Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Três Coroas"

Perto do Templo Budista de Três Coroas, uma pousada

20 de novembro de 2015 0

A Luiza Piffero foi pela segunda vez a esta pousada que eu ainda não conheço.

Fica próximo do Templo Budista de Três Coroas.

Vamos deixar que ela conte:

Fotos Luiza Piffero, arquivo pessoal

Fotos Luiza Piffero, arquivo pessoal

 

“Se a visita ao templo Khadro Ling costuma ser o principal motivo para dar um pulo em Três Coroas, a pousada Refúgio do Pomar, instalada em um sítio a 10 minutos de distância, é um bom motivo para passar a noite lá.

O nome não podia ser mais honesto:

  • É “Refúgio” porque está escondido lá onde só se ouvem pássaros e grilos. Para chegar nessa pousada, o motorista sai da ERS-020 e toma a esburacada Estrada do Laticínio. Ao fim de 1,4 quilômetro, muitas árvores e algumas vacas descansando, você chega à propriedade, na localidade de Rodeio Bonito, área rural de Três Coroas.
  • É “do Pomar” porque a pousada está construída em um sítio repleto de árvores frutíferas. Além disso, é possível se aventurar por uma trilha que leva a duas cachoeiras. À noite, dá para juntar os amigos ao redor de uma fogueira no jardim.
A vista do chalé

A vista do chalé

Por outro lado, poderia ser chamada de Pousada do Renato, porque Renato Schebela, o proprietário, é quem recebe os hóspedes no portão. É ele quem cozinha uma comida caseira no jantar e organiza o café da manhã com ingredientes orgânicos e produtos coloniais. A comida é servida em uma mesa com vista para o Vale de Furnas, ao som de cânticos budistas.

Renato deixou a profissão de jornalista em Porto Alegre para viver perto do templo e praticar o udismo. A pousada reflete essa escolha: é um lugar simples e aconchegante para quem quer paz. Tem uma pequena biblioteca budista, uma sala de meditação, e é decorada com bandeiras tibetanas de oração.

Há quartos coletivos (apertados, no estilo de albergues da juventude), duplos e um chalé de pedra com uma vista deslumbrante para o vale.”

Mais informações: pousada-refugiodopomar.blogspot.com.br

jardim

Ano-Novo Budista em Três Coroas

05 de fevereiro de 2015 0
Fotos Templo Budista de Três Coroas, divulgação

Fotos Templo Budista de Três Coroas, divulgação

Vai ser no próximo domingo, dia 8, a comemoração do Ano-Novo budista no templo de Três Coroas.

As tradicionais danças começam a partir das 10h (a sugestão é chegar cedo, para conseguir um lugar legal, já que os portões serão abertos a partir das 9h).

A entrada é gratuita, e as danças são feitas sob uma tenda. Então, não há cancelamento em caso de chuva.

BH4H1306

Eu já fui e garanto: vale a pena.

Mas preste atenção nas dicas e não deixe de levar:

  • repelente de mosquitos
  • protetor solar
  • chapéu
  • muita água

Ah, e talvez esse não seja o melhor dia para conhecer os templos. Em função das cerimônias, quando fui não permitiam entrar no templo principal. Mas vê-los de fora já vale a pena.

Mais em templobudista.org

IMG_7050

Para ir no feriado (ou no final de semana)

01 de fevereiro de 2012 1

Nesta quinta é feriado em PORTO ALEGRE. É dia de Nossa Senhora dos Navegantes. Se você não for participar da festa, se não quiser colocar em dia o cinema e a leitura, se não quiser ficar de patas para o ar, eu tenho uma sugestão.

Não que seja a sua última opção. Nem é a primeira vez que falo nisso, nem será a última delas… Minha dica é dar uma saidinha não muito longe da cidade.

É ir até TRÊS COROAS  e visitar o Centro Budista, que fica a pouco mais de 90 quilômetros da Capital.

Tenho ido até ali de dois em dois anos, me dei conta no domingo, quando estive lá. E sempre nesta época, quando é tempo de comemorar o Ano-Novo budista.

O único senão de ir nestes tempos é que às vezes a visitação é limitada no templo durante as cerimônias. E, quando está aberto, não se pode circular por todo o interior.

Mas ainda assim vale a pena. Sempre me impressiona ver aquelas construções coloridas em meio ao verde, contrastando com o céu azul, no alto do morro. E o silêncio que as pessoas se impõem estando ali, naquele lugar reservado à oração, à meditação.

Algumas dicas pra quem vai:

  • Pra mim, o caminho mais simples é ir pela BR-116, dobrar à direita na RS-239 e depois pegar a RS-115, dobrando à direita no primeiro trevo de Três Coroas (até o alto são mais 7 quilômetros, intercalando calçamento e estrada de chão).
  • Nesta época, faz muito calor. Então, roupas e sapatos leves, boné ou chapéu e protetor solar. Desta vez, não percebi mosquitos, mas já tive de combatê-los em outra visita. Um repelente ajuda.
  • Dá para fazer uma visita razoável em uma hora, dependendo do seu interesse, é claro.
  • Se você estiver num grupo com mais de 10 pessoas, é preciso reservar com antecedência. Caso contrário, não tem mistério: é chegar, se identificar no interfone, dando a placa do carro. Há estacionamento muito próximo do templo.
  • Não é permitido fumar em nenhuma das áreas, mesmo ao ar livre.
  • Fotografar na área externa não tem limites, mas no interior do templo, não pode.
  • Os horários: de quartas a sextas, das 9h30min às 11h30min e das 14h às 17h; aos sábados e domingos, das 9h às 16h30min. Não abre às segundas e terças.
  • IMPORTANTE: não há nenhuma estrutura de hospedagem e restaurante, a não ser para quem está ali para retiro. Portanto, se você acha que vai sentir fome ou sede, leve seu lanche. De minha parte, sugiro dar uma estendida até GRAMADO/CANELA para almoçar e passar o resto do dia. Você estará muito próximo. Outra dica é o restaurante tibetano Tashi Ling, na RS-020.


Conjunto de estupas

Templo

Bandeiras de oração (faça silêncio e preste atenção no som que fazem!)

Terra Pura de Guru Rinpoche (onde estão as cinzas do criador do centro budista)

Detalhe


Ano-Novo budista em Três Coroas no domingo

11 de fevereiro de 2010 0

No ano passado, contei aqui no blog a experiência de acompanhar o Ano-Novo budista no templo de TRÊS COROAS.

Pois o tempo passa rápido, e no próximo domingo a comemoração se repete no local que fica a cerca de uma hora de Porto Alegre.

A partir das 14h do dia 14 começam as danças sagradas, que servem para evitar que as energias negativas do ano que passou sejam levadas para o ano seguinte.

A comemoração é do ano 2137, ano do Tigre de Ferro.

A entrada para a cerimônia é gratuita. Ela ocorre sob uma tenda, com qualquer tempo.
Neste ano, será liderada por Jigme Tromge Rinpoche, filho de S.Ema. Chagdud Rinpoche e Chagdud Khadro.

Como eu fui no ano passado, posso dar umas dicas pra que você aproveite melhor a cerimônia, que é linda:

1 – Como a perspectiva ainda é de calor (ou calor com chuva!), vá bem preparado: roupas leves, sapatos confortáveis, muito protetor solar e repelente, além de proteção para a cabeça.

2 – Se quiser um bom lugar, para o carro e para acompanhar a cerimônia, chegue cedo. Há estacionamento próximo do templo, mas quando lota restam só os acessos de chão batido que levam até o alto. E aí é preciso caminhar um bocado morro acima.

3 – Há uma tenda no local para venda de água e lanches, mas levar água pode ser uma boa ideia.

4 – Não espere poder visitar os maravilhosos templos nesse dia. Eles fecham para os retiros e você só poderá vê-los do lado de fora. Se for essa a sua intenção, deixe para fazer a visita outra hora.

Informações pelo fone (51) 3546-8200 ou email info@chagdud.org