Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Prime Time Responde: o que o futuro reserva para o Los Angeles Lakers?

26 de junho de 2016 0
Bookmark and Share
Brandon Ingram pode liderar o futuro do Lakers. Foto: Mike Stobe/Getty Images/AFP

Brandon Ingram pode liderar o futuro do Lakers. Foto: Mike Stobe/Getty Images/AFP

O Prime Time Responde da semana está no ar. Para ler as edições anteriores, clique aqui.

The Dryon Only – O Patriots, com Gronk e Bennett, é forte candidato a ter um ataque explosivo? Que nível você vê nesta dupla?
O Patriots tem um ataque eficiente. E terá enquanto tiver Tom Brady. Explosivo talvez não seja o termo exato, e a função dos tight ends nem é essa. Mas Gronk e Bennett formam provavelmente a melhor dupla de tight ends da história do mundo.

Thigo Braga – O que você acha dos times no pads no Brasil?
Evidentemente, não é o mundo ideal. No mundo ideal, as crianças começam jogando flag e, assim que tem idade para contato, jogam com equipamentos. Mas todos nós sabemos que a realidade do Brasil não é a ideal. Os times não têm dinheiro para comprar equipamentos logo de cara, e o flag não dá o mesmo tipo de desenvolvimento (apenas para jogadores de posições de habilidade). Na realidade brasileira, o no pads é uma alternativa interessante para a introdução ao esporte.

Bismarck Passos – O que você espera do futuro do Lakers?
O Lakers finalmente fez a coisa certa sem se preocupar tanto com o show. A NBA hoje exige muito mais planejamento pelas regras de paridade que foram impostas. Usar bem o draft é obrigatório. Brandon Ingram tem potencial para ser o melhor jogador deste jovem time. Peças como Julius Randle, Jordan Clarkson, D’Angelo Russell e Larry Nance Jr. serão um apoio muito bom quando todos eles chegarem ao auge de suas carreiras. O futuro começa a ficar um pouco menos nebuloso para Los Angeles.

Peska – Qual média de anos que jogadores ficam na NFL, por mais que QBs fiquem mais tempo e posições mais físicas, menos?
A média geral é de três anos. Como você disse, quarterbacks costumam durar mais. Mas o que baixa a média mesmo são jogadores (muitos) que ficam apenas um ano, mal jogam e já são descartados.

Leonardo Borges – O que o Celtics arrumou no draft? Ou fomos nós que esperávamos muito dele?
O Celtics me pareceu despreparado para tantas escolhas. A franquia simplesmente não sabia como incluir tantos jogadores em um elenco que só pode ter 15. Algumas escolhas foram realmente bem discutíveis. Mas não tem como dizer que foi horrível antes dos jogadores entrarem em quadra.

Rodrigo Navarro – Sabe qual time faz mais tempo que não aparece no Sunday Night Baseball?
Eu sou um crítico do sistema da MLB porque é bem desparelho. E, por mais que alguns me critiquem por ter esse pensamento, aqui vai uma prova. Enquanto New York Yankees e Boston Red Sox estão na ESPN quase sempre, o Seattle Mariners não aparece no jogo de horário nobre desde 6 de junho de 2004, quando enfrentou o Chicago White Sox. O segundo time que não aparece há mais tempo é o Toronto Blue Jays. A última aparição foi em 18 de julho de 2004, contra o Texas Rangers.

Paulo Colzani – Algum time ja foi campeão da MLB com um ataque tão potente e uma rotação tão trágica igual a do Red Sox?

Resposta do Anderson Aires – O Philadelphia Phillies venceu a World Series em 2008 com uma rotação que não era tão acima da média. Tirando Cole Hamels e Jamie Moyer, que naquela época já completava 47 anos de idade, a equipe não contava com arremessadores atuando em alta performance. Brett Myers, 10 vitórias e 13 derrotas, J.C. Romero quatro vitórias e quatro derrotas e Ryan Madson, quatro vitórias e duas derrotas, eram exemplos disso. Vale lembrar também que Romero foi o pitcher vencedor do jogo do título. O time terminou aquele ano na 13º posição no ranking de melhores grupos de arremessadores da MLB. No ataque, o Phillies terminou a temporada como nono melhor time no bastão.

Envie seu Comentário