Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Oklahoma City Thunder"

O impacto do Furacão Katrina nos esportes - Parte II: New Orleans Hornets e a entrada de OKC

30 de agosto de 2015 0
Bookmark and Share
New Orleans Arena é hoje a sede do Pelicans — novo nome do Hornets. Foto: Divulgação

New Orleans Arena é hoje a sede do Pelicans — novo nome do Hornets. Foto: Divulgação

Neste sábado, você leu sobre o impacto do Furacão Katrina sobre o New Orleans Saints na NFL. Agora, é a vez do New Orleans Pelicans e a NBA.

No basquete, o impacto não foi tão forte na franquia, mas foi mais potente no futuro da liga. A New Orleans Arena não foi drasticamente atingida, mas as regiões em seu redor impossibilitavam os jogos no ginásio. Inicialmente, a ideia do então New Orleans Hornets era jogar na Louisiana.

A primeira alternativa foi o Baton Rouge River Center, em Baton Rouge. No entanto, os prejuízos causados pelo furacão também complicaram a ideia. Kansas City, Louisville, Nashville, Oklahoma City e San Diego se candidataram para receber a franquia.

Ginásio que recebeu o Hornets é hoje a casa do Oklahoma City Thunder. Foto: Divulgação

Ginásio que recebeu o Hornets é hoje a casa do Oklahoma City Thunder. Foto: Divulgação

OKC levou a melhor e o time acertou um contrato de uma temporada — que seria estendido por mais um — com o Ford Center (atual Chesapeake Energy Arena) para jogar em Oklahoma City. A decisão de jogar a segunda temporada longe de Nova Orleans foi polêmica, mas a NBA entendeu que era importante dar tempo para a recuperação completa do mercado local para que os impactos financeiros sobre a franquia fossem menores.

Nas temporadas em Oklahoma City, o Hornets adotou o nome da nova cidade-sede e jogou como New Orleans/Oklahoma City Hornets. Nas temporadas em que jogou na nova cidade, o Hornets teve campanhas médias: 38 vitórias e 44 derrotas em 2005/2006 e 39 vitórias e 43 derrotas em 2006/2007. Os números de público foram impressionantes. Mesmo sem uma identificação prévia com a franquia, a média de públicou passou dos 18 mil por jogo.

Oklahoma City provou, especialmente na segunda temporada, que poderia receber uma franquia da NBA. Se o New Orleans Hornets precisou voltar para a sua cidade — e se manteve como um time pequeno no cenário da NBA —, OKC ficou apenas uma temporada sem o melhor basquete do mundo. Em 2008, o Seattle Supersonics foi realocado e passou a se chamar Oklahoma City Thunder. Em poucos anos desde a mudança, o Thunder já chegou inclusive à final da NBA na temporada 2011/2012, quando foi derrotado em cinco jogos pelo Miami Heat. Anos depois, o Hornets virou Pelicans e abriu espaço para que o Bobcats também mudasse de nome e retomasse a existência do Charlotte Hornets.

O principal impacto do Furacão Katrina foi abrir a necessidade de frequentes realocações. Oklahoma City mostrou que poderia receber um time da NBA e o recebeu. Seattle, que perdeu o Supersonics, começou a se movimentar para tê-lo de volta. Primeiro, houve uma grande mobilização pela realocação do Sacramento Kings, mas a franquia seguiu na Califórnia por imposição da liga.

Sem pretensão de expandir da liga para 32 franquias nos próximos anos, a NBA se utiliza dessa brecha para pressionar as franquias ameaçadas para a construção de novas arenas. Além de movimentar o mercado de importantes cidades americanas que buscam um time, o Furacão Katrina foi a causa inicial da modernização de alguns palcos da maior liga de basquete do mundo.

*Em lembrança aos 10 anos da passagem do Furacão Katrina, o Prime Time relembra os textos publicados em setembro de 2013.

Cinco jogos para acompanhar na temporada regular da NBA

13 de agosto de 2015 0
Bookmark and Share
LeBron e Curry se reencontram no dia de Natal. Montagem sobre fotos de David Liam Kyle e Ezra Shaw/Getty Images/AFP

LeBron e Curry se reencontram no dia de Natal. Montagem sobre fotos de David Liam Kyle e Ezra Shaw/Getty Images/AFP

A NBA divulgou na noite desta quarta-feira o seu calendário completo para a temporada 2015/2016. O campeonato começa em 27 de outubro, com três jogos: Atlanta Hawks x Detroit Pistons, Chicago Bulls x Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors x New Orleans Pelicans.

O destaque também vai para os duelos no dia de Natal, que incluem uma reedição da última final, entre Warriors e Cavaliers — além de Miami Heat x New Orleans Pelicans, Oklahoma City Thunder x Chicago Bulls, Houston Rockets x San Antonio Spurs e Los Angeles Lakers x Los Angeles Clippers.

Cinco jogos para prestar atenção durante a temporada:

Golden State Warriors x New Orleans Pelicans (27/10/2015)

A abertura da temporada terá o atual campeão Warriors, de Stephen Curry, contra o ascendente Pelicans, de Anthony Davis. Os primeiros jogos não costumam ter um grande valor, mas a possibilidade de ver astros novamente em quadra em um bom jogo faz toda a diferença.

Los Angeles Lakers x Minnesota Timberwolves (28/10/2015)

Logo no segundo dia da temporada, as duas primeiras escolhas do último draft se enfrentam no Staples Center. O Lakers, de D’Angelo Russell, encontra o Timberwolves, de Karl-Anthony Towns. Os times, por enquanto, não geram expectativa, mas a presença dos novatos será uma boa atração.

Washington Wizards x Oklahoma City Thunder (10/11/2015)

Será a volta de Kevin Durant a sua cidade natal, Washington. E é uma possibilidade da torcida do Wizards mostrar uma atmosfera favorável para tentar recrutar o astro do Thunder, que será agente livre ao fim da temporada.

Dallas Mavericks x Los Angeles Clippers (11/11/2015)

DeAndre Jordan terá que ir a Dallas, não tem jeito. O pivô, que se acertou com o Mavericks, mas voltou atrás e renovou com o Clippers, provavelmente terá de encarar a ira dos torcedores texanos nesse dia. Será, no mínimo, curioso.

Golden State Warriors x Cleveland Cavaliers (25/12/2015)

O jogo mais esperado da temporada regular foi marcado para o Natal. A reedição da última final, entre Warriors e Cavaliers, agitará a Oracle Arena, em Oakland. Será a possibilidade de projetar se os times seguem com chances reais de repetir a decisão.

Trocado quatro vezes em uma semana, Luke Ridnour relata experiência "divertida"

03 de julho de 2015 0
Bookmark and Share
Membro de cinco times em sete dias, Ridnour ainda não sabe seu destino: Foto: NBA/Divulgação

Membro de cinco times em sete dias, Ridnour ainda não sabe seu destino: Foto: Orlando Magic/Divulgação

Luke Ridnour foi um dos nomes mais ouvidos no início do período aberto do mercado da NBA. Não exatamente por seu impacto na liga, mas pela sequência de times em um tempo recorde. Em menos de uma semana, o armador de 34 anos passou por cinco equipes.

Antes jogador do Orlando Magic, Ridnour foi trocado quatro vezes, passando por Memphis Grizzlies, Charlotte Hornets e Oklahoma City Thunder antes de finalmente chegar ao Toronto Raptors. Em entrevista ao USA Today, o jogador relatou, com naturalidade, a experiência diferente.

— Recebi várias mensagens de amigos e familiares preocupados comigo. Isso realmente não me afetou. Foi bem divertido. Honestamente, quase nada mudou. Apenas ri e percebi que o meu contrato é a razão para eu ter sido trocado e o quão valioso é o meu contrato para os times na agência livre. Eu sabia o que iria acontecer e nunca investi em algum time que trocou por mim.

Ainda existe a chance de Ridnour ser trocado mais vezes. Por fim, a tendência é que ele seja cortado — seja por quem for — até o dia 10 de julho, quando o seu contrato passa a ser garantido. Como agente livre, ele teria a opção de assinar um novo vínculo com o time que desejar, ou até mesmo declarar a sua aposentadoria das quadras.

Luke Ridnour está na NBA desde 2003. No período, ele tem passagens por Seattle Supersonics, Milwaukee Bucks, Minnesota Timberwolves e Charlotte Bobcats antes de chegar ao Magic em 2014. Ele tem médias de 9,3 pontos e 4,5 assistências em 830 jogos de temporada regular na carreira.

Duas vagas em jogo nos dois dias finais da temporada da NBA

14 de abril de 2015 0
Bookmark and Share
Paul George retornou de lesão, e Pacers depende apenas das próprias forças. Foto: Andy Lyons/Getty Images/AFP

Paul George retornou de lesão, e Pacers depende apenas das próprias forças. Foto: Andy Lyons/Getty Images/AFP

A temporada da NBA está perto do fim. Faltam apenas 17 jogos em dois dias para que sejam conhecidos os 16 times que vão aos playoffs neste ano. Apenas uma vaga em cada conferência ainda está em aberto — Indiana Pacers, Brooklyn Nets e Miami Heat disputam no Leste, enquanto New Orleans Pelicans e Oklahoma City Thunder brigam no Oeste.

Dos que estão na luta por vaga, apenas o Pacers tem mais dois jogos pela frente. Os demais voltam à quadra apenas nesta quarta-feira, dia derradeiro da temporada regular. Os playoffs começam no próximo sábado.

Contra quem jogam e o que precisam fazer:

Conferência Leste

Indiana Pacers: enfrenta Washington Wizards (C) e Memphis Grizzlies (F) nos jogos finais. Se vencer ambos, está classificado aos playoffs. Se perder um deles, depende que o Brooklyn Nets perca o seu jogo restante. Se perder ambos, está fora.

Brooklyn Nets: enfrenta o Orlando Magic (F) na quarta. Se vencer, precisa de um tropeço nos dois jogos do Pacers para se classificar. Se perder, precisa que o Pacers e Heat percam todos os seus jogos restantes.

Miami Heat: a situação do Heat é complicada. Apesar de enfrentar o modesto Philadelphia 76ers (F), precisa vencer e torcer para que Pacers e Nets percam seus jogos restantes.

Conferência Oeste

New Orleans Pelicans: o Pelicans encara o poderoso San Antonio Spurs (C), que está em ascensão. Se vencer, está nos playoffs. Se perder, precisa torcer por uma derrota do Thunder.

Oklahoma City Thunder: o Thunder pega o Minnesota Timberwolves (F). Precisa vencer e torcer por uma derrota do Pelicans diante do Spurs.

Kevin Durant garante desejo de seguir em OKC: "Gostaria de ter minha camiseta aposentada"

02 de abril de 2015 0
Bookmark and Share
Durant não pretende deixar OKC. Foto: Harry How/Getty Images/AFP

Durant não pretende deixar OKC. Foto: Harry How/Getty Images/AFP

Os rumores sobre a ida de Kevin Durant para o Washington Wizards, time de sua terra natal, quando o jogador virar agente livre em 2016, estão com a concretização mais distante. O ala do Oklahoma City Thunder afirmou que não pretende trocar de time — e quer ter o número 35 aposentado em OKC quando se aposentar.

— Gosto de estar aqui, gosto dos meus companheiros e da cidade. A verdade é que não penso em nenhum outro lugar. Não paro de escutar rumores sobre mim e não me interprete mal, mas vivo o momento e sou o tipo de pessoa que quer estar unida a uma equipe durante toda a carreira. Carreiras do estilo de Kobe Bryant, Tim Duncan ou Dirk Nowitzki são incríveis. Nunca se sabe o que reserva o futuro, mas gosto muito de estar aqui e gostaria de ter a minha camiseta aposentada aqui — afirmou.

Durant foi o jogador mais valioso da temporada passada, mas sofreu com lesões na atual — um problema no pé o fez passar por duas cirurgias e ele está fora do campeonato. Coletivamente, seu melhor resultado foi em 2011/2012, quando o time chegou às finais, mas foi derrotado em cinco jogos pelo Miami Heat.

Kevin Durant foi a segunda escolha do draft de 2007, atrás apenas de Greg Oden, ainda pelo antigo Seattle Supersonics. Depois de um ano no estado de Washington, o jogador se mudou junto com a equipe para Oklahoma City.

Westbrook nega que force triplos-duplos pelo Thunder

15 de março de 2015 0
Bookmark and Share
Westbrook vive a melhor fase da carreira. Foto: Layne Murdoch/NBAE via Getty Images/AFP

Westbrook vive a melhor fase da carreira. Foto: Layne Murdoch/NBAE via Getty Images/AFP

As atuações de Russell Westbrook nas últimas semanas são impressionantes. São seis triplos-duplos nos últimos oito jogos. Tudo ótimo, mas há quem diga que o armador força o jogo para impulsionar os seus próprios números — mesmo que isso nem sempre seja bom coletivamente.

Durante o jogo de sexta-feira, contra o Minnesota Timberwolves, jornalistas que cobriam a partida viram Westbrook se virar para o responsável pelas estatísticas e perguntar se já havia completado o triplo-duplo daquela vez. Mas o camisa 0 negou que imponha os números individuais sobre as necessidades do time.

Com seis triplos-duplos nos últimos oito jogos, Westbrook chegou a oito na temporada e 16 na carreira — o líder histórico da franquia.

Nível de Westbrook pode facilitar a saída de Kevin Durant?

10 de março de 2015 1
Bookmark and Share
OKC se vê em caminho difícil com Durant. Foto: Frederic J. Brown/AFP

OKC se vê em caminho difícil com Durant. Foto: Frederic J. Brown/AFP

Russell Westbrook está em alto nível. No melhor momento da carreira, o armador do Oklahoma City Thunder empilha triplos-duplos em sequência e comanda o time mesmo na ausência de Kevin Durant, jogador mais valioso da temporada passada. A performance do camisa 0 pode ser um fator decisivo para manter Durant em 2016, quando ele se torna agente livre. Mas a história também pode se inverter.

Na visão de Tom Penn, ex-vice-presidente de Portland Trail Blazers, o Thunder pode se ver forçado a trocar Durant já na próxima intertemporada para evitar perdê-lo de graça no ano seguinte — e o rendimento de Westbrook tende a facilitar esta decisão, já que ele teria capacidade para liderar um time jovem.

— Eu acho que essa explosão do Westbrook faz ser mais provável que o Durant seja trocado. Sam Presti (gerente geral do Thunder) já provou que ele nunca quer perder alguém por nada. Ele trocou James Harden um ano antes para evitar um potencial problema com a luxury tax depois — afirmou Penn, em entrevista ao The Big Lead.

O Thunder deve tentar uma extensão com Durant ainda do término do contrato, em 2016. Por motivos financeiros, é pouco provável que o jogador aceite. Neste caso, uma troca pode ser explorada. Mesmo a mais de um ano do fim do vínculo, o camisa 35 já desperta o interesse do Washington Wizards, time de sua terra natal.

De sexto homem a astro: o novo James Harden no Houston Rockets

17 de fevereiro de 2015 0
Bookmark and Share
Antigo coadjuvante no Thunder, Harden virou protagonista no Rockets. Foto: Stephen Dunn/Getty Images/AFP

Antigo coadjuvante no Thunder, Harden virou protagonista no Rockets. Foto: Stephen Dunn/Getty Images/AFP

Quando se envolveu em uma grande troca com o Oklahoma City Thunder para ter James Harden, nem o próprio Houston Rockets esperava um crescimento de desempenho tão grande do armador. Menos de três anos depois de mudar de cidade, o barbudo se tornou um dos melhores jogadores da NBA e candidato ao prêmio de jogador mais valioso da temporada 2014/2015.

No Thunder, Harden era ofuscado por Kevin Durant e, principalmente, Russell Westbrook. Apesar de ser uma peça importante no elenco, a terceira escolha do draft de 2009 era apenas reserva — e mantinha médias relativamente boas, mas nunca acima dos 17 pontos por jogo.

Para manter Harden, o Thunder exigia uma renovação contratual. Ela não aconteceu e o time preferiu trocá-lo. Enviou o armador junto com Daequan Cook, Cole Aldrich e Lazar Hayward para ter Kevin Martin, Jeremy Lamb, duas escolhas de primeira rodada e uma de segunda.

O negócio era caro. Por isso, Harden precisaria render mais em um papel mais importante no Rockets. Quando chegou, tinha a relevância de um líder técnico. Ganhou a parceria de Dwight Howard, mas seguiu como o grande nome da equipe dentro da quadra. E não decepcionou.

Em sua terceira temporada no Texas, o shooting guard virou uma estrela de alto rendimento. Com uma impressionante média de 27,4 pontos por jogo, foi uma escolha óbvia para o All-Star Game e comanda a boa campanha do Rockets, que teve 36 vitórias e 17 derrotas, no quarto lugar do disputado Oeste, até a parada para o jogo das estrelas.

Westbrook comanda, e Oeste vence o All-Star Game em Nova York

16 de fevereiro de 2015 0
Bookmark and Share
Westbrook ficou a um ponto do recorde de Wilt Chamberlain no ASG. Foto: Andrew D. Bernstein/NBAE via Getty Images/AFP

Westbrook ficou a um ponto do recorde de Wilt Chamberlain no ASG. Foto: Andrew D. Bernstein/NBAE via Getty Images/AFP

Pela primeira vez, a seleção da Conferência Oeste venceu um All-Star Game da NBA no lendário Madison Square Garden, em Nova York. Na noite deste domingo, o time ocidental foi comandado por Russell Westbrook, que marcou 41 pontos – segunda maior marca da história do jogo – e foi eleito o MVP da partida. No fim das contas, o Oeste bateu os donos da casa por 163 a 158.

O Oeste controlou as ações no início do jogo e abriu 11 pontos ainda no primeiro quarto – Westbrook, com 27 pontos, quebrou o recorde para o primeiro tempo no jogo das estrelas. No segundo e terceiro quartos, o Leste teve uma participação importante de LeBron James e cestas de três de Kyle Korver para encostar e até passar à frente em alguns momentos.

No período decisivo, a parceria dos ex-colegas de Oklahoma City Thunder Westbrook e James Harden garantiu, ajudada pelas 15 assistências de Chris Paul no jogo, definiu o duelo.

Russell Westbrook se tornou o segundo MVP do Thunder desde que a franquia se mudou para Oklahoma City. Ele terminou a partida com 41 pontos e cinco rebotes. James Harden teve 29 pontos, oito rebotes e oito assistências, seguido por 18 pontos de LaMarcus Aldridge e 15 de Stephen Curry.

Pelo Leste, o cestinha foi LeBron James, com 30 pontos, além de sete assistências e cinco rebotes. Korver teve 21 pontos – todos em bolas de três -, enquanto John Wall anotou 19 pontos e sete assistências.

O Oeste chegou a quatro vitórias nas últimas cinco edições do All-Star Game. No entanto, a vantagem histórica ainda é do Leste: são 37 vitórias e 27 derrotas.

Cavs, Thunder e Knicks acertam troca tripla e Dion Waiters vai para OKC

06 de janeiro de 2015 0
Bookmark and Share
Waiters reforça o elenco do Thunder. Foto: David Liam Kyle/NBAE via Getty Images/AFP

Waiters reforça o elenco do Thunder. Foto: David Liam Kyle/NBAE via Getty Images/AFP

Uma troca tripla agitou a NBA nesta segunda-feira. De acordo com o jornalista Adrian Wojnarowski, do Yahoo Sports, Cleveland Cavaliers, Oklahoma City Thunder e New York Knicks acertaram um negócio grande – o principal jogador movido é Dion Waiters, que deixa Cleveland a caminho de Oklahoma City.

O negócio:

- Cavaliers recebe J.R. Smith (NYK), Iman Shumpert (NYK), escolha de primeira rodada do Thunder;
- Thunder recebe Dion Waiters (CLE);
- Knicks recebe Lance Thomas (OKC), Alex Kirk (CLE), Lou Amundson (CLE) e escolha de segunda rodada de 2019 do Cavaliers.

A negociação tem objetivos diferentes para os três times. O Cavaliers quer reforçar sua rotação e ter uma escolha de draft a curto prazo. O Thunder busca dar suporte a Kevin Durant e Russell Westbrook. Enquanto isso, o Knicks procura abrir espaço no teto salarial e economizar – como parte deste processo, o pivô Samuel Dalembert deve ser dispensado.