Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Caderno Viagem"

Casal que viaja unido (2)

07 de outubro de 2014 0
Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Publiquei outro dia a história da Ju e do Pedro, que há mais de um mês viajam pelo mundo juntos, meio sem destino.

No caderno Viagem, já havia publicado a história do Rômulo e da Mirella, que em dezembro embarcam também para ficar dois anos perambulando por aí. Republico o que saiu no caderno:

Rômulo Wolff Pereira, gaúcho, 34 anos, e Mirella Rabelo, mineira, 32 anos, partem em 8 de dezembro para uma grande aventura. Ao longo de dois anos, vão percorrer 40 países em seis continentes, viajando de carona, hospedando-se na casa de quem oferecer um sofá (ou CouchSurfing, no termo correto), carregando uma barraca para usar onde for possível acampar.

Eles moraram um tempo no Exterior (ele por nove anos, ela por dois), tinham bons empregos e, juntos, decidiram largar tudo para colocar em prática esse projeto comum. Não irão sozinhos: a viagem será interativa (daí o nome da expedição, Projeto Volta ao Mundo – Travel and Share) e, em alguns casos, os seguidores nas redes sociais definirão as rotas. O dia a dia será gravado em vídeos no YouTube não só para mostrar os lugares por onde passam, mas para ajudar e inspirar outros viajantes. E vão praticar esportes radicais, abrir uma empresa de marketing digital e… viver.

Perguntei como vão encarar esses três sentimentos abaixo, antes e durante a viagem. As respostas:

Um ansiedade…

A espera até a data da partida. Estamos trabalhando no projeto desde janeiro, e a cada dia nossa lista de pendências só aumenta. Dedicamos a maior parte do tempo ao planejamento e ao roteiro. Também estamos fazendo encontros e “despedidas” de amigos e planejamos aproveitar as últimas semanas antes da viagem com nossas famílias (em Osório e Poços de Caldas).

Uma dúvida…

Sobre como vamos viajar na Ásia e na África, considerando que queremos fazer uma viagem autossustentável. São continentes sobre os quais não temos muito conhecimento de como funcionam e vamos ter de levar em consideração a segurança – na questão pessoal e com comida e higiene. Não vamos nos aventurar pedindo carona nem casas para dormir. Pelo menos lá a hospedagem é barata. O certo é que iremos aprendendo no caminho como funciona, e tudo dará certo.

Uma certeza…

De que serão os dois melhores anos de nossas vidas e de que teremos um estilo aventureiro. Será dessa forma que vamos conduzir nossas vidas. Não ficaremos em hotéis nem comeremos em restaurantes caros. Pretendemos sempre que possível fazer nossa própria comida quando ficarmos hospedados na casa de outras pessoas. Criamos uma bucketlist de desejos, desafios e coisas que nunca fizemos antes. Vamos fazer tudo o que sonhamos.

Para acompanhar:

projetovoltaaomundo.com.br

facebook.com/Wetravelandshare

Cenário de um recente adorável vício

13 de julho de 2013 2

Não vou dizer que é a minha série preferida, porque já tive outras. Então, direi que é a preferida do momento. Sou apaixonada por DOWNTON ABBEY e seu cenário. E escrevi esse texto abaixo, publicado nesta semana no caderno Viagem, acompanhando uma matéria que fala exatamente dele, de como o Highclere Castle foi transformado no set da série inglesa (que o GNT mostra às quintas, às 22h30min) e como tem recebido turistas interessados em conhecê-lo de perto:

Adorável vício

Foi um caso de amor ao primeiro episódio. Comecei assistindo por acaso, num canal em HD, achando que estava vendo um filme de época qualquer. Nunca tinha ouvido falar a respeito. E, durante muito tempo, só tinha notícias da família Crawley por meio de minha irmã, já que minha TV não tinha sinal HD. Mais do que notícias, eu precisava conviver com a resistência dela em aceitar qualquer convite para o final do sábado à noite.

– Não posso, preciso assistir a minha série – dizia.

E foi a mania alheia que criou a minha. Resolvi comprar o DVD da primeira temporada e viciei. Vi inteirinha em dois dias. Sete episódios com 378 minutos de duração (traduzindo em horas, são mais de seis!). E corri à livraria assim que soube da chegada da segunda temporada, e esperei o vendedor desempacotar a caixa no depósito (sim, sou dessas que gosta de comprar os DVDs)… E já presentei em aniversário, em amigo secreto, em Natal.

E acabei sucumbindo à oferta de uma amiga que havia, digamos, pirateado a terceira temporada. Simplesmente não resisti, contrariando meus princípios.

Eu sugiro para todo mundo ver Downton. Não só pelo cenário, que é espetacular, como o texto destas páginas descrevem. Mas também porque a vida dos Crawley, aristocrática e semidecadente nos anos 20, e da turma debaixo, como chamam os (muitos) empregados da mansão/castelo, é um pouco da nossa, ainda que de outra época. Mary, a herdeira que precisa casar para salvar a propriedade da família, lembra as personagens de Jane Austen. Uma mistura de mulher vanguardista e corajosa presa às convenções de seu tempo e meio social. E some-se ainda o figurino, os jantares espetaculares, os diálogos bem construídos e o humor ferino de Maggie Smith, a condessa viúva, e você entenderá porque eu conto nos dedos para que a quarta temporada, que estreia em setembro na Inglaterra, chegue logo.


Papo Viajante pela Transiberiana

20 de novembro de 2012 0

Taí uma viagem que eu gostaria de fazer, inspirada por recentes leituras, como a do Grandes Viagens, que inclusive inspira o caderno Viagem de ZH desta terça-feira.

O convite para este bate-papo sobre a Transiberiana é do Papo Viajante, do STB. Confira:

Pedro Oleksiuk Efremides é natural de Porto Alegre, descendente de gregos e ucranianos. Já esteve em 46 países e um de seus prazeres é viajar para lugares onde se possa interagir com pessoas e culturas diferentes. Apresenta no Papo Viajante a viagem que fez no Expresso Transiberiano. A Ferrovia Transiberiana, seguindo pela rota Transmongoliana, parte de São Petersburgo, na fronteira com a Finlândia, e segue sempre para o leste, rumo ao lago Baikal, aonde continua para o sudeste rumo a Pequim, cruzando a Mongólia. Ela atravessa sete fusos horários, três países (Rússia, Mongólia e China) e dois continentes (Europa e Ásia), completando cerca de 8 mil quilômetros.

É uma viagem fascinante, que mistura o corre-corre das estações com a calmaria total dentro do trem, de onde se pode pensar na vida enquanto a paisagem e os pequenos vilarejos passam rapidamente como um filme pela janela do vagão.

SERVIÇO

  • Papo Viajante
  • STB Brasas, Rua Anita Garibaldi 1.515, em Porto Alegre
  • Nesta terça-feira, às 19h30min
  • O evento é gratuito, mas é necessário confirmar presença (4001-3010)
  • Telefone para confirmação: 4001-3010


Passeio pelas cataratas no Viagem de terça

01 de março de 2010 2

Pergunte a qualquer estrangeiro com viagem marcada para o Brasil qual roteiro ele quer fazer no país e ele lhe responderá: Rio e “Iguaçu”. Ele se refere a Foz do Iguaçu e suas belíssimas cataratas que, de tão perto, às vezes ficam longe do nosso roteiro (quando eu digo “nosso” quero dizer de gaúchos em geral e porto-alegrenses em particular).

Quem não conhece ainda pode colocar na sua lista de falhas como turista. E trate de corrigi-la. Para entusiasmá-lo com a ideia, leia o VIAGEM desta terça-feira. A capa e a central do caderno são uma visita da repórter Maria Rita Horn ao parque das Cataratas do Iguaçu, uma das 28 finalistas do concurso das sete maravilhas naturais do mundo. Não deixe de ver – o caderno e as cataratas!

O Rio visto do alto e o Natal em Curitiba

08 de dezembro de 2009 1

Duas reportagens no Caderno Viagem desta terça-feira estão complementadas neste post.

A primeira delas, a da capa: se você quiser mais informações sobre os roteiros para conhecer o Rio de Janeiro do alto, de helicóptero, acesse o site para ver os diferentes trajetos dos voos panorâmicos. São 8 roteiros com duração que varia de 6 a 60 minutos, com saída de três helipontos. Clique no link abaixo:

www.helisight.com.br/Script/HlsItinerarios.asp

A segunda, a reportagem sobre o Natal em Curitiba: a Jaqueline Morais, colega de ZH, foi conferir como é a já tradicional comemoração natalina da capital paranaense e fez um video mostrando a parte mais emocionante — aquela em que dezenas de crianças surgem nas janelas de um prédio e entoam canções.

Veja abaixo o que ela escreveu:

Entrando no clima de Natal

“Não é só para turista ver. As apresentações de Natal em Curitiba, no Paraná, chamam cada vez mais a atenção de quem mora e está acostumado a viver todos os anos a magia das festas natalinas na capital paranaense.

As apresentações do coral infantil HSBC nas janelas do Palácio Avenida reúnem um público que se conta aos milhares, que toma as ruas, se emociona, assiste ao espetáculo uma, duas, todas as vezes.

A abertura foi uma prova disso. Na tarde da primeira apresentação, nuvens carregadas já anunciavam o que se confirmou na hora do show. Chovia quando as janelas do Palácio se abriram pela primeira vez. Nem por isso o público arredou pé. De um dos prédios em frente ao palco, era só olhar para baixo para ver o colorido de centenas de guarda-chuvas abertos.

Também pudera. Eram 160 crianças cantando a plenos pulmões, fazendo daquele momento uma lembrança e tanto. Para os pequenos, a sua hora de brilhar. Todos os participantes fazem parte de um projeto social desenvolvido pelo HSBC em comunidades carentes de Curitiba e região. Imaginem então a emoção dessas crianças, fazendo aquele espetáculo, escutando as palmas incessantes, recebendo o mesmo carinho que elas colocaram em ensaios, aulas, trajetos, expectativas.

O mesmo sentimento se repetirá até 20 de dezembro, quando as janelas serão fechadas pela última vez este ano. Até lá, não há como não entrar no clima. É Natal para todos. Para ver e ouvir.”

Assista a um trecho da apresentação:

Postado por Rosane Tremea