Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 26 janeiro 2011

Tremem as últimas ditaduras africanas

26 de janeiro de 2011 1

Foto: Mohammed Abed/AFP

Depois da Tunísia, agora é a vez do Egito. O dia de fúria de ontem fez tremer o governo de Hosni Mubarak, um dos últimos ditadores da África. Ele está no poder desde 1981, com sucessivas eleições – suspeitas de fraude. Hoje não apenas o Twitter e o Facebook foram bloqueados no país, como também as mensagens de celular, os torpedos. Tudo isso para tentar evitar que manifestantes se organizem em novos protestos.

Ontem, três pessoas morreram nos distúrbios, que estão sendo organizados pelas redes sociais. Os protestos contra o governo de Hosni Mubarak são inspirados na Revolução do Jasmim, que derrubou o presidente da Tunísia, Zine al-Abidine Ben Ali, que estaria refugiado na Arábia Saudita. Inclusive hoje foi emitida uma ordem de captura internacional.

ssumiu o poder em um golpe de Estado em 1987, quando tomou o governo de Habib Bourguiba, alegando que ele era “incompetente” e havia se tornado “muito velho, senil e doente” para governar. Ele prometeu que, durante seu mandato, “abriria os horizontes para uma verdadeira democracia”. No entanto, após um breve período de reformas, a evolução política do país estagnou.

Sob o governo do ditador, grande parte dos partidos de oposição eram considerados ilegais. De acordo com a Anistia Internacional, autoridades se infiltravam em grupos defesa dos direitos humanos e perseguiam os dissidentes. O grupo Repórteres sem Fronteiras descrevia Ben Ali como um “predador da imprensa”, que controlava a mídia com mão de ferro.

Em várias ocasiões, ele venceu as eleições no país com base em resultados suspeitos: em 2009, ele foi reeleito para seu 5º mandado com 89% dos votos.

A história de Mubarak não é muito diferente. Não deu golpe, mas, a partir de sua ascensão na força aérea egípcia, tornou-se vice-presidente em 1975 e sucedeu a Anwar al-Sadat, depois que este foi assassinado, em 6 de outubro de 1981.

É considerado como um dos mais poderosos chefes de Estado da região e tradicional aliado dos EUA.

Seu governo enfrenta os maiores protestos em quatro décadas. Mubarack é um dos últimos ditadores do continente, governa o país desde 1981. Ele também participa de eleições e, coincidentemente, sempre ganha. Haverá um novo pleito presidencial este ano, mas não se sabe se Mubarack vai concorrer de novo. Cerca de 40% dos 80 milhões de egípcios vivem com menos de 2 dólares por dia, e um terço da população, veja bem, eu disse, um terço da população é analfabeta.