Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Bastidores"

É trabalhoso.. mas vale a pena!

21 de junho de 2011 1


** Por Gabriel Venzon

Essa é a definição de uma entrada, ao vivo, nos telejornais do grupo RBS.
Nesta segunda-feira a repórter Mariana Paniz e o Iotti apresentaram os preparativos da comemoração dos 121 anos de Caxias do Sul. A transmissão foi na praça Dante Alighieri e pra você, que está em casa e só vê o resultado final, aqui no blog a gente mostra que precisa de uma boa equipe, também por trás da câmera, para conseguir essa façanha.



Na técnica, César Klippel prepara a antena.


Enquanto isso, a Priscila de Oliveira, regula o áudio dos microfones de nossos repórteres.

Se preocupando em exibir as melhores imagens possíveis, o cinegrafista Leonardo Moreira desvencilha dos cabos que ligam o equipamento para conseguir se movimentar.

Mesmo com toda essa equipe, não é em todo lugar, infelizmente, que podemos entrar ao vivo na programação. Necessitamos ver a antena que está instalada no alto da sede aqui do Grupo RBS. Neste vivo de segunda, se utilizou um guindaste para erguer o link.

Nem só de sol...

26 de maio de 2011 0
** POR GABRIEL VENZON

Nem só de Sol vive o jornalista. A Romaria de Caravaggio foi regada pela chuva nesta quinta-feira e a nossa equipe da RBS TV (Vanessa Botoli, Alessandro Agendes, César Klippel e eu) firme, forte e molhada acompanhou os romeiros, durante toda a manhã e  início da tarde.


Às 5h30 da manhã a equipe já estava no Santuário preparando a entrada ao vivo para o Bom Dia Rio Grande.
Percebemos uma movimentação intensa nas primeiras horas do dia. E conhecemos o Ivonei e a Luciana, casal que há nove anos caminha do Desvio Rizzo, em Caxias, até o Santuário. São cerca de 25 quilômetros. Eles madrugaram e conseguiram chegar no horário da primeira missa, às seis horas.

Mas o dia estava apenas começando… Enfrentamos a chuva, dores nas pernas, adaptamos os degraus da igreja como sala de redação em que a Vanessa rapidamente preenchia as últimas informações apuradas com a organização do evento.



Conhecemos a Déborah Kalume, atriz de cinema, com uma simplicidade inquestionável. Ela estava no Santuário para buscar na Santa, forças para o marido, o diretor Fábio Barreto, que está em coma, após um acidente. Déborah participou com a gente do Jornal do Almoço e mostrou que a Romaria é feita de histórias emocionantes.

Foi isso que nós também sentimos: a força da fé e da devoção, além da integração entre fiéis e a sensação de cada um deles, de missão cumprida ao voltar para casa após uma longa caminhada.


Vinho e chocolate, "combinam"?

22 de abril de 2011 0

** Por Carolina Abelin

Encerrar uma refeição com uma taça de vinho e um pedacinho de chocolate. Pra mim, no inverno, isso se torna um hábito! Mas muitas vezes ouvi de “entendidos” da bebida ou até nem tão entendidos assim: “Vinho com chocolate? Não combina!” Ou porque o vinho se sobrepõem ao sabor do doce ou vice-versa ou porque realmente não casam, resultando em uma mistura de gosto estranho. Foi pensando nisso que surgiu a idéia de, justo na época de Páscoa, tirar essa dúvida, afinal: por que não vinho com chocolate? A resposta do sommelier Vínicius (que harmoniza a nossa receita com um delicioso vinho licoroso na matéria no JA de hoje) para a minha pergunta foi sensacional: “Vinho só não combina com azeite”. E deu uma gargalhada. Eu ri junto, porque era tudo que queria ouvir! Mas é preciso saber unir os sabores.

Com o delicioso Semifreddo de Chocolate e Avelãs, preparado pela chef Idana Spassini, ele sugeriu um vinho licoroso. É parecido com um licor daqueles portugueses, porém é de vinho branco e não tinto. O custo desse vinho no mercado é R$ 20 a R$30.

Outras dicas de combinações:

Chocolate ao leite: vinhos tintos jovens, que não passaram por envelhecimento em barril de carvalho. Os Demi-sec são as melhores pedidas. São recomendadas qualidades como Malbec e Tannat.

Chocolate amargo: vinhos licorosos doces.

Chocolate Branco: vinho branco frisante demi-sec.

Chocolate Branco com castanhas, nozes e passas de uva: espumante moscatel.

Ainda não foi possível “testar” todas as combinações sugeridas pelo Vinícius, mas o doce de chocolate com avelãs com o vinho licoroso foi mais do que aprovado por mim e pelo cinegrafista Daniel!

Espero que a reportagem tenha conseguido SATISFAZER a curiosidade de muitos, que, assim como eu, são apaixonados por bons vinhos e bons chocolates! E obrigado ao pessoal da vínicola, que nos recebeu muito bem…

Uma deliciosa Páscoa para todos!

"Caça" à marcela

22 de abril de 2011 1

Antes que alguém “brigue” comigo por causa do título desse post, eu explico. Hoje a nossa missão, minha e do Alessandro foi acordar cedinho (ou mais cedinho, afinal meu horário é às 6h) e fazer imagens da tradicional colheita da marcela (ou macela, os dois estão corretos!).

Às 5h já estávamos na rua. Sabendo que muita gente faz a colheita às margens das estradas, primeiro fomos até a Estrada dos Romeiros, em Mato Perso, onde, segundo “fontes não-oficiais” (hihihi) seria um bom local. Mas… não encontramos ninguém.

Partimos então para uma segunda tentativa: a estrada que leva a Otávio Rocha, passando pelas comunidades de Nossa Senhora da Saúde, Nossa Senhora da Salete, Santa Justina. Mais uma vez, de companhia pra gente, só a escuridão! Nem marcela, nem colheita.

A opção foi seguirmos pela Rota do Sol. E nada. Mais de uma hora e meia de lá para cá e… nada!!

Decidimos voltar. E foi aí que encontramos José e o cunhado dele colhendo a erva medicinal para o consumo da família. O relógio, no carro, marcava 6h35. Depois deles, encontramos outras pessoas que também levam a sério essa tradição de colher a marcela com o orvalho da sexta-feira santa.

Depois de cumprir nossa tarefa, voltamos para a TV. Quase 7h30. Com a gente, trouxemos algumas lições.

A primeira, de que… na próxima sexta-feira santa (em 2012), não precisaremos acordar tãããão cedo!!!

A segunda… de que… já que despertamos cedinho, não custava colher uns raminhos da erva medicinal… SÓ POR GARANTIA!!!! (hihihihi)

Mais bastidores

22 de março de 2011 0

No J.A. de hoje, recebemos a visita do vice-presidente de futebol do Juventude, Raimundo Demore. E quem o acompanhou, foi o assessor de imprensa do clube, o Edgar Vaz. Amigo de muitos anos, o Edgar já foi meu colega de trabalho, em outra emissora.

Gentilmente (e de surpresa) o Edgar fez algumas fotos dos bastidores, antes do jornal entrar no ar. No estúdio, flagrou o Giaretta conversando com o vice-presidente; eu, ajeitando a gola do vestido para deixar o microfone no lugar certo e lá no fundo, o cinegrafista Leonardo Moreira, terminando de organizar o estúdio.

Obrigada por ter enviado a foto, Edgar, e por permitir que a gente dividisse com nossos amigos aqui do blog!!

Bastidores do Resgate

12 de março de 2011 2

**Por Vanessa Franzosi (Correspondente Grupo RBS - Sucursal da Serra – Gramado)

Pé no barro por boas histórias

Para grandes histórias serem narradas, muitas vezes é preciso quase vivenciá-las, no mínimo, estar perto. Na quinta-feira, eu senti que precisava estar no Itaimbezinho para ver o que estava acontecendo, falar com parentes, tentar entrar no cânion (com guias, claro). Era o que eu precisava para contar aquela história.
Depois de várias ligações entre a editora da Zero Hora, a coordenadora da TV e editores do Pioneiro, foi decidida a minha ida, de Gramado, com o Valmir, motorista do Pioneiro, e o editor de fotografia do Pio, Ricardo Wolffenbüttel, que saíram de Caxias.
No caminho, dezenas de ligações para antecipar a matéria para o jornal do outro dia e também para atualizar informações das buscas. No meio do caminho, decidimos não ir a Cambará e descer a Praia Grande, em Santa Catarina, para acompanhar a possível saída dos bombeiros naquela ponta do parque Aparados da Serra. Só não imaginávamos que era tão longe e que fosse tão difícil chegar.
Depois de estar na cidade catarinense, pegamos uma estrada de chão e todos nos falavam pra não seguir até o Rio do Boi, onde precisávamos ir. O rio estava alto, invadiu a estrada de chão, cheia de pedras. Fomos passando por água e mais água até que deu, parou. Em uma descida, havia uma lagoa no lugar de chão. Ao lado, uma pinguela.
Nós precisávamos passar dali, já estava escurecendo, precisávamos chegar à guarita do parque (e ainda faltavam uns três quilômetros). Sem pensar muito, saí do carro com o Ricardo, vestimos as capas de chuva, cobrimos nossos equipamentos (ele a máquina fotográfica e eu minha câmera), e atravessamos a pinguela, seguiríamos a pé. Mas o Valmir, nosso motora, arriscou e passou a lagoa para acelerar nossa chegada ao destino.
Chegamos, já no escuro, sem poder entrar no parque, sem sinal de celular, sem telefone fixo e eu tinha que dar sinal de vida. Tinha que mandar matéria para os jornais impressos e imagens para a TV. Pelo rádio da guarita, pedi que outra base ligasse para a ZH e avisasse da situação.


Chequei mais algumas informações e voltei para a cidade, onde há comunicação. Ricardo continuou na base à espera  dos equipamentos dos bombeiros que estavam chegando. Somente depois, de carona, ele me encontrou em uma lan house. Pausa para a janta e depois procura por hotel em Praia Grande. Precisava de um local com banda larga, para mandar as imagens para a TV. Deu tudo certo e à 1h estava tentando dormir no meio de um mundo de mosquitos.
Na manhã seguinte, 6h45min toca o despertador. Precisávamos estar às 8h na guarita do parque para acompanhar a troca da equipe de buscas. Antes, pausa no meio do caminho, para gravar um boletim por telefone para o JA, falando do recomeço das buscas.
Mas ai, na chegada, nem saí do carro e me gritaram a boa notícia. Encontraram os desaparecidos. O Ricardo ficou no local e eu voltei até onde conseguisse sinal do celular. Liguei para a ZH, que alertou a Rádio Gaúcha, e para a TV. Gravamos um novo boletim. Entrei ao vivo na rádio e voltei ao local à espera do grupo de guias que entraria na mata fazer o resgate.


Quando eles chegaram, fiz imagens, Ricardo fez fotos e voltamos à cidade mandar o material, na corrida. Já era 11h e comer? Eu nem lembrei. Senti a falta de água e glicose três horas depois quando precisei correr, no meio da lama, para pegar imagens do homem sendo resgatado. Ela já havia saído e estava tentando entrevistá-la, quando, do outro lado, dentro da mata, ele apareceu. Corri, me senti tonta, quase desmaiei. Parei. Respirei. Não precisei ser resgatada por nenhum bombeiro.

Com o pé enlameado, tênis encharcado desde a noite anterior, mas imagens feitas, entrevistas gravadas, voltamos ao centro. No meio do caminho, digitalizei alguma imagens e editei para enviá-las para a TV. Parei no hospital para entrevistar Márcia, a resgatada, que não aceitou falar antes. Ricardo foi ao hotel enviar nosso material. Trabalho em equipe importante nessas horas. Márcia falou sem aceitar ser gravada nem fotografada. Nem mesmo sua voz, deixou registrar. Mas falou, explicou o que aconteceu.
Por volta das 18h foi que cheguei no hotel. Escreve texto para o jornal, revisa as entrevistas, escreve texto para a TV. Depois das 20h, foi que saímos de Praia Grande e, enfim, paramos para comer. Começava o fim de uma aventura jornalística que, assim como a do casal de perdidos no Itaimbezinho, também teve seu happy end.

Caindo na folia

09 de março de 2011 0

No carnaval é assim, difícil escapar da folia….

O cinegrafista Daniel Anderson que o diga! Escalado para acompanhar o Bloco da Velha no domingo em Caxias, ele acabou sendo convidado pela “Bastiana”, essa tradicional personagem do humor caxiense, para participar da festa.

O flagrante foi registrado pelo Roni Rigon, fotógrafo do Jornal Pioneiro.

Bonitos, hein?

Curiosidades dos bastidores (2)

09 de fevereiro de 2011 0

           

Há poucos dias, contei aqui no blog sobre algumas curiosidades da TV: quem veste e quem são os responsáveis pelo cuidado com os cabelos dos repórteres e apresentadores, por exemplo. Pois hoje, vou apresentar a vocês, outra profissional que “cuida” da nossa equipe e tem um papel fundamental no resultado do nosso trabalho! Falo da Mirieli Colombo, nossa fonoaudióloga.   

Mirieli é formada desde 1998, especialista em voz e em dinâmica dos grupos, com ampla experiência no trabalho com profissionais do jornalismo. Desde 2003, ela atende os repórteres e apresentadores da RBS TV Caxias. Para nós, que temos a voz como “instrumento de trabalho”, esse acompanhamento é mais do que essencial!! A frequência das consultas varia de um profissional para outro, assim como os exercícios que são indicados por Mirieli. E é seguindo a risca essas orientações que garantimos a qualidade do nosso trabalho, a saúde das nossas “pregas vocais” e a clareza na transmissão das mensagens!!

  E atenção! A pedido do BLOG, a nossa “fono”, repassou umas orientações básicas….  Confira!!!

- A qualidade da voz e a excelência na comunicação, são fundamentais para todas as profissões. O mercado cada vez mais abre as portas para  profissionais com habilidade de improviso, argumentação, ênfase, postura, ritmo, velocidade, articulação, vocabulário, expressão corporal entre outros, pois estas habilidades é que enriquecem a fala e transmitem credibilidade à mensagem.

- Voz rouca não é normal, após 15 dias de rouquidão, procure um otorrinolaringologista e uma fonoaudióloga.

- Profissionais da voz devem realizar uma laringoscopia pelo menos 1 vez por ano.

- Devem tomar 2 litros de água por dia.

- Não usar nenhuma solução caseira sem orientação profissional, pois muitas indicações são apenas mitos que trazem prejuízos para voz (por ex: uso do gengibre).

- Fala excessiva de forma incorreta, pode causar problema nas pregas vocais.

- Intensidade elevada e prolongada deve ser evitada.

- Evite pigarrear e gritar.

- Cuidar as bebidas geladas ou quentes demais.

- Os exercícios fonoaudiológicos são indispensáveis para a cura das patologias das pregas vocais.

 mirieli.colombo@terra.com.br - 32234807/3221.6976

Puxa, fiz tudo errado!

01 de fevereiro de 2011 0

Conforme prometido, aqui está o post para contar como foram os “bastidores” do J.A de hoje, com o participação do “Russo”. Sim, Russo é esse cão, da raça “rotweiller”, que impediu um assalto em Caxias do Sul no último domingo, e hoje esteve no estúdio, com o dono dele, o Márcio.

Adoro cães, mas confesso que fiquei um pouco assustada quando vi o tamanho do Russo. Susto que passou logo, diante da docilidade dele. Nos surpreendeu vê-lo brincando com a Manuela, uma das donas, uma menininha linda, de 4 anos, que acompanhava o pai. Logo, estava eu também fazendo carinho… brincando com o”herói”… (como se fosse a minha brincalhona Miuki, uma cocker, que – inclusive – já apresentei aqui no blog…)

Acontece que, na hora de fazer essa foto, para o blog, esqueci de algo muito importante. Amo, mas não entendo de cachorros. E fiquei assim, pertinho dele… perto ao ponto de fazê-lo sentir-se ameaçado e… avançar! Não foi nada demais, fora o susto em todos que estavam no estúdio, antes do jornal, já praticamente acostumados com a tranquilidade dele. O próprio Márcio, o dono, se assustou com a reação.

Foi aí que o Rodrigo Lunardi, adestrador de cães, me deu a sentença: “era de se esperar, você fez tudo errado”…  O cachorro não é adestrado, não nos conhece, está em um lugar estranho e… reagiu ao que ele sentiu ser uma ameaça…  Só pude concordar: pior é que fiz mesmo… tudo errado! Ele estava tão calmo que, sem intenção, exagerei…

Mas aprendi ou, pelo menos, reafirmei essa importante lição. E divido com vocês, algumas recomendações:

* Observe sempre a posição do seu corpo, para não parecer ao cão, que você o está desafiando.

* Evite os movimentos bruscos.

* Procure começar o contato com o cão deixando ele cheirar o dorso da sua mão, nunca coloque a mão direto sobre a cabeça do animal.

* Na rua, evite abordar cães desconhecidos, pergunte ao dono se ele é manso e… nem sempre acredite na resposta! Muitas vezes os donos insistem em dizer que eles são tranquilos, mas geralmente isso é só com os conhecidos, os donos da casa…

Sobre a história do Russo, o assalto, o perigo de reagir diante de roubos, e tudo mais, você pode espiar o link dos vídeos, ao lado… Esse post era só para contar dos bastidores, de mais uma lição que aprendi…

Curiosidades dos bastidores

01 de fevereiro de 2011 0

O que muitas pessoas nos perguntam, é sobre os bastidores do J.A. Quem veste os profissionais? E quem é responsável pelos cuidados com os cabelos das apresentadoras?

Bom… pra tirar essa dúvida, apresento pra vocês, a Ale Risso, a responsável pelo meu “cabelo” na telinha. Todos os dias, por volta das 11h ela sobe na TV para escovar o meu cabelo. (Tantos cuidados, por vocês, nossos telespectadores, né…)

Pra explicar, eu escrevi “sobe”, porque a Ale trabalha no salão Andréia Kuver, que fica do ladinho da TV.  E tem também o Diego Velho, responsável pelo corte das “madeixas” de muitas de nós, apresentadoras e repórteres da RBS TV Caxias.

Sobre as roupas, além do figurino da TV, temos parceria com a Drops de Menta, que “me veste”, quase 100%.

Para toda a equipe de repórteres e apresentadores há também outros parceiros, como as malharias Vitória, Zanatta e Anselmi, além de Erica Generoso,  Malise, Luigi Bertolli, RA Homem e Colombo.

Se você tiver outras dúvidas, mande pra gente! Teremos prazer em responder!!

Email: tele.caxias@rbstv.com.br