Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Salto"

A casa de Horacio Quiroga, no Uruguai

05 de junho de 2008 2

Duas semanas atrás, a repórter de Zero Hora no Vale do Rio Pardo, Sâmia Frantz, andou por Salto, no URUGUAI. E, simpática, mandou uma colaboração para o blog. Confira abaixo:


Apesar do meu pouco contato com o Uruguai até então — em visitas-relâmpago a Rivera — eu já tinha conseguido ter uma idéia dos costumes e da gastronomia castelhana. Mas foi só na visita à cidade de Salto, na fronteira com a Argentina, durante o feriadão de Corpus Christi, que descobri a existência de Horacio Quiroga.

Um dos hotéis onde fiquei hospedada — o cinco estrelas Horacio Quiroga — foi meu primeiro contato com ele. Não demorou nada para descobrir que era o nome de um escritor uruguaio; por sinal, um dos mais importantes do país. E, devo confessar, demorou menos ainda saber detalhes de sua vida e de sua obra.

Tudo em Salto tem alguma relação com Quiroga. Além do hotel, ele também empresta seu nome a uma escola e a um bairro da cidade. É fácil entender o porquê: Quiroga nasceu em Salto, em 1878, sendo uma das pouquíssimas personalidades uruguaias não-nascidas na capital, Montevidéu.

No museu em sua homenagem — chamado de Casa Horacio Quiroga — é possível saber tudo da vida dele. Uma visita ao local não estava nos planos da nossa excursão, mas mesmo assim eu e alguns colegas abrimos mão de passear pelo shopping para ir até lá: vimos de perto toda a coleção de suas obras, fotos e o tronco que guarda suas cinzas.

Infelizmente, ainda não consegui ler nenhuma de suas obras, mas quando o fizer vou seguir o conselho dos próprios castelhanos:

— É preciso ler primeiro a biografia dele para entender a obra.

Essa é, a propósito, uma referência importante. Quiroga foi um escritor de contos policiais e de terror. O curioso é que a temática provavelmente não foi escolhida por acaso. Toda sua vida esteve relacionada a acontecimentos trágicos: ele matou acidentalmente um amigo a tiros, viu o pai morrer de forma violenta e a mulher e os três filhos se suicidarem. Por fim, acometido de câncer na próstata, ele também se matou (em 1937, em Buenos Aires).

Com certeza, as obras de Quiroga — desde a biografia até as mais conhecidas como Anaconda e Contos de amor, loucura e morte — estão na minha lista de livros a serem lidos em 2008. Na Feira do Livro em Santa Cruz, que vai até domingo, vou aproveitar a visita para descobrir se Quiroga chega a ser uma aposta dos livreiros do interior gaúcho.”

Postado por Rosane Tremea

Águas termais no verão?! Por que não?

21 de fevereiro de 2008 2

Piscina com água termal parece bacana/Melissa Becker


Confesso que nunca visitei nenhuma estação de águas termais. Quando março se aproxima sempre lembro das tradicionais férias de meu pai, sempre no mesmo mês, sempre na mesma estação de águas, em Santa Catarina. Eu nunca fui, mas a Marina Lopes, que é repórter da Zero Hora em Uruguaiana esteve semanas atrás em Dayman, no Uruguai. Veja o relato da Marina, enviado especialmente para o blog:

%22Vamos combinar que para quem curte %22as verdas%22 uma aguinha morna, ela é gostosa para mergulhar tanto no inverno quanto no verão. Ainda mais num verão nem tão rigoroso como o que se apresenta. E mais ainda para aqueles friorentos assumidos, como eu, que não topam água fria nem mesmo sob um sol de 40°C.

Para estes, vale a pena aproveitar os preços atrativos da baixa temporada e se tocar para SALTO, mais precisamente para as Termas de Dayman, distantes 10 quilômetros do centro da cidade. Além das águas quentinhas do complexo termal, quem pintar por lá ainda tem a chance de experimentar toda a estrutura de um parque aquático, do ladinho das termas.

O Aquamania, único parque aquático com águas termais em toda a América do Sul, oferece piscinas de águas não tão quentes. Ainda por cima, todo mundo pode reviver aquele ladinho sapeca, escorregando em túneis e tubos de causar frio na barriga de qualquer pobre mortal.

Quando o assunto é hospedagem, um lugar chama a atenção: o Hostal Canela. É um conjunto de bangalôs muito bonitinhos, de rusticidade na medida certa. Pratos pintados à mão, muito coloridos e com motivos psicodélicos dão um arremate certeiro nas paredes de tijolos à vista, que harmonizam-se muito bem com os móveis pesados e antigos que compõem o ambiente. A pousada fica na Ruta 3, km 488, número 300.

À tardinha, a pedida é dar um pulinho na costaneira de Salto. O pôr-do-sol é de encher os olhos.%22

Legal, Marina! Sempre que tiver uma boa dica ali da Fronteira Oeste, manda pro Recorte e Guarde!


Postado por Rosane Tremea