Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 19 agosto 2010

Cronologia tática de Inter x Chivas

19 de agosto de 2010 13

Das cabines do Estádio Beira-Rio pude assistir ontem à decisão da Copa Libertadores 2010. A posição privilegiada do local de cobertura do clicEsportes me permite compartilhar no blog Preleção imagens esclarecedoras sobre o planejamento tático de Inter e Chivas. Confiram:

Celso Roth manteve no Inter o 4-5-1 com três meias ofensivos (ou 4-2-3-1). Os meias-extremos com “pés invertidos” também persistiram – o canhoto D’Alessandro na direita, o destro Taison na esquerda – com Sandro e Guiñazu guarnecendo a linha defensiva de quatro jogadores, e Rafael Sobis na referência:

O Chivas, por outro lado, surpreendeu. Armou um 3-4-3 com marcação individual sobre D’Alessandro. Reynoso foi o zagueiro pela direita, De Luna ficou centralizado, e Araujo abriu pela esquerda como zagueiro de perseguição ao camisa 10 colorado. Na linha de meio-campo, ficaram Magallón (dir) e Ponce (esq) nas alas, e a dupla Fabian e Báez por dentro. Na frente, Bautista centralizado, Arellano como ponta direita, e Bravo na ponta esquerda. (Detalhe: a foto abaixo registra uma inversão entre Bautista e Bravo, mas foi circunstancial. O posicionamento original é este descrito acima, no texto):

O Inter não soube reagir, no primeiro tempo, a este 3-4-3. Ao invés de levar o jogo para a esquerda, com Taison e Kleber, os jogadores aproximaram-se para auxiliar D’Alessandro no jogo curto, tentando furar o bloqueio de Araujo. E assim migraram para o lado direito Sandro, Nei, Tinga e Rafael Sobis. A esquerda foi abandonada. Com marcação adiantada e muita disposição, o Chivas se beneficiou da viciação colorada pela direita e controlou o primeiro tempo com posse de bola e combatividade.

No intervalo, Celso Roth fez a correção necessária. Inverteu os meias-extremos de lado. Taison foi para a direita, e D’Alessandro para a esquerda. E mais: o argentino “espetou” seu posicionamento à frente, levando consigo Araujo, que migrou junto. De Luna virou zagueiro pela esquerda, Reynoso fez a sobra, e Araujo virou o zagueiro da direita.

Esta inversão, com posicionamento mais adiantado de D’Alessandro, abriu um corredor no lado direito de defesa do Chivas. D’Alessandro atraiu Araujo para o centro, dando espaço a Kleber. E o Inter deixou de jogar apenas por um setor, equilibrando a transição ofensiva pelos dois lados. O lateral-esquerdo “entrou no jogo” e passou a se destacar neste espaço – onde criou boas jogadas, incluindo a do primeiro gol, de Rafael Sobis.

Somando as duas partidas, Roth foi melhor em ambas. Planejou corretamente o controle da posse de bola no México, e ontem entendeu a proposta do Chivas, conseguindo reverter o sucesso mexicano do primeiro tempo com medidas que desorganizaram o sistema defensivo adversário.

P.S: Para a cobertura especial do clicEsportes, permaneci hospedado no hotel usado como concentração pelo Inter de segunda até ontem. O resultado desse trabalho em três turnos saiu nos blogs Direto dos QGs e Pré-Jogo, onde também rolou o Minuto a Minuto da final. Essa cobertura também teve espaço na Zero Hora. Digo tudo isso para justificar minha ausência do blog nos últimos dois dias. Eu queria muito, mas não deu para ver futebol ou fazer análises para o Preleção. Hoje a rotina volta. Obrigado a todos que não abandonaram o blog.