Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Atacama"

Visitas ao observatório do projeto Alma, no Atacama

27 de março de 2015 0
Alma, divulgação

Alma, divulgação

Quando fui ao deserto do Atacama, no Chile, um ano e meio atrás, fiz um tour astronômico que descrevi aqui no blog e fiquei, durante este tempo, esperando que uma outra possibilidade de ver astros/estrelas num dos céus mais limpos e claros do mundo fosse aberta aos turistas/visitantes.

Pois isso vai acontecer a partir do dia 29 de março.

Não exatamente como eu imaginava ainda, mas já é um começo.

O centro de operações do observatório Alma vai permitir aos visitantes conhecer como é a vida de quem trabalha ali e as instalações desse que é considerado um dos projetos científicos mais avançados do mundo, construído em colaboração por vários países.

Não deixe, porém, de fazer o tour que eu sugeri lá no post acima. É imperdível e vale toda a viagem.

ALMA_NRAO_padilla_01

Como vai funcionar

  • as visitas serão aos sábados e domingos pela manhã
  • será necessária, obrigatoriamente, uma inscrição prévia
  • o translado de San Pedro de Atacama até o observatório será gratuito, num ônibus do Alma, para quem tiver confirmado a inscrição
  • informações e ficha de inscrição em  www.almaobservatory.org

ALMA_sundown

Tour astronômico no Atacama (ou, como pode ser especial observar estrelas!)

31 de outubro de 2013 0

Na terça-feira, escrevi para o caderno VIAGEM sobre um tour astronômico que fiz em setembro no deserto do Atacama (eu tinha prometido isso, alguns posts atrás).

Resolvi reproduzir abaixo uma parte do texto. 

As fotos deixam a desejar. Eu não tinha equipamento e nem saberia fotografar estrelas… Essas que aqui estão são do site da Space, que é a empresa que faz o tour (no contato com eles, pediram que usasse essas).

Uma pena, já que as imagens falariam muuuito mais do que as minhas mais de mil palavras…

 

Fotos Space, divulgação

Fotos Space, divulgação

A ver estrelas

Nunca pensei que ver estrelas pudesse me fazer tão feliz. Nem imaginei que fosse incluir a observação do céu, que está todos os dias sobre nossas cabeças, em um dos momentos mais especiais que já vivi (eu que achava que via a abóbada mais linda de todas na minha cidadezinha natal… ou que a havia recuperado numa recente noite estrelada no descampado de uma fazenda, no meio do nada, num país vizinho…).

Explico minha recente surpresa, a do céu mais lindo que jamais havia visto. Quando agendei minha viagem ao deserto do Atacama, ao norte do Chile, sabia que deveria fazer os passeios mais óbvios e, ao consultar gente que havia estado lá, ouvia sobre o que me diziam ser menos óbvio:

- Eu não fiz, mas tu não deves deixar de fazer.

Mais do que as lagunas altiplânicas, para lá do Vale da Morte, muito além dos gêiseres del Tatio, muitos me recomendaram o tour astronômico, um passeio para, resumindo, observar estrelas.

Eu sabia que o deserto, um dos mais secos e dos mais altos do mundo, era um lugar ideal para se observar o céu e sabia do interesse científico que ele desperta, exatamente por essas características (veja, lá no pé, um resumo sobre o projeto Alma, instalado na redondeza). Ainda assim, estava reservada a surpresa do encantamento.

Vou contar como eu fiz e tentar descrever o que eu vi:

  • Muito em cima da hora, um dia antes de viajar, tentei reservar por e-mail minha vaga no passeio (em www.spaceobs.com ), com essa que me disseram ser a única empresa séria. Como não obtive resposta a tempo, no meu primeiro dia em San Pedro do Atacama, cidadezinha no meio do deserto, fui até ela (na rua principal, a Caracoles, 166) e comprei meu bilhete para aquela noite mesmo. Custa 18 mil pesos chilenos por pessoa (cerca de R$ 80).
  • Como o lugar fica a uns 15 quilômetros do centro, eles oferecem transporte (incluído no preço), que se pega na esquina da agência. Para o retorno, deixam próximo aos principais hotéis (eles alertam que não buscam nem levam aos hotéis).
  • O passeio tem duração de cerca de três horas e, dependendo da estação, começa às 19h ou às 21h. Como faz muuuito frio no meio do deserto, é preciso ir muito bem agasalhado (incluindo luvas, gorros, mantas e casaco pesado). O tour é feito em espanhol, inglês ou francês, com um número mínimo de 12 e máximo de 24 pessoas.
  • ATENCÃO: ele não acontece em noites de lua cheia e nem se o céu estiver nublado (o que é meio raro, já que os dias de céu limpo são, em média, 300 por ano) e pode ser cancelado minutos antes de se iniciar.

 

spacelaser

 

 

VOCÊ PODE LER O RESTANTE DO TEXTO NO VIAGEM.

 

MAIS ESTRELAS

A partir de 2014, também será possível visitar as instalações, no Atacama, do projeto ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) , que custou mais de 1 bilhão de euros e reúne vários países, com um conjunto de telescópios gigantescos.

Mais em www.almaobservatory.org

Incursão pelo deserto do Atacama

16 de setembro de 2013 2
Rosane Tremea

Rosane Tremea

Depois de algumas idas ao Chile e muitos planos não concretizados, conheci, afinal, o deserto do Atacama.

No blog já havia escrito sobre ele, com a colaboração de amigos, em posts antigos que você pode ler aqui.

Comprovei tudo o que me falaram. E, por mais que nos contem e que se imagine, é do tipo de lugar que supera as expectativas.

Rosane Tremea

Rosane Tremea

Na convivência de pouco menos de uma semana com pessoas do mundo inteiro, que falavam sobre o deserto ou sobre viajar, conhecer e aprender, duas impressões ficaram martelando na minha cabeça ao longo dessa jornada.

Sobre as cores (sim, é muito mais colorido do que eu sabia e achava), um designer italiano não parava de exclamar:

- Nenhum pintor imaginaria essa combinação de tons. Ninguém seria capaz de retratar tamanha perfeição.

Rosane Tremea

Rosane Tremea

Rosane Tremea

Rosane Tremea

Sobre a troca de experiências, uma argentina que viajava pela América do Sul havia três meses (incluindo lugares do Brasil menos conhecidos para a maioria dos brasileiros como Cordisburgo, em Minas Gerais, por ser fã do escritor Guimarães Rosa) resumia assim seu espírito estradeiro:

- Quando me perguntam que viagem é essa, respondo que é uma viagem de estudos. E quando vem o fatídico “estudando o quê?”, respondo: estudando o nada.

Esse post, assim como a aventura de minha companheira de viagem casual, ainda não é sobre o Atacama. É sobre nada. É só para marcar a volta das férias curtas depois de uma das viagens mais bacanas que já fiz e para recomendá-la.

Nos próximos dias, vou escrever sobre como chegar lá (é bem fácil!), sobre dicas de lugares e de passeios… De modo especial, quero falar sobre um que me foi recomendado por quem fez e mais ainda por quem não fez, mas ouviu falar: o tour astronômico.

Nunca pensei que observar estrelas pudesse tornar uma viagem tão especial.

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Sob encomenda, o deserto do Atacama

31 de janeiro de 2012 6

Eu sabia que minha amiga Vera não ia resistir à provocação feita num post aqui dias atrás. Ela enviou, como eu imaginava que faria, fotos e comentários sobre o que viu pelo DESERTO DO ATACAMA nas suas férias de dezembro.

Vamos ao que ela conta:

“Depois deste desafio público, tive que me apresentar. Realmente o Atacama é lindo, com paisagens de tirar o fôlego. Acho que seu encanto está na diversidade de opções: de lagoas salgadas nas quais não se afunda a imensas rochas no meio deserto, sem falar em paredões de areia e os gêiseres – jatos de água quente brotando do solo. Enfim, tem passeio para todos os gostos. Te mando algumas fotos dos locais que mais curti.

Laguna Miscanti

Separada da Laguna Miniques apenas por uma faixa de terra, é uma gigantesca poça de água de um azul tão forte (quase azul marinho) que te deixa deslumbrado ao avistá-la do alto da estrada. Ao fundo, a cordilheira com imensos vulcões completa a paisagem.



Igrejinha na cidade

A Igreja de San Pedro de Atacama fica bem ao centro da cidade, em frente à Plaza de Armas. Ela é toda construída em adobe (assim como muitas construções em San Pedro) e foi inaugurada no século 17 no local onde foi rezada a primeira missa da cidade em 1557. Em 1957 foi declarada monumento nacional e, em 2001, foi invadida por vândalos que queimaram várias imagens sacras, incluindo a de San Pedro.

Gêiseres

O maior desafio para ver os gêiseres de El Tatio é acordar na madrugada e enfrentar o frio abaixo de zero ao chegar o local, que está situado a uma altura de 4.300 metros. Mas na medida em que o sol vai esquentando, a sensação melhora e até pode-se caminhar mais descontraidamente. O motivo de chegar tão cedo é que neste horário a atividade dos gêiseres é mais intensa e o contraste com a falta de luz é maior. Ou seja, quando o dia vai clareando, fica mais difícil de ver os jorros de fumaça quente que brotam do chão, dando ao lugar uma atmosfera de fim do mundo. Ao lado dos gêiseres existem piscinas de água quente onde é possível tomar banho.

Salar de Tara

A ida ao Salar de Tara exige um pouco de calma, pois se sobe a quase 5 mil metros de altitude, portanto é legal ir se aclimatando, com paradas no meio do caminho e o mesmo serve para a volta, pois uma descida muito rápida causa enjôos, tonturas e náusea. Mas o passeio vale a pena, no caminho cruza-se com várias formações geológicas de até 25 metros esculpidas pelo vento.

Vale da Lua

É um dos passeios mais próximos de San Pedro (12 quilômetros) e muitos costumam ir até lá de bicicleta. É um vale com formações rochosas singulares que possuem um aspecto de solo lunar. Por isso, a Nasa faz pesquisas e exercícios de simulação de pousos na lua por lá. Entre as formações, a Pedra do Coitote é um dos pontos tradicionais para fotos. Um dos locais predileto dos visitantes, o Vale da Lua fica junto ao Vale da Morte, que também é deslumbrante, com catedrais de sal por onde se caminha e costuma-se fazer silêncio para ouvir o sal estalando nas paredes.

Seguem ainda fotos da fauna local (vicunhas e flamingos) que podem ser observados aos milhares durante os passeios. A foto do vôo dos flamingos são dos meus amigos da Atacama Experience (atacamaexperience.com.br) agência gaúcha especializada nas belezas chilenas. Os aventureiros começaram pela Patagônia e agora estão explorando a fundo o Atacama.

Vicunhas


Vôo dos Flamingos


Um oásis no Atacama

19 de janeiro de 2012 0

O ATACAMA, o deserto mais seco do mundo, no norte do Chile, está na minha lista há muito tempo.

Enquanto não chego lá, me contento com os relatos que pessoas como a minha amiga Vera, que fez recente viagem pelo deserto (quem sabe ela não manda alguma coisa para o blog!?), ou de outros que me mandam textos postados aqui, como a Gabi e do Luciano.

Há pelo menos duas dezenas de hotéis em San Pedro de Atacama, ponto de partida para as excursões à região, e mais uns tantos hostels, campings e casas para alugar por temporada.

Num lugar tão árido, chama a atenção o conforto que proporcionam locais de hospedagem como o Kunza Hotel & Spa, cujo material de divulgação recebi dias atrás.

Fica a 10 minutos de caminhada da região central de San Pedro de Atacama, tem 60 apartamentos e uma área externa com espelho d’água, jacuzzis e jardins cercados por paredes e muros de pedra.

E oferece guias para os passeios pelo deserto.

Para saber mais: www.hotelkunza.cl


O Chile da Gabi e do Luciano

08 de setembro de 2011 14

Há horas a Gabi e o Luciano fizeram essa viagem. E disseram que mandariam um resumo de tudo, com fotos. Mandaram mesmo. Eles fizeram duas coisas que eu gostaria: ir até lá de carro e visitar o deserto do Atacama. Fui mais de uma vez ao Sul do Chile e Santiago, nunca ao norte. Um dia, quem sabe um dia… Por enquanto, fico feliz com o que eles contam.

“A viagem ao Chile foi uma aventura de carro: sair de Porto Alegre (RS) e chegar até San Pedro de Atacama. Viajar de carro dá autonomia e, ao mesmo tempo, deixa margem para estar aberto ao inesperado. É bacana saber que se a gente gostou de um lugar pode ficar mais um dia ou dois.


Conhecer San Pedro de Atacama é mágico. As paisagens são deslumbrantes, o lugar é fantástico e mexe com a gente fisicamente. Sentimos necessidade de beber água a toda hora, a pele resseca, o cabelo ressaca, a poeira toma conta de tudo e esses detalhes simplesmente deixam a viagem com ainda mais clima de aventura. Vale muito a pena conhecer!



Depois de San Pedro de Atacama fomos em direção ao litoral do Chile. Visitamos Antofagasta, o Parque Nacional Pan de Azúcar (belíssimo!) e as cidades litorâneas de Coquimbo e La Serena. Os frutos do mar são bastante apreciados e o mercado, em Coquimbo, vende opções de mexilhões, mariscos, camarões, limpos e crus. A gente pode escolher o que quer comer, temperar com os temperos à disposição e sair comendo em potinhos para viagem. Foi uma refeição bem pitoresca!


Em Santiago, a Biblioteca Nacional vale o passeio. O prédio antigo é lindo, fica pertinho do Cerro Santa Lucia.”


Um concurso para conhecer um lugar exótico no Chile

01 de outubro de 2010 1

Não faltam oportunidades para aqueles que gostam de entrar numa disputa por um prêmio pra lá de desejado: uma viagem.

Em seus últimos dias (encerra no dia 4), uma promoção comemora os cinco anos da rede de hotéis Explora, no concurso cultural chamado “Desenhe sua Travessia”.

Para concorrer a uma viagem à Travessia de Cachi (Atacama), os participantes devem desenhar, com criatividade, mas de modo preciso, um mapa de uma das travessias dos hoteis Explora.

O vencedor e um acompanhante ganham como prêmio uma travessia de cinco noites, mais três noites no Hotel Larache, no Atacama, com três refeições por dia. O prêmio também inclui as transferências entre o aeroporto e os pontos iniciais e finais.

Para participar acesse o site http://www.explora.com/draw-your-travesia/. Os três melhores trabalhos serão publicados no site do explora e os internautas vão votar e decidir o vencedor. O segundo e terceiro lugar também serão premiados com US$ 400 em mercadoria Explora e um cartão com 50% de desconto para futuras estadias em quatro hotéis da rede (Atacama, Patagônia, Ilha de Páscoa ou Travesías).

Mais sobre a promoção:

  • Os desenhos devem ser enviados para o site até 4 de outubro.
  • A votação  será entre 18 de outubro a 30 de novembro.
  • O vencedor poderá usufruir do prêmio entre abril e dezembro de 2011 ou 2012 (confrome a disponibilidade). O segundo e terceiro lugares devem usar o cartão de desconto entre janeiro e dezembro de 2011 ou 2012 (conforme disponibilidade).
  • Pelo site http://www.explora.com/explora-travesias/ os participantes podem encontrar todas as informações sobre o concurso.