Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de maio 2009

Frustração na Venezuela

31 de maio de 2009 4

E a torcida ficou sem o show. Quem esperava um debate entre o presidente Hugo Chávez e intelectuais do nível de Mario Vargas Llosa e Jorge Castañeda, frustrou-se. Ontem mesmo, Chávez desistiu do duelo. A ideia inicial de Chávez era mediar um debate entre intelectuais de esquerda e de direita.

Os liberais disseram que queriam debater com o próprio Chávez. As notícias que circularam na internet era de que o presidente teria aceitado o desafio. Mas já na tarde de sábado, desistiu sem maiores explicações. Em tempo, hoje, o programa Alô, Presidente, que completa 10 anos, não foi ao ar “por problemas técnicos”, segundo informou o Ministério das Comunicações venezuelano.

Postado por Rodrigo Lopes

O furo que não aconteceu

30 de maio de 2009 1

Furo, na linguagem jornalística, significa uma informação exclusiva, divulgada em primeira mão, antes de todos os outros concorrentes. Um dos maiores furos da história foi o caso Watergate, que levou à renúncia de Richard Nixon, nos EUA, nos anos 70. Os repórteres Bob Woodward e Carl Bernstein, do The Washington Post, tornaram-se famosos ao juntar as peças do quebra-cabeças que levava um simples arrombamento de um comitê de campanha do Partido Democrata até as barbas do poder na Casa Branca. As denúncias levaram Nixon à renúncia e mudaram a história dos EUA.

Na semana passada, veio a tona a informação de que um repórter do jornal The New York Times, concorrente do The Washington Post, tinha a informação antes. Mas não a publicou. No jargão jornalístico, mais um, perdõem-me, caros leitores, costumamos dizer que o “editor sentou em cima da pauta” (quando o chefe demora em publicar a história que o repórter levantou).

Para entender melhor, leia a reportagem de ZH deste domingo. É um bom resumo. Se você quiser ler o que o próprio repórter que deixou de dar o maior furo de sua carreira, Robert Smith, diz sobre o tema, clique aqui (em inglês). Na página do American Journalism Review, um ótimo site sobre as questões do jornalismo americano, há outros artigos sobre o assunto.

Postado por Rodrigo Lopes

Capa da New Yorker no Iphone

30 de maio de 2009 0

Veja, abaixo, o vídeo de como o artista Jorge Colombo “pintou” com o dedo no Iphone a capa da revista New Yorker, um dos ícones do jornalismo mundial.

Postado por Rodrigo Lopes

Tá rindo do quê?

30 de maio de 2009 0

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, é o que se chama de fanfarrão. No mês passado, protagonizou uma cena hilária ao confiscar o celular de um jornalista que insistia em tocar durante a entrevista coletiva diária. Tamanho bom humor rendeu-lhe no site Político, o melhor de política americana do momento, uma sessão “risos”. Veja aqui.

Postado por Rodrigo Lopes

Duelo de titãs na TV

29 de maio de 2009 1

Sábado de duelo na televisão venezuelana. De um lado, o peso pesado Hugo Chávez, o presidente de um governo polêmico, que flerta com o autoritarismo. De outro, intelectuais como o escritor Jorge Castañeda. Ao vivo, diante das câmeras de TV.

Pelo menos é o prometido, mas até a noite desta sexta-feira ainda havia dúvidas se o combate televisivo de fato irá ocorrer. Chávez chegou a rejeitar debater com um de seus mais ferozes oponentes, o escritor peruano Mario Vargas Llosa, expoente da literatura latino-americana.

Em Caracas, o autor chegou a dizer que a Venezuela pode se transformar em uma “ditadura comunista”, na “segunda Cuba da América Latina”, se o país continuar se afastando da democracia.

O desafio do debate foi lançado por Chávez, cansado de ouvir as acusações de que lidera um regime autoritário, que censura a liberdade de expressão. Como parte das comemorações dos 10 anos de seu programa Aló, Presidente, ele convidou então os intelectuais para o duelo. Uma jogada de marketing, claro…

Mas a iniciativa é bem-vinda, já que depois de 10 anos ouvindo monólogos de Chávez na TV, discursos que duram quatro, cinco horas, os telespectadores poderão finalmente assistir a uma discussão de ideias, que, se espera, seja de alto nível, sem baixarias. O encontro está marcado para as 11h deste sábado no Palácio Miraflores, sede do governo venezuelano. E será transmitido à noite pela televisão local.

Postado por Rodrigo Lopes

O poder da imagem

29 de maio de 2009 0

No meio jornalístico, o ditado é velho mas continua valendo: “Uma imagem vale por mil palavras”. Por isso, o embate moral que os EUA travam sobre a divulgação de fotos de atos de tortura cometidos por militares americanos no Iraque e no Afeganistão é pertinente. A cada dia, sabe-se mais detalhes dessas 2 mil novas fotografias, mantidas até agora trancafiadas a sete chaves pela Casa Branca. Pelo que vazou para a imprensa, seriam cenas piores do que aquelas primeiras de Abu Ghraib, a prisão que virou ícone dos abusos da era Bush.

Agora, um militar americano apareceria nas fotos estuprando uma prisioneira de guerra, cenas de penetração com objetos como lâmpadas fluorescentes e outros.

Para o presidente Barack Obama, divulgar essas fotografias poderia acirrar ânimos. Não custa lembrar que, embora a tortura tenha sido uma política de Estado da turma de Bush, Rumsfeld e cia, ela foi cometida por uma pequena porção podre do exército americano. Nem todos os oficiais americanos são torturadores. E duvido que as vítimas e parentes de quem foi abusado seja a favor de ver suas fotos estampadas nas capas dos jornais mundo afora.

Postado por Rodrigo Lopes

O novo embaixador e um velho problema gaúcho

28 de maio de 2009 0

Shannon, o futuro embaixador dos EUA no Brasil/Reprodução

O presidente americano, Barack Obama, nomeou Thomas Shannon para o cargo de embaixador dos EUA no Brasil. Ele irá substituir Clifford M. Sobel, indicado pelo governo George W. Bush. Estive com Sobel durante uma visita à sede da RBS no ano passado. Na ocasião, um dos planos do embaixador era reforçar a presença diplomática americana no Rio Grande do Sul.

Para os gaúchos que viajam aos EUA, fazer o visto americano é uma verdadeira via-crúcis sem sentido. Primeiro, é necessário ir a Brasília, São Paulo ou Recife. Lá, amanhecer em frente ao prédio diplomático, esperar horas na fila, passar por uma revista detalhada e lá dentro responder muitas vezes dezenas de perguntas a um funcionário e torcer para ele acreditar em você. Qualquer suspeita, e o visto é negado.

O novo embaixador fala português e foi assistente especial da embaixada americana no Brasil de 1989 a 1992. Era o nome preferido por Brasília. Entre 2000 e 2001, ocupou o cargo de representante permanente adjunto da Organização dos Estados Americanos (OEA) e tem doutorado e mestrado em Política pela Universidade de Oxford. Esperamos que ele venha ao Rio Grande tão logo possível e retome a ideia de reforçar os laços com o Estado. Desde que o consulado em Porto Alegre foi fechado, a situação só piorou para os gaúchos que desejam viajar às terras americanas.

 

Postado por Rodrigo Lopes

Cardeal gaúcho fala sobre abusos na Igreja

28 de maio de 2009 5

Prestígio no Vaticano: dom Cláudio Hummes/Reprodução

O bispo gaúcho dom Cláudio Hummes é hoje o brasileiro com o mais alto cargo no Vaticano. Tanto que chegou a ser considerado um dos favoritos para se tornar sucessor de João Paulo II. Ainda não virou Papa, mas ocupa a chefia da poderosa Congregação para o Clero, responsável pelos padres do mundo todo.

É portanto na sua mesa na Santa Sé que vão parar um dos assuntos mais delicados nos bastidores da Igreja atualmente: o abuso cometido por padres pedófilos. O caso mais recente envolveu sacerdores na Irlanda, onde segundo uma investigação crianças foram espancadas e violentadas durante décadas em escolas, orfanatos e reformatórios católicos do país.

Pois em uma carta aberta ao Vaticano, dom Cláudio defendeu esta semana que os padres envolvidos em “delitos” sejam “julgados e castigados”. Porém, ele ressaltou que os religiosos envolvidos nesses casos representam um “percentual muito pequeno do clero” porque a “grande maioria dos sacerdotes é formada por pessoas dignas”.

A manifestação ocorre por conta do ano sacerdotal, que começa no mês que vem. Cerca de 30 dias atrás, ao receber os indígenas do Canadá, o Papa também condenou os abusos cometidos contra esses povos pela Igreja Católica durante o século 20 e pediu que esses comportamentos “não sejam tolerados”.

Nos Estados Unidos, os escândalos por acusações de pedofilia custaram, em 2008, 436 milhões de dólares em indenizações às dioceses e às comunidades religiosas desse país por casos de abusos sexuais.

Postado por Rodrigo Lopes

A foto da polêmica

27 de maio de 2009 2

Michaelle Jean/Reprodução
Michaelle Jean é a representante da rainha Elisabeth II no Canadá. Dêem uma olhada na foto, no momento em que ela come o coração cru da foca.

Postado por Rodrigo Lopes

Governadora compra briga com ambientalistas

27 de maio de 2009 3

Bebês foca mortos a pauladas/Reprodução

A imagem é chocante. Mas é importante mostrar para entender o que aconteceu hoje. A governadora-geral do Canadá, Michaelle Jean, comprou briga com ambientalistas, ao estripar uma foca e comer o coração do animal. Era um ato de solidariedade aos caçadores de foca do país, mas indignou os ambientalistas e qualquer pessoa de bom senso. Ela usou uma tradicional faca inuit para ajudar a cortar o animal e depois comeu o pedaço de carne.

- Está delicioso – disse ela, durante um festival em Ranking Inlet, no norte do país.

Centenas de inuit, comunidade indígena que antes era conhecida como esquimó, estavam presentes ao festival, que ocorre semanas depois de a União Européia ter aprovado uma proibição de derivados de focas canadenses.

Se você não está lembrado, a caça de foca é extremamente cruel: os bebês foca são mortos a cacetadas. Mas, ao mesmo tempo, é preciso dizer, é o principal meio de vida para cerca de 6 mil pescadores do Atlântico Norte.

Postado por Rodrigo Lopes

Obama rompe mais um tabu

27 de maio de 2009 1

Sonia Sotomayor/Reprodução

No meio desse turbilhão de notícias sobre o teste nuclear da Coreia do Norte, quase que uma informação que representa um avanço e tanto na política americana passa despercebida. E não pode passar.

O presidente dos EUA, o primeiro negro da história, rompeu mais um tabu da dividida e tantas vezes preconceituosa sociedade americana: Obama indicou pela primeira vez uma mulher de origem hispânica como juíza para ocupar uma das nove cadeiras da Suprema Corte, o máximo tribunal de Justiça do país.

Sonia Sotomayor é juíza do Tribunal de Apelações Nova York, tem 54 anos, e é graduada pela Universidade de Princenton e pela Escola de Direito de Yale. Além de ser mulher, a única na Suprema Corte caso seja confirmada pelo Senado, Sonia é filha de porto-riquenhos.

Sua escolha vem ao encontro do que Obama queria: um juiz conectado com a realidade do país. E a realidade americana é justamente essa. Os hispânicos já são maioria entre a população nos EUA e desde 2003 superam os negros em número. São cerca de 41 milhões, ou seja 14% da população total. Eles têm cada vez mais poder de compra e de voto, além de ocuparem uma fatia importante das forças armadas dos EUA Cada vez mais representam a força motora do país, ocupando cargos de trabalho em serviços gerais, em grande parte, é preciso dizer, na ilegalidade. Fazem o trabalho que muitas vezes o americano comum não quer fazer.

No caso da Justiça, rompe-se um tabu político. Mas ainda é preciso romper um tabu econômico.

Postado por Rodrigo Lopes

É preciso ouvir o recado da Coreia do Norte

26 de maio de 2009 6

O problemático Kim Jong-il, o todo-poderoso líder norte-coreano/Reprodução

O teste nuclear realizado pela Coreia do Norte e que colocou o mundo em alerta nas últimas 48 horas é mais um grito desesperado de uma nação pobre e isolada no cenário internacional, mas seria ingenuidade pensar que o regime comunista deste que é, sem dúvida, o país mais fechado do planeta é inofensivo. Ao realizar o teste, o segundo em três anos, o estranho líder norte-coreano Kim Jong-il quer chantagear os adversários, como Coréia do Sul e EUA, conseguir mais ajuda internacional, entenda-se remédios e comida, mas não é possível descartar que, num certo dia, ele acorde e decida usar armas nucleares contra seus vizinhos. Kim é um líder problemático, um tanto esquizofrênico até, com manias de grandeza que incluem um palácio com centenas de quartos e várias piscinas. Um ditador que reina soberano sobre uma nação faminta. E desses tudo pode-se esperar.

Sabe-se que não basta ter a bomba, é preciso possuir tecnologia para usá-la num míssil por exemplo. Mas o primeiro passo, o mais difícil, já foi dado.

A bomba que explodiu debaixo do solo do país comunista é comparável à lançada pelos americanos em Hiroshima. É uma demonstração de força incrível. Mas quem primeiro cantou a pedra do que pode estar por trás disso tudo foi o ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev. Ele disse que o teste pode ser um sinal de que o governo está tentando desviar o foco de alguma dificuldade interna – uma atitude comum na política internacional, que o diga por aqui Hugo Chávez. Aos 67 anos, Kim teria sofrido um derrame e estaria tentando indicar um de seus três filhos como sucessor. Porém, estaria enfrentando resistências internas – daí a necessidade de mostrar força.

Postado por Rodrigo Lopes

Guerra no Teledomingo

24 de maio de 2009 0

Veja, clicando aqui, a reportagem sobre o curso de jornalismo em áreas de conflito, que foi ao ar neste domingo, na RBSTV.

Postado por Rodrigo Lopes

Guantánamo expõe racha entre pombas e falcões

22 de maio de 2009 0

Presos em Guantánamo/Reprodução

O velho racha entre pombas e falcões nos EUA está de volta ao tabuleiro político americano. E o nome da divisão se chama Guantánamo, a prisão na ilha de Cuba onde estão presos suspeitos de terrorismo. O presidente Barack Obama quer fechar a penitenciária que virou símbolo de tortura do governo Bush. Mas enfrenta uma dura resistência dos setores conservadores, liderados pelo ex-vice Dick Cheney, que temem ver extremistas perambulando por prisões comuns em seu território.

Perdoem-me os obamistas, mas nessa queda-de-braço os números estão a favor da turma de Bush. Um relatório do Pentágono divulgado pelo jornal The New York Times revela que um em cada sete presos tranferidos de Guantánamo para o exterior voltou a praticar terrorismo. Ao que parece, não houve pressões políticas (por parte da Casa Branca) para evitar que o documento fosse divulgado. Mas a tropa de choque de Obama já está interpretando os números a seu favor: dizem que um índice de 14% de reincidência é bem menor que o número de prisões nos EUA, que pode chegar a 68% em três anos de liberdade. Eles afirmam ainda que, enquanto americanos têm um nivel baixo de tolerância para reincidência entre os presos de Guantánamo, não há evidência de que qualquer dos libertados tenha envolvimento com os ataques de 11 de setembro de 2001.

A discussão certamente será influenciada pelo calor da notícia de que um plano para um atentado em Nova York foi desarticulado. Mas, ao que parece, os suspeitos presos não têm nenhuma ligação com grupos extremistas – muito menos com os reincidentes de Guantánamo.

Postado por Rodrigo Lopes

Agora, os podres dos lordes

21 de maio de 2009 6

A pomposa Câmara dos Lordes britânics/Reprodução

Na Grã-Bretanha, que tem um dos parlamentos mais sólidos do mundo, os políticos parecem estar se lixando para o povo. Depois dos deputados da Câmara baixa britânica, que chegaram a usar verbas públicas para pagar filmes pornográficos e comida para cachorro, agora, a poderosa Camara dos Lordes é acusada de aceitar dinheiro em troca da aprovação de leis.

A Câmara dos Lordes também é chamada Câmara alta do parlamento, como se fosse o Senado brasileiro. Dois dos lordes foram suspensos. E isso não acontecia em mais de três séculos. Para entender um pouco mais: A Câmara dos Lordes tem 731 membros. Ela é um corpo não-eleito, formado por dois arcebispos, 24 bispos da Igreja Anglicana e 706 membros da nobreza. Foi criada no século 14, chegou a ser abolida na Guerra Civil inglesa, mas foi restaurada em 1660.

Além de executar funções legislativas, a Câmara dos Lordes mantém alguns poderes judiciais: ela é a mais alta corte de apelação para a maioria dos processos no Reino Unido. Uma reforma de 1999 acabou com o direito de hereditariedade na Casa, que durou mais de 700 anos. Os mandatos dos membros continuam sendo vitalícios, mas eles são indicados pela rainha, normalmente por orientação dos partidos.

No caso do escândalo, o partido envolvido é o trabalhista, por isso a pressão sobre o primeiro-ministro Gordon Brown.

Assim como a Casa dos Comuns, a Câmara dos Lordes se reúne no Palácio de Westminster, o famoso prédio do parlamento às margens do Tâmisa, cartão-postal londrino. Lá, os lordes se reúnem num salão luxuosamente decorado. É o local de muitas cerimônias formais, sendo a mais famosa a Abertura do Parlamento, realizada no começo de cada nova sessão parlamentar, com a presença da rainha Elizabeth II. Mas, como se vê, pompa não garante transparência política. E  mudam o idioma e a tradição, mas corrupção é igual – ou pelo menos muito semelhante – em qualquer lugar do mundo.

Postado por Rodrigo Lopes