Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de julho 2011

O pior de todos os pesadelos

31 de julho de 2011 0

Uma das imagens que emerge da crise americana é a de um Barack Obama bem diferente do que conheci durante um comício em Sarasota, na Flórida, em uma manhã do final de outubro de 2008, a poucos dias da eleição. Era um homem esbelto, cheio de energia, nariz empinado pela certeza de suas convicções. Hoje, a cada aparição que se transformou em apelos quase desesperados nos últimos dias, o presidente americano tem exibido um rosto marcado pelo stresse e as noites insones na Casa Branca. Está visivelmente mais magro e com cabelos mais grisalhos.
A queda de braço no Congresso americano roubou de Obama os pontos de popularidade que recuperara com a captura e morte do inimigo público número 1 dos EUA: Osama bin Laden. Agora, com o país dando vexame para o mundo ver, sua aprovação caiu a 40%, a mais baixa desde que assumiu a presidência. É uma queda de 12 pontos desde o início de maio, quando os americanos mataram o líder da rede Al-Qaeda no Paquistão.
O que se viu na última semana foi um teatro político entre republicanos e democratas, que, caso ocorresse em qualquer país latino-americano, chamaríamos de “novela”… Todos sabíamos que o acordo sairia nos descontos do segundo tempo, na undécima hora. Ninguém, nem governo tampouco oposição, gostaria de ficar como o vilão do primeiro calote dado pela mais poderosa (?) economia do mundo. Assim, saiu o acordo, a menos de 48 horas do deadline da terça-feira, 2 de agosto.
Muitos verão em Obama o salvador da pátria, e é nisso que os democratas tentaram transformá-lo nos bastidores do jogo político. Outros verão os republicanos como irresponsáveis, ao deixarem o país à beira da falência. Por trás de todo circo de Washington desses dias está a eleição do ano que vem. Ao que parece, nenhum republicano conseguirá tirar de Obama a reeleição. Mitt Romney é o nome da oposição mais forte até o momento, mesmo assim tem pouquissimo apoio dentro do partido e entre a população. Uma certeza: apesar do acordo deste domingo – e um respiro de alívio que já se sente soprar das bolsas que começam a abrir do outro lado do planeta – o principal adversário de Obama na eleição de 2012 ainda será a economia.

Senado rejeita plano republicano de elevação do teto da dívida

29 de julho de 2011 0

Durou menos do que eu esperava… O Senado americano acaba de rejeitar por 59 votos a 41 o projeto para elevar a dívida dos Estados Unidos, que havia sido aprovado duas horas antes pela Câmara dos Representantes. O líder democrata no Senado, Harry Reid, deve avançar agora com uma proposta diferente para obter os votos suficientes de ambos os partidos para aprovar um outro plano no Congresso antes da fatídica terça-feira, 2 de agosto. Será um fim de semana quente em Washington!

O vídeo do dia na internet

29 de julho de 2011 0

É meio bobo, mas para dar uma aliviada por alguns minutos de assuntos hard como o teto da dívida americana, o crescimento da extrema direita europeia… O vídeo de uma cadelinha que se finge de morta em uma brincadeira com outro cão. Vale ver. Viral!!! Bom fim de semana a todos.

Festa pela elevação do teto da dívida deve durar pouco nos EUA

29 de julho de 2011 0

Deve durar pouco a festa dos republicanos que conseguiram aprovar na Câmara dos Representantes (como é chamada a Câmara dos Deputados nos EUA) o plano de elevação do teto da dívida americana. Isso porque a proposta deve ser barrada agora que irá para o Senado, onde os democratas, partido do presidente Barack Obama, têm maioria – eles precisam de 51 votos para bloquear a lei. E até agora todos os senadores democratas e dois independentes já disseram que não darão apoio à medida. Nos bastidores do Congresso americano, o plano republicano é tratado como “curativo” de curto prazo, uma vez que, segundo os democratas, colocará em risco a economia.

O plano republicano prevê dois aumentos no teto da dívida norte-americana. O primeiro, de US$ 900 bilhões, ocorreria imediatamente após a aprovação do projeto e teria como contrapartida a adoção de medidas para reduzir o rombo nas contas do governo em US$ 917 bilhões ao longo da próxima década. O segundo aumento seria de até US$ 1,6 trilhão e ocorreria em 2012, mas somente se os congressistas concordassem em cortar os gastos federais em mais US$ 1,8 trilhão.

Obama quer que o Congresso eleve o limite de endividamento apenas uma vez, de forma que não haja necessidade de debater esse assunto novamente ao longo de 2012 – ano de eleições no país. Retomar toda essa polêmica durante campanha de reeleição não seria nada bom.

Vídeo: flagrante da explosão em Oslo

27 de julho de 2011 0

Uma câmera de segurança de uma loja de eletrônicos em Oslo flagrou o momento em que uma explosão atingiu prédios do complexo governamental na sexta-feira. Veja:

Um mal silencioso sobre a Europa

27 de julho de 2011 0

Não tão silenciosamente quanto alguns anos atrás, a extrema-direita cresce na Europa e aproveita os holofotes sobre o atirador na Noruega para exibir sua cara. Passada a comoção inicial com o massacre de Oslo, alguns políticos começam a endossar as ideias de Anders Breivik, o homem que matou 76 pessoas na sexta-feira. Protegendo-se atrás de frases como ” não apoiamos seu ato de violência”, deputados na Itália e na França elogiaram o manifesto feito por Breivik na internet. Um dos primeiros foi o italiano Francesco Speroni, ex-ministro de Silvio Berlusconi e integrante do xenófobo partido Liga Norte.
- As ideias de Breivik são em defesa da civilização ocidental – afirmou, na quarta-feira.
Outro integrante da Liga Norte, Mario Borghezio, membro do parlamento europeu, foi mais além. Defendeu as ideias do atirador como uma resposta à “islamização da Europa”. Foi rapidamente criticado, e alguns chegaram a exigir sua renúncia.
Na França, Jacques Coutela, membro do partido de extrema-direita Frente Nacional, comentou em seu blog que o atirador é ” um ícone”. Foi expulso do partido.
O primeiro-ministro norueguês, Jens Stoltenberg, disse que está dentro da lei que extremistas manifestem suas opiniões. Mas disse que não é legítimo tentar implementar essas opiniões com violência.
Por certo, as ideias – e principalmente os elogios a Breivik – reabrem a polêmica sobre os limites da liberdade de expressão quando se trata de assuntos como xenofobia, racismo e preconceito. Na Alemanha, onde estive recentemente e um país que considero maduro o suficiente para colocar o dedo na ferida e discutir seu passado, pregar ideias nazistas é crime. E o assunto de certa forma ainda é tabu.
Nem por isso inexistem grupos de extrema-direita ou neonazistas. Pelo contrário. Em Dresden, onde estive, foi possível conhecer um pouco do medo que paira sobre imigrantes e negros. Localizada na antiga Alemanha Oriental e perto demais de países como Polônia e outras nações do Leste, a cidade é um berço de movimentos extremistas. Volta e meia, marcham pelas ruas. E atos de violência contra imigrantes não são raros.
O crescimento da extrema-direita na Europa nos últimos 10 anos deve-se a ingredientes conhecidos: crise econômica, desemprego, pobreza e medo de atentados de extremistas islâmicos.

Vídeo: Voo da America Airlines com problemas

25 de julho de 2011 10

Um voo da American Airlines fez um pouso de emergência no aeroporto de Dallas, no estado do Texas, nos Estados Unidos, domingo à noite, 15 minutos depois de decolar do mesmo local. A aeronave que cumpria o voo AA 963, que tinha como destino São Paulo, teria sofrido incêndio em um dos motores e também no trem de pouso. A American Airlines, entretanto, afirma em nota oficial que não foi encontrada nenhuma evidencia de que o trem de pouso pegou fogo. Os passageiros foram levados a hotéis e retomaram o voo nesta segunda-feira. A imagem do avião despejando combustível foi parar no YouTube.


Um resumo das duas horas de terror na Noruega

22 de julho de 2011 2
Foi um intervalo de duas horas. Duas grandes explosões. Primeiro, no distrito governamental de Oslo, às 15h30min do horário local (10h30min em Brasília). No local, um prédio de 17 andares, ficam os escritórios do primeiro-ministro da Noruega, Jens Stoltenberg. Pelo menos sete mortos. Aparentemente foi um carro-bomba, mas o que provocou a explosão ainda está sendo investigado.
  
Duas horas depois, um homem entrou em um acampamento na ilha chamada Utoya  a cerca de um quilômetro da capital e começou a atirar contra os ocupantes. Havia cerca de 700 pessoas, a maioria entre 14 e 18 anos, no local. Houve pelo menos 10 mortos. Logo, juntando-se os dois, temos até o momento, pelo menos 17 mortos. Este número deve aumentar.
 
A polícia acredita que os ataques não estão vinculados com o terrorismo islâmico. Isso porque o suspeito de ter disparado no acampamento já foi preso. Ele chama-se Anders Behring Breivik, é norueguês, tem 32 anos, aparência nórdica e fala “o dialeto de Oslo”. Seria ativista da extrema-direita. Ou seja, contra o governo que está nas mãos do Partido Trabalhista. Outra evidência que corrobora esta tese: o acampamento onde houve o massacre, era de jovens do partido trabalhista e onde o primeiro-ministro iria discursar amanhã.
 
Logo após os atentados, o grupo extremista Ansar al-Jihad al-Alami (Apoiadores da Jihad Global) emitiu um comunicado assumindo a autoria do atentado, mas segundo uma emissora local, os extremistas voltaram atrás e negaram envolvimento. Chegou-se a cogitar que se tratava de uma obra do extremismo islâmico – seria o primeiro grande atentado na Europa desde a morte de Osama bin Laden, a Noruega tem tropas no Afeganistão… Mas aparantemente está descartada a participação de grupos terroristas ligados à rede Al-Qaeda.
 
 
As autoridades, porém, afirmam que os incidentes foram coordenados e estão ligados um ao outro.
 
A situação neste momento: as autoridades pedem que a população evite chegar ao centro de Oslo, onde o cenário realmente é de muita destruição. Pedem também que evitem também usar aparelhos de celular para não sobrecarregar a rede. Nessa hora de pânico é bastante comum as pessoas quererem avisar os familiares de que estão bem, mas a ordem é para evitar.
 
Há muitas dúvidas. E poucas certezas. A Noruega acabou sendo um alvo mais fácil justamente por ser considerada um alvo improvável. Países como Espanha, Grã-Bretanha e França já vivem em vigilância pela história de lidar com grupos internos, como o ETA e o IRA. Além disso, Madri e Londres sofreram ataques da Al-Qaeda. Mas quase ninguém pensava na possibilidade de um atentado na Noruega. A segurança lá sempre foi muito menor que nesses outros países.
 

 

Cresce suspeita de terrorismo interno na Noruega

22 de julho de 2011 0

Perde força, com o passar das horas, a tese de que os atentados desta tarde na Noruega sejam obra do terrorismo internacional. A hipótese mais forte, neste momento, é de que, por trás dos ataques, esteja algum grupo de extrema direita, contrário ao governo trabalhista do primeiro-ministro Jens Stoltenberg, visivelmente alvo da ofensiva extremista.

Até o momento, o único suspeito preso é um homem de nacionalidade norueguesa de 1,90 de altura e 32 anos. Segundo a TV2, Anders Behring Breivik, seu nome, teria vínculos com esses partidos de direita. A prisão ocorreu em Utoeya, uma ilha situada a um quilômetro da capital e ponto onde ocorreu o tiroteio subsequente às bombas de Oslo. Esse local estava cheio de jovens acampados, ligados ao partido trabalhista. Os prédios de Oslo atacados também eram escritórios do governo.

As explosões provavelmente têm mais em comum com os atentados de 1995 em Oklahoma City, quando um ativista da extrema direita americana detonou explosivos em um prédio do governo e matou 168 pessoas, do que com os ataques de 11 de setembro de 2001.

O 11 de Setembro norueguês

22 de julho de 2011 0

É cedo para acreditar que o Ansar al-Jihad al-Alami, um pouco conhecido grupo com ligações distantes com a rede Al-Qaeda, seria o responsável pela série de atentados que voltou a colocar a Europa no mapa do terror internacional. Mas, há meses, a Noruega era ameaçada por grupo extremistas islâmicos. A despeito de ter um dos maiores índices de qualidade de vida do planeta e estar ao largo das grandes questões internacionais, o país mantém tropas (um contingente bem pequeno, é verdade) no Afeganistão, o que o coloca automaticamente na mira de extremistas. A Noruega também não são os EUA, Grã-Bretanha ou Espanha, onde a segurança das fronteiras foi reforçada durante os últimos anos, após atentados e as medidas de segurança contra o terrorismo funcionam como um relógio que raramente falha.
Além da relação entre a Noruega e o Afeganistão, há outras hipóteses. Há um ano (em 8 de julho de 2010), a polícia norueguesa prendeu três homens que teriam ligações com a Al-Qaeda. Os suspeitos eram um norueguês de origem chinesa, de 39 anos, um uzbeque de 31 anos com autorização de residência no país desde 2002 e um cidadão iraquiano de origem curda, de 37 anos, que garantira já a residência permanente na Noruega.
A outra possibilidade, mais remota, é a publicação pelos jornais noruegueses das polêmicas charges do profeta Maomé, originalmente divulgadas pelos jornais da Dinamarca.
A despeito das hipóteses, o que fica é a certeza de que uma nuvem de medo volta a pairar sobre o continente europeu. Nas palavras do primeiro-ministro norueguês, os ataques desta sexta-feira são os piores no país desde a II Guerra Mundial. Na verdade, são mais. São os primeiros em grande escala desde a morte de Osama bin Laden. São ainda mais: os primeiros desde que o presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou a retirada escalonada das tropas do Iraque. Para muitos, é o 11 de setembro norueguês.

A Síria além de Bashar al-Assad

21 de julho de 2011 0

A Síria é um país muito mais bonito do que a dinastia Assad tentou transformá-la. Estive pouquíssimo tempo lá, em 2006. Horas suficientes apenas para percorrer de carro o caminho, no meio da madrugada, entre o aeroporto de Damasco e a fronteira com o Líbano. Estava obcecado por ingressar na capital da guerra, Beirute. Logo, não houve tempo para mergulhar nesse rico território pouco falado fora dos espectros da política internacional, terrorismo, ditaduras e apoio ao Hezbollah. No retorno, na saída de Beirute, voltei a Damasco por terra, após 10 horas de fuga junto com os refugiados brasileiros que deixavam suas casas com medo do conflito. Houve tempo apenas para chegar ao Sheraton Damasco, escrever a reportagem de madrugada, dormir algumas horas e pegar o avião para Amã, na Jordânia.

A Mesquita de Damasco é uma das mais lindas do mundo. O mercado da capital também. Não os conheci. Coberturas jornalísticas não combinam com turismo. Por isso, um dia quero voltar à Síria, espero que até lá a ditadura de Bashar al-Assad já tenha caído.

Há pouco, nesta tarde, navegando pelo Vimeo encontrei o vídeo abaixo. São nuances de uma Síria poucas vezes vista na mídia. Bom proveito!


Syria. The other side. from Ruslan Fedotow on Vimeo.

Para entender quem é quem no escândalo britânico

18 de julho de 2011 0

O escândalo dos grampos ilegais deixou hoje o espectro da imprensa e chegou ao governo da Grã-Bretanha. E o caso tem várias pontas, dignas de um romance policial. Por isso, resolvi resumir aqui alguns dos últimos fatos para que você não se perca no emaranhado de informações.

* Amanhã e quarta-feira serão dias importantes: amanhã porque o magnata Rupert Murdoch, seu filho James e sua protegida Rebekah Brooks vão depor diante de 10 membros da Comissão de meios de informação da Câmara dos Comuns do parlamento britânico. Na quarta-feira, será a vez de o parlamento se reunir para discutir a crise.

* Hoje foi encontrado o corpo do jornalista Sean Hoare, que denunciou o esquema de grampos ilegais. Ele repórter do News of the World, e o primeiro a dizer que o diretor do tabloide Andy Coulson, estava ciente da prática de que grampear autoridades. Coulson chegou a trabalhar como assessor de comunicação do primeiro-ministro britânico, David Cameron. Por enquanto, a polícia não está tratando a morte do repórter como suspeita. Ele foi afastado do jornal por problemas com álcool e drogas.

* Também hoje, o número 2 da Scotland Yard, John Yates, renunciou. Ele era um dos mais altos funcionários da polícia metropolitana de Londres e principal agente da unidade antiterrorista. No domingo, o chefe da corporação, Paul Stephenson, já havia renunciado. Em 2009, Yates decidiu não reabrir as investigações sobre o caso dos grampos por considerar que não havia razões suficientes para fazê-lo. Em janeiro deste ano, descobriu-se que a polícia tinha 11 mil páginas de evidências sobre as escutas que não haviam sido investigadas.

* A “Musa dos Tabloides” chama-se Rebekah Brooks. Ela era conselheira delegada na Grã-Bretanha da News International, que administra o News of the World. Foi detida no fim de semana e liberada hoje após pagar fiança. Chegou a ser interrogada por 12 horas. Ela dirigiu o tabloide entre 2002 e 2003. Renunciou ao cargo de executiva na semana passada.

* Para complicar tudotambém hoje foi encontrada uma mala abandonada em um estacionamento perto da casa de Rebekah Brooks. Dentro havia um computador, um telefone e documentos. A polícia examina as imagens do circuito interno do estacionamento para descobriu quem deixou a mala no local. A suspeita foi levantada porque o marido de Rebekah, Charlie Brooks, tentou recuperar o material.

* A News International é o braço britânico das empresas de Rupert Murdoch, que engloba, além do News of the World, os jornais The Sun, The Times, parte do canal de TV BSkyB.





CNN chama Corinthians de "time pequeno"

18 de julho de 2011 7

Este não é um blog de esportes, você sabe. Mas, diante da polêmica internacional que já está se criando, não posso privá-los dessa notícia. Até porque envolve a CNN. Em uma reportagem da rede de TV americana publicada nesta segunda-feira sobre o crescimento da economia brasileira, a emissora cometeu uma gafe e classifiou o Corinthians como um “clube pequeno” do Brasil. Veja, em inglês:

“You’ll be surprised to know who’s trying to buy Tevez. Not sheiks or oligarchs, but a small club from Sao Paulo, Brazil – Corinthians. They’re offering $55 million to buy this soccer superstar. And that’s just the transfer fee” 

 

Tradução:

“Você irá se surpreender com quem está tentando contratar Tevez. Não são sheiks nem oligarcas, mas um pequeno clube de São Paulo, o Corinthians. Estão oferecendo US$ 55 milhões (cerca de R$ 86 mi) para contratar a estrela. E a quantia é somente para a compra”

Veja a íntegra da reportagem em inglês aqui




O que rolou pelo mundo no fim de semana

17 de julho de 2011 0

O escândalo dos grampos telefônicos respingou sobre o chefe da Polícia Metropolitana de Londres, a Scotland Yard. Sir Paul Stephenson pediu demissão neste domingo. Ele estava envolvido no escândalo das gravações ilegais feitas pelo tabloide News of the World, fechado na semana passada. Mais cedo, neste domingo, a ex-executiva-chefe da News International, grupo de mídia que publicava o News of the World, foi detida.

***
No Egito, o ex-ditador Hosni Mubarak estaria em coma após sofrer um derrame cerebral. A informação amplamente divulgada pela imprensa local foi negada pelo chefe da equipe médica do hospital no balneário Sharm el-Sheikh, onde o ex-presidente de 83 anos está internado sob custódia policial. A informação de que Mubarak estaria em coma foi dada pelo advogado do ex-líder. O ex-ditador será julgado em 3 de agosto sob a acusação de ordenar o assassinato de manifestantes durante a revolta de 18 dias que derrubou-o do poder no dia 11 de fevereiro. Estima-se que mais de 840 pessoas morreram durante as manifestações.
***
Aqui na América Latina, outro doente. O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, está de volta a Cuba, onde será submetido à segunda fase do tratamento contra o câncer. Segundo Chávez, as sessões de quimioterapia começariamm neste domingo e ele ficará fora do país “por alguns dias” – não se sabe quanto tempo. A televisão cubana exibiu imagens da chegada de líder venezuelano à ilha, onde ele foi recebido por Raúl Castro. Antes de deixar a venezuela, Chávez delegou parte de suas funções ao vice-presidente do país, Elias Jaua, e ao ministro das Finanças, Jorge Giordani.
***
E no Uruguai, os amigos e os inimigos do ex-ditador uruguaio Juan María Bordaberry se reuniram neste domingo no cemitério Parque Martinelli de Montevidéu para dar o último adeus ao ex-líder. Do lado de fora, manifestantes gritavam contra a impunidade e seu papel na destruição da democracia. Bordaberry (1928-2011) morreu neste domingo na sua residência de Montevidéu onde cumpria uma sentença de 30 anos imposta pela Justiça uruguaia por violações aos direitos humanos cometidas sob seu mandato, que começou como um governo democrático em 1972 e terminou abrindo passagem a uma ditadura que se prolongou até 1985.


Chávez desmente vinda ao Brasil

15 de julho de 2011 1

Hugo Chávez acaba de dizer que não virá ao Brasil para fazer o tratamento contra o câncer. Ele afirmou que irá continuar o tratamento médico em Cuba.

À tarde, havia rumores de que o presidente venezuelano teria aceitado a oferta de Dilma Rousseff. A tendência era de que fosse internado no Hospital Sírio-Libanês. O chanceler venezuelano, após encontro com Dilma e Marco Aurelio Garcia, chegou a visitar o Sírio-Libanês. Antes disso, Fernando Lugo, presidente do Paraguai, tratou de um linfoma no Brasil em 2009 e 2011.