Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de novembro 2015

Uma etapa termina, outra começa

04 de novembro de 2015 12

Costumo brincar com os estudantes de Jornalismo que eu sou a tia do tiranossauro Rex, mas preciso confessar que um dos meus medos, como jornalista, é ficar conhecida como… a avó do mais antigo dinossauro encontrado na região de Santa Maria. Foi por isso que abracei com entusiasmo, em 2007, a ideia de ter um blog em zerohora.com. À época, blog era inovação.

Éramos poucos e tínhamos o luxo de contar com assistentes da qualidade de Paulo Germano e Michele Iracet, dois queridos que muito me ajudaram a incrementar o “Blog da Rosane”. Além de notas de política, meu blog tinha crônicas de outros temas e até uma sessão chamada Música na Madrugada, em que publicávamos vídeos do YouTube. No início, os comentários eram espirituosos e respeitosos _ com algumas exceções. As críticas me estimulavam a melhorar. Depois, com o acirramento das paixões políticas, o nível dos comentários foi baixando e eu comecei a perder a vontade de escrever no blog, incomodada com as pessoas que se escondem atrás de um pseudônimo para agredir quem pensa diferente. Ser chamada de “blogueira” me soava como uma ofensa. Ler os ataques de um leitor a outro me desestimulava.  Nos últimos tempos, vinha publicando apenas a abertura da coluna. E me sentia traindo os assinantes ao oferecer o produto do meu trabalho na área aberta do site.

A partir de hoje, o blog fica congelado. Nasce em seu lugar uma página digital que reunirá minha produção em texto, áudio e vídeo. Ela estará em zerohora.com/rosanedeoliveira. Nesse novo espaço vou continuar publicando análises políticas, informações exclusivas e entrevistas, mas também questionamentos, cobranças, dicas (que podem ser de livros, filmes, viagens ou qualquer coisa que deseje compartilhar com os leitores de ZH) e crônicas sobre temas diversos.

Não respiro política o dia inteiro. Sei que os leitores também não. Aqui quero falar também de causas que me movem, como campanhas de combate à violência no trânsito ou de proteção à criança. Neste espaço democrático, o comentário dos leitores será valorizado, mas dispenso a participação anônima e destrutiva. Como diz a Constituição, é livre a manifestação de pensamento, vedado o anonimato.

Na página, reservei um cantinho especial para o meu perfil no Twitter, o @rosaneoliveira. Porque é por essa rede que publico as informações mais urgentes, faço cobertura ao vivo em posts de 140 caracteres e provoco debates. Chegando aos 60 mil seguidores, tenho a alegria de constatar que, pela repercussão, meu perfil é considerado um dos mais relevantes entre os jornalistas brasileiros, segundo o termômetro Klout Score.

Conto com a colaboração de vocês para fazer desta página uma ponto de encontro de pessoas interessantes.

Plenário decidirá futuro de Basegio

03 de novembro de 2015 1

O destino do deputado Diógenes Basegio (PDT) será decidido pelo plenário da Assembleia, a partir do dia 17 de novembro. Na sessão de ontem, a Comissão de Constituição e Justiça rejeitou o relatório do deputado Ciro Simoni (PDT), que substituía a cassação sugerida pela Comissão de Ética por uma punição mais branda, a suspensão do mandato por 90 dias. Como também não havia sido aprovado o relatório de Elton Weber, favorável à cassação, o presidente da CCJ, Gabriel Souza, passou o problema para a Mesa Diretora.
Na próxima terça-feira, o presidente da Assembleia, Edson Brum, levará ao conhecimento da Mesa. O projeto de resolução propondo a cassação do mandato de Basegio será publicado no Diário Oficial de quarta-feira, abrindo caminho para a votação a partir do dia 17. Como a pauta de votações está trancada por projetos que precisam ser apreciados em regime de urgência, conforme o artigo 62 da Constituição, a agonia do deputado deve se prolongar por mais algumas sessões.
Também ontem, Brum mandou para a Corregedoria da Assembleia outras denúncias que agravam a situação de Basegio. São acusações ignoradas pela Comissão de Ética, como a adulteração dos hodômetros de veículos, para elevar o valor da indenização, e a retenção de parte dos salários dos servidores do gabinete. Nesse pacote estarão, também, os extratos apresentados na RBS TV pelo repórter Giovani Grizotti, que mostram idêntica saída de valores das contas de assessores e entrada na conta do deputado.
Autor do relatório rejeitado ontem, Ciro Simoni se defende da acusação de que propôs uma punição mais branda por corporativismo, para poupar um colega de partido.
– Precisava me ater aos autos do que veio da Comissão de Ética. Não poderia incluir denúncias por conta própria.
De fato, a Comissão de Ética se ateve a duas questões secundárias da ampla reportagem do Fantástico: a contratação de uma funcionária fantasma, em 2011, e a omissão do deputado em relação ao ex-assessor Neuromar Gatto, que confessou a fraude dos hodômetros e a retenção de parte dos salários dos funcionários
do gabinete.