Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Como funciona o contrato de um jogador draftado na NFL

24 de abril de 2015 5
Bookmark and Share
Primeira escolha de 2012, Luck assinou por US$ 22,1 milhões em quatro anos. Foto: Al Bello/Getty Images/AFP

Primeira escolha de 2012, Luck assinou por US$ 22,1 milhões em quatro anos. Foto: Al Bello/Getty Images/AFP

Entre quinta-feira e sábado da próxima semana, 256 jogadores serão escolhidos no draft da NFL, processo de recrutamento de atletas universitários para a liga profissional. Desde a assinatura do novo acordo coletivo de trabalho, em 2011, tornou-se muito mais simples a assinatura de contrato com os novos integrantes da liga.

Até então, as franquias precisavam negociar os principais pontos dos vínculos sem um parâmetro. Agora, o tempo e os valores dos vínculos já estão pré-determinados. Apenas detalhes são alinhavados antes da assinatura.

Os jogadores draftados na primeira rodada assinam contratos de quatro anos, com uma opção do time pela renovação automática para a quinta temporada. Todos os outros atletas draftados assinam por quatro anos, sem opção de renovação.

Os salários correspondem às escolhas. O primeiro draftado tem o maior salário, que cai gradativamente até o Mr. Irrelevant — como é chamado o último jogador selecionado. Os valores são reajustados anualmente, mas a diferença é pequena de um ano para o outro.

Atletas que não forem draftados se tornam agentes livres e podem assinar na sequência com qualquer time. Esses vínculos são de três temporadas e pelo piso salarial da NFL.

Contrato de Jadeveon Clowney (primeira escolha de 2014)
Primeiro ano: US$ 4,04 milhões
Segundo ano: US$ 5,06 milhões
Terceiro ano: US$ 6,07 milhões
Quarto ano: US$ 7,08 milhões
Valor total: US$ 18,22 milhões

Contrato de Lonnie Ballentine (última escolha de 2014)
Primeiro ano: US$ 314,4 mil
Segundo ano: US$ 446,4 mil
Terceiro ano: US$ 536,4 mil
Quarto ano: US$ 701,4 mil
Valor total: US$ 2,26 milhões

Contrato de Cairo Santos (não-draftado)
Primeiro ano: US$ 420,6 mil
Segundo ano: US$ 510,6 mil
Terceiro ano: US$ 600,6 mil
Valor total: US$ 1,53 milhão

Exercer o quinto ano de contrato para escolhas de primeira rodada pode ser um bom negócio para os times — mas também para os jogadores. Normalmente, os atletas já estão consolidados na liga. Isso facilita a negociação, ao mesmo tempo em que dá um bom aumento salarial para o jogador. A escolha pelo quinto ano é feita ao fim da terceira temporada de contrato.

Um exemplo é Andrew Luck. Primeira escolha de 2012 pelo Indianapolis Colts, o quarterback recebeu a opção — neste caso, o Colts deixou uma extensão contratual longa para depois. Após receber valores semelhantes aos previstos para Jadeveon Clowney nos primeiros quatro anos, Luck embolsará US$ 16,15 milhões em 2016 se a opção for feita. O valor é alto para o atleta, mas ainda abaixo do mercado de quarterbacks de alto nível.

E se um jogador draftado se recusar a assinar com o time?

Quando um jogador é draftado, ele não se torna imediatamente vinculado ao time. A franquia adquire os seus direitos de draft — e só o time que tem os direitos de draft pode assinar um contrato pelo período de um ano.

Como as franquias não gostam de perder tempo e valor de mercado, optam por trocar um atleta que se recusa a assinar. Um bom exemplo recente disso é Eli Manning. Ele disse antes do draft que não jogaria pelo San Diego Chargers, que tinha a primeira escolha. Mas o Chargers precisava escolher Eli para recuperar o seu valor — bem maior que qualquer outro jogador daquela classe.

Antes mesmo do draft, o Chargers encaminhou a negociação com o New York Giants, que tinha a quarta escolha. O time de San Diego selecionou Eli Manning e o enviou para Nova York. Em troca, o Giants recrutou Philip Rivers e o mandou para a Califórnia, junto com escolhas futuras.

O Baltimore Colts (atual Indianapolis Colts) passou por situação semelhante com John Elway e conseguiu trocá-lo para o Denver Broncos. À época, Elway ameaçou abandonar o futebol americano e jogar apenas beisebol.

Se o jogador não assinar contrato no período de um ano, ele volta a ser elegível para o draft do ano seguinte e pode ser recrutado novamente. Este caso é extremo, mas já aconteceu com uma grande estrela.

Bo Jackson foi a primeira escolha do draft de 1986 pelo Tampa Bay Buccaneers. Mas ele preferiu jogar beisebol e afirmou que não assinaria com o time da Flórida. No ano seguinte, acabou recrutado pelo Los Angeles Raiders na sétima rodada. O running back gostou da opção e passou a jogar os dois esportes ao mesmo tempo.

Comentários (5)

  • João diz: 29 de abril de 2015

    Bom post, parabéns. Mas algumas dúvidas:

    1- “A franquia adquire os seus direitos de draft — e só o time que tem os direitos de draft pode assinar um contrato pelo período de um ano.” A franquia tem 1 ano a partir da data que draftou o jogador para assinar um contrato com ele ou trocá-lo com outro time? Após isso api fica elegível para próximo draft?

    2-”A escolha pelo quinto ano é feita ao fim da terceira temporada de contrato.” Quer dizer que somente a partir do final de 3ºano de contrato a franquia pode exercer a renovação automática ou pode exerce-lá no final do quarto ano?

    3- O piso salarial para jogadores contratados pós draft é fixa, independe da posição? E os draftados, como mencionado ganham mais se forem escolhidos nas primeiras rodadas. Esse salário depende da posição que foi escolhido combinado a posição em que joga? Se sim, existe um valor mínimo para jogadores draftados e um máximo?

  • João diz: 29 de abril de 2015

    Ah, certo. Mas acho que não fui claro na questão 2. Quis dizer que se o contrato tem duração de 4 anos e eles querem ativar o 5º ano, tem que esperar o fim do 3º ano de contrato, mas não são obrigados a ativar logo que termina o terceiro ano, ou são? Não podem ativar durante o 4º ano/durante a temporada?

    Outra questão que não mencionei: procurei e não achei, aonde posso encontrar um site com valores e duração de contratos dos jogadores? E nesses contratos, os valores que são divulgados, é só referente a salário ou o valor revelado é com direitos de imagem, luvas (se existem), possível bonificação…

    Obrigado, desculpe a confusão.

  • Iuri Fardin diz: 30 de abril de 2015

    Muito esclarecedor, show de bola Wendell!

Envie seu Comentário