com bola levantada na area, pelo menos nesse grenal.
    Acho que era melhor por o sorondo, que deixou de ser tão lento e é bom na bola aeria, caso contrario agente dificilmente saira de sampa sem tomar gol…

    Realmente foi um jogo muito truncado, mas no final do jogo, quando Roth botou Taison no lugar de andrezinho, pelo menos para mim ele voltou ao 4-5-1, com juan indo para lateral (pode ver que ele passou a subir tambem), taison na esquerda, giuliano centralizado e sobis / everton alternando as posiçoes de winger direito e centro-avante (acho que daria até para considerar um 4-4-2).
    O que achas edu ?

  • Jorge diz: 2 de agosto de 2010

    Terminou empatado porque o pata dura sem pontaria do Borges não consegue fazer gol com a pequena goleira que teve a sua frente(por isso que o São Paulo o liberou e na janela de trasferências ninguém se interessou) ele até faz uns gols mas quando o time precisa dele ele some…
    O que o Presidente Duda falou é verdade; pois se forem ver nas últimas partidas o GRÊMIO SEMPRE FOI PREJUDICADO PELOS ÁRBITROS QUE NÃO MARCAM PENALTI A SEU FAVOR.

  • MacacoImundo[é]CampeãodoMundoFIFA diz: 2 de agosto de 2010

    Blz de análise.

    Só p/ lembrar aos tricolinos: já são DOIS JOGOS que o INTER não perde p/ o Grêmio… parece que começou nova sequência de invencibilidade… KKK

    Quanto ao juiz, não me surpreendo com as reclamações gremistas, afinal QUAL O JOGO que o Gfbpa perde ou empata que a CULPA não é do JUIZ???

    FICA MEIRA, FICA SILAS!!! O TRI-REBAIXAMENTO VEM AÍ…

  • Felipe C. diz: 2 de agosto de 2010

    No post anterior, falei que os defensores do Grêmio ficariam no mano a mano contra os meias e o atacante do Inter.
    Essa providência que o Silas tomou, no momento em que o time não tinha a bola, fez com que voltasse a sobra, como tu mesmo disse.
    Acho que o Silas acertou, pois antes pensei que o entendimento dele seria o de jogar no 3-5-2 com e sem a bola.
    Não podemos esquecer que ele estava jogando contra um time que quando está com a bola fica com praticamente 3 atacantes.
    Portanto, fica complicado segurar com apenas 3 zagueiros.
    Além disso, essa variação demonstra que o 3-5-2 não é defensivo, como muitos pensam.
    Abraço.

Envie seu Comentário