Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Grã-Bretanha"

Visite o Palácio de Buckingham

18 de agosto de 2015 0
VisitBritain, divulgação

VisitBritain, divulgação

Se você for a Londres até o final de setembro, pode aproveitar para ir além de ver a troca da guarda e também visitar o Palácio de Buckingham.

Até 27 de setembro, o palácio abre suas portas para receber visitantes, como em todos os verões desde 1993.

Nesse roteiro, dá para visitar 119 State Rooms (Salas de Estado), aquelas usadas pela rainha e pela família real para receber convidados e conferir honrarias.

Entre outras atrações, como grandes obras de arte, é possível ver como são os bastidores da preparação de um banquete real.

Chá da tarde na Grã-Bretanha

19 de fevereiro de 2015 0

Fã de seriados da TV britânica como Downton Abbey, Call the Midwife e Mr. Selfridge (se você nunca viu nenhuma delas, vá correndo ao Netflix!), adorei essas dicas do VisitBritain para lugares onde experimentar um tradicional chá da tarde na Grã-Bretanha, que guardam uma certa pompa e circunstância. Há das opções mais caras até umas bem razoáveis, pra incluir na lista de uma próxima viagem.

Aliás, na última vez em que preparei um chá da tarde, ganhei de presente um CD (sim, ainda há quem compre) chamado Music from the Tea Lands, da querida amiga Jussara, que eu recomendo muito. É perfeito para acompanhar a hora que ainda é “sagrada” para os britânicos.

Confira abaixo, editadas, as dicas do VisitBritain:

 

Fotos VisitBritain, divulgação

Fotos VisitBritain, divulgação

O chá faz parte da dieta básica dos britânicos há muito tempo, mas nem todos sabem que ele se tornou popular na Grã-Bretanha graças a uma princesa portuguesa. Quando Charles II se casou com Catarina de Bragança em 1662, o consorte da recém-coroada rainha logo espalhou pela corte real o apreço dela por chá. A moda se espalhou entre as classes mais abastadas e, por fim, dominou toda a nação – isso também se deve ao fato da expansão do comércio de chá durante o reinado de Charles II.

 

Avançando para os dias de hoje, é difícil encontrar britânicos que não bebam chá, no mínimo uma xícara por dia. A nação conhece bem e aperfeiçoou a arte de relaxar às 16h com uma xícara da bebida, incluindo no ritual apetitosas guloseimas para acompanhar a infusão.

 

Para escolher a opção ideal para seu paladar, saiba que há o cream tea, o high tea e o afternoon tea. Cream tea inclui um bule de chá servido com scones, tradicional pãozinho inglês, servido com creme de nata e geleia. Há um debate acalorado se essa combinação teria surgido na Cornualha ou em Devon, dois condados do sudoeste da Inglaterra. Independentemente da origem, é possível encontrar cream teas excelentes nessa região do país – só não se envolva no outro debate controverso, sobre o que se passa primeiro nos pãezinhos, geleia ou creme. A única regra é: quanto mais dos dois, melhor.

 

High tea e afternoon tea são confundidos com frequência – o primeiro envolve bolo ou qualquer tipo de doce e era, originalmente, uma refeição salgada feita no início da noite pelas classes mais baixas, que incluía uma caneca de chá, pão, legumes, queijo e, às vezes, carne. Afternoon tea, por sua vez, era entendido como uma “ponte entre as refeições”, pela sétima duquesa de Bedford, uma jovem chamada Anna. Na alta sociedade do século 19 em que ela vivia, era comum tomar café da manhã cedo e depois jantar por volta das 20h. Obviamente, ela sentia fome entre essas refeições e costumava tomar um lanche escondido em seu quarto! Com o tempo, outras pessoas do círculo da duquesa começaram a acompanhá-la, e assim nascia uma nova refeição. O hábito ganhou força e hoje em dia há chás da tarde de todos os tipos – até chá da tarde do Chapeleiro Maluco em um ônibus londrino ou em um trem a vapor escocês. Basta acrescentar companhia para conversar e uma tarde relaxante e agradável estará garantida!

 

Fotos VisitBritain, divulgação

Fotos VisitBritain, divulgação

 

LOCAIS CLÁSSICOS PARA SABOREAR O AFTERNOON TEA

 

Se você está em busca de um verdadeiro banquete, os hotéis Ritz, Claridges e The Goring de Londres são famosos por seus generosos chás da tarde com toda a pompa e estilo:

 

  • The Ritz é provavelmente a opção mais tradicional – quem não gostaria de voltar de férias e contar que tomou um chá no Ritz? O chá da tarde é servido no suntuoso Palm Court, um salão que esbanja luxo e glamour. Escolha entre 16 opções de chá de folhas antes de devorar minissanduíches, folhados e bolos, além do tradicional scone quentinho. O chá da tarde tradicional custa 50 libras (195 reais) por pessoa.

 

  • Claridges e The Goring, hotéis londrinos mundialmente famosos também (o último foi o local escolhido pela duquesa de Cambridge para passar a noite anterior ao seu casamento com o príncipe William), já ganharam o prêmio Tea Guild na categoria Melhor Chá da Tarde de Londres – sim, há prêmios para essa tradição – e ambos oferecem uma série de tentadoras guloseimas doces e salgadas para acompanhar os bules de chá e as longas conversas. O chá da tarde clássico do Claridges custa 50 libras (195 reais) por pessoa. O do Goring custa 42,50 libras (165 reais) por pessoa.

 

Landscape close-up Champagne Afternoon Tea on the Terrace at The Goring, London lower res

 

 

  • Se quiser algo mais econômico, saiba que o Fan Museum em Greenwich foi eleito o local que serve o chá da tarde com melhor custo-benefício de Londres em várias ocasiões – um verdadeiro banquete em um belo ambiente. Por 7 libras (27 reais), é possível desfrutar de chá com pãezinhos, creme de nata e geleia, bolo caseiro e ingresso para um dos museus mais exóticos da capital.

 

  • Se o dia estiver ensolarado, siga para um dos tesouros mais bem guardados de Londres, o Chelsea Physic Garden. Situado no coração do bairro de Chelsea, é o oásis ideal para ir depois de fazer compras na Kings Road. Permita-se degustar pãezinhos de lavanda e geleia caseira no Tangerine Dream Café antes de admirar o belo jardim de plantas medicinais, fundado em 1673!

    Também vale a pena sair de Londres para um chá da tarde em uma das cidades ou aldeias interioranas da Grã-Bretanha – o cenário ideal para um encontro agradável em companhia de alguém estimado (ou de um bom livro). Várias cidades utilizam ingredientes locais para preparar deliciosas geleias, compotas e salgadinhos.

 

  • Ganhadora do “Oscar do mundo do chá” de 2013, o principal prêmio nacional do Tea Guild, a Davenports Tea Room em Cheshire, norte da Inglaterra, além de ser a favorita dos moradores, atrai clientes dos lugares mais distantes, como Escócia, ávidos para provar o chá da tarde. Por quê? Os scones são feitos com uma receita muito bem guardada da década de 1930, enquanto a decoração tem tema de Alice no País das Maravilhas (o autor Lewis Carroll nasceu a menos de 4 quilômetros dali). Davenports fica a 30 de minutos de carro de Cheshire, Manchester e Liverpool. Eles servem chá com creme de nata a 4,95 libras (19 reais) por pessoa e chá da tarde a 16,99 (66 reais) por pessoa.

 

  • Em 2011, The Angel Hotel em Abergavenny, no extremo de Brecon Beacons, no País de Gales, ganhou o principal prêmio do Tea Guild. O chá da tarde da histórica hospedaria é servido no salão Wedgwood, com iguarias preparadas diariamente pelo padeiro especializado e uma série de chás para matar a sede. Custa 21,80 libras (85 reais) por pessoa. O aconchegante hotel é uma ótima opção para se hospedar, principalmente se comida boa for um dos fatores que influenciam sua escolha de acomodação. A localização também é excelente para explorar o Parque Nacional de Brecon Beacons, que fica bem ali, ou as belas praias do País de Gales. Abergavenny fica a 45 de minutos de carro de Cardiff.

 

  • Se viajar para Edimburgo, visite “a grandiosa dama da Princes Street”, como é conhecido o Balmoral Hotel. Assim como no Ritz, o chá da tarde é servido no Palm Court do hotel e também ganhou dois prêmios do Tea Guild. O chá tradicional custa 58 libras (225,30 reais) para duas pessoas e inclui os indispensáveis sanduíches e folhados, scones assados na hora e um tentador carrinho repleto de sobremesas – com esse banquete, não precisa fazer nenhuma reserva para o jantar!

 

  • Um chá da tarde que você não vai esquecer tão fácil é o servido no The Old Course Hotel em St Andrews, Escócia. A cidade é famosa pelo golfe, mas deveria ser também por seus pãezinhos com frutas e panquecas de limão, servidos com creme de nata e compotas de morango e de champanhe rosé. O chá da tarde custa 22 libras (86 reais) por pessoa. O hotel também oferece chá da tarde para crianças, dando a oportunidade de apresentar a elas essa tradição. Essa opção infantil inclui uma variedade de sanduíches – mais do estilo Nutella e manteiga de amendoim do que salmão defumado! Dá direito ainda a gelatina e sorvete, bolos com glacê mármore e outros doces, tudo por 10 libras (39 reais) por criança.

 

  • Outro chá que vai agradar às crianças é o Chá da Tarde de Príncipes e Princesas do The Milestone, em Londres. Crianças com menos de 12 anos vão desfrutar de minissanduíches, scones assados na hora com creme de nata e compotas e folhados franceses, acompanhado de xícaras de um delicioso chocolate quente. Antes de começar essa refeição tentadora, o chef pasteleiro ajuda as crianças a decorar cupcakes, que depois elas podem comer juntamente com as outras guloseimas. O chá custa 15 libras (58 reais) por criança.

Afternoon tea at The Milestone Hotel, London (3)

 

  • Os salões de chá da Bettys em Harrogate, cidade na região norte de Yorkshire, Inglaterra, são lendários. São seis no total, mas Harrogate – antiga e elegante estância termal cercada por Yorkshire Dales – foi o local da primeira unidade Bettys, aberta em 1919. Com mais de 300 tipos de pães, bolos e chocolates para experimentar e 50 tipos de chá, vai ser difícil saber por onde começar. O carrinho de bolos e tortas, trazido até a mesa para os clientes escolherem o que degustar, é um toque clássico da casa de chá Bettys, assim como os “Fat Rascals” – bolinhos macios de fruta.

Food & Drink

 

  • Algumas pessoas viajam para Glasgow, na Escócia, só para experimentar o chá da Willow Tea Rooms e admirar a elegante arquitetura de Charles Rennie Mackintosh, um dos nativos mais famosos da cidade. A Room de Luxe, com mobília de prata e cristais adornados com contas, continua idêntica à época em que foi criada por Mackintosh, em 1904, assim como a Gallery, com decoração mais escura e masculina. Biscoito amanteigado é o acompanhamento clássico para o chá na Escócia, mas na Willow também vale a pena provar os merengues caseiros. A casa também oferece um cardápio especial de chá da tarde para crianças. O chá da tarde custa 12,95 libras (50 reais). Há duas filiais da Willow Tea Rooms no centro da cidade, uma na Sauchiehall Street (projetada por Charles Rennie Mackintosh) e outra na Buchanan Street.

 

Que tal hospedar-se num castelo na Grã-Bretanha?

16 de maio de 2014 0

Aldourie Castle at night. Inverness, Scotland

Propriedade e exclusividade de nobres, muitos castelos acabaram virando hotéis e pousadas nas últimas décadas, recebendo plebeus que podem pagar para viver essa experiência .

Se você observar os valores, aliás, verá que a diária em muitos deles não é superior à de hotéis de centros urbanos da Europa. Outros, claro, são só para bolsos abastados.

O VisitBritain, que divulga o turismo na Grã-Bretanha, fez uma lista de castelos históricos espalhados por Grã-Bretanha e Irlanda do Norte que incluem desde pequenos fortes na região montanhosa da Escócia até castelos frequentados pelo rei Henrique VIII na Inglaterra.

Reproduzo tal e qual foi enviado, abaixo.

 

Chateau Rhianfa, Anglesey, norte do País de Gales

Plas Rhianfa, Chateau Rhianfa. Anglesey, Wales

Construído em 1849 pelo baronete de Bodelwyddan e sua esposa, o Chateau Rhianfa foi inspirado nos chateaux do Vale do Loire francês e conserva o mesmo estilo até hoje. A propriedade de 21 quartos é tombada e tem torres, adegas de vinho e um grande salão para banquetes, além de vistas incríveis do Estreito de Menai. Uma estadia com uso exclusivo do chateau (acomoda 32 pessoas) custa a partir de 7 mil libras (26.400 reais). O castelo fica a 3 horas e meia de Londres, viajando de trem. Quem preferir chegar em grande estilo pode utilizar um helicóptero e pousar no terreno do castelo.

www.amazingvenues.co.uk/venues/chateau-rhianfa/discover-chateau-rhianfa

 

Castelo Ruthin, Denbighshire, norte do País de Gales

Originalmente conhecido como o Castelo Vermelho no Grande Pântano, Ruthin foi construído no final do século 13 por Dafydd, irmão do príncipe Llywelyn. Sua história sangrenta inclui “atrações” como uma masmorra, uma arena de açoitamento e um tanque para afogamento. Felizmente esses dias ficaram no passado e o castelo agora é um hotel romântico que promove banquetes medievais para os hóspedes se regalarem como Henrique VIII, um dos antigos proprietários do local. Fica em uma área de parque natural, perto da cidade medieval de Ruthin, a cerca de uma hora de trem de Manchester, nordeste da Inglaterra. As diárias custam a partir de 65 libras (245 reais).

www.ruthincastle.co.uk

 

Hotel-Castelo Langley, Northumberland, nordeste da Inglaterra

Desde sua construção em 1350, durante o reinado de Edward III, o castelo de Langley é associado à tumultuada história da monarquia. Durante o século 17, a propriedade pertenceu aos condes de Derwentwater, que participaram dos levantes jacobitas de 1715 e foram executados na Torre de Londres. Atualmente um luxuoso hotel abrigado em uma área de 40 mil metros quadrados de região florestal, o castelo preserva sua integridade arquitetônica e permite que os hóspedes desfrutem de camas de quatro colunas e sofás junto às janelas, tudo cercado pelas paredes de 2 metros de espessura do castelo. Langley fica a três horas e meia de trem de Londres e as diárias custam a partir de 78 libras (295 reais).

www.langleycastle.com

 Castelo de Thornbury, Cotswolds, Inglaterra

Desfrute de sonhos dignos da realeza na cama mais larga de quatro colunas da Inglaterra ou passe a noite no dormitório do duque, onde o rei Henrique VIII e Ana Bolena dormiam 500 anos atrás. Arquitetura Tudor adornada, quartos suntuosos com tapeçarias de parede e jardins históricos murados completam a grandiosidade do castelo de Thornbury. As diárias custam a partir de 175 libras (660 reais). O castelo está localizado no limite da bela região campestre de Cotswolds, em Gloucestershire, centro-oeste da Inglaterra, a cerca de uma hora e meia de carro do aeroporto de Heathrow, em Londres.

www.thornburycastle.co.uk

The Fortalice, Blairgowrie, Escócia

The Fortalice, Blairgowrie, Scotland

The Fortalice, Blairgowrie, Scotland

Originalmente construído em 1560 como uma residência fortificada para proteger os Ogilvys de Airlie dos saqueadores que travavam batalhas religiosas, hoje The Fortalice oferece quartos luxuosos decorados com camas de quatro colunas e um grande salão, dominado por uma lareira e teto com refinada pintura à mão. Com seis quartos, o castelo acomoda 12 pessoas e os preços começam em 3.950 libras por semana (14.890 reais). Tendo como pano de fundo a belíssima paisagem rural escarpada de Perthshire, The Fortalice está situado a 2 horas e meia do aeroporto de Edimburgo, partindo de carro.

www.statelyescapes.co.uk/scotland/the-fortalice

Castelo Aldourie, Inverness, Escócia

Aldourie Castle - Tower Bedroom. Inverness, Scotland

Aldourie Castle - Red Drawing Room at night. Inverness, Scotland

O histórico castelo Aldourie tem estilo baronial escocês e é o único castelo habitável na margem sul do famoso Lago Ness. Com torres e fortalezas, portas ocultas, antigos retratos de família e imensas lareiras, Aldourie é um castelo medieval em sua essência. A propriedade pertenceu à mesma família por 250 anos e agora está disponível para locação. Os hóspedes podem fazer uso exclusivo do castelo de 15 quartos. Situado em um terreno particular de 2 mil metros quadrados, o Aldourie fica a 8 quilômetros de Inverness e a 30 minutos de carro do aeroporto da cidade.

www.aldouriecastle.co.uk

Hotel-Castelo Tulloch, Ross-shire, Escócia

Datado do século 12, quando apenas o senhor ou chefe do clã podia desfrutar de uma estadia em um castelo nas montanhas escocesas, o Tulloch preserva várias das características daquele período. Isso inclui um grande salão revestido de painéis de 250 anos, lareiras, tetos originais restaurados e até um fantasma amistoso! Um belíssimo hotel com 20 suítes, o Tulloch é uma opção de preço acessível para aqueles que não contam com um orçamento de rei. As diárias custam a partir de 65 libras (245 reais). Fica a 45 minutos de carro do aeroporto de Inverness nas Highlands escocesas.

www.bespokehotels.com/tullochcastlehotel

Castelo Crom, condado de Fermanagh, Irlanda do Norte

Crom Castle, County Fermanagh, Northern Ireland (2)

Situado em um acidentado parque natural, onde já eclodiram batalhas jacobinas, a propriedade Crom no condado de Fermanagh beneficia-se de uma localização sem igual na região dos lagos da Irlanda do Norte. Sede histórica dos condes de Erne por mais de 350 anos, o castelo foi projetado pelo mesmo arquiteto inglês responsável por partes do Palácio de Buckingham. Atualmente, há acomodação para até 12 pessoas nos seis quartos da ala oeste do castelo e sala de jantar com esplendor supremo abrigado sob o teto de abóbada cilíndrica no antigo salão Billiard. Uma locação exclusiva custa a partir de 4 mil libras por semana (15.080 reais) e o castelo fica a cerca de duas horas de carro dos aeroportos de Dublin e Belfast.

www.cromcastle.com

Castelo de Dungiven, Londonderry, Irlanda do Norte

Outrora lar ancestral do clã O’Cahan, que governou a região entre os séculos 12 e 17, o castelo de Dungiven está impregnado de história. A canção mundialmente famosa ‘Danny Boy’ foi inspirada em uma melodia que lamenta a morte do último integrante de uma longa linha de sucessão de chefes do clã O’Cahan, que foi enterrado no antigo priorado, a pouco minutos de caminhada do castelo. Hoje em dia é uma pousada quatro-estrelas administrada por uma família, e a propriedade é considerada um tesouro escondido da Irlanda do Norte. Viajando de carro, Dungiven fica a uma hora de Belfast e a 20 minutos de Londonderry.

www.dungivencastle.info

Castelo de Amberley, West Sussex, sul da Inglaterra

Um segredo muito bem guardado por 900 anos em South Downs, o castelo de Amberley era, originalmente, um alojamento de caça para os bispos de Chichester. Hoje em dia os hóspedes podem seguir o rasto da realeza adentrando a porta levadiça e os muros de 18 metros, pelos quais passou aquela que foi proprietária de 1588 a 1603: a rainha Elizabeth I. Com incrível arquitetura medieval, o castelo está imerso em história, mas não há nada de ultrapassado em seus 19 quartos luxuosos, muitos com camas de quatro colunas e banheiras de hidromassagem. Seja mimado como um membro da realeza em quartos a partir de 230 libras a diária (868 reais). Fica a uma hora e meia de trem de Londres.

www.amberleycastle.co.uk

Limpando um gigante londrino

19 de abril de 2013 0

Desde o dia 8 de abril, o LONDON EYE, a roda-gigante à beira do Rio Tâmisa, na capital londrina, passa por uma limpeza.

Trata-se de parte do projeto Limpeza de Monumentos, da empresa Kärcher, que deu uma geral em obras como as 284 colunas da Praça de São Pedro, na Itália, e o Cristo Redentor, no Brasil.

Um dos desafios, no caso do London Eye, é a altura de 135 metros, um dos pontos turísticos mais disputados em Londres.

O trabalho ocorre só à noite, para não interromper as visitas, e deve durar três semanas no total.

O metrô de Londres vai fazer 150 anos!

02 de janeiro de 2013 0

Enquanto o metrô de Porto Alegre não chega (anunciado há mais de ano, sem sombra de nada…), o de LONDRES vai completar, em 9 de janeiro, 150 anos!

O chamado “Tube” é ícone da cidade e vai merecer um ano de comemoração.

Mais antigo metrô do mundo, ele teve sua primeira viagem entre Paddington e Farringdon, na linha Metropolitana.

Em parceria com o Museu do Transporte de Londres, a festa do aniversário será marcada por muitos eventos, como a recriação de seu primeiro trajeto, atividades especiais em estações desativadas e a publicação de livros.

Nos dias 13 e 20 de janeiro de 2013, a primeira viagem de passageiros será recriada com trens especialmente restaurados, incluindo a locomotiva metropolitana a vapor nº 1 e o vagão ferroviário metropolitano comemorativo nº 353 – o vagão subterrâneo em funcionamento mais antigo do mundo.

No Museu do Transporte serão exibidos os cartazes mais emblemáticos usados para divulgar o Tube na exposição Poster Art 150: London Underground’s Greatest Designs (de fevereiro a outubro).

Serão mostrados os 150 dos melhores projetos desde a primeira série de cartazes gráficos, em 1908.

Quem visitar o museu poderá votar em seus favoritos – o cartaz mais popular será revelado no final da exposição.

CURIOSIDADES SOBRE O METRÔ DESTACADAS PELO VISIT BRITAIN

1. O metrô londrino transporta atualmente 1.107.000 de passageiros por ano em 270 estações.

2. De modo informal, ele é conhecido como “Tube”, que originalmente se referia à profundidade das linhas de trem usadas por composições de corte transversal menor e mais circular, ao invés das linhas menos profundas que eram construídas para locomotivas a vapor. O termo agora abrange todo o sistema.

3. A velocidade média de um trem do metrô é de 33 quilômetros por hora.

4. Cada trem do metrô percorre anualmente 184.269 quilômetros.

5. A extensão da rede metroviária é de 402 quilômetros.

6. A cada dia, mais de mil pessoas esquecem algo no metrô. Todos os objetos são enviados para um escritório no subsolo da Baker Street, que emprega 40 funcionários em período integral. O local armazena em média 200 mil objetos perdidos. Dentre os itens mais estranhos que já estiveram ali incluem-se espadas de samurai, dentaduras, três morcegos mortos e uma lancha de 14 pés. Após três meses, os itens não reclamados são vendidos em leilão ou doados.

7. A estação desativada de Aldwych é exibida com frequência nas telas de cinema. Já serviu de locação para cenas de Superman IV: em Busca da Paz, Desejo e Reparação e V de Vingança.

8. A profundidade subterrânea máxima do metrô fica em Holly Bush Hill, Hampstead, onde as linhas da galeria estão 68,8 metros abaixo do solo.

9. A escada rolante mais longa fica na estação Angel, com 60 metros e inclinação vertical de 27,5 metros.

10. Baker Street é a estação com mais plataformas – um total de 10.

11. A estação de metrô mais movimentada de Londres é Waterloo, onde embarcam 57 mil pessoas durante as três horas de pico do período da manhã. Em termos de passageiros por ano, a estação mais movimentada também é Waterloo, com 82 milhões.

12. Durante 2011 e 2012, o metrô de Londres transportou uma quantidade recorde de passageiros em 1.17 bilhão de viagens realizadas.

13. Albus Dumbledore, personagem da série Harry Potter, tem uma cicatriz com o formato do mapa do metrô logo acima do joelho esquerdo.






Trem de luxo no Reino Unido

13 de setembro de 2012 0

A Orient-Express, que tem 45 hotéis, cruzeiros e empreendimentos ferroviários de luxo em 22 países, mantém o The Royal Scotsman, trem leito de luxo do Reino Unido que oferece viagens pelo coração das Regiões Montanhosas da Escócia. Recebi o material de divulgação e reproduzo abaixo:

Com acomodação para 36 hóspedes, a ideia é que ele transmita a sensação de uma casa de campo, com o luxo adicional de paisagens bucólicas vistas pelas janelas.

A bordo, para que a experiência também seja gastronômica, estão um chef e dois assistentes.

A cozinha é pequena, apenas seis por dois metros. O chef explora as áreas próximas às rotas do trem em busca de produtos frescos, orgânicos e da estação para garantir frescor a sabor aos pratos, elaborados a bordo e servidos enquanto o trem circula pelo interior da Escócia.

Durante a jornada também é possível saborear um típico café da manhã escocês.

As viagens duram de duas a sete noites e incluem excursões fora do trem e os pacotes custam em média 2.350 libras por pessoa, incluindo refeições, bebidas, acomodações e excursões.

A temporada do The Royal Scotsman vai até o dia 26 de outubro. Depois, só em abril.

Informações: www.royalscotsman.com


Antes que a Olimpíada acabe

07 de agosto de 2012 0

Antes que a Olimpíada acabe, aqui vão as dicas de um atleta, o David Beckham, para quem está lá ou pretende viajar à Grã-Bretanha.

As sugestões são apresentadas no aplicativo ‘Best of Britain’, lançado pela Samsung Electronics em parceria com o VisitBritain no início do ano, com atualização que inclui conteúdo sobre os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Londres 2012.

Jogador de futebol e ícone da moda, David Beckham dá dicas que refletem seus interesses e estilo de vida, com atividades para a família e sugestões na área de esportes.

Confira, tal como o VisitBritain selecionou:


  • 1. Visite o Palácio de Buckingham.

Beckham diz: “Eu fui educado para adorar a família real e este ano é especial devido ao Jubileu de Diamante da rainha Elizabeth II. O Palácio de Buckingham fica no centro de Londres e já foi palco de grandes momentos da história britânica – nenhum de nós jamais vai se esquecer do casamento maravilhoso no ano passado e, o melhor de tudo, o palácio abre para visitação durante o verão, então você pode conhecer os salões.”

  • 2. Experimente a autêntica culinária de East London no Tony Lane’s Pie & Mash shop.

Beckham diz: “E aqui vai uma dica de conhecedor local para experimentar a autêntica culinária de East London – você precisa provar Pie & Mash, uma torta de massa folhada com purê de batata. A minha predileta é do Tony Lane’s Pie & Mash em Waltham Abbey.”


  • 3. Participe de uma visitação ao estádio de Old Trafford e ao novo Wembley.

Beckham diz: “Eu tenho a sorte de jogar na Premier League, uma das maiores ligas de futebol do mundo, e o clima de estar lá para um jogo é imbatível. Se você não conseguir assistir a um jogo no país, confira os fantásticos tours a estádios como Old Trafford, Anfield, Stamford Bridge e, claro, Wembley.”


  • 4. Tome um pouco de ar fresco em um dos parques reais, como Hyde, Regent’s ou Richmond.

Beckham diz: “As famílias podem passear ao ar livre com as crianças em um dos parques reais de Londres – Hyde Park e Regents Park são como oásis no centro da cidade. Ou fique longe de tudo no Richmond Park, onde você pode avistar veados selvagens, fazer passeios a cavalo e apreciar vistas incríveis de Londres.”


  • 5. Jogue uma partida de golfe em St Andrews.

Beckham diz: “Aparentemente muitos esportes do mundo tiveram suas origens na Grã-Bretanha, e a Escócia é a terra natal do golfe. É onde o jogo foi inventado e onde estão alguns dos campos mais belos e desafiadores do mundo. Se você adora esse esporte, siga para o Old Course em St Andrews.”

  • 6. Vá às compras no Northern Quarter de Manchester, ou a feiras como as de Camden, Portobello ou Spitalfields.

Beckham diz: “A Grã-Bretanha dita a moda no mundo e é um dos melhores lugares para se fazer compras. As lojas de grife de Manchester, no Northern Quarter, se equiparam às de Londres, mas se você não tiver tempo de sair da capital, opções não vão faltar a redor da cidade e em algumas feiras incríveis como Camden, Portobello e Spitalfields.”

  • 7. Leve as crianças ao Thorpe Park ou tour no estúdio do Harry Potter.

Beckham diz: “Sendo pai de quatro crianças, sei que elas nunca enjoam dos parques temáticos, e sempre há um por perto na Grã-Bretanha: Alton Towers é próximo de Stoke e nos arredores de Londres você vai encontrar o Thorpe Park. A novidade na cidade é o Warner Bros. Studio Tour, onde você pode ver o processo de produção dos filmes de Harry Potter.”

  1. 8. Não deixe de ver o ambiente de teatro de Londres e peças como War Horse ou Jersey Boys.

Beckham diz: “Se há uma coisa que você não pode perder ao visitar Londres é a região dos teatros. Adoro sair com a família para assistir a uma apresentação. O West End é famoso por seus musicais e shows, que são ideais para uma diversão noturna ou matinê com a família. Pessoas de todas as idades vão adorar o Rei Leão ou Matilda, e sempre há algo para assistir quando estou de volta a Londres, como War Horse ou Jersey Boys.”


  • 9. Faça uma refeição no Cecconi’s ou NOPI em Londres.

Beckham diz: “Você pode provar a culinária de qualquer país na Grã-Bretanha e alguns dos melhores restaurantes do mundo podem ser encontrados em Londres. Pode ser uma noite especial no Ivy, Ceconnis ou Nobu, ou em algum lugar novo, como Bread St Kitchen ou Nopi em Londres.”


  • 10. Saia para um passeio no campo e faça uma pausa em algum pub no caminho.

Beckham diz: “A Grã-Bretanha é famosa por sua região campestre, e não há lugar melhor para encerrar uma caminhada revigorante do que diante do fogo à lenha em um de nossos belos pubs rurais. Os melhores lugares sempre permitem a entrada de crianças e servem comida regional excelente.”



PARTICIPE: concurso cultural pode levá-lo para estudar duas semanas em Londres!

29 de maio de 2012 73

Um concurso cultural do Recortes de Viagem e do STB Trip&Travel levará o vencedor a LONDRES para um curso de inglês de duas semanas, com acomodação em casa de família!

Até o dia 28 de junho, você pode participar respondendo à pergunta:

“Como você voltaria diferente de uma viagem a Londres?”

Para participar, você tem de acessar aqui no blog o regulamento (leia com atenção), preencher o cadastro e enviar sua resposta.

O que será levado em consideração para a escolha da melhor frase? Em resumo: criatividade, originalidade e adequação ao tema proposto.

Um requisito básico é ter um conhecimento de inglês no mínimo de nível 2 (pré intermediário), confirmado por meio de prova no STB.

Para esclarecer as dúvidas dos leitores sobre o teste, veja mais detalhes:

  • A prova de língua inglesa para comprovação de nível de inglês 2 será aplicada apenas ao autor da frase escolhida;
  • Caso o vencedor da frase mais criativa não tenha o nível de inglês exigido pelo regulamento, a prova será com o autor da segunda frase mais criativa e assim sucessivamente, até que se chegue ao vencedor do concurso.


No encalço do Rei George VI

26 de fevereiro de 2011 0

Grande favorito ao Oscar, que será neste domingo, dia 27, O DISCURSO DO REI (sobre o qual já escrevi aqui), tem um interessante roteiro de locações na Grã-Bretanha.

O VisitBritain, órgão oficial de turismo da Inglaterra, Escócia e do País de Gales, fez um mapeamento dos melhores pontos turísticos retratados no filme.


Catedral de Ely - Cambridgeshire, Inglaterra

Representando a Abadia de Westminster, a Catedral de Ely, em Cambridgeshire, teve um papel fundamental na ambientação do filme durante a coroação do príncipe Albert como rei George VI da Inglaterra, depois que seu irmão, o Rei Edward VIII, abdicou do trono para poder se casar com Wallis Simpson, uma americana divorciada. A Catedral de Ely remonta ao século XII e também serviu de locação para a filmagem de Elizabeth: A Era de Ouro. A estrutura espetacular possui elementos de estilo gótico.


Hatfield House - Hertfordshire, Inglaterra

Hatfield House remonta ao período jacobino. Foi construída no local do Palácio Real de Hatfield, o lar da infância da rainha Elizabeth I. Durante a Segunda Guerra Mundial, a área foi utilizada para testar os primeiros tanques britânicos. A casa atualmente situada no local foi construída por Robert Cecil, o primeiro conde de Salisbury e chanceler do rei James I. Hatfield House é um destino turístico popular por ser associada à rainha Elizabeth I e abrigar muitos de seus objetos pessoais. Os salões também apresentam importantes quadros, mobília, tapeçarias e muito mais. Os salões são abertos ao público e podem ser visitados em excursões durante a semana e por conta própria nos fins de semana.


Estádio de Wembley - Londres, Inglaterra


Na abertura do Discurso do Rei, vê-se o príncipe Albert lutando para se dirigir ao público no encerramento da Exposição do Império Britânico. Este evento ocorreu no estádio de Wembley, em 1925 (conhecido então como Empire Stadium – estádio do Império). Foi durante esse discurso que a gagueira do príncipe se tornou pública e ele passou a procurar desesperadamente por um tratamento. O estádio de Wembley, local das competições de futebol dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2012 em Londres, fica aberto para visitação e permite que os turistas conheçam o túnel dos jogadores, os vestiários, os degraus da sala de troféus e muito mais.


Castelo de Windsor - Windsor, Inglaterra

Embora não tenha sido retratado no filme, o castelo de Windsor serviu de lar temporário para o rei George VI e sua família durante a Segunda Guerra Mundial. Apesar de a monarquia ter residido no palácio de Buckingham durante a guerra, eles passavam quase todas as noites em Windsor por questões de segurança. O rei George VI foi enterrado na capela de St. George, localizada nas dependências do castelo e aberta à visitação.


Knebworth House - Hertfordshire, Inglaterra


Cenário de várias tomadas internas e externas do Discurso do Rei, Knebworth House foi construída em estilo gótico Tudor e remonta a 1490. A mansão pode ser visitada pelo público e suas dependências ostentam jardins magníficos, um parque infantil de aventuras e uma estrada de ferro em miniatura. Frequentemente, eventos especiais são realizados nas dependências da mansão.


Harley Street - Londres, Inglaterra


No distrito de Westminster de Londres, Harley Street foi onde Lionel Logue, o fonoaudiólogo australiano que tratou a gagueira do rei George VI, abriu seu consultório em 1926. A rua era famosa pela grande quantidade de consultórios de médicos e especialistas. Atualmente há cerca de 3.000 profissionais da área médica trabalhando nos arredores da Harley Street.


Sandringham House - Norfolk, Inglaterra

Sandringham House foi onde o rei George VI nasceu e morreu. Desde o falecimento, a rainha Elizabeth II passa o aniversário da morte do pai com a família nesta casa. Aberta ao público de abril a outubro, a residência é uma das mansões mais famosas de Norfolk e está no centro da propriedade de Sandringham.


Sobre o rei George:

O rei George VI reinou de 1936 até sua morte, em 1952. Foi sucedido pela filha, a atual monarca, rainha Elizabeth II, que vai celebrar 60 anos no trono durante seu Jubileu de Diamante em 2012.