Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Medo da transparência

03 de julho de 2012 61

Do discurso do governador Tarso Genro e de seus assessores, depreende-se que está em curso no Rio Grande do Sul uma manobra para driblar a Lei de Acesso à Informação, omitindo do cidadão que arca com a conta o nome e a remuneração total paga a cada servidor público de carreira ou de confiança.

Ao mesmo tempo em que prometeu “publicizar” os salários antes de dezembro, prazo previsto inicialmente, Tarso disse ontem no programa Gaúcha Atualidade que está estudando, em conjunto com os chefes dos outros poderes, o formato em que isso será feito. E ressaltou a necessidade de respeitar a privacidade dos servidores.

A manifestação ocorre no momento em que o governador é pressionado por sindicatos de servidores a não tornar públicas as informações sobre salários. Ignora-se que o Supremo Tribunal Federal vem garantindo a ampla divulgação dos salários e que vários órgãos já o fazem, a começar pela Presidência da República. Mais uma vez, o Rio Grande do Sul resiste, como se fosse outro país.

Os argumentos usados para defender o sigilo em relação aos salários vão da segurança do servidor à inutilidade da divulgação para fins de qualificação dos serviços. Também não faltam justificativas preparadas sob medida pelo governo para tentar constranger o setor privado e atacar a imprensa. O que não é dito, mas está nas entrelinhas, é que a transparência produz desconfortos.

A divulgação mostrará o abismo que separa os menores salários dos mais elevados. Exporá quem recebe acima do teto. Jogará luzes sobre descalabros e as diferenças entre carreiras. Denunciará quem extrapola o teto recebendo de mais de uma fonte pública. E acabará, inclusive, com o discurso dos que usam o salário básico como referência para reclamar da remuneração e omitem os penduricalhos, como se não fizessem parte do contracheque.
Tarso, que ontem bateu continência nas comemorações do Dia Nacional do Bombeiro, parece estar mais preocupado em fazer média com os servidores que recebem altos salários do que em cumprir a Lei de Acesso à Informação.

Comentários (61)

  • Susana diz: 3 de julho de 2012

    Acho importante tal divulgação, em relação aos salários. Muito embora, acredite que deveria ser divulgado, mas identificado de outra forma. Não dá pra esquecer que a informação sendo pública, atingindo também as pessoas mal-intencionadas. É contraditório dizer que devemos ter cuidado ao disponibilizar informações pessoais na internet, enquanto dados de remuneração, que afetam sim a nossa segurança, são divulgados com o nome completo, facilitando a ação de bandidos. É um assunto complicado!

  • João Manoel Oliveira diz: 3 de julho de 2012

    É o medo da vinculação dos nomes dos CCs com o crime organizado…

  • antonio laurindo dengo diz: 3 de julho de 2012

    Essas pessoas que nao querem a divulgação tem interesses próprios a esconder,Sou servidor publico e concordo integralmente com a divulgação.

  • Ana diz: 3 de julho de 2012

    Estão transferindo a culpa da má admnistração pública para o servidor público de bem, que nada tem a ver com isso.

  • O Arroto diz: 3 de julho de 2012

    Alô Rosane, sabia que o PSDB, rei da privataria, inaugurou aqui no RS a Máfia d’água? Pois é…

  • Tomás diz: 3 de julho de 2012

    Com todo o respeito a quem pensa diferente, cara Rosane, sou a favor apenas e tão-somente de expor o salário (bruto e líquido) dos servidores, sem dizer o nome, apenas um código ou identificação privada. O salário deve ser público porque sustentado por tributos, mas a intimidade do servidor é privada! Ninguém até hoje me apresentou justificativa que me convença de que por o nome relacionado a salário é correto. É justo que se coloquem todos os salários, mas a identificação do servidor, em minha opinião, só poderia existir em caso de irregularidades. Não te esqueças que não seria injusto a iniciativa privada ser obrigada a demonstrar sua folha de pagamento para saber se um empregador está ou não pagando menos que a CLT manda a seus empregados (o que, convenhamos, acontece o tempo todo!)

  • Rafael diz: 3 de julho de 2012

    Quanta ignorância e preconceito, Rosane.

    É evidente que este novo mecanismo tem o fim único de enfraquecer as lutas salariais dos servidores que tiveram seu salário real diminuído ao longo dos dos últimos seis anos, em sua maioria. Espera-se uma greve geral até o final do mês e essa divulgação é a ferramenta dos patrões.

    Salários acima do teto, duas fontes… por favor!!! Não é necessário expor todos os servidores para que o TCU cumpra sua função.

    Divulgando salários através de busca por nome e CPF é um crime!!! Uma invasão de privacidade sem tamanho. Vizinhos pesquisando sua renda, ladrões conferindo o nome no crachá para saber quem roubar… e por aí vai. Já que achas tão correto, divulga seu salário na RBS e o de todos seus colegas. Inclusive as “fontes obscuras”.

    Espero que o governo acabe imediatamente com essa palhaçada e volte ao método anterior da transparência (a divulgação das tabelas salariais), onde se divulgavam as mesmas informações, mas de uma forma menos constrangedora.

    Sem mais.

  • Luís Cláudio Chaves Ziulkoski diz: 3 de julho de 2012

    Eu gostaria que a Rosane apresentasse um argumento que demonstre porque a apresentação do nome do servidor com o valor que ele recebe vai ensejar algum bem comum, em detrimento da privacidade do servidor. Concordo que deve ser apresentada a listagem dos salários pagos (contracheques), mês a mês, desde que não se identifique as pessoas nessa listagem. Caso alguém queira muito saber quanto ganha o fulano, ou quem é o dono de determinado contracheque, que protocole o pedido num guichê de atendimento.

  • Cristiano diz: 3 de julho de 2012

    Acredito que as corporações estão muito mais preocupadas com a divulgação de tais informações para as pessoas de bem, do que para as mal-intencionadas. Até parece que saber quanto uma pessoa ganha vai levar alguém a planejar um assalto. Caso isso fosse verdade, só teríamos juízes e executivos sendo assaltados (os quais não é preciso saber dos nomes para se ter uma idéia da remuneração), e não trabalhadores das classes operárias.

  • Andi diz: 3 de julho de 2012

    Minha cara Rosane, excelente teu Blog! Para colaborar, ainda mais, sugiro uma análise da quantidade absurda de cargos em comissão existente no IPERGS (Instituto de Previdência do Estado) a maioria desses CCs são provenientes da base eleitoral da ministra Maria do Rosário. Alguns CCs que no IPE fingem que trabalham, recebem R$ 8 mil reais mensais por isso, sem precisar sequer ter um curso superior! Já um analista previdenciário com pós-graduação, exercendo funções de nível superior, recebe R$ 3.500. Os CCs daquele órgão na sua maioria são mal educados na prestação de atendimento ao público, inclusive não existe coleguismo dos CCs com aqueles servidores concursados ou contratados que não são petistas ou mesmo com os que desejam trabalhar com honestidade!!! Soube que 90% do quadro de servidores do IPERGS está na categoria de assistentes previdenciários(nível médio) e 10% dos servdiores estão na categoria analistas previdenciários (cargo de nível superior), e a remuneração de muitos assistentes(de nível médio) superam os R$ 9.000,00 em razão de acumularem Funções Gratificadas que ultrapassam os R$ 4 mil mensais EXTRAS! Existe uma cultura no IPERGS de que o servidor que se aposenta ingressa novamente no IPERGS como CC !!! É uma vergonha a ser exposta, discutida e alterada urgentemente em prol da soicedade honesta!!!

  • carlos santos diz: 3 de julho de 2012

    Concordo com o comentário acima.
    Apesar de ser um meio de a população ter controle do serviço público, o que é democrático e transparente, de outra forma, atinge em cheio o direito à privacidade dos servidores públicos.
    Em época de empréstimos consignados, em que listas de servidores públicos e pensionistas do INSS cirulam livremente ém bancos e financeiras, todo cuidado é pouco.
    Tema complicado e delicado.

  • Joannes Soares diz: 3 de julho de 2012

    Acho q quem quer sigilo de informação PÚBLICA, que vá para o privado. O dinheiro é publico, logo, tem que ser publicado. É algo básico e simples. Sempre achei um absurdo isso não ser publicado. Se o “patrão” é o povo, por que não pode saber quanto que recebe “seu empregado”? E jura que os “mal-intencionados” vão assaltar alguém só por que viram o salário dele na internet.

  • Joelma diz: 3 de julho de 2012

    Concordo com a divulgação de cargos e salários, porém divulgar nome, sobrenome e vencimentos de pessoas, publicamente, é constrangedor, desnecessário e perigoso. Uma exposição descabida e inútil em termos de “transparência”…Aliás, não seria conduta passível de processo por parte do cidadão exposto?

  • José Luiz de Freitas diz: 3 de julho de 2012

    Não esqueçam que a Presidente e outras autoridades tem todo um aparato de segurança, com a divulgação de salários, quem vai garantir a segurança dos servidores públicos ?
    Será que não tem outro assunto mais importante como saúde e segurança para se preocuparem ?
    Se é para divulgar salários, vamos divulgar também da iniciativa privada e a imprensa.

  • Sergio diz: 3 de julho de 2012

    Quem é assinante da ZH paga á RBS para ler o jornal, portanto paga o salários dos jornalistas da RBS.Por isso tem o direito de saber quanto ganham os jornalistas da RBS ?por exemplo,Santana,Claudio Britto,Lasier ,etc quanto ganham para fazer seu trabalho que é essencialmente criticar o governo?

  • JPetro diz: 3 de julho de 2012

    É contraditório que enquanto bandidos de qualquer idade – adolescentes ou não – são protegidos pela Lei na sua privacidade e exposicão pública com direito a esconder a cara na hora da prisão, pessoas de bem que dedicaram a vida ao Estado sejam expostas como se fossem contraventores.

  • Carlos diz: 3 de julho de 2012

    Convém lembrar que no RS continua o pagamento de pensão vitalícia a ex-governadores, suas viúvas, filhas, enteados…., parece que é o único estado do Brasil que continua com esta prática. Desta maneira só pode faltar recursos para hospitais, educação, segurança….. . Realmente o RS ” é de mais”.

  • Paulo Bento Bandarra diz: 3 de julho de 2012

    A lei de acesso de informação não pode se sobrepor ao direito constitucional a privacidade. Quanto ganha cada servidor saber a secretaria da fazendo, o TCE, a câmara de deputados, as respectivas secretarias. Com o Lulismo se iniciou a era de que direitos humanos não são para todos. Nem todos merecem respeito. É assim que começa, no dos outros sempre foi refresco. Um dia pode chegar a vez de quem hoje comemora.

  • observ diz: 3 de julho de 2012

    Surpreende ver conhecido líder de ONG ligada à transparência, referir em suas declarações , sua oposição a uma transparência universal .Essa posição favorece o continuado esquema de concentração de renda em curso ,com política de minimizar rendas oriundas do trabalho, em oposição àquelas oriundas das atividades negociais e de investimento de capitais. O que muitos não percebem é que todo trabalhador do setor privado é um CONTRIBUINTE ,para compor a renda de seu empregador, certamente para ter prejuízo ninguém emprega, assim o empregado privado está pagando seu patrão pelo trabalho de administração e governança que o mesmo exerce. Cada um deveria saber quanto vale seu trabalho realmente ,que fração lhe retorna como salário e o quanto compõe o lucro que vai passar ao patrimônio privado , daí transparência geral seria o adequado ,e a distribuição dos lucros não reinvestidos mais do que adequada. A transparência dos funcionários públicos deveria se restringir às tabelas e nominar tão só àqueles com salários abusivos. Como todas as riquezas se originam no trabalho de todos, qualquer um ,público ou privado , que tenha rendas abusivas , em descompasso à sua contribuição ,deve ser submetido ao crivo da transparência universalizada ,pois com certeza todos pagamos os altos salários e rendas , de agentes públicos e privados , o que se procura esconder por um uso tradicional e emocionalizado dos termos público e privado.

  • Cláudio Machado Diniz diz: 3 de julho de 2012

    A divulgação poderia ser feita mostrando a quantidade de cargos do órgão e a remuneração detalhada de cada um, mas sem apresentar o nome completo do servidor público. Isto só compromete a segurança do servidor público. Para efeitos de transparência, não está em questão quem recebe os salários e sim que há uma disparidade nos salários dos cargos, não importa a pessoa que o receba, afinal, esta pessoa muitas vezes fez concurso e não determina o valor do próprio salário.

  • Oleti – Advogada diz: 3 de julho de 2012

    Concordo totalmente com o comentário acima. Isto causará insegurança às pessoas podendo até aumentar os sequestros relâmpagos. Sou a favor de um levantamento das necessidades de funcionários para o Estado e principalmente divulgação da Lista de CCs que me parece ser este o problema crucial da folha de pagamentos. Não sei por que a divulgação de nomes de funcionários? Como se isto resolvesse os “canetaços”. Pois quando tu te submete a um concurso público no próprio Edital consta o Cargo e os vencimentos. Na minha opinião, o Estado deve sim divulgar uma lista de todas as espécies de contratações, mas não pelo nome e sim pelo nome do cargo ou pelo número da matrícula. Gostaria de saber qual o resultado positivo desta divulgação? Será fofoca, intrigas políticas? Pois quem ganha altos salários não vai deixar de receber, ou seja, recebe até o teto máximo (q a gente saiba!!), ainda mais q a Constituição defende a irredutibilidade dos salários. Eu não quero saber dos altos salários de colegas da mesma repartição em que trabalhei. Isto me deprime. Me causa indignação. Será que é mérito deles? Existe caso de marido e mulher na mesma repartição, no mesmo cargo ganhando o mesmo salário (A+B = 60,000 mensais. Pode?
    Enquanto os Professores ganham esmolas? Mas isto não se resolveria desta forma expondo os colegas a risco de vida. Que estas distorções sejam corrigidas a partir de agora e que o número de CCs seja reduzido (aqui está a injustiça e o desestímulo a quem já é funcionário público). Para que serve o IBGE? ou os RHs de Órgãos Públicos? Eles tem que controlar esse desarranjo. Uns com salários altíssimos e outros sem poder arcar com o aluguel onde moram. Inclusive meus famíliares vão adorar saber quanto ganho para poderem me achacar. Já ajudo-os com o pouco q ganho, mas sabes tem irmãos que nunca sabem os seus limites. Éééé´… será um problema!

  • Jorge Nogueira diz: 3 de julho de 2012

    O Governo Dilma faz demagogia com uma pseudo-transparência das contas públicas.
    Por que, por exemplo, não se traz a luz da sociedade brasileira como se compõe e foi construída e quem são os reais beneficiados com os valores pagos da dívida pública brasileira e que consome quase a metade do orçamento público?

  • Sâmia de Christo Garcia diz: 3 de julho de 2012

    Creio que a divulgação dos cargos, com as vantagens eventuais, funções comissionadas ou cargos em comissão deve ser feita, sem a identificação da pessoa. Tal identifiação deve ficar restrita ao controle interno e externo dos órgãos da própria administração pública, Ministério Público, Tribunais de Contas e Judiciário.
    Expôr o nome das pessoas é uma situação bem diferente – afronta, inclusive, direitos constitucionais, como os direitos invioláveis à intimidade, à vida privada e o mais importante de todos: o direito à segurança.
    Será que os jornalistas, comentaristas e todos os que estão julgando essa lei corretíssima e estão aí a propalar discursos moralistas têm a mesma disponibilidade em divulgar os seus salários na internet? Será que se sentem seguros e com seus direitos à intimidade e vida privada assegurados?

  • Luisa Azambuja diz: 3 de julho de 2012

    Realmente espero que o governador cumpra a lei e o exemplo do prefeito José Fortunati, que divulgou hoje os dados, tornando Porto Alegre referência em transparência para todo o país!

  • remi de oliveira diz: 3 de julho de 2012

    somos comandados por safados,portanto jamais o povo terá “transparencia dos seus atos”- brasil, somos escravos da corrupção, e por incrivel que pareça, o povo aceita, na realidade somos covardes,muito covardes.

  • Natália Holst Pinto diz: 3 de julho de 2012

    Cara Rosane,
    Sou funcionária de uma empresa privada que presta serviço para um órgão público federal; não tenho inveja de não ser concursada e também não sou contra a divulgação dos salários dos funcionários públicos; afinal, todos pagamos esta conta, inclusive o próprio funcionário público; tem os que trabalham muito e são merecedores e tem os que não trabalham e mesmo assim recebem um salário alto; só que toda esta polêmica nos desvia de questões mais importantes. Porque vergonha mesmo, é o que ganha a maioria da população brasileira R$ 622,00.

  • Machiavellirs diz: 3 de julho de 2012

    NÃO TEM JUSTIFICATIVA

    Ora, Suzana, esse teu argumento sobre segurança do servidor, que poderia ser “atingido por pessoas mal intencionadas” é fraquíssimo. Essas tais pessoas mal intencionadas a que te referes já sabem quem são os ricos da cidade; sabem que eles residem em imóveis dessa ou naquela região supervalorizada; sabem que eles transitam em seus automóveis e camionetas importadas e sabem também onde trabalham ou têm o seu negócio. Lá por causa disso não se tem notícia de que as tais pessoas mal intencionadas concentrem seus ataques contra esses ricos da cidade, fáceis de serem encontrados por aí.

    Não vai ser contra algum funcionário público, que ganhe R$ 12.000,00 ou R$ 26.000,00 (teto do Ministro do STF), que as pessoas mal intencionadas vão tentar alguma coisa criminosa. Aliás, conhecemos pessoas que ganham ao redor desse teto (o pessoal do Judiciário, por exemplo) e que não são molestadas por esse motivo. Os eventuais fatos criminosos que acontecem nessa área são decorrentes da falta de segurança que se instalou no País. E esses fatos fazem parte da estatística normal divulgada pelos órgãos competentes.

    Na realidade, a sociedade necessita da informação sobre o salário que ela, a sociedade, está pagando. O dinheiro que o servidor público recebe sai da enorme quantidade de impostos que os governos (municipais, estaduais e federal) cobra de nós, tipo ICMS, IPTU, IPI, etc., etc. Então a sociedade – conforme decidiu o STF – tem o direito de saber o nome de quem está sendo pago por ela e o valor que esse funcionário público recebe.

    Possivelmente o Governador não está querendo revelar o nome dos funcionários públicos porque ele sabe que embaixo disso há muita coisa mal esclarecida. O patrimônio público não pode se transformar num feudo administrado por uma minoria que, sabemos, adora um corporativismo cheio de mistério.

  • Zé diz: 3 de julho de 2012

    Pronto está publicado! E agora? O que as pessoas vão fazer com essa informação???

  • Sandro diz: 3 de julho de 2012

    Concordo com a Suzana. A divulgação deve ser feita. Mas sem identificar o servidor. É muita exposição. À população não interessa quem ganha quanto, mas o quanto se gasta com folha de pagamento. Estamos sendo expostos demais. Não sabemos o que pessoas mal-intencionadas podem fazer com tal informação. A imprensa vem exigindo essa postura dos governos. Faço um desafio aos jornalistas. Exponham também seus rendimentos. Divulguem seus salários, como vocês vêm exaustivamente exigindo dos governos… Tentem colocar-se na posição de um servidor público. Ninguém quer ser exposto dessa forma. Espero que os sindicatos, os servudires se movimentem no sentido de tentar impedir essa exposição toda.

  • Fabio diz: 3 de julho de 2012

    Isso não irá solucionar em nada a corrupção desse país! Apenas atinge as pessoas de bem, que terão seus dados financeiros jogados na rede para qualquer bandido escolher qual vai atacar. Ou você acha que quem rouba e desvia dinheiro aparece no contra-cheque?

  • Luis Medeiros diz: 3 de julho de 2012

    Nos cidadãos contribuintes temos direito a estas informações. Quem aceita o serviço público deve estar preparado para o bônus e o ônus.

  • O Arroto diz: 3 de julho de 2012

    A divulgação dos salários dos servidores – só vale, se for mostrado também os do Judicário. (DUVIDO!)

  • Marcia diz: 3 de julho de 2012

    Boa observação Zé, mas o que as pessoas vão fazer com essa informação? Vão bisbilhotar a vida alheia; “inimigo” desarticulado é mais fraco e vantajoso para o e$tado. Com as atenções desviadas o $istema toma um pouco de fôlego.
    Agora queremos saber não só sobre o salário básico, queremos saber quanto em diárias cada parlamentar ganha e quanto gasta com pessoal em gabinetes, quano ganha em auxílio moradia (se é que precisa), quanto de isenção fiscal foi dado a empresas (pois isso é fruto de uma queda de braço), e por aí vai.

  • ANGEL diz: 3 de julho de 2012

    CONCORDO COM O ZÉ: NÃO ADIANTA TER UMA LEI DE TRANSPARÊNCIA PARA AGRADAR CERTOS SETORES DA SOCIEDADE SE DE FATO NÃO HÁ INSTRUMENTO PRATICO PARA BARRAR OS ALTOS VENCIMENTOS

  • ANGEL diz: 3 de julho de 2012

    O NÚCLEO DA QUESTÃO DE ONDE COMEÇA A ESFERA PÚBLICA E TERMINA A ESFERA PRIVADA É TÃO DELICADA QUE ACABA GERANDO DÚVIDAS.

  • josé carlos diz: 3 de julho de 2012

    Rosane,

    Sou professor da rede estadual e não vejo problema nenhum no governo divulgar o meu salario. Agora gostaria de saber a quem o governo esta interessado em proteger? O que o governo quer esconder da sociedade gaucha? Essas e outras perguntas é que o governo deveria responder!!!

  • Paulo Bento Bandarra diz: 3 de julho de 2012

    Salário de encanador da Câmara de SP é de R$ 11 mil
    As explicações para remunerações tão altas estão na legislação que rege o serviço público municipal. Uma série de gratificações e aumentos automáticos já são programados de acordo com o tempo de serviço

    Funcionários de nível básico contratados pela Câmara Municipal de São Paulo ganham salários muito maiores do que se paga no mercado. Um encanador lotado no departamento de Zeladoria da Casa tem salário de 11.000 reais. Um chaveiro, da mesma seção, recebe 10.900 reais todo mês. E até um operador de máquina copiadora, outro cargo que exige apenas ensino fundamental para a contratação, ganha 9.300 reais mensais.

    O que nunca vai aparecer será os nomes dos deputados e governadores eleitos do passado que votaram estas leis que eles se beneficiam. Os que vivem da política fazendo leis lesivas ao contribuinte e se reelegendo pelo voto.

  • jPetro diz: 3 de julho de 2012

    A Lei não está completa, para ficar bom mesmo os nossos gloriosos Deputados e Senadores deveria ter autorizado também a publicação do saldo bancário de do nome do Colégio onde os filhos estudam.

  • Roselia Siviero Sibemberg diz: 3 de julho de 2012

    Acredito – que não deixa de ser uma metáfora acharmos que publicarmos o salário do servidor de carreira é transparência, tendo em vista que o que a população deve fiscalizar é sim o serviço publico oferecido, a qualidade do mesmo, e mais importando do que saber o valor do salário de um servidor (que invade a sua privacidade e que é fruto do seu trabalho) é fiscalizar as licitações, as obras… Como o governo de qualquer instancia (Federal, Estadual, Municipal) gasta o dinheiro público na aquisição de kits escolares, remédios, cultura, alimentos… Em que sempre ha ALGUEM tirando lucro. Vamos exigir transparência da onde Senadores, Deputados, Vereadores aplicam o dinheiro publico!

  • Juliano diz: 3 de julho de 2012

    Sério: o “melhor” argumento que aparece por aqui é o que exige, em nome da transparência total, que os funcionários da RBS divulguem os seus salários.

    Sabe o que mais é engraçado? A Lei de Acesso à Informação é FEDERAL, e o Decreto 7.724, aprovado por José Eduardo Cardozo, Celso Amorim, Guido Mantega, Paulo Bernardo Silva, Gleisi Hoffmann, Gilberto Carvalho, Maria do Rosário et al, que regulamenta a lei, OBRIGA a divulgação da “remuneração e subsídio recebidos por ocupante de cargo, posto, graduação, função e emprego público, incluindo auxílios, ajudas de custo, jetons e quaisquer outras vantagens pecuniárias…”. Repito: foi o GOVERNO FEDERAL, através de um decreto, que instituiu a obrigação. E, ao que me consta, não é um governo tucano.

    E eis que Tarso resolve, MAIS UMA VEZ, interpretar a lei clara como a água. Bom, ele já fez isso com a lei italiana, com a Constituição paraguaia, com A LEI QUE ELE MESMO INSTITUIU, a do piso do magistério…

  • Milton Munaro diz: 3 de julho de 2012

    A desonestidade assumiu o Brasil. Adonde estão, o que fazem, e porque gritavam que a salvação era a transparência e a ética na política. Agora vem a mordida do jaguadarte para amedrontar o zé-povinho. Os iguais se protegem e juntos andam.

  • ANGEL diz: 3 de julho de 2012

    SE É JUSTO PUBLICAR O VENCIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, TAMBÉM QUERO UMA LISTA DE QUEM PAGA OU SONEGA IMPOSTO DE RENDA, DEIXA DE EMITIR NOTA FISCAL, RECEBE INCENTIVO DO GOVERNO QUE DEIXA DE ARRECADAR TRIBUTOS, QUEM SÃO OS EMPRESÁRIOS E QUANTO DOAM AOS PARTIDOS POLÍTICOS EM ÉPOCA DE ELEIÇÃO, QUE É QUE RECEBEU E QUANTO RECEBEU OS INDENIZADOS POR CRIMES POLÍTICOS, QUEM É QUE RECEBE O BOLSA FAMÍLIA, PROUNI, QUANTO E DE ONDE IRÁ SAIR A GRANA DE AJUDA AO FMI…

  • Paulo Bento Bandarra diz: 3 de julho de 2012

    A tutela jurídica da intimidade e da privacidade é uma das expressões mais significativas dos direitos da personalidade, sendo assegurada pelo inciso 10 do artigo 5º da Constituição. Para o ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, a proteção do dispositivo reserva, sempre em favor do indivíduo e contra a ação expansiva da vontade do Poder Público, uma autonomia indevassável sobre a atividade do Estado.
    .
    Mas esperar que jornalistas tenham a constituição como parâmetro é querer validar uma nota de três reais.
    .
    A jornalista podia mostrar que não causa “desconforto” revelando para os seus leitores o seu contra-cheque.

  • constantin diz: 3 de julho de 2012

    Os gatos gordos, recebendo salários inflados por penduricalhos indecentes, e sem a devida contra-prestação de serviços é que devem estar preocupados com a transparencia.
    O argumento pedindo o valor do salário da jornalista, só pode ter vindo deste pessoal acostumado as mamatas governamentais.

  • ANGEL diz: 3 de julho de 2012

    E TEM MAIS…QUERO SABER EXISTEM TÚNEIS EMBAIXO DO PALÁCIO PIRATINI OU SE SÓ É LENDA URBANA…

  • Marcio diz: 3 de julho de 2012

    Dizer que o povo tem direito de saber os salários pois é ele quem paga é um dos raciocínios mais rasos que eu já ouvi. Quem paga é a Administração Pública, assim como é ela que concede financiamentos, empresta dinheiro, paga campanhas publicitárias. Se a iniciativa privada pagasse os impostos com tanta correção quanto os servidores públicos fazem não haveria essa carga tributária excessiva no Brasil.

  • Machiavellirs diz: 3 de julho de 2012

    NÃO TEM JUSTIFICATIVA II

    Lógico que aqueles funcionários públicos que escrevem aqui no blog e que são contra a divulgação de seus nomes e seus salários têm alguma coisa para esconder.

    Talvez eles sejam aqueles que dedicam duas ou três horas diárias no expediente público e as restantes seis ou cinco horas são dedicadas aos seus afazeres domésticos ou particulares tipo ajudar o seu pai no atendimento da loja ou do armazém da família. Não podem vir aqui com essa conversa fiada de que o pessoal da atividade privada tem que divulgar seus rendimentos. Ora, a iniciativa privada rege-se pelas normas relacionadas ao setor privado. Se o dono de uma empresa quiser pagar 1 milhão de dólares para alguém que ele acha que merece, ele tem todo o direito de fazer isso e, logicamente, ele fica sabendo que está fazendo isso, ou seja, ele fica sabendo que está pagando 1 milhão de dólares.

    A sociedade também quer saber quanto ganha os seus empregados, ou seja, os funcionários públicos. Afinal a sociedade é o patrão deles, ou será que eu estou errado em afirmar isso?

    No momento em que os salários dos funcionários públicos forem conhecidos a sociedade ficará sabendo se o dinheiro dos impostos (ICMS, IPI, IPTU, IR, etc., etc.) está sendo corretamente empregado.

    Será que não existem funcionários públicos demais e ganhando demais nesse País? Isso é um tipo de pergunta que a sociedade poderá fazer a partir de agora.

    Aliás, já saiu a notícia que o número de vereadores vai aumentar em mais de 10% na próxima eleição. Com isso haverá maior quantidade de funcionários públicos (assessor, chefe de gabinete, chefe disso, chefe daquilo, etc. etc.) mamando indevidamente nas tetas gordas dos orçamentos públicos que são gordas assim por causa do dinheiro da iniciativa privada, não é verdade?

    Então, por favor, não me venham com esse papinho medíocre de segurança e coisas do tipo. EU QUERO SABER QUANTO GANHA O ZÉ QUE MORA NO APARTAMENTO DEBAIXO DO MEU! ACHO QUE ELE ANDA VIAJANDO DEMAIS PRA EUROPA E USA, SEM JUSTIFICATIVA NENHUMA, COM O MEU DINHEIRO!

  • joão diz: 3 de julho de 2012

    Tem gente tendo ORGASMOS com tal implantação…
    Mas como tudo no Brasil está incompleta…
    FALTA FOTOGRAFIA ( para melhor monitoramento de curiosos e mal-intencionados)
    do infeliz servidor público na tal transparência ….
    SE DIMINUiREM as ALTAS remunerações ( NÃO SEI COMO ) os acima citados infartam…

  • Márcio diz: 3 de julho de 2012

    Como professor, vou passar vergonha com meus dois salários mínimos exposto a todos. Que adianta ter feito curso superior? Vergonha!!

  • Jack diz: 3 de julho de 2012

    CONCORDO COM Andi!!! Uma imoralidade o que acontece no IPERGS e precisa ser denunciada e levada a público!
    Quando vão fiscalizar aquela bagunça???

  • Angelo Frizzo diz: 4 de julho de 2012

    O que importa mesmo, e ninguém fala, é ONDE o funcionário “trabalha”, ou seja: setor, endereço, horário de trabalho, quantas”licenças”, horas extras, laudos médicos. O problema, todos sabemos, é SE o funcionário trabalha. Divulgar cada setor, departamento, repartição, e quantos são lotados lá.
    Precisamos saber mesmo é QUEM trabalha.

  • Professor diz: 4 de julho de 2012

    a quem está saudando o Sr. INfortunati pela divulgação dos salários lembre-se que isto só serve para desviar a atenção dos conflitos que estão acontecendo nos postos de saúde e hospitais da capital. ali as pessoas estão padecendo pela má gestão de gente como Busatto que se cola a qualquer governo para manter seu pé de meia e continuar roubando. Isto é transparência?

  • Paulo diz: 4 de julho de 2012

    Jornalistas políticos detêm concessão PÚBLICA para comentarem sobre partidos e empresas, podendo influenciar conforme os interesses daqueles que mais inve$tem. Dessa forma, os salários e a declaração de imposto de renda dos jornalistas políticos também devem ser divulgados, para que a população possa fiscalizar se o patrimônio está correspondendo aos ganhos legais. Nada mais justo, já que a concessão de mídia é pública.

  • Paulo Bento Bandarra diz: 4 de julho de 2012

    Está cheio de anônimos loucos para bisbilhotar a vida alheia.

  • Jorge Nogueira diz: 4 de julho de 2012

    De acordo com o Auditoria Cidadã, aproximadamente 65% da dívida pública brasileira pode ser fraudulenta. Somente este ano quase a metade do Orçamento da União será destinado ao pagamento de uma conta que a sociedade brasileira paga sem conhecer. Sobre isso a “transparência” do Governo Dilma se omite.

    Está em curso uma nova contra-reforma da Previdência, cujos argumentos surrados e mentirosos, estão sendo erigidos mais uma vez. Transparência na Previdência? Nem pensar! 20% dos recursos da Seguridade Social são desviados para pagar aquela dívida que me referi mais acima!

    O teor dos comentários mostra que a velha tática do dividir para conquistar continua sendo eficaz. Enquanto trabalhadores públicos e privados se digladiam diante de uma transparência de araque, os poderes econômicos que controlam a política continuam agindo livremente e com “especialistas” para justificar suas peripécias.

  • Aline diz: 4 de julho de 2012

    Rosane, os salarios de voces, que trabalham na RBS também será divulgado?
    Sim porque há necessidade de concessão pública para emissoras de TV, logo, é de interesse publico saber os salários dos servidores da RBS.
    Estudei, fiz concurso publico para entrar, não fui “votada” para trabalhar, logo meu salario não tem que ficar a disposição de ninguem.Salários do legislativo é que devem ser divulgados ou dos CCs, que são cargos politicos, concursados não, por questão de segurança.

  • observ diz: 4 de julho de 2012

    A ilusão de que o descalabro na esfera privada é algo sem interesse público é uma triste realidade que engana milhões de incautos , ao contrário , é de altíssimo interesse público. Veja-se a crise econômica internacional em andamento, onde os governos (daí toda população) enormemente se endividaram para salvar instituições financeiras, cujos cabeças continuam a levar para casa cifras de milhões de euros ou dólares por seu precioso trabalho, isso tem gerado irados protestos na Europa e USA. Esses senhores devem adorar uma separação rigorosa do público e privado. Há um fato inegável, TODA RIQUESA teve no passado e tem hoje sua origem do somatório do trabalho de todos, porem, as regras e mitos acabam codificados em leis, muitas vezes por influência de quem deles se beneficia, para manter sólidos os grandes esquemas de concentração de renda e poder. Assim, com certeza participamos no pagamento dos descalabros públicos e privados , e altas rendas de verdade, muito mais comuns no setor privado, são pagas com participação de todos , daí , uma transparência universal seria justa.

  • ANGEL diz: 4 de julho de 2012

    Machiavellirs, não seja egoista: “com o NOSSO dinheiro”…NOSSO…isso é MEU, TEU, DELE…(PÚBLICO)…tu não é o único contribuinte pro ESTADO como muitos pensam que são…

  • O Arroto diz: 4 de julho de 2012

    Mostra tudo, Tarso!

  • Ederson diz: 4 de julho de 2012

    Prezada Rosane,

    Concordo integralmente com a divulgação pormenorizada dos salários dos funcionários públicos. No entanto, não concordo com a divulgação dos nomes dos servidores. Qual a razão para expor a vida privada de alguém, se há meio menos gravoso para se chegar a informação que atenda plenamente a transparência sobre os salários? Vamos a um exemplo: há 125 desembargadores no Estado. Pois bem, divulgam-se os salários de todos, como todos so penduricalhos, e teríamos como saber quantos estão acima do teto e ganhando mais do eventualmente a responsabilidade do cargo e a Constituição permite. Não há necessidade de dizer quem é a pessoa, se podemos saber exatamente quando o exercente do cargo ganha. As pessoas iriam saber exatamente quando o servidor público, da mesma forma.

  • Alexandre Fleck diz: 5 de julho de 2012

    Eu acho esta divulgação de salários vai trazer muita discórdia dentro das repartições públçicas.
    Até agora tem se falado sobre o que as pessoas fora do serviço públco pensariam dos salários. No entanto, até agora não foi falado sobre o que vai acontecer dentro das repartições quando um funcionário tiver conhecimento sobre o que seu colega do lado tem de remuneração. Imaginem.
    Qd o inspetor de policia souber o salário do delegado, aja visto que muitos inspetores possui curso de direito completo. O que vai acontecer?

Envie seu Comentário