Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 25 setembro 2008

Por que a França é o hype

25 de setembro de 2008 3

Yelle

Coluna Remix publicada no Segundo Caderno de hoje:

 

“Carabine c`est le mot qui m`vient/ Quand je pense à mes copines”.  A garota Yelle, da foto aí ao lado, que canta “carabina é a única palavra que me vem à mente quando penso em minhas amigas”, é um dos cinco motivos pelos quais a França é hoje o lugar mais cool do mundo. Esqueça Sarkozy, o Louvre e as estatais. Surgindo como uma espécie de reação ao hip hop e à música negra que tomou os metrôs de Paris na voz dos imigrantes nos últimos anos, uma cena pop vinha sendo gestada e, em 2008, estourou no YouTube, nas passarelas de moda, na televisão francesa e nos bairros parisienses de Marré, Quartier Mouffetard, Oberkampf e Les Halles. Não sei se dá para falar num equivalente do Britpop – o boom descolado da Inglaterra nos anos 90 -, mas a coisa está divertida, sem dúvida. Quer provas? Vamos a elas:

1. Yelle

Sim, a jovem da carabina. Seu nome é uma versão feminina das iniciais de You Enjoy Life – e isso diz tudo sobre ela. O disco de estréia dessa francesa de 25 anos foi lançado há um ano, mas em 2008 ela começou uma longa turnê divulgando o rebento, chamado Pop Up. No dia 30, estará em São Paulo. Porto Alegre ficou miseravelmente de fora dessa passagem de Yelle pelo Brasil. Se existe um pop com a cara dos anos 2010, ele está em Pop Up. Puxado pelo hit A Cause des Garçons, o disco é deleite do início ao fim, com sua mistura de eletro, barulhinhos e funk contrastando com a delicada voz de Yelle.

 

2. Tecktonic

É o movimento do qual Yelle é expoente. Uma espécie de new rave versão francesa, o Tecktonic está nas ruas de Les Halles, onde o pessoal ouve música eletrônica e se veste com roupas coloridas e oitentistas. A dança é o diferencial do Tecktonic: uma esquisitice que simula movimentos de manequins de loja. No YouTube há milhares de registros de jovens fazendo sua própria performance de Tecktonic. As reuniões dos fãs do estilo são chamadas de aprems (diminutivo de après-midi, tarde, em francês) e são combinadas exclusivamente pela internet.

 

3. Pschent

O cultuado selo francês de música eletrônica acaba de ter parte de seu catálogo lançado no Brasil pela gravadora carioca Rob Digital. Entre os títulos estão Charles Schillings e Stéphane Pompugnac – dois DJs ligados à moda. O primeiro é sound-designer de marcas como Calvin Klein, Louis Vuitton e Armani. O segundo é DJ oficial da Gucci e residente do Bamboo Bar, em Miami, o boteco da dona Cameron Diaz. Essa turma do Pschent ficou conhecida com a série Hôtel Costes, que teve 5 milhões de discos vendidos, trazendo novas idéias para o lounge.

 

4. Louise Bourgoin

Muito bem, entramos agora na cultura de massa. A garota Louise Bourgoin é a nova queridinha da televisão francesa. Aos 27 anos, a moça do tempo do Canal Plus virou atriz e estreou em La Fille de Monaco (A Garota de Mônaco) e está sendo chamada pelos críticos franceses de “a nova Brigitte Bardot”. Hm, então tá.

 

5. Yelle de novo

Ela é uma Amélie Poulain rebelde. Ela faz música com barulhinhos. Ela ame beaucoup la vie. E, bem, ela fala francês. Yelle, Yelle, Yelle.

Postado por GABRIEL BRUST

Skol Beats na faixa!

25 de setembro de 2008 2

Como prometi na coluna Remix no Segundo Caderno de hoje, as duas primeiras pessoas que comentarem aqui neste post levam dois ingressos cada uma para o Aquecimento Skol Beats, que rola em Floripa, amanhã!

Atenção: Deixe seu nome completo, RG e email! Se você tiver menos de 18 anos, não adianta participar. É preciso ser maior de idade, ok?!

O maior festival de música eletrônica do país, o Skol Beats, terá uma versão “aquecimento” aqui pertinho. No line up estão Southmen (Uruguai), Black Jarrell (EUA) e o holandês Armin Van Buuren, que já foi considerado número 1 do mundo pelo Top 100 Poll. A festa começa às 20h, no El Divino Club, em Jurerê Internacional. Os ingressos variam de R$ 30 a R$ 200.

Postado por GABRIEL BRUST

Promessas da semana: franceses

25 de setembro de 2008 0

Como prometi no Remix de hoje, aí vão mais algumas dicas de franceses.

 

Sobre a Yelle:

Recomendo, para começar, o MySpace da moça. Além de ouvir as canções, dá para baixar em PDF uma máscara maluca, do tipo recorte e cole. Segundo a garota, quem for com ela nos shows ganha alguma coisa. O site oficial também é legal para se ter uma noção estética da coisa.

Mas o que vale a pena mesmo são os mil remixes que estão sendo feitos com A Cause de Garçons. Recomendo este, em especial:

 

 

Sobre franceses em POA:

Recomendo o som da Tom Enola, que postamos dias atrás, que dá vários pitacos em francês nas suas letras, além do Les Responsables, pessoal que faz todas as letras em francês (até porque o vocalista é de lá).

 

Sobre a noite roqueira em Paris:

Recomendo o post que fiz lá em julho, logo que voltei da França. Relato minha banda por um bar de Oberkampf. Em breve (eu juro que sim!), postarei sobre o show do Radiohead no interior da França, em Arras, que também assisti.

 

Sobre os DJs da Pschent:

Clica aqui para ouvir o som dos DJs da Pschent, clique aqui.

Postado por GABRIEL BRUST