Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 3 março 2008

O arsenal de Chávez

03 de março de 2008 0

O caça Sukhoy foi comprado da Rússia pela Venezuela/Reprodução
A Venezuela ainda não é a potência regional que o presidente Hugo Chávez pretende. Comprou muito — cerca de US$ 4 bilhões — mas recebeu só a primeira fornada: os 20 caças Sukhoy iniciais, 17 helicópteros e, talvez, 100 mil fuzis Ak-47 importados da Rússia.

Problema: apenas 12 dos supersônicos estão em condições de vôo. E há poucos pilotos preparados para o uso das aeronaves. Os batalhões deslocados para a fronteira são apoiados por velhos tanques leves franceses AMX-13 e, mais uma vez, pelo brasileiros Urutu.

Postado por Rodrigo Lopes

O arsenal de Uribe

03 de março de 2008 0

Carros de combate Urutu brasileiros foram comprados pela Colômbia/Defesanet.com
A Colômbia tem atualmente um dos mais bem treinados e equipados exércitos do continente. Essa condição foi atingida por meio do Plano Colômbia, o pacote de ajuda dos Estados Unidos para destruir as Farc e aplacar o narcotráfico.

O pacote de apoio incluiu helicópteros Black Hawk em versões sofisticadas, treinamento especializado em bases dos EUA, preparação física, disciplina e adequação de material.

Corporações militares privadas como a DynCorp, a ManTech, TRW e Matcom, foram contratadas para cuidar do diferencial: a produção de informações de inteligência. Uma rede de sete radares de vigilância funciona em toda a área sensível, no interior do país e nas fronteiras da Venezuela e Equador.

A vigilância é feita também por aviões eletrônicos como o RC-7, comprado em 2001, e os grandes Awacs americanos, que operam a partir da base de Manta, no Equador. Com mais de 200 mil combatentes, a tropa colombiana não tem tanques – prefere os blindados sobre rodas, inclusive brasileiros Urutu e Cascavel. Aposta na agilidade de movimento.

A aviação emprega largamente helicópteros e a frota de Super Tucano, da Embraer – dois deles lançaram as bombas dirigidas por laser que atingiram o acampamento de Raúl Reyes.

Postado por Rodrigo Lopes

Mais lenha na fogueira

03 de março de 2008 0

Documentos foram apresentados pelo comandante da polícia colombiana/Reprodução
O governo da Colômbia pôs mais lenha na fogueira na crise deflagrada na América do Sul. Revelou hoje documentos apreendidos que pertenciam a Raúl Reyes, o líder das Farc morto no ataque de sábado pela força aérea colombiana.

Esses documentos revelam ligação entre a guerrilha e o governo da Venezuela. Trata-se de uma carta na qual Reyes fala sobre o agradecimento de Hugo Chávez pelo envio de dinheiro pelas Farc quando Chávez estava na prisão, em 1992 - isso logo após a tentativa de golpe lidderada por Chávez.

A ajuda teria sido de 100 milhões de pesos, o equivalente US$ 50 mil nos valores de hoje. Uma outra carta fala do envio de dinheiro da Venezuela para as Farc, num total de 300 milhões de dólares.

Informações que constam no computador pessoal do guerrilheiro morto dão conta também da relação estreita entre as Farc e o governo do Equador, país no qual Reyes foi morto. Os documentos encontrados –disponíveis no site do jornal colombiano El Tiempo mostram que Reyes teria se reunido com Gustavo Larrea, ministro da Segurança do Equador, para expôr seu interesse de oficializar a relação das Farc com o Equador.

Postado por Rodrigo Lopes