Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Relembre a história do Encouraçado Butikin, boate concorrida entre a alta sociedade nas décadas de 1960 e 70

31 de October de 2015 6

Túlio Piva no Encouraçado

Quem conheceu Porto Alegre nas décadas de 1960 e 70 certamente já ouviu falar do Encouraçado Butikin.
Inaugurada por Rui Sommer com auxílio do saudoso Tatata Pimentel no número 936 da Avenida Independência, a boate foi um concorridíssimo ponto de encontro da alta sociedade da Capital, que convivia com intelectuais e artistas do mundo inteiro.

Para lembrar os grandes momentos da casa, a coluna chamou Claudinho Pereira, personagem carimbado da noite porto-alegrense.

– O porteiro era a figura mais amada e odiada da noite, pois era responsável por escolher quem estava estiloso o bastante para entrar na boate – lembra ele, conhecido como um dos principais DJs da cidade.

No mesmo clima, o espaço ficou lembrado por receber as reuniões do jornal portoalegrense Pato Macho, que na década de 1970 representou a resistência da imprensa à ditadura. Entre os que já desceram a icônica escadaria que levava ao palco do Butikin, figuram nomes como Vinicius de Moraes, Toquinho, Elizeth Cardoso eElis Regina – para citar alguns.Encouraçado

Mas a “cereja do bolo” foi o coquetel oferecido por Sommer à cantora e dançarina norte-americana Josephine Baker, radicada em Paris na época e reconhecida por sua participação na resistência francesa e um dos primeiros DJs da cidade.

Com logomarca (uma sereia nua) criada pelo cartunista Ziraldo, vitral colorido e placa da fachada esculpida por Xico Stockinger, a casa também ostentava em seu interior um painel de 2m60cm por 2m70cm presenteado pelo jornalista e crítico de cinema P.F.Gastal, retratando uma das cenas do clássico filme O Encouraçado Potemkin, do cineasta russo Sergei Eisenstein. Poucos viram: considerada subversiva pelos censores da ditadura militar, a obra que inspirou o nome da boate teve que ser retirada – a contragosto de Sommer. No mesmo na luta contra o racismo.

Claudinho conta que, depois do “bateestaca”, a turma matava a fome no restaurante da Tia Dulce, casada com Henry Cassel (vulgo Tio Dulce), figura conhecida por contar repetidas vezes como ajudara Josephine a proteger as crianças órfãs na II Guerra Mundial – o que todos consideravam lorota. Quando a artista veio à Capital se apresentar, resolveram tirar a prova.Túlio Piva

– Depois do coquetel no Butikin, convidamos Josephine para jantar no Tia Dulce. Chegando lá, ela o avistou sentado e o chamou pelo nome. Os dois se abraçaram em um choro. No fim, não era lenda, era verdade! – diverte-se Claudinho.
Fotos: Claudinho Pereira e Galeano/Divulgação

Comentários (6)

  • Eunice Corrês diz: 1 de November de 2015

    Amei esta matéria. É como voltar no tunel do tempo. Obrigada!!!

  • vera Piva diz: 1 de November de 2015

    Nao entendi por que omitiram o nome dos musicos e cantora que aparecem nas fotos!!! ???

  • Machiavellirs diz: 1 de November de 2015

    Vera, vc está brincando, não? Que interesse pode ter o nome dos integrantes da bandinha muquirana de tempos de antanho? A não ser que vc seja parente de algum deles…

  • Barbara G da Silva diz: 1 de November de 2015

    Quanto desrespeito Sr. Machiavelirs….

  • Machiavellirs diz: 2 de November de 2015

    Eu sou desrespeitoso e vc, Barbara, intrometida! Ou vc se arvora a ser censora de comentários alheios? Perde seu tempo! Eu sou eu e vc é vc, portanto fique na sua!

Envie seu Comentário