Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Mercado Público"

Gastronomia nas ruas e no mercado de São Paulo

13 de agosto de 2013 0

PRIMEIRO, O MERCADO

Como muitos, sou fã dos MERCADOS PÚBLICOS e há tempos criei uma categoria aqui no blog para eles.

Conheço uns quantos e sempre que viajo farejo um mercado.

Só nunca estive no Mercado Público de SÃO PAULO… Minha sobrinha que está sempre por lá me manda fotos dela saboreando o tradicional sanduíche de mortadela, e eu fico salivando.

Um dia, um dia…

Pois para os amantes de mercados e para quem  quiser visitar especificamente este, uma dica para visitar o  Mercadão de São Paulo, também conhecido como “Mercadão da Cantareira”, há um roteiro criado para aproveitar o que há de melhor nesse passeio, desde a arquitetura histórica até a infinidade de  produtos.

O guia no formato Ebook tem download gratuito, editado pelo GASTROVIA, com um mapa do local e contato de todas as bancas, organizadas por produtos, além das curiosidades históricas.








SEGUNDO, O TOUR PELAS RUAS

Desde o dia 20 de julho, um tour gastronômico chamado SAVOR procura levar pequenos grupos para conhecer alguns dos 12 mil restaurantes, 15 mil bares, 3 mil padarias e 6 mil pizzarias de SÃO PAULO.

A ideia é explorar a cidade através da culinária e desvendar aspectos culturais de cada região e estabelecimento visitado.

São duas opções de food tour:

  • o Gourmet, com visitas a restaurantes nos bairros dos Jardins, Vila Madalena e Itaim.
  • o Sweet Flavor, voltado às sobremesas e doces na região de Moema e Jardins.

Para participar o interessado deve adquirir o ingresso no site do Savor São Paulo (www.savorsaopaulo.com.br).

Serviço

Onde mais levaríamos os visitantes para conhecer a alma da cidade, senão ao Mercado Público?

08 de julho de 2013 1

Venham do Interior, de outros Estados ou do Exterior… Sejam amantes da arquitetura, da história ou da gastronomia… Queiram um café ou um almoço, pretendam conhecer os sabores da nossa terra ou simplesmente conhecer um ponto turístico… Esperem encontrar porto-alegrenses, de todos os tipos… Para onde mais levaríamos nossos visitantes para conhecer a alma da cidade, senão ao Mercado Público de Porto Alegre.

Pessoalmente, perdi as contas de a quantos turistas, amigos, parentes, amigos de amigos apresentei o Mercado Público.

E quantas vezes marquei encontros e almoços, quase sempre no Gambrinus, meu preferido. Quase sempre aos sábados, com reserva feita com antecedência, porque a fila era certa.

Ele é nosso ponto turístico por excelência, referência como poucas na cidade.

Para dizer a verdade, eu o conheci antes de conhecer Porto Alegre. Meu pai vinha do Interior para a Capital e quando descrevia um lugar usava como referência o “Mercado” – tudo para ele ficava perto ou longe do Mercado: a rodoviária, o hospital, o banco, o restaurante… Parecia transportar a praça da nossa cidadezinha, onde todos os pontos importantes estão no entorno, para a metrópole, sem se importar com o tamanho. Para ele, tudo girava à volta do Mercado.

Quando soube do incêndio que destruiu parte do prédio, no último sábado, fui logo remexer em fotos. E, mais do que já havia feito, agradeci por ele não ter sido consumido totalmente pelo fogo. Eu teria poucas lembranças do Mercado. Ficaria só com minha memória afetiva, com flashes de bons momentos vividos ali.

Eu, que amo mercados e criei aqui um espaço para eles, me dei conta que pouco escrevi ou pouco fotografei o MEU próprio Mercado.

Vou resgatar essa dívida assim que ele for reaberto. Que seja logo, que seja rápido.

Senão, para onde levaremos nossos visitantes para conhecer a alma da cidade?

Uma das poucas fotos que achei no meu arquivo pessoal e que foi feita não para mostrar o mercado,
mas essa estátua provisória, que eu sequer lembro o que era. A foto é de 2007.

 

Para ler reportagens sobre o incêndio no Mercado Público de Porto Alegre, clique aqui.


O novo mercado público de Curitiba

08 de janeiro de 2013 2

Sabendo o quanto eu gosto de visitar MERCADOS PÚBLICOS, uma de minhas “correspondentes” em CURITIBA, minha cunhada Rosaura me ligou para contar que o mercado da cidade finalmente encerrou a reforma completa pela qual passou nos últimos anos (quando eu o visitei, na última vez, havia ali a bagunça típica das obras/reformas).

Eu já gostava dele como era antes, e ela me garante que ficou bem melhor.

Ele não é um prédio histórico, é dos anos 50, e o foco são mesmo os produtos, bastante variados (frutas, doces, vinhos, especiarias…), além dos cafés e restaurantes.

Rosaura fotografou um dos que a gente gosta de frequentar, o ANARCO.

Então, mais um entre os muitos motivos para eu voltar a Curitiba.

Um empório no Mercado Municipal de Curitiba

23 de maio de 2012 0

Meus informantes de CURITIBA me contam que ainda falta um pouquinho para ser concluída a reforma do Mercado Municipal, um dos meus lugares favoritos na capital do Paraná.

O lugar, que já era bacana, deve ficar ainda melhor.

Na minha última passagem por lá, uma das bancas por onde andei foi a do Empório Kaveh Kanes, especializado em cafés e acessórios.

Entrei só para conhecer e tomar um cafezinho (que deve ter sido o décimo quinto do dia)… Além do bom expresso saboreado numa das poucas mesas da banca, saí de lá com um café especial. Não resisti ao aroma e à embalagem!



Em Curitiba, a cave ao lado do mercado

24 de outubro de 2011 0

Visitar mercados públicos é um hobby. E eu não cozinho… Fico imaginando se cozinhasse… Acho que seria mais do que um hobby, um vício…

Gosto muito do de CURITIBA, do qual já falei aqui.

Pois na minha última visita à capital paranaense, em setembro, estava saindo do mercado público, onde passei parte da manhã e almocei, quando dei de cara, do outro lado da rua, com a Cave & Empório Família Scopel.

Saí dali sem levar nada, só visitei. Mas dá vontade de carregar tudo.


Tem mil metros quadrados, com mais de 2,5 mil rótulos de vinhos e cervejas, queijos, salumeria, especiarias, utensílios de cozinha, especialmente panelas…

É um lugar bonito, que vale a pena conhecer, no mínimo como extensão da visita ao mercado.

E, quem sabe, pode ser uma dica pra se comprar coisas gostosas pra um piquenique num dos muitos parques de Curitiba.

Mercado em Barcelona

27 de setembro de 2011 13

Mercados públicos volta e meia aparecem por aqui. Esse que é tema do post de hoje eu não conheço ou não lembro. Minha passagem por Barcelona, uma só até agora, não foi rápida, mas eu tenho um lapso em relação à cidade. Costumo dizer que sou das poucas pessoas que gosta mais de Madri que de Barcelona… Me sinto em dívida com a cidade, preciso voltar lá pra reconferir…

Mas voltemos ao mercado de BARCELONA. Quem mandou a sugestão para que a visita seja incluída no roteiro é da Gabriela Lorenzet.


Veja o que a Gabriela conta sobre o mercado:

“Estou eu aqui outra vez te escrevendo sobre Barcelona, cidade que eu tanto amei.

Depois que li o post sobre flores e frutas europeias eu lembrei destas fotos do popular mercado St Josep La Boqueria, em Barcelona.

O mercado é um dos lugares mais visitados de Barcelona. Isso devido a sua história (fundado em 1217), pela sua localização central (La Rambla) e pela sua beleza.

Fiquei encantada com a forma que eles colocam as frutas, o colorido dos sucos naturais, a variedade de frutas, os ovos que parecem ter recém saído da galinha, a variedade enorme de vinhos, comidas, etc… Definitivamente, tudo o que você procura relacionado à comida você encontra lá. Até preparo para pão de queijo brasileiro dá para encontrar.


É com certeza um lugar imperdível pra quem vai a Barcelona. Se for como eu, iria todo dia.

Vale tomar café lá ou almoçar. Uma delícia para os olhos e para o estômago.”



O mercado público de Curitiba

01 de março de 2010 6

Apaixonada por mercados públicos em geral, proponho hoje um passeio pelo de CURITIBA, já que é aniversário de minha cunhada Rosaura, que mora lá. Foi ela que, com meu irmão Germano e minha irmã, me acompanhou numa visita tempos atrás.

Apesar de ir a Curitiba pelo menos uma vez por ano, nunca tinha ido ao mercado local. E me apaixonei por ele. O prédio não é antigo, é de 1958 (o anterior foi demolido em 1914 para dar lugar ao Paço Municipal). Não é, portanto, a arquitetura o principal atrativo, como no caso do de Porto Alegre.

O que me fez gostar muito do mercado foi a incrível quantidade de produtos, especiarias, vinhos, bebidas em geral, frutas, verduras, legumes, utensílios de cozinha, cafés, doces… Que é, afinal, o que se quer encontrar num mercado, não?

Há um ano, surgiu um setor só de produtos orgânicos, com mais de 1.000 produtos vendidos livres de agrotóxicos, todas as bancas com degustação, organizadas, caprichadas.

Passamos praticamente o dia inteiro ali. Chegamos pela manhã, almoçamos no ANARCO, um restaurante italiano que fica bem no coração do mercado e tem também uma loja com adega e dezenas de produtos, das massas aos azeites… Funciona de segunda a sábado e com almoço aos domingos. Pessoalmente, não gosto de música ao vivo, mas é bem agradável o trio que toca bossa nova e jazz para acompanhar a refeição.

Achei engraçado o aviso dessa banca, cujos donos devem estar cansados de ser fotografados e o número de cliques não corresponder ao tilintar das moedas no caixa… Eu não me intimidei: pedi licença, fotografei, mas não levei nenhuma pimenta…