Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Arizona Cardinals"

As brigas por titularidade entre quarterbacks antes da temporada 2014

22 de maio de 2014 0
Bookmark and Share
Schaub disputará posição com o novato Derek Carr no Raiders. Foto: Twitter/Reprodução

Schaub disputará posição com o novato Derek Carr no Raiders. Foto: Twitter/Reprodução

Se muitos times veem no quarterback o ícone do time, pelo menos nove equipes ainda buscam essa peça para comandar o ataque. São dúvidas nas cabeças dos treinadores para definir qual será o jogador atrás do center na temporada. Veja os times que não têm um titular absoluto na posição:

New York Jets

Michael Vick e Geno Smith

Geno Smith foi draftado na segunda rodada de 2013 para ser desenvolvido no Jets. A ideia era colocá-lo na reserva de Mark Sanchez. Mas a lesão do veterano colocou Smith na fogueira e, pressionado, não fez uma boa primeira temporada. Vick foi contratado para ser uma alternativa de experiência — seja para a necessidade de jogar ou para ajudar Geno a se desenvolver. A tendência é que o mais jovem comece a temporada atrás do center.

Cleveland Browns

Brian Hoyer e Johnny Manziel

Manziel foi selecionado na primeira rodada do draft para ser a cara da franquia. Mas, preocupado com a personalidade do jovem, o Browns já deu a entender que ele terá que brigar pela titularidade. Ninguém duvida que o camisa 2 tenha mais talento que Brian Hoyer, mas o veterano, que fez três bons jogos em 2013 antes de se machucar, larga na frente para a primeira semana de 2014.

Houston Texans

Ryan Fitzpatrick, Case Keenum e Tom Savage

A questão do quarterback no Texans é a mais preocupante entre os 32 times da NFL. O último titular absoluto, Matt Schaub, foi trocado depois de uma temporada muito ruim. Case Keenum comandou o ataque no fim da temporada 2013, mas perdeu todas. O time contratou Ryan Fitzpatrick, de pouco sucesso em Bills e Titans, e é ele quem deve começar 2014 como titular. Tom Savage foi selecionado na quarta rodada — deixar para selecionar um QB em uma rodada tão baixa foi uma decisão bem contestável — e também está na briga.

Jacksonville Jaguars

Chad Henne e Blake Bortles

O Jaguars vê em Bortles o quarterback do time para a próxima década. Mas não quer arriscar torrar a sua imagem em meia-dúzia de jogos. Por isso, pode optar por preservar o novato, prepará-lo e organizar o time antes de colocá-lo em campo. A direção já declarou que Chad Henne, que assumiu a titularidade durante a temporada 2013, segue na função. Não deve ser por muito tempo.

Oakland Raiders

Matt Schaub e Derek Carr

Matt Schaub foi contratado junto ao Houston Texans para ser o titular. Fez uma temporada ruim em 2013, mas levado por um time todo desencaixado. Vale lembrar que ele já acumula duas aparições em Pro Bowl. Ele deve ser o titular na largada. Mas Derek Carr é considerado um dos quarterbacks mais talentosos da turma do draft de 2014. E a opção do Raiders por escolher um quarterback logo na segunda rodada indica que Carr disputará posição, e não será um mero espectador.

Philadelphia Eagles

Nick Foles e Mark Sanchez

Nick Foles foi bem nas suas duas primeiras temporadas na NFL — em ambas, assumiu a titularidade, que era de Michael Vick, no meio do campeonato. Em 2013, Foles foi um dos melhores quarterbacks da liga. Em 2014, começa o ano pela primeira vez como titular. Se mantiver o nível, pode apagar este tópico da lista. Ele será o quarterback do Eagles e ponto final. Se falhar, Mark Sanchez pode ganhar a chance de se redimir na NFL depois de uma passagem muito contestada no Jets.

Minnesota Vikings

Matt Cassel e Teddy Bridgewater

Mais um caso de preservação de quarterback novato é no Vikings. Teddy Bridgewater foi apontado por quase todos após o fim da última temporada da NCAA como o quarterback mais talentoso e completo, mas caiu por um desempenho ruim nos processos de avaliação pré-draft. Em 2013, o time de Minnesota variou com Christian Ponder, Josh Freeman e Matt Cassel. O último foi o mais sólido e deve começar 2014 como titular. Mas a aposta em Bridgewater logo de cara não pode ser descartada.

Tampa Bay Buccaneers

Josh McCown e Mike Glennon

Josh McCown começa o ano como titular. Isso já foi definido pelo técnico Lovie Smith. Mas McCown teve uma carreira muito discreta e só ganhou algum destaque no ano passado, quando foi bem nos cinco jogos como titular do Chicago Bears enquanto Jay Cutler estava machucado. Isso significa que o camisa 12 ainda precisa provar que tem condições de ser o titular de uma franquia. Se ele não tiver, Mike Glennon é um valoroso talento que mostrou potencial em sua primeira temporada, em 2013.

Arizona Cardinals

Carson Palmer e Logan Thomas

Carson Palmer foi mal em 2013, apesar de se recuperar na metade final da temporada. Não foi mais do que médio nas passagens por Cincinnati Bengals e Oakland Raiders. O Cardinals cogitava um quarterback ainda no início do draft — a própria franquia admite que teria selecionado Blake Bortles se ele ainda estivesse disponível. Sem Bortles, o time só escolheu um QB na quarta rodada. Logan Thomas é um prospecto oriundo de Virginia Tech. Os próximos meses vão dizer se ele tem calibre para comandar um ataque.

Rashard Mendenhall alega racismo para aposentadoria precoce da NFL

10 de março de 2014 0
Bookmark and Share
Foto: Facebook/Reprodução

Foto: Facebook/Reprodução

São apenas 26 anos de idade e seis de NFL. Rashard Mendenhall está aposentado do melhor futebol americano do mundo com um título e um vice-campeonato de Super Bowl, conquistados nos cinco anos em que atuou no Pittsburgh Steelers. O running back ainda ficou um ano no Arizona Cardinals antes de abandonar a carreira. Um dos motivos alegados por Mendenhall é o racismo sofrido durante a curta carreira.

— Ter que lutar não só contra ondas e correntes de elogios e críticas, mas mais de ódio também. Eu não consigo nem contar quantas vezes fui chamado de “preto burro” — escreveu Mendenhall, em artigo publicado no jornal Huffington Post.

O running back seria agente livre e poderia negociar com qualquer time para a próxima temporada.

— Eu digo que vou VIVER! Eu pretendo viver como nunca antes e isso é poder ser eu mesmo, sem a expectativa de representar qualquer liga, clube, escudo ou cidade. Eu planejo seguir em frente — completou o atleta.

Como seriam os logos da NFL inspirados em Peyton Manning

27 de fevereiro de 2014 0
Bookmark and Share

Peyton Manning nunca foi conhecido exatamente por sua beleza. Mas ficaram muito engraçados os logos remodelados da NFL inspirados no quarterback do Denver Broncos.O crédito é do artista David Rappoccio, responsável pelas montagens.

manninglogo07 manninglogo01 manninglogo02 manninglogo03 manninglogo04 manninglogo05 manninglogo06

Governadora do Arizona veta lei anti-gay e garante Super Bowl no estado em 2015

27 de fevereiro de 2014 0
Bookmark and Share
University of Phoenix Stadium será o palco do próximo Super Bowl. Foto: Arizona Cardinals/Divulgação

University of Phoenix Stadium será o palco do próximo Super Bowl. Foto: Arizona Cardinals/Divulgação

O Super Bowl XLIX será em Glendale, no Arizona. Depois de correr riscos em função de uma lei anti-gay que estava sob análise, o estado foi garantido como palco da decisão quando a governadora Jan Brewer vetou o projeto. Pela Senate Bill 1062, estabelecimentos comerciais poderiam se recusar a atender homossexuais alegando questões religiosas.

NFL, o comitê organizador do Super Bowl em Glendale e o Arizona Cardinals exerceram forte pressão nos bastidores para que a lei fosse vetada. Caso ela entrasse em vigor, havia uma ameaça concreta de trocar a sede da próxima decisão do futebol americano, marcada para o University of Phoenix Stadium, no dia 1° de fevereiro.

O estado do Arizona já perdeu um Super Bowl em função de questões discriminatórias – neste caso, foram raciais. O Super Bowl XXVII, em 1993, foi transferido para Pasadena, na Califórnia, porque o estado se recusou a acatar o feriado nacional em homenagem a Martin Luther King, símbolo da luta negra por igualdade racial nos Estados Unidos. Quando o feriado foi instituído no estado, a cidade de Tempe recebeu o Super Bowl XXX, em 1996.

Lei anti-gay no Arizona pode fazer a NFL mudar sede do próximo Super Bowl

26 de fevereiro de 2014 1
Bookmark and Share
Michael Sam, inscrito no draft, pode ser o primeiro gay assumido na NFL. Foto: Joe Robbins/Getty Images/AFP

Michael Sam, inscrito no draft, pode ser o primeiro gay assumido na NFL. Foto: Joe Robbins/Getty Images/AFP

O Super Bowl XLIX está marcado para o dia 1° de fevereiro de 2015, em Glendale, no Arizona. Mas ninguém pode garantir, por enquanto, que a decisão da NFL seja de fato no University of Phoenix Stadium, casa do Arizona Cardinals. A governadora do estado, Jan Brewer, tem até sábado para assinar ou vetar a Senate Bill 1062, uma lei que permite a donos de estabelecimentos determinar o não atendimento a gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros por motivos religiosos.

Se a lei for aprovada e entrar em vigor, a NFL terá uma decisão a tomar e pode, em último caso, mudar a sede de seu jogo mais importante da temporada. A polêmica surge exatamente no período em que o defensive end Michael Sam, que deve entrar na liga, se assumiu como homossexual – quando ele entrar em campo, será o primeiro gay assumido na liga. No último domingo, Jason Collins atuou pelo Brooklyn Nets, da NBA, e se tornou o primeiro homossexual assumido a jogar nas grandes ligas americanas.

Segundo o USA Today, a NFL, a comissão organizadora do Super Bowl em Glendale e o Arizona Cardinals pressionam a governadora nos bastidores para vetar a lei. O porta-voz da liga, Greg Aiello, disse que a posição da NFL é contrária a qualquer forma de discriminação, mas que ainda é cedo para determinar ações futuras e hipotéticas.

Jogador da NFL entre 2000 e 2003 e assumido publicamente como homossexual desde 2012, o ex-defensor

Wade Davis, diretor-executivo do grupo ativista “You Can Play” (Você Pode Jogar), disse que a posição correta, em caso de aprovação da lei, é mudar o jogo de local.

- Vamos supor que Michael Sam esteja no time que vai ao Super Bowl. O que ele deve fazer? Não sair e comer? E há outras pessoas que trabalharão no Arizona durante o Super Bowl. Mas eu acredito que a NFL vai fazer a coisa certa – argumentou.

A ideia da lei surgiu quando um fotógrafo se recusou a fazer fotos de um casamento homossexual no estado do Novo México e foi processado por discriminação por orientação sexual. No estado vizinho, o profissional perdeu o processo. Para evitar casos deste tipo sem uma legislação específica, o Arizona decidiu se antecipar.

ARIZONA JÁ PERDEU UM SUPER BOWL POR QUESTÕES DE DISCRIMINAÇÃO

O estado do Arizona já perdeu um Super Bowl em função de questões discriminatórias – neste caso, foram raciais. O Super Bowl XXVII, em 1993, foi transferido para Pasadena, na Califórnia, porque o estado se recusou a acatar o feriado nacional em homenagem a Martin Luther King, símbolo da luta negra por igualdade racial nos Estados Unidos.

O feriado foi instituído pelo presidente Ronald Reagan em 1983. Em 1986, quando o feriado passou a ser adotado de fato, o governador do Arizona Bruce Babbitt, companheiro do Reagan no Partido Democrata, acatou a homenagem. Mas, em 1989, o sucessor de Babbitt, o republicano Evan Mecham, deu fim ao feriado.

À época, Mecham disse que Martin Luther King não merecia um feriado e que os defensores da data deveriam “se preocupar em arrumar emprego”. Mecham foi destituído do cargo em 1988 e ficou nas mãos da população local definir ou não pela homenagem em uma votação em 1990.

A NFL confirmou a cidade de Tempe, então sede do Phoenix Cardinals, mas deixou claro que a não adoção do feriado causaria a perda do Super Bowl. Os eleitores do Arizona escolheram por rejeitar a data e a liga moveu a sua final para a Califórnia. Vários artistas e outros profissionais negros organizaram um intenso boicote ao estado. Naquele Super Bowl, o Dallas Cowboys venceu o Buffalo Bills por 52 a 17.

Em 1992, com um prejuízo milionário por conta dos boicotes, uma nova votação decidiu por instituir o feriado no dia de Martin Luther King. Como prêmio, a NFL marcou o Super Bowl XXX para o Sun Devil Stadium, em Tempe. O campeão foi novamente o Cowboys, desta vez ao vencer o Pittsburgh Steelers por 27 a 17.

REPERCUSSÃO EM OUTRAS LIGAS

Na NBA e na WNBA, a possibilidade da lei também preocupa as franquias do estado por conta da imagem das equipes. Phoenix Suns e Phoenix Mercury, dos mesmos donos, divulgaram uma nota conjunta sobre o caso:

“Os esportes têm um único poder de unir, de trazer junta uma comunidade sem considerar diferenças individuais. O Phoenix Suns e o Phoenix Mercury são orgulhosos membros dessa comunidade, e nós abraçamos nossos fãs, familiares e negócios de qualquer espécie. Nós estamos firmemente comprometidos com os princípios de inclusão de aceitação, e não podemos apoiar qualquer coisa que não esteja nesta linha de filosofia”.

NFL discute formato dos playoffs para os próximos anos

05 de janeiro de 2014 0
Bookmark and Share
Mesmo com campanha melhor, 49ers visita o Packers neste domingo. Foto: Stephen Dunn/Getty Images/AFP

Mesmo com campanha melhor, 49ers visita o Packers neste domingo. Foto: Stephen Dunn/Getty Images/AFP

Quatro campeões de divisão e os dois melhores não-campeões em cada conferência ganham o direito de disputar os playoffs da NFL. O atual formato dos  playoffs com 12 times está sob discussão na NFL — a liga conversará sobre uma reorganização por campanha e até sobre o número de times classificados.

A primeira ideia discutida, e defendida por muitos, é reorganizar os classificados para evitar que um time que tenha uma campanha melhor em relação ao seu adversário jogue fora de casa na rodada de wild card. O efeito colateral é que um campeão de divisão não garante pelo menos um jogo em casa na pós-temporada.

A Conferência Nacional em 2013 é um bom exemplo para explicar como seria o novo sistema. Campeões de divisão, Philadelphia Eagles e Green Bay Packers tiveram campanhas inferiores em relação aos wild cards, San Francisco 49ers e New Orleans Saints. Mesmo assim, mandam os jogos deste final de semana. E este fenômeno — um time de pior campanha jogando em casa — se repete pelo menos uma vez por ano desde 2007.

A intenção de quem defende a mudança é garantir vagas aos campeões de divisão, como acontece atualmente, mas dar a chance a um wild card mais bem colocado de receber a primeira partida da pós-temporada.

Como ficou a classificação da NFC no formato atual:

1. Seattle Seahawks (13-3)

2. Carolina Panthers (12-4)

3. Philadelphia Eagles (10-6)

4. Green Bay Packers (8-7-1)

5. San Francisco 49ers (12-4)

6. New Orleans Saints (11-5)

Como ficaria a classificação no possível novo sistema:

1. Seattle Seahawks (13-3)

2. Carolina Panthers (12-4)

3. San Francisco 49ers (12-4)

4. New Orleans Saints (11-5)

5. Philadelphia Eagles (10-6)

6. Green Bay Packers (8-7-1)

O tamanho da pós-temporada também está sob discussão. Segundo Brian McCarthy, porta-voz da NFL, em entrevista à Associated Press, os donos das franquias conversarão sobre a possibilidade de playoffs com 14 times — sete por conferência, com três wild cards e apenas um time garantido automaticamente nas semifinais de conferência. Se o formato com 14 times tivesse sido adotado para a atual temporada, Arizona Cardinals e Pittsburgh Steelers teriam se classificado.

A grande preocupação em qualquer alteração é dos times. As franquias temem que reorganizar a classificação, sem privilegiar as divisões, pode desvalorizá-las, já que ser campeão garante um jogo em casa no modelo atual.

Com destaque para os clássicos decisivos, confira as transmissões da semana 17 da NFL

24 de dezembro de 2013 0
Bookmark and Share
Nick Foles tenta levar o Eagles aos playoffs no último SNF de 2013. Foto: Elsa/Getty Images/AFP

Nick Foles tenta levar o Eagles aos playoffs no último SNF de 2013. Foto: Elsa/Getty Images/AFP

Chegou a hora da verdade. A última semana da temporada regular da NFL é neste domingo. Por ser a rodada decisiva, os 16 jogos ocorrem no mesmo dia – não há partidas na quinta ou na segunda-feira. ESPN e Esporte Interativo transmitem cinco partidas – todas decisivas para definições dos playoffs.

Domingo, 29/12

16h Cincinnati Bengals x Baltimore Ravens (ESPN)

16h Miami Dolphins x New York Jets (ESPN+)

19h25min Chicago Bears x Green Bay Packers (ESPN)

19h25min Arizona Cardinals x San Francisco 49ers (Esporte Interativo)

23h30min Dallas Cowboys x Philadelphia Eagles (ESPN e Esporte Interativo)

As transmissões da 16ª e penúltima semana da temporada regular da NFL

18 de dezembro de 2013 0
Bookmark and Share
Cutler e Foles se enfrentam no Sunday Night Football. Foto: Montagem sobre fotos da AFP

Cutler e Foles se enfrentam no Sunday Night Football. Foto: Montagem sobre fotos da AFP

A temporada regular está quase no fim. Por isso, já não há mais o tradicional jogo da quinta-feira. São 15 partidas no domingo e apenas uma na segunda-feira. O jogo do Monday Night Football, inclusive, é especial. O San Francisco 49ers recebe o Atlanta Falcons no último jogo da história do Candlestick Park – em 2014, o time se muda para o Levi’s Stadium, em Santa Clara.

Confira as transmissões da semana 16:

Domingo, 22/12

16h Carolina Panthers x New Orleans Saints (ESPN)

19h05min Seattle Seahawks x Arizona Cardinals (ESPN+)

19h25min Baltimore Ravens x New England Patriots (ESPN)

19h25min Green Bay Packers x Pittsburgh Steelers (Esporte Interativo)

23h30min Philadelphia Eagles x Chicago Bears (ESPN e Esporte Interativo)

Segunda-feira, 23/12

23h40min San Francisco 49ers x Atlanta Falcons (ESPN)

As transmissões na semana 14 da NFL

05 de dezembro de 2013 0
Bookmark and Share
Chad Henne comanda o Jaguars, que vem de três vitórias nos últimos quatro jogos. Foto: Matt Sullivan/Getty Images/AFP

Chad Henne comanda o Jaguars, que vem de três vitórias nos últimos quatro jogos. Foto: Matt Sullivan/Getty Images/AFP

Os dois times de pior campanha da temporada,  Jacksonville Jaguars  e Houston Texans, abrem nesta quinta-feira a semana 14 da NFL no horário nobre. Mas isso não quer dizer que tudo está perdido para os fãs do futebol americano. Além de significar uma briga direta pela primeira escolha no draft de 2014, o jogo está acompanhado de várias outras partidas de alto nível no domingo – incluindo o clássico da NFC Oeste entre San Francisco 49ers e Seattle Seahawks.

Confira as transmissões para a TV brasileira:

Quinta-feira, 5/12

23h25min Jacksonville Jaguars x Houston Texans (ESPN e Esporte Interativo)

Domingo, 8/12

16h Philadelphia Eagles x Detroit Lions (ESPN)

16h Cincinnati Bengals x Indianapolis Colts (ESPN+)

19h25min San Francisco 49ers x Seattle Seahawks (ESPN)

19h25min Arizona Cardinals x St. Louis Rams (Esporte Interativo)

23h30min New Orleans Saints x Carolina Panthers (ESPN e Esporte Interativo)

Segunda-feira, 9/12

23h40min Chicago Bears x Dallas Cowboys (ESPN)

Com destaque para duelo entre Patriots e Broncos, as transmissões da semana 12

21 de novembro de 2013 0
Bookmark and Share

patsbroncos

Duas das principais forças da NFL se enfrentam neste domingo, na 12ª semana da temporada regular. New England Patriots e Denver Broncos, dos astros Tom Brady e Peyton Manning, jogam no Sunday Night Football com transmissão da ESPN e do Esporte Interativo.

Assim como na Semana 11, a ESPN+ voltará a mostrar um jogo extra — o duelo entre Baltimore Ravens e New York Jets.

Confira todas as transmissões da semana:

Quinta-feira, 21/11

23h25min Atlanta Falcons x New Orleans Saints (ESPN e Esporte Interativo)

Domingo, 24/11

16h Kansas City Chiefs x San Diego Chargers (ESPN)

16h Baltimore Ravens x New York Jets (ESPN+)

19h05min Arizona Cardinals x Indianapolis Colts (Esporte Interativo)

19h25min New York Giants x Dallas Cowboys (ESPN)

23h30min New England Patriots x Denver Broncos (ESPN e Esporte Interativo)

Segunda-feira, 25/11

23h40min Washington Redskins x San Francisco 49ers (ESPN)