Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Extrevista exclusiva com um dos empresários mais poderosos da Argentina

24 de outubro de 2015 0

17711011

Um dos principais empresários da Argentina, Juan José Aranguren foi, nos últimos 12 anos, presidente da Shell no país. Neste período, colecionou batalhas judiciais com o governo da Cristina Kirchner, que, sucessivas vezes, tentou processar a empresa por desabastecimento.


Aranguren deixou a companhia, para a qual trabalhava havia 37 anos, para se dedicar ao plano de governo de Mauricio Macri (coalizão Cambiemos), o principal opositor do candidato governista Daniel Scioli. Aranguren é apontado pela imprensa argentina como provável ministro de Energia, pasta que não existe na atual administração. Na manhã desta quinta-feira, ele recebeu ZH na sala The Library, do elegante Hotel Faena, em Puerto Madero, Buenos Aires, para a seguinte entrevista:
 
Que avaliação o senhor faz destes 12 anos de kirchnerismo?

As três administrações Kirchner podem ser divididas em duas partes, uma na qual se manteve certo equilíbrio macroeconômico, até final de 2005. A partir deste momento, provavelmente buscando a eleição para sua esposa e para se manter no poder, começaram a mudar o rumo e deixaram de aproveitar as oportunidades que o mundo oferecia à Argentina. Por exemplo, com pouco apego à Constituição, mantendo uma lei de emergência pública por 12 anos como forma de administrar sem necessidade de recorrer ao Congresso, com pouco apego às instituições. Consequentemente, a Argentina perdeu todas as suas reservas — monetárias, energéticas, agrícolas. Chegamos à situação atual, em que o país tem escassez de energia, por exemplo, e precisa recorrer ao exterior para poder resolver seus problemas econômicos.
 
O senhor se considera um perseguido pelo governo dos Kirchner?

Não sinto como perseguição. Não tomei como agressão. Mas, obviamente, o governo tomou decisões na maioria das vezes ilegítimas e inconstitucionais para processar a Shell por desabastecimento, em alguns casos pedindo pena de prisão.
 
Leia a entrevista na íntegra aqui

Envie seu Comentário