Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Posts do dia 2 março 2011

Brasileira ajuda refugiados na Tunísia

02 de março de 2011 0

Natural da Bahia, Ioná Barbeiro (no vídeo) vive na Tunísia há 10 anos, onde integra uma ONG de ajuda humanitária. Na fronteira, ela e o marido, Silas, auxiliam os refugiados. Veja em imagens que fiz nesta manhã sobre a situação em Ras Ajdir.


O quadro mudou

02 de março de 2011 1

O quadro está bem diferente daquele que encontramos nos primeiros dias de cobertura aqui no norte da África, quando se falava que Muamar Kadafi não duraria mais do que 72 horas no poder. Na ocasião, os rebeldes tinham o controle de 80% do território, mas o desde ontem o ditador reagiu. Parece estar fortalecido, e mobiliza tropas no lado oeste do país. As áreas que haviam sido tomadas pelos rebeldes, agora há uma zona de confronto indefinida. A fronteira em Dehibah, por onde entramos na Líbia esta semana, voltou a ser fechada.

Houve dois ataques também no leste, parte da região que está nas mãos da oposição. Foram atingidas as cidades de Brega, importante centro petrolífero, onde ainda um único brasileiro que não foi retirado da Líbia (além de jornalistas e diplomatas) e Ajdabiya.

Enquanto isso, os refugiados continuam chegando. Aqui, é como se fose uma torre de babel: egípcios, a maioria, também chineses, vietnamitas, tunisianos que trabalham na Líbia e estão deixando o país. A imprensa local fala em catástrofe porque não há como atender a todos. No campo de refugiados de Ras Ajdir, encontrei uma brasileira: Ioná Barbeiro,  baiana, que mora com o marido há 10 anos na Tunísia. Trabalha em uma ONG de ajuda humanitária.

Comovido com a situação, meu motorista/intérprete Rhida me pediu para, antes de irmos a fronteira, passarmos em uma padaria para levarmos alguns pães, água e iogurte aos refugiados. A ajuda do Rhida foi entregue à voluntária brasileira.

Veja imagens de hoje:



Kadafi convida Brasil a ser observador da crise

02 de março de 2011 0

O embaixador do Brasil na Líbia, George Fernandes, confirmou há pouco que Muamar Kadafi convidou o governo brasileiro a ser observador da crise no país. Fernandes participou do encontro de cúpula do regime, no qual o ditador fez o pronunciamento no qual desafiou a ONU a provar que seu governo viola os direitos humanos. No pronunciamento, Kadafi disse também que iria substituir bancos e empresas ocidentais que atuam na Líbia por outras de China, Rússia e Brasil.