Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 23 agosto 2010

O 3-5-2 que levou o Fluminense à liderança do Brasileirão

23 de agosto de 2010 6

Assisti ontem, na redação do clicEsportes, ao empate entre Fluminense e Vasco. Apesar das atribuições da pauta do dia, foi minha primeira oportunidade de conferir o 3-5-2 de Muricy Ramalho pós-Copa do Mundo. E a estrutura do Fluzão não difere em nada dos demais sistemas com três zagueiros elaborados pelo treinador em outros clubes – São Paulo, principalmente.

O 3-5-2 do Fluminense joga de acordo com a estratégia padrão deste sistema no Brasil. Três zagueiros legítimos, sem líbero; dois alas-lateralizados, espetados no alto do campo, e eminentemente abertos para jogadas de linha de fundo; dois volantes na base de um triângulo de meio-campo, combinando um mais combativo, e outro mais apoiador; um ponta-de-lança no vértice do triângulo, aproximando-se da área; um atacante de movimentação; e um centroavante de referência.

Neste Fluminense, Diogo é o volante-combativo, e Diguinho o apoiador, que faz a passagem pela direita, em suporte ao ala Mariano. O balanço se dá na esquerda com a aproximação preferencial de Emerson pelo setor, na parceria com Júlio César. Gum (dir) e André Luís (esq) abrem os posicionamentos quando a equipe tem a posse, empurrando os alas para frente, deixando Leandro Euzébio centralizado, protegido por Diogo.

Para quebrar um pouco o ritmo do “Muricybol”, termo empregado para ilustrar as ligações diretas do 3-5-2 à brasileira, o Fluminense conta com a qualidade de Conca. Ele evita que a equipe resuma sua articulação à ligação direta dos zagueiros procurando Washington, que dirige a segunda bola a Emerson. O meia argentino faz o time jogar também pelo chão.

A vitalidade de Diguinho também é essencial para que o meio-campo não seja uma seara despovoada, afinal, na prática, são apenas três homens no setor (três zagueiros recuados, dois alas abertos e dois atacantes adiantados formam um círculo ao redor do trio de meio-campo). Essa passagem do volante-apoiador desonera Conca, que pode se movimentar na intermediária ofensiva, recebendo de Diguinho a bola.

Faltando 15min Deco fez sua estreia pelo Flu. E entrou no lugar de Diguinho, como o apoiador. Belletti também vinha jogando nesta função. Como Conca é essencial, Muricy nunca abre mão dos três zagueiros, e nenhum dos citados é primeiro volante, na teoria todos eles – Deco, Belletti e Diguinho – brigam por uma posição no meio-campo.

A não ser – e não acompanho os treinos do Fluzão para saber – que Muricy cogite jogar com Belletti de primeiro volante (ele fez isso em algumas partidas do Chelsea), deixando Deco no apoio, e Conca no vértice adiantado do meio-campo. No papel, fica muito bonito.