Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Presidente do MTG: conflito ético?

29 de fevereiro de 2008 28

O presidente do MTG, Oscar Gress,  entrou na briga contra a retirada da sede simbólica da entidade dentro da Assembléia Legislativa. Em nota publicada  no site do Movimento, ameaça  tornar o presidente do parlamento Alceu Moreira %22inimigo das tradições e mentor de importante ação no sentido de  desmoralizar o tradicionalismo gaúcho organizado%22.

Ao agir assim, Gress pisa em terreno movediço: ele é assessor do gabinete do deputado Jerônimo Gorgen (PP). Apesar disso, não vê conflito ético ao misturar as duas funções. Procurado pelo blog, disse que assinou a nota  porque Moreira decidiu remover o galpão sem comunicar o MTG. Garante, porém, que em  reunião esta semana, a paz foi selada. O deputado disse que construirá uma estrutura  ainda maior, nos fundos da Assembléia.

Aliás, essa mistura entre política e tradicionalismo pode ser perigosa.  Sempre que há eleição, o MTG decide apoiar um grupo de candidatos na corrida por uma vaga à Assembléia. Isto está  errado. É muito pior do que dançar maxixe em CTG.  Tu, caro integrante desta roda de chimarrão, o que achas disto?

Postado por Giovani Grizotti

Comentários (28)

  • DELVIO OVIEDO diz: 17 de agosto de 2008

    POLÍTICA É CONFUSÃO;MTG É CULTURA OU SERIA?O PRESIDENTE DO MTG TEM QUE SER DEPOSTO, CULTURA NÃO PODE SER MISTURADA. NÓS GAÚCHOS NÃO SOMOS CEBOLA, SÓ ELA SE PERDE NUMA SALADA DE FRUTAS. O PRESIDENTE DO MTG TÁ PERDIDO NUMA SALADA POLÍTICA.

  • DELVIO OVIEDO diz: 25 de agosto de 2008

    SE O PRESIDENTE DO MTG FOSSE DO PARTIDO DO DEPUTADO ALCEU MOREIRA, COM CERTEZA O GALPÃO VOAVA DELA (ASSEMBLÉIA).OS GAÚCHOS FICARAM NO PREJUÍZO POR CAUSA DO PRESIDENTE DO MTG, QUE DEVE SER DE OUTRO PARTIDO E NÃO DO PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA.

  • Ivo Leovaldo Pires Pereira diz: 4 de maio de 2008

    O Tradicionalismo nasceu sem política e sem políticos, portanto, deve sobreviver com suas próprias forças.A solução que está a frente de nossos olhos, é a falta de competencia daqueles que dirigem o nosso movimento organizado, existem muitas empresas privadas dispostas a nos apoiar financeiramente, mas falta iniciativa e boa vontade de angariar patrocinadores privados para nossos eventos. É mais fácil, solicitar o apoio dos políticos, os quais estão sempre prontos a investir para tirar proveito

  • marlise gonçalves ribeiro diz: 29 de maio de 2008

    cada caso é um caso. a primeira questão: sobre o galpão o presidente do MTG fez o que deveria ser feito enquanto presidente do mtg, independente de outras funções que tenha. quanto ao movimento tradicionalista apoiar este ou aquele candidato: para o apoio ser realmente efetivo deveria se consultar todos os integrantes de forma democrática. ou então é apoio pessoal! de modo geral as diretorias de qualquer entidade devem se manifestar de forma isenta (neutralidade) que a função diretiva exige.

  • Rodrigo diz: 27 de maio de 2008

    O Valter Portelete disse bem: devemos ter cuidado com generalização ou radicalismo. Contudo, há em vários cargos diretivos do MTG autoritarismo o que, por certo, não condizem com os ideais defendidos.
    Na proteção das tradições não é necessário defender partido algum.

  • Lucia Rodrigues Martins. diz: 29 de fevereiro de 2008

    Pois e Giovani adore esta noticia sobre o MTG eles querem comprar as coisas na hora que mexe no que e deles saim se devendendo pois querem proibir tudo la na assembleia não e o lugar deles pois tem que tratar dos assuntos importantes que são os CTG que estão fechando suas portas pois o MTG esta proibindo tudo.

  • Sandro diz: 29 de fevereiro de 2008

    Esse é um bom tema. Particularmente não sou contra entidades representativas se politizarem, pois a política, faz parte da vida. Política não é problema, mas solução. Porém aberração e o grande erro histórico é a partilização dos movimentos, pois esvasia a credibilidade e a essência do movimento.É esse erro histórico que cometem sidicatos, que em mãos de partidos políticos, fazem um deserviço a sua categoria e a sociedade.

  • Mauro diz: 29 de fevereiro de 2008

    O MTG vain ainda por fim a qualquer tradição gaúcha, com as atitudes de seus comandantes.

    Vários CTGs vão continuar fechando, por causa de “normas” e o uso político da entidade.

    Pobre de nós gaúchos.

  • domingos fernando figueira diz: 1 de março de 2008

    politica x tradição…????????????????
    só confusãoooooooooooooooooooooooo

  • Valter Portalete diz: 1 de março de 2008

    A expressão usada pelo Giovani Grizotti é excelente:terreno movediço. Entretanto, nos Congressos Tradicionalistas o assunto já foi debatido e o Presidente sabe dos riscos. Agora minha preocupação é com a taxação ou melhor, condenação sumária, de toda e qualquer aproximaçao com políticos/política. Generalização ou radicalismo não é bom em nenhum momento. A presença da política em nosso dia a dia é inevitável. Nossa presença na política também deve ser fundamental, senão = ANALFABESTIMO POLÍTICO.

  • Thiago diz: 29 de fevereiro de 2008

    Dinheiro público para sustentar carnaval de inverno permanente é mesmo coisa para país rico, como o Brasil. Nada como ter dinheiro sobrando, escolas e postos de saúde impecáveis, e estradas que fazem inveja a qualquer highway metida à besta das oropa…

    P.S.: Segunda-feira vou à AL pedir um espaço para o Memorial da Pobreza, pois nós, os pobres, somos o grupo que realmente é a cara do Rio Grande.

  • ADROALDO CUNHA diz: 29 de fevereiro de 2008

    Não vejo conflito ético no fato do presidente do MTG trabalhar na Assembléia. Claro que o episódio gerou para ele um constrangimento, ao ter que assinar uma nota contra o chefe do órgão em que trabalha. Também não entendo porque taxar de perigosa a “mistura” entre tradicionalismo e política. O fato do MTG apoiar candidatos em eleições é perfeitamente transparente e dentro das regras da democracia. Assim como fazem os setores empresariais, entidades, sindicatos, associações. É legítimo e honesto.

  • RUI HENRIQUE BOOS diz: 29 de fevereiro de 2008

    A mistura entre Direção de Entidades,ONGS etc.. com cargos sem exigência de qualificação profissional mas plenos de fisiologismo político(eleitorais) já cheira mal em nosso estado. O MTG está aí para mostrar.

  • Bernardina Rodrigues Martins diz: 29 de fevereiro de 2008

    Olha realmente dançar maxixe é bem melhor que politica, mas sabe porque o MTG não gosta de maxixe, porque para eles é uma dança imoral, mas para mim mais imoral é se meter com politico e sempre querer ter vantagem em tudo. E outra por isso que os CTGs estão cada vez mais vazio, enquanto O Clube Farrapos coloca 4 a 5 mil pessoas em uma noite e os CTGS 200 pessoas.
    Pode me dizer uma coisa? Quem esta perdendo com isso?
    Um Abraço

  • Antônio Júnior diz: 29 de fevereiro de 2008

    Acredito que o tradicionalismo deva estar acima de interesses politicos, as pessoas que coordenam o MTG devem estar voltadas a manter, cultivar e incentivar o tradicionalismo que é nossa maior riqueza. Devemos respeitar maxixe assim como as outras culturas, porém não deve se misturar a nossa… Pois seria uma falta de respeito com nossas origens… Um forte abraço! e Viva o Rio Grande e a beleza de sua cultura própria.

  • ZELITA diz: 1 de março de 2008

    TU ESTAS CERTO. TAMBEM CONCORDO QUE ESTA MISTURA DE TRADICIONALISMO E POLITICA NAO DA CERTO. TEMOS QUE DEFENDER A TRADICAO SEM RADICALISMOS E SER APARTIDARIOS E SEM ENVOLVIMENTO POLITICO, DEFENDENO NOSSAS OPINIOES.

  • José Luiz Paes do Amaral diz: 7 de março de 2008

    Não vejo problema no fato de algum dirigente do MTG participar ativamente do processo político partidário nacional. Só não deve colocar a entidade a serviço de seus interesses pessoais. Para que o MTG participe também, deve antes realizar assembléia geral e acrescentar tal objetivo em seu estatuto. O que seria de muito proveito, uma força política legítima em defesado nosso povo.

  • pedro castelli diz: 29 de fevereiro de 2008

    Prezada sra. BERNARDINA, nos ctgs, a musica deve ser tocada é a musica gaucha, musica de raiz, nativismo, pois isso é a essencia da existencia dos CTGS.

  • rafa copero diz: 29 de fevereiro de 2008

    CONCORDO CONTIGO ANTONIO JUNIOR,EXCELENTE…E SOBRE QM DEFENDE OS TCHE MUSIC,NO MINIMO,Ñ SÃO PAULISTA,CARIOCA OU CATARINA SE FAZENDO DA GAUCHO POR AQUI…SÓ PODE SE ISSO.Ñ INTERESSA SE ELES BOTAM 5 MIL E O CTG 200 PESSOAS,ISSO É COISA DE SIMIO COM ESSE PENSAMENTO.VIVA O CTG,MTG…MAS FIQUEM FORA DA POLITICA POR FAVOR,Ñ ESTRAGEM ESSE MEU ORGULHO.

  • Dilceu Callonti diz: 29 de fevereiro de 2008

    Porque será que a maioria dos CTG`s estão quebrados, com poucos fandangos e por conta disso até os grupos tradicionalistas estão sumindo?

  • Rodrigo Teixeira diz: 29 de fevereiro de 2008

    Parabéns pelo questionamento Giovanni. Concordo que uma entidade como o MTG, que gera inúmeros CTGs, não podem apoiar este ou aquele candidato.

  • L.UIZ ANTONIO PEREIRA-XIRU PEREIRA diz: 25 de agosto de 2009

    Desde que este Pais surgiu vivemos politicamente,sim não misturar mas em tudo se faz politica.Ora meus amigos quem conhece tradição tem na alma e quantos politicos tem no coração o amor pelo rs; exemplo dpto Appio

  • Vânia Chassot Angeli diz: 21 de dezembro de 2009

    O MTG ao contrário do que foi dito, nunca fez nenhum tipo de campanha partidária! Trabalhar na Assembléia, amparado pela lei que foi aprovada em 2002, não permite conflito ético algum.
    Não entendo o motivo de tanta repercução sobre esse assunto, já que no Brasil existem prolemas com fundamento e que passam despercebidos aos olhos dos jornalistas e da midia.
    A força da imprensa deveria ser usada para fazer o bem e não para denagrir a imagem de pessoas do bem!
    Tenho dito!

  • ALDO BUENO DE LIMA diz: 28 de março de 2009

    É sábia a afirmativa: `RAÇA, POLÍTICA E RELIGIÃO – NÃO SE TRATA NA TRADIÇÃO”.

  • Marcos Antonio da Silva diz: 19 de setembro de 2009

    A politica faz parte de nossas vidas cotidianas, porem POLITICA PARTIDÁRIA, e algo que não casa com MOVIMENO TRADICIONALISTA, pois segundo o REGULAMENTO DO MTG, O MOVIMENTO tem uma só BANDEIRA, A DO RIO GRANDE.
    Estamos passando pelo menos aqui em CACHOEIRA DO SUL, por uma BAIXA NO MOVIMENTO TRADICIONALISTA, e se misturar-mos POLITICA PARTIDÁRIA, ai sim que a EGUA VAIS-SE COM O SOVÉU.
    ANO QUE VEM POR FAVOR SENHORES QUE COMANDAM O MOVIMENTO TRADICIONALISTA, COMO TEMA CENTRAL – SALVEM ATRADIÇAO.

  • Roberto Paim diz: 28 de janeiro de 2009

    Entendo como exagero a ameaça de tornar o presidente do parlamento um “inimigo das tradições”. Às vezes não enxergamos o que temos dentro de casa: gasta-se uma fortuna para divulgar o `carnaval` (horas e horas em espaço nobre) e o ENART,o maior evento de ARTE e TRADIÇÃO, conseguimos assistir, talvez, a uns gloriosos 30 segundos. Isto é amor pelo Rio Grande! A nossa maior riqueza! A política dentro do Movimento é importante sim, mas por causas nobres e de fundamento.

Envie seu Comentário