Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Lagos de Moreno"

Uma "hacienda" no México

03 de fevereiro de 2016 0
mexico4 022

Fotos Rosane Tremea

Alguns posts atrás, escrevi sobre a ida dos Cavaleiros da Paz para o México.

A essa altura, os gaúchos já estão por lá, cavalgando por entre antigas e históricas “haciendas”.

E aí lembrei que, numa viagem de quase um mês por aquele país, passei um dia numa hacienda no estado de Jalisco, na cidade de Lagos de Moreno.

Estávamos hospedados na cidade e fomos conhecer a Hacienda Las Cajas, a convite dos proprietários, a família Pedrero.

Fotos Rosane Tremea
Só a viagem curta já teria valido a pena, passando por campos gigantes de agave-azul (a planta da qual se faz a tequila), mas o melhor ainda estaria por vir.

Chegamos ao casarão colonial com pelo menos dois séculos de histórias (a propriedade data de 1576, mas não há informações exatas sobre as construções) e que, desde 1956, pertencia à família Pedrero, tradicionais criadores de touros e de cavalos quarto-de-milha.

Ali também, durante dois meses por ano, funcionava uma escola de Charrería (vou falar mais adiante sobre isso), um esporte nacional do qual um dos Pedrero, Alejandro, era um dos grandes campeões então (ele, inclusive, esteve na Expointer de Esteio em 2015).

mexico4 035

Como a final do campeonato nacional seria dali a uns dias em Guadalajara, a capital do estado de Jalisco, a casa estava lotada de gente da família que tinha viajado para acompanhar as provas.

Tivemos então, naquele dia, uma intensa mostra de cultura, esporte, gastronomia e convívio familiar, além de muita história.

De cara, o que se vê é a imponência da capela, com colunas dóricas.

Não era um lugar turístico àquela altura (li que agora, passados mais de 10 anos, o lugar teria se transformado em hospedagem turística, mas encontrei uma única referência sobre isso), o que tornava tudo mais autêntico.

O casarão, conta o pai de Alejandro em um vídeo de 2013 disponível no Facebook (clique aqui para assisti-lo e ver mais imagens da hacienda), estava em ruínas quando o pai dele comprou a propriedade, em 1956.

Não estava superrestaurado quando estivemos lá, e o tamanho e o custo para mantê-lo certamente eram impeditivos para manter o lugar brilhando, mas ainda assim a beleza da construção, o mobiliário e utensílios chamavam atenção.

mexico4 027

mexico4 042

mexico4 028
Almoçamos um almoço de mesa farta e comidas típicas, num ambiente alegre e festivo.

Conhecemos a propriedade, vimos algumas exibições de laço de futuros charros.

mexico4 031

mexico4 034

mexico4 041

mexico4 038

 

mexico4 039

 

No dia seguinte, seguimos para Guadalajara para acompanhar algumas finais do campeonato.

Passamos quase um dia inteiro acompanhando as provas e deu para perceber o quanto o esporte é levado a sério, com transmissões ao vivo, jornalistas especializados, arena que não deixa a perder para nossos estádios de futebol, em tamanho e infraestrutura.

É um pouco do que os cavaleiros gaúchos encontrarão por lá.

Gostei de eles me terem feito lembrar daquele trecho da viagem, que nunca foi esquecido, mas do qual poucas vezes falei.

mexico4 052 (1)

mexico4 083

mexico4 082mexico4 051

mexico4 056

mexico4 054

mexico4 085

mexico4 077