Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de agosto 2009

New Orleans, quatro anos depois do Katrina

30 de agosto de 2009 0

As águas ocuparam 80% de New Orleans/Rodrigo Lopes

Datas servem não apenas para trazer de novo à lembrança imagens do que se viveu, mas sobretudo para olharmos para trás e avaliarmos o que mudou – e o que mudamos – desde então. Queria ter escrito este texto no sábado, no dia em que há exatos quatro anos, o furacão Katrina tocou New Orleans, mas não consegui.

Neste domingo, aproveito para passar a limpo esse período. Naquela ocasião, em 2005, fui despachado para o Houston, no Texas, com a missão de chegar a New Orleans, que estava 80% submersa pelas águas do Lago Pontchartrain. Foi um dia inteiro de viagem de carro pela Interstate 10, a rodovia que corta o sul dos EUA.

Uma das maiores lembranças é a do meu carro sozinho na pista no caminho de New Orleans, enquanto todos os demais vinham no sentido contrário, fugindo da destruição. Outra coisa que ficou pra sempre nas minhas narinas foi o cheiro de pântano e morte proveniente da cidade, quando passei uma noite dentro do carro estacionado na margem da estrada, às portas do inferno.

Foi uma aventura e tanto chegar ao centro de New Orleans. A cada poste, rua inundada, destroços de prédio, fios de alta tensão no chão, pensava que a cobertura terminaria ali. Mas, graças a dicas de moradores e ao instinto (que graças a Deus até hoje nunca falhou) – e sorte, é verdade -, cheguei ao centro da cidade e a seu tradicional bairro francês.

Quatro anos depois, New Orleans ainda tenta cicatrizar as feridas que a água e os ventos de 240 km/h deixaram abertas. Este ano, a festa do Mardi Gras (o famoso carnaval) recebeu 1 milhão de pessoas. Em todo o ano passado, a cidade deu as boas vindas a 7,6 milhões de visitantes. Resguardada por novos diques – na verdade, muitos especialistas duvidam de que eles sejam capazes de suportar um novo furacão de categoria 4 -, a cidade tenta se reerguer, usando como pilares aquilo que tem de melhor: a comida maravilhosa, a beleza do Mississippi e, claro, o jazz.

Prédio destruídos em Gulf Port

Igreja devastada pelos ventos

Carro destruído por tijolos de prédio em New Orleans

Postado por Rodrigo Lopes

Perguntinha

29 de agosto de 2009 0

Estava ontem à noite vendo as homenagens ao senador Ted Kennedy, durante o velório na biblioteca e museu Kennedy, em Boston, transmitida ao vivo pela rede CNN. Mais de 30 mil pessoas passaram pelo local. No caso do Brasil, que senador, ao morrer, mereceria tamanha homenagem e carinho dos eleitores – e atenção da mídia?

Postado por Rodrigo Lopes

Homicídio doloso na morte de Michael Jackson

28 de agosto de 2009 0

Legistas do Instituto Médico Legal de Los Angeles disseram nesta sexta-feira que consideram que a morte de Michael Jackson foi um homicídio. Segundos os especialistas, a morte ocorreu devido à intoxicação aguda do medicamento propofol.

Em comunicado, o IML declarou que o anestésico e o sedativo lorazepan foram as principais substâncias responsáveis pela morte de Jackson. O medicamento propofol, que é de uso altamente controlado, era aplicado pelo médico particular do astro, Conrad Murray.

O cardiologista é alvo de investigação da polícia, teve sua residência revistada, mas até agora não teve sua prisão decretada. O médico pode ser indiciado por homicídio doloso, aquele que tem intenção de matar.

Só pra lembrar, o corpo não foi enterrado ainda. seria amanhã, mas foi adiado para o próximo dia 3 de setembro.

Postado por Rodrigo Lopes

O Oriente Médio em debate

28 de agosto de 2009 0

A Federação Israelita do Rio Grande do Sul  realiza amanhã em Porto Alegre o curso “Oriente Médio – Jornalismo de paz”, com os jornalistas Dov Shinar, de Israel, e Jaime Sptizcovsky, de São Paulo, e a Doutora em História, Analucia Danilevicz Pereira, de Porto Alegre.

Nascido no Brasil, mas vivendo em Israel desde 1950, Dov Shinar vem ao Estado falar sobre o Jornalismo de Paz. Em Israel, o professor Shinar, que é doutor em comunicação pela Universidade Hebraica de Jerusalém, coordena o curso de Graduação e o “Fair Media: Centro de Estudos de Conflito, Guerra e Paz” na Escola de Comunicação da Faculdade de Netanya.

O evento acontece a partir das 8h30min, no Hotel Plaza São Rafael. As vagas são limitadas. Informações pelo telefone (51) 9235.0889

 

Postado por Rodrigo Lopes

Refém ficou 18 anos em cativeiro

28 de agosto de 2009 0

Jaycee Dugard, na época em que foi sequestrada/Reprodução/Arquivo Pessoal

E mais um caso daqueles de sequestro que duram anos e que o refém acaba tendo um relacionamento com o algoz. Jaycee Dugard foi sequestrada quando tinha 11 anos e permaneceu 18 anos no cativeiro na Califórnia. Ela teve dois filhos com sequestrador.

Em entrevistas, o sequestrador classificou sua relação com a refém como “terna” e explicou que dormia todas as noites na mesma cama com a jovem e as duas filhas. O caso lembra episódios semelhantes que ocorreram na Áustria (entre eles o do monstro de Amstetten), em que se revela a síndrome de Estocolmo, a afeição entre o refém e o sequestrador.

Postado por Rodrigo Lopes

Lula critica uso de bases na Colômbia

28 de agosto de 2009 2

Confirmam-se as previsões, e o assunto central do encontro da Unasul, em Bariloche nesta tarde é o acordo entre EUA e Colômbia, polêmica aliança que permitirá que aviões americanos utilizem bases colombianas no combate ao narcotráfico e à guerrilha das Farc.

Ao discursar, o presidente colombiano Álvaro Uribe defendeu o acordo e disse que os EUA mantêm presença militar no país desde 1952. Logo após a fala do colega colombiano, o presidente Lula usou este argumento para criticar a decisão. O brasileiro pediu garantias jurídicas de que as operações não violarão os terrítórios de outros países. Lula lembrou que Brasil e Colômbia compartilham uma vasta área de fronteira amazônica e chamou a atenção para os interesses das nações desenvolvidas pelos recursos naturais desta região.

Postado por Rodrigo Lopes

Um continente cada vez mais armado

28 de agosto de 2009 8

Começa hoje na bela cidade da Patagônia argentina Bariloche o econtro da Unasul, o bloco formado pela união dos países sul-americanos, uma iniciativa, diga-se de passagem, do Brasil. O presidente Lula está na reunião de cúpula, que deve ser uma das mais tensas da curta história da Unasul.

Tudo por causa da crise entre Colômbia e Venezuela deflagada depois do acordo firmado pelo presidente Álvaro Uribe, da Colômbia, com os EUA, que permite aos americanos utilizarem bases aéreas no país sul-americano. A Venezuela de Hugo Chávez reclamou, a Bolívia de Evo Morales, como sempre, foi atrás, e a crise está posta.

A Colômbia se defende: diz que vai querer, por sua vez, explicações de seus vizinhos sobre suas estratégias militares. Quer saber, por exemplo, as razões de o Brasil ter comprado submarinos franceses. Da Venezuela e da Bolívia, questionará a compra de armamentos russos, milhares de fuzis AK-47.

Vivemos aqui no continente uma corrida armamentista. Um dado do Centro de Estudos Nova Maioria, mostra que entre 2007 e 2008 os governos latino-americanos elevaram em 30% suas despesas militares, passando de US$ 39 bilhões para US$ 51 bilhões. O Brasil, que tem fama de pacifista, lidera a lista dos países com maiores gastos, seguido pela Venezuela e pela Colômbia.

Postado por Rodrigo Lopes

O fim de uma dinastia

27 de agosto de 2009 0

A política americana se pergunta neste momento se o clã Kennedy irá continuar existindo politicamente, depois da morte do último de seus patriarcas: Edward “Ted” Kennedy. Jornais americanos trazem nesta manhã análises, algumas dizendo que a morte põe fim a atuação política dos Kennedy. Entre os herdeiros, e há vários, nenhum tem a vocação dos três irmãos – Bob, John e Ted.

Entre os grupos que ficaram orfãos de Ted está o da indústria bélica americana. Ele ocupava uma vaga na comissão de serviços armados do senado e vários programas bélicos podem sofrer cortes caso seu substitiututo não demonstre tanta influência sobre o setor.

E isso é curioso, porque em questões de política externa, Kennedy era considerado um pacifista. Mas, internamente, apoiava de forma muito firme a indústria bélica americana.

Apesar de polêmico, Ted foi um dos senadores mais competentes que já pisou no Senado americano. Defendeu o maior número de leis (mais de 15 mil). E foi importantíssimo na eleição de Obama.

O leão liberal via no candidato a continuidade do pensamento dos irmãos Kennedy. No discurso durante a convenção democrata, seu apoio a Obama pareceu aos eleitores um passar da tocha.

Postado por Rodrigo Lopes

Americanos dizem "não" ao uísque escocês

25 de agosto de 2009 3

A famosa imagem da cabine do avião da Pan Am no chão/Reprodução/Wikipédia

Tem crescido nos últimos dias nos EUA um protesto diferente. Assim como nos dias que antecederam a guerra do Iraque, os americanos boicotaram a batata frita (french fries, como eles chamam) porque a França se opunha ao conflito contra Saddam Hussein, agora eles dizem “não” ao uísque escocês. E fazem campanha também para que outros americanos deixem de viajar para a Escócia.

Tudo porque o país europeu libertou na semana passada Abdelbeset Ali al-Megrahi, condenado por ser um dos mentores do atentado contra o avião da Pan Am sobre Lockerbie, na Escócia, em 1988. Morreram naquele famoso incidente, em que parte da cabine no chão, estraçalhada se tornou ícone do terrorismo daqueles anos, 270 pessoas, sendo 189 americanos.

O terrorista, que estaria com câncer em fase terminal, ganhou a libertade por razões humanitárias. Ele voltou para a Líbia e foi recebido com festa pela população e teve encontro inclusive com o ditador Muamar Kadafi, que diga-se de passagem está bem mais light, mudou o seu discurso radical dos anos 80, mas ainda é um ditador.

Agora, o protesto americano: a venda de uísque e a indústria do turismo, somando bilhões de dólares todo o ano são vitais para a economia escocesa. E já gerou resultados. O parlamento escocês realizou uma reunião de emergência para avaliar o caso. Circula na Líbia que a libertação do terrorista envolveu uma discussão de acordos comerciais com a Grã-Bretanha, incluindo contratos de petróleo e gás, o que o governo britânico obviamente nega.

Postado por Rodrigo Lopes

O descanso de Obama

24 de agosto de 2009 0

Marthas Vineyard/Reprodução

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está oficialmente desde ontem em férias. E num dos destinos turísticos mais luxuosos do país, a ilha de Martha`s Vineyard. Se para os americanos o local se tornou destino das elites desde o século 19, a ilha na costa Leste dos EUA só ganhou notoriedade internacional no final dos anos 60.

Na época, Ted Kennedy, o irmão de John Kennedy, teve um acidente na ponte Dike. O senador conseguiu nadar até a terra. Sua mulher morreu afogada. Este episódio macabro pode ter manchado a reputação dos Kennedy, mas não a da ilha.

É para lá que o clã mais poderoso da política americana continuou a ir todos a cada verão, imitado mais tarde por uma outra família: os Clinton. Uma tradição que talvez explique a escolha de Obama. Inicialmente, chegou a pensar-se que Obama ficaria instalado em Oak Bluffs, um enclave de maioria negra em Martha`s Vineyard, onde o cineasta Spike Lee tem uma casa. Mas em vez da praia de Inkwell, que gerações de afro-americanos frequentaram, o presidente preferiu a seleta Blue Heron.

Bill Clinton visitou a ilha várias vezes durante os seus anos na presidência. Uma delas em 1998, no auge do escândalo Monica Lewinsky. Obama deixa Washington em meio a um forte debate sobre seu plano de reforma do sistema de saúde, com os EUA em recessão e com um elevado déficit, além de estar presente em duas guerras (Iraque e Afeganistão). São outros tempos, mas as pesquisas indicam que sua popularidade já não é a mesma da posse.

Postado por Rodrigo Lopes

Heróis muçulmanos, viva a diversidade

21 de agosto de 2009 1

Uma notícia que saiu no Telegraph e que pra muitos pode parecer boba, sem muito peso político, é daquelas sementes pequenas que podem tornar o mundo melhor. A gente está acostumado a conhecer aqui no Ocidente super-heróis como Batman, Superman, Homem-Aranha. Mas no grande mundo islâmico está fazendo cada vez mais sucesso o desenho animado chamado 99, o nome é uma referência aos 99 atributos de Alá. E os personagens são uma mulher vestida com aquele manto muçulmano que cobre da cabeça aos pés, uma espécie de burca, batizada de Batina, a Escondida. O personagem masculino é um homem saudita estilo Hulk chamado Jabbar, o poderoso.

O objetivo de tudo isso é introduzir nas crianças os valores islâmicos, mas não da forma como os radicais fazem, pregando a morte, a destruição dos supostos inféis, etc. Não, a ideia do criador, um psicólogo nascido no Kuwait, é que os pequenos muçulmanos tenham um novo conjunto de super-heróis em quem se inspirar, ao invés de ter como ídolos líderes como Saddam Hussein ou Osama bin Laden.

Baseados em atributos como a generosidade e a misericórdia, os super-heróis fazem sucesso do Marrocos à Indonésia e agora começam a chegar às emissoras de TV da Grã-Bretanha. E viva a diversidade de opiniões.

Postado por Rodrigo Lopes

A Blackwater na roda, de novo

20 de agosto de 2009 1

Quem leu o livro Blackwater – The Rise of the world`s most powerful merceneray army, de Jeremy Scahill, já sabia: a CIA contratou a agência de segurança privada americana Blackwater para encontrar e matar membros importantes da Al-Qaeda. A denúncia está hoje no jornal americano The New York Times. Conforme o jornal, executivos da empresa ajudaram a agência de espionagem americana no planejamento, treinamento e vigilância das operações antiterroristas.

Para entender: os funcionários da Blackwater são usados para fazer a segurança de funcionários do governo americano no Iraque desde 2003, mas foram acusados de uso excessivo da força em várias ocasiões. Com sede no Estado da Carolina do Norte, a empresa trocou recentemente de nome, passando a ser chamada de Xe Services. A empresa não teve a licença para operar no Iraque renovada.

Postado por Rodrigo Lopes

O autor de "Obama Coringa"

19 de agosto de 2009 1

Obra foi criada por estudante de Chicago/Reprodução
Fim do mistério: um jovem de 20 anos, morador de Chicago – justamente a cidade onde Barack Obama se criou politicamente -, é o autor da polêmica imagem em que o presidente aparece como o Coringa, de Batman – O Cavaleiro das Trevas. Seu nome: Firas Alkhateeb, aluno do curso de História da Universidade de Illinois, criou a imagem usando o Photoshop. Em reportagem do jornal Los Angeles Times, ele contou que estava mexendo no programadecomputador para melhorar fotos que havia tirado com sua câmera. Ele brincou usando uma capa da revista Time de 23 de outubro de 2008, na qual o então candidato Obama aparecia. Usou um tutorial do Photoshop para “coringar” a foto. E depois de quatro ou cinco horas, a obra estava pronta.

Postado por Rodrigo Lopes

Dias perigosos no Afeganistão

18 de agosto de 2009 0

Censura para controlar a violência. Está aí uma medida perigosa. Amanhã, o Afeganistão realiza eleições presidenciais, e a violência atingiu seu grau mais elevado desde 2001.

Só nesta terça-feira, o palácio presidencial foi atingido por disparos, um carro-bomba explodiu em uma das principais estradas do país e funcionários das Nações Unidas foram mortos. Por isso, o governo afegão decretou que meios de comunicação afegãos e estrangeiros ficarão impedidos de informar quaisquer atos de violência entre as 6h e as 20h.

Nos últimos dias, o número de ataques terroristas aumentou muito no país, como parte de uma campanha da milícia Talibã para impedir a realização de eleições. O grupo, que sofreu um golpe após a invasão americana em 2001, recobrou força nos últimos meses e ameaça inclusive cortar os dedos de quem participar da votação.

A violência acaba colocando em segundo plano a política. Os principais candidatos são o atual presidente Hamid Karzai, que tenta a reeleição e é favorito, e Abdullah Abullah, da oposição, que foi ministro das Relações Exteriores até 2006 e um dos maiores nomes da resistência às forças da União Soviética no Afeganistão entre 1979 e 1989.

Postado por Rodrigo Lopes

Uma tardia temporada de furacões

18 de agosto de 2009 1

A rota do furacão Bill/Centro Nacional de Furacões dos EUA/Reprodução

A temporada de furacões no Atlântico, que normalmente atinge aquela área do Caribe e o sul dos EUA, incluindo a Flórida e Costa do Golfo, onde ficam os Estados da Louisiana, cidade de Nova Orleans, etc, começou mais tarde este ano. Nesta madrugada, Centro Nacional de Furacões dos EUA anunciou que Bill, declarado ontem o primeiro furacão desta temporada, ganhou força e já atinge categoria 2, com ventos de 160 km/h. Ele está próximo às Antilhas e talvez no fim de semana toque o arquipélago de Bermudas.

A temporada de furacões normalmente vai de junho a novembro. Este ano, o primeiro furacão apareceu apenas agora, ou seja, é uma das oito com começo mais tardio nos últimos 110 anos.

Há duas outras tempestades na região, Ana e Claudette, nenhuma destas com força de furacão.

A região do Caribe e especialmente a Costa do Golfo é muito sensível a mudanças meteorológicasporque ali estão algumas das maiores plataformas de petróleo do mundo. Furacões como o Katrina (2005) não apenas devastam cidades, como no caso de Nova Orleans, mas também arrasam com a produção petrolífera. Aquela foi a pior temporada de furacões em mais de cem anos - foram 21 furacões. Sem falar no estrago ao atingir países pobres, como o Haiti, onde as tropas brasileiras estão, ou mesmo Cuba. No ano passado, os furacões Ike e Gustav destruíram milhares de moradias cubanas e deixaram prejuízos de mais de US$ 10 bilhões ao país.

Postado por Rodrigo Lopes