Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Suíça"

Carros de luxo na Emilia Romagna e na Toscana

05 de novembro de 2012 4

A leitora Nara Caviquioli, que é jornalista, fez um roteiro recente pela Emilia Romagna, na ITÁLIA, e enviou um texto sobre o chamado Vale dos Motores.

É um roteiro diferente do habitual e que tem tudo para agradar quem gosta de carros de luxo e design. Confira abaixo, nas palavras e nas fotos da Nara.

Emilia Romagna, o Vale dos Motores

“Quem sonha em viajar para Itália pensa logo nos incontáveis monumentos históricos, nas belíssimas igrejas, nos museus, na comida maravilhosa e não fica sabendo que lá se encontra a rica história dos carros mais desejados do mundo.

Até para as pessoas que não são amantes da velocidade, acabam ficando encantadas ao poder ver de perto o incrível design dessas belíssimas máquinas.

Para dar início ao tour fui conhecer o Museu Casa Enzo Ferrari, que fica na cidade de Modena, e logo me deparei com um espaço moderno e contemporâneo, onde pude mergulhar na história do criador da Ferrari, passando por todos os modelos antigos até a atualidade.

Depois fui para o Museu da Ferrari, que fica localizado na pequena cidade de Maranello, a 20 km de Modena. O diferencial deste museu é que os visitantes podem desfrutar de um guia que fala português e que sabe como ninguém contar detalhes por detalhes da história desta cobiçada marca.

O Museu Casa Enzo Ferrari abre todos os dias de 9h30min às 18h, na compra de um ingresso único por 22 euros, você pode visitar também o Museu da Ferrari.

E para fechar com chave de ouro este tour fui fazer um passei de Ferrari com um piloto profissional, pelo autódromo de Modena. Se prepare! Pois a adrenalina é grande e inesquecível, você vai conseguir sentir toda emoção da alta velocidade.

Agora, se você pretende agendar um passeio desses existe um pacote no qual você leva a emoção de dirigir uma Ferrari F458 ou F430 Scuderia (por 90 minutos) de Maranello até Modena, e ainda testar suas habilidades como piloto no Autódromo de Modena com um instrutor ao lado. E para concluir essa etapa nas pistas, uma volta de arrepiar como carona ao lado de um piloto.

Continuando a viagem pelo Vale dos Motores é hora de ir para o museu da Lamborghini.

O museu foi construído ao lado da fábrica e fica localizado na cidadezinha de Sant’Agata Bolognese, bem próximo de Modena, na província de Bolonha.

Nesta visita você vai poder ver desde o primeiro modelo que a marca criou o 350 GTV (Gran Turismo Veloce) e conhecer toda história, que será contata por um guia do museu, e saber como, por exemplo, porque a marca possui o símbolo de um touro, referencia ao criador Ferrucio Lamborghini, que era do signo de touro.

No segundo piso do Museu você vai deparar com os modelos mais modernos que são de tirar o fôlego, como o Diavolo 6.0 que está pendurado na parede.

O museu da Lamborghini abre de 2ª a 6ª feira (exceto feriados).

De 10h às 12h30min e das 13h30min às 17h.

Museu (entrada exclusiva, sem guia): adultos 13 euros por pessoa.”



E JÁ QUE O TEMA SÃO CARROS NA ITÁLIA…

Um empresário brasileiro criou, na Itália, um serviço de aluguel de carros luxuosos conversíveis.

Valdelirio Soares, 52 anos, apaixonou-se pela Toscana no ano 2000, quando começou a estudar vinhos e se encantou pelos Chianti, Brunello de Montalcino e outros toscanos.

A empresa Cieli di Toscana mistura hoje, portanto, o útil ao agradável: um negócio no lugar onde o empresário gosta de estar.

São 18 conversíveis BMW Z4, Serie 3 e Mini.

A sede da empresa fica em Florença. Os valores do aluguel variam de cerca de 150 euros/dia a 545 euros/dia.

Para quem gosta de bandas marciais, aqui vai uma da Suíça

16 de outubro de 2010 2

Haverá quem diga que estou viajando… Bom, considerando que cada espetáculo que se vê é uma “viagem”, achei interessante postar esse vídeo que uma amiga que está sempre circulando mundo afora me mandou.

De alguma forma, lembrou o Stomp, muito mais irreverente, claro, que eu vi em setembro aqui em Porto Alegre. Nem sei explicar porque gostei tanto da banda suíça. Acho que é por me fazer lembrar da banda da Escola Santa Teresinha e do tempo em que eu tocava tarol. Deve ser isso… Era igualzinho…

Gelo, beleza e arte na Basileia

09 de fevereiro de 2010 2

Na semana passada, minha colega MARLISE BRENOL esteve na Suíça, Alemanha e França. A esta altura, de férias, já deve estar sob o sol e o calor do Rio de Janeiro, mas antes ela enviou texto e fotos especialmente para serem publicados no blog. Confira:

“Fronteira tríplice entre Suíça, Alemanha e França, a Basileia é uma cidade ao estilo do Velho Mundo. O comércio e os restaurantes fecham cedo, o bonde elétrico é pontual, as pessoas são gentis e, aparentemente, desconhecem a palavra estresse.

Na cidade predominam prédios de estatura mais baixa, os motoristas param na faixa de pedestre sem precisar levantar a mão e as ruas não têm um único chiclete jogado no chão.

E como uma cidade exemplar de uma espécie rara no século 21, o melhor da cidade são os museus. O mais belo deles e relativamente recente, criado em 1997, é o da Fundação Beyeler.

Exposição de arte moderna conta com obras originais de Van Gogh, Paul Gauguin, Joan Miró, Paul Cézanne e até Andy Warhol, com o seu famoso autorretrato. Mas o que mais chama atenção, pelo tamanho e valor, é o quadro sem nome do expressionista abstrato Jackson Pollock, que chegou a ser considerado um dos mais caros do mundo.

Fora do museu a paisagem é igualmente admirável. Afastado uns 15 minutos do centro da Basileia, o prédio da fundação fica em uma área aberta próxima a pequenos alpes. Por isso, apesar de não nevar aqui nesta semana, flocos se acumulam no chao completando a paisagem.

Caminhar na noite de 1°C também é um programa legal para quem gosta de gastar sola de sapato para sentir o ambiente. Claro que depois das 19h a caminhada será sem possibilidade de entrar em muitos lugares. Uma exceção é o BarRouge, que fica no 31º andar do prédio mais alto da cidade. O arranha-céu é como a fundação Beyeler – traz um pouco do século 20 a uma cidade que guarda traços do século 15.”