Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O Ano-Novo budista de Três Coroas

10 de março de 2009 7

Há anos planejava acompanhar a cerimônia de Ano-Novo no templo budista de Três Coroas, na serra gaúcha.


Fotos: Rosane Tremea

Na semana passada, acompanhada de minhas intrépidas companheiras de viagens relâmpago pelo Interior (minha irmã Luiza e minha comadre Nina), fui ao Khadro Ling (clique para acessar o site do templo) no dia em que as cerimônias são abertas ao público.

O Khadro Ling é a sede do Chagdud Gonpa Brasil, uma organização sem fins lucrativos onde se estuda e pratica o Budismo Tibetano, o primeiro templo tibetano tradicional da América Latina.

Não lembrava ao certo como tinha surgido essa maravilha que hoje encanta praticantes e turistas. E fui buscar no site do templo as respostas: em 1991, Chagdud Tulku Rinpoche visitou o Brasil pela primeira vez.

Convidado para vir ao Rio Grande do Sul em 1994 (sabe o que minha memória curta acabou de lembrar? Eu acompanhei, como repórter, essa visita na época!!!), se encantou com a beleza da serra gaúcha e com o interesse dos praticantes pelo budismo. Acabou procurandou terrenos na região para criar um centro. E se estabeleceu ali um ano depois.

O mestre morreu em 2002 e,  um ano depois, seus seguidores iniciaram a construção de um segundo templo, o Terra Pura de Padmasambava, decorado e abençoado por artistas e lamas do Nepal e Butão. A construção, que é sen-sa-cio-nal, foi consagrada em dezembro de 2008 (foto abaixo).

A cerimônia de Ano-Novo (comemorado no dia 25 de fevereiro e seguido de retiros) aberta, vista pelas milhares (foram calculados em 3 mil) de pessoas que foram até o local no dia 1º de março, consistiu em cinco danças, cada uma delas explicada em inglês e português antes de seu início.

São lindas as danças e as roupas usadas, o lugar é maravilhoso, mas estava um dia tão escaldante que será preciso voltar outra vez para poder desfrutar melhor o que é mostrado ali.

Mas nem o calor insuportável explica a má educação de muita gente que foi lá, talvez esperando algo como um espetáculo de circo ou sei lá o quê. Gente que não respeitava o silêncio, que achava os dançarinos pouco performáticos ou que fazia qualquer barbaridade para garantir um lugar e fotografar a cerimônia. Eu fiquei chateada e constrangida. Se for pra ir assim, melhor não ir, não?

Postado por Rosane Tremea

Comentários (7)

  • marcos Santos diz: 10 de março de 2009

    Respeito é artigo em falta e educação, produto fora de moda. Se até Jerusalém sofreu, há poucos anos, com invasão durante o Natal, com direito até escaramuças dentro de locais sagrados, que dirá de um templo budista no interior de um estado no sul da América do Sul!
    Não cuidamos de templos como nossos corpos…

  • Fábio diz: 10 de março de 2009

    Realmente o povo gaúcho anda deixando a civilidade e a educação de lado. Aquilo é um lugar de respeito e podemos ver pelas fotos uma pessoa com a camisa do Internacional, totalmente disonante com o ambiente.

  • Roberta Pschichholz diz: 11 de março de 2009

    Nostalgia total na última foto, Rosane! Miro velho de guerra em ação… bateu saudades do povo. bj grande a todos! Ah, sigo tua leitora fiel, viu!

  • Mariane diz: 11 de março de 2009

    óh Kadro Ling!
    Tenho enorme vontade de conhecer este templo.
    Acompanho sempre que posso ao site e se tudo der certo… ainda irei este semestre conhecer este lugar encantador!

    Parabéns pelo post!Adorei (bem, sou suspeita pra falar, ainda mais quando se trata de um local que eu quero muito conhecer)

    Um beijo grande!

  • Max Rivera diz: 10 de março de 2009

    Realmente, esta foi uma coisa que me deixou bem incomodado: a falta de respeito de gente que foi lá como que vai a um espetáculo de curiosidades. Gente fumando, gritando, reclamando… mas no final o que me deixa feliz é que as danças e bênçãos trarão benefícios a todos os seres.

  • Lúcia Maria Ratkiewicz diz: 10 de março de 2009

    Infelizmente ou felizmente trabalho na área do turismo, e este é o tipo de visitante ou “turista ” que chamo de emergente, tem o poder aquisitivo mas não o conhecimento! E tão pouco tem interesse em obter conhecimento e cultura. E sim mostrar para os amigos e parentes que esteve esteve lá, mas não tem nem idéia de onde é este lá e qual o interesse ( geográfico, religioso, histórico,etc) que este local tem para a comunidade em geral ou para a humanidade!!

  • Recortes de Viagem » Blog Archive » Ano-Novo budista em Três Coroas no domingo diz: 11 de fevereiro de 2010

    [...] ano passado, contei aqui no blog a experiência de acompanhar o Ano-Novo budista no templo de TRÊS [...]

Envie seu Comentário