Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Em Orvieto, 750 anos da tradição de Corpus Christi

30 de maio de 2013 0

Mesmo tendo formação católica, eu desconhecia a origem da festa de CORPUS CHRISTI, que é comemorada nesta quinta-feira.

Só fui conhecer a história na última quinta, ao visitar ORVIETO, uma cidadezinha encarapitada num rochedo na região da Úmbria, na ITÁLIA.

Dei de cara com peregrinos que começavam a invadi-la para começar as comemorações dos 750 anos do início da celebração católica.

O que conta a história da igreja: no ano de 1263, um padre alemão parou em Bolsena, cidade próxima a Orvieto, durante uma peregrinação a Roma. O padre vivia um momento de dúvida sobre sua fé e tinha dificuldade em acreditar na presença de Cristo na hóstia consagrada, um dos dogmas da igreja. Um dia, durante a missa que celebrava na igreja de Santa Cristina, quando dizia as palavras da consagração, sangue teria começado a escorrer da hóstia e se esparramar sobre o pano que ficava no altar.

Assustado e confuso, o padre interrompeu a missa e pediu a intervenção do papa Urbano IV, que então residia em Orvieto.

O papa mandou emissários para investigar o suposto milagre, confirmado posteriormente por uma comissão da igreja. A hóstia e o pano foram levados até Orvieto e expostos em um relicário, que até hoje permanecem na catedral.

Para marcar o chamado Milagre de Bolsena, Urbano IV criou, em 1264, a exposição da hóstia e a festa de Corpus Christi.

A espetacular catedral gótica de Orvieto acabaria sendo construída, ao longo de 300 anos, inspirada no milagre e para abrigar suas relíquias.

Na programação da festa deste ano, desde o dia 26, os eventos principais estão marcados para o próximo domingo, quando além da procissão, missa e exposição da hóstia, haverá também concerto e uma procissão histórica – cerca de 400 moradores se vestem com trajes de época.

A cidade, já na semana passada, estava toda enfeitada, com flâmulas gigantes pendentes nas ruas estreitas, nos prédios públicos e privados, e com tapetes de serragem e flores, tais como se costuma fazer na serra gaúcha.


Envie seu Comentário