Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Tour astronômico no Atacama (ou, como pode ser especial observar estrelas!)

31 de outubro de 2013 0

Na terça-feira, escrevi para o caderno VIAGEM sobre um tour astronômico que fiz em setembro no deserto do Atacama (eu tinha prometido isso, alguns posts atrás).

Resolvi reproduzir abaixo uma parte do texto. 

As fotos deixam a desejar. Eu não tinha equipamento e nem saberia fotografar estrelas… Essas que aqui estão são do site da Space, que é a empresa que faz o tour (no contato com eles, pediram que usasse essas).

Uma pena, já que as imagens falariam muuuito mais do que as minhas mais de mil palavras…

 

Fotos Space, divulgação

Fotos Space, divulgação

A ver estrelas

Nunca pensei que ver estrelas pudesse me fazer tão feliz. Nem imaginei que fosse incluir a observação do céu, que está todos os dias sobre nossas cabeças, em um dos momentos mais especiais que já vivi (eu que achava que via a abóbada mais linda de todas na minha cidadezinha natal… ou que a havia recuperado numa recente noite estrelada no descampado de uma fazenda, no meio do nada, num país vizinho…).

Explico minha recente surpresa, a do céu mais lindo que jamais havia visto. Quando agendei minha viagem ao deserto do Atacama, ao norte do Chile, sabia que deveria fazer os passeios mais óbvios e, ao consultar gente que havia estado lá, ouvia sobre o que me diziam ser menos óbvio:

- Eu não fiz, mas tu não deves deixar de fazer.

Mais do que as lagunas altiplânicas, para lá do Vale da Morte, muito além dos gêiseres del Tatio, muitos me recomendaram o tour astronômico, um passeio para, resumindo, observar estrelas.

Eu sabia que o deserto, um dos mais secos e dos mais altos do mundo, era um lugar ideal para se observar o céu e sabia do interesse científico que ele desperta, exatamente por essas características (veja, lá no pé, um resumo sobre o projeto Alma, instalado na redondeza). Ainda assim, estava reservada a surpresa do encantamento.

Vou contar como eu fiz e tentar descrever o que eu vi:

  • Muito em cima da hora, um dia antes de viajar, tentei reservar por e-mail minha vaga no passeio (em www.spaceobs.com ), com essa que me disseram ser a única empresa séria. Como não obtive resposta a tempo, no meu primeiro dia em San Pedro do Atacama, cidadezinha no meio do deserto, fui até ela (na rua principal, a Caracoles, 166) e comprei meu bilhete para aquela noite mesmo. Custa 18 mil pesos chilenos por pessoa (cerca de R$ 80).
  • Como o lugar fica a uns 15 quilômetros do centro, eles oferecem transporte (incluído no preço), que se pega na esquina da agência. Para o retorno, deixam próximo aos principais hotéis (eles alertam que não buscam nem levam aos hotéis).
  • O passeio tem duração de cerca de três horas e, dependendo da estação, começa às 19h ou às 21h. Como faz muuuito frio no meio do deserto, é preciso ir muito bem agasalhado (incluindo luvas, gorros, mantas e casaco pesado). O tour é feito em espanhol, inglês ou francês, com um número mínimo de 12 e máximo de 24 pessoas.
  • ATENCÃO: ele não acontece em noites de lua cheia e nem se o céu estiver nublado (o que é meio raro, já que os dias de céu limpo são, em média, 300 por ano) e pode ser cancelado minutos antes de se iniciar.

 

spacelaser

 

 

VOCÊ PODE LER O RESTANTE DO TEXTO NO VIAGEM.

 

MAIS ESTRELAS

A partir de 2014, também será possível visitar as instalações, no Atacama, do projeto ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) , que custou mais de 1 bilhão de euros e reúne vários países, com um conjunto de telescópios gigantescos.

Mais em www.almaobservatory.org

Envie seu Comentário