Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Bogotá"

Mal de altura

10 de abril de 2008 2

A Club Colombia, cerveja local/Caroline Torma
Mais uma contribuição de minha colega Caroline Torma, ainda sobre BOGOTÁ, a capital colombiana. Ela fala sobre os efeitos da altitude:

“Antes de chegar a Bogotá eu nunca tinha ouvido a expressão “mal de altura”. Ao colocar os pés na cidade, no entanto, achei que ela tinha sido cunhada especialmente em minha homenagem.

Eu costumo enjoar em barcos, navios e coisas que se movem sobre a água de todos os tamanhos. Nem nos meus piores pesadelos pensei que poderia marear em terra firme. Mas foi exatamente o que ocorreu.

Acontece que Bogotá foi construída aos pés da Cordilheira dos Andes, a 2.640 metros de altitude. A paisagem é linda. Mas eu fiquei com uma cor branca esverdeada em todas as fotos da viagem.

Resumindo: é como uma ressaca interminável, só que sem beber nenhuma gota de álcool (fui orientada pelos colombianos a não beber porque o álcool ampliaria os efeitos do mal de altura. Em uma semana, não pude provar nem uma gota sequer de Club Colombia, a marca de cerveja mais famosa do país).
Um remédio para enxaqueca e chá de coca ajudam a conviver com a sensação. O bom de tudo isso é que, com o passar dos dias, a coisa vai melhorando. Acho que se eu vivesse uns 50 anos na Colômbia, não teria problema nenhum.”

Postado por Rosane Tremea

As gordinhas famosas de Botero

20 de março de 2008 2

No centro de Bogotá, o Museu Botero/Rosane Tremea


No ano passado, a Caroline Torma, colega aqui de Zero Hora, esteve em BOGOTÁ e se apaixonou pela cidade. É difícil mesmo não gostar daquela metrópole que, curiosamente, não é sufocante, apesar dos quase 8 milhões de habitantes de sua região metropolitana.

Quem for à capital colombiana não pode deixar de conhecer o Museu Botero, tema deste texto escrito pela Caroline para o blog:


“Nas últimas semanas, a Colômbia voltou a ganhar destaque no mundo pelo motivo que os colombianos mais detestam ser lembrados: a violência das Farc.

Mas é preciso dizer que a Colômbia não é somente um país de narcotraficantes e seqüestradores. Pelo contrário. Ao passar por lá, em outubro de 2007, tive gratas surpresas, algumas delas artísticas.

Além de ser a pátria do realismo fantástico de Gabriel García Márquez, por exemplo, a Colômbia é também o país de Fernando Botero, o pintor das gordinhas. Em um charmoso museu instalado em La Candelaria, o bairro boêmio e universitário da capital Bogotá, a ditadura da beleza anoréxica do século 21 simplesmente não existe.

Elas, as cheinhas, é que são as estrelas. Se conhecer o acervo de obras do pintor não é suficiente como atração, basta dizer que Botero doou toda a sua coleção de obras particulares ao museu. A lista inclui quadros e esculturas de Salvador Dalí e Pablo Picasso.

De lembrança, além das fotografias – é possível registrar tudo, desde que sem usar o flash – dá para trazer para casa lindas reproduções do pintor. Eu escolhi uma Monalisa um tanto avantajada para enfeitar minha sala.”


Foto: Caroline Torma

Postado por Rosane Tremea