Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de abril 2010

Fábrica de cascos mais perto de Rio Grande

30 de abril de 2010 0

Rio Grande será o berço de oito cascos de plataformas entre 2012 e 2017. Crédito: Petrobras

Zero Hora colocou em sua manchete de hoje a assinatura de carta de intenções entre Petrobras e Engevix para a construção dos casos de plataformas em Rio Grande. A matéria reproduzida abaixo é de Marta Sfredo, repórter especial de ZH. Confiram!

Fábrica de cascos para plataforma sai do papel

Foi aberto ontem o caminho para o início de um investimento ao redor de US$ 3,75 bilhões no polo naval de Rio Grande. A Petrobras assinou carta de intenções com a Engevix Engenharia SA que autoriza a empresa a iniciar providências, incluindo contratações, para a construção de oito cascos de plataformas no dique seco gaúcho, que deve empregar 7 mil pessoas durante cinco anos.

Anunciado em Rio Grande em abril de 2008 pelo presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, o projeto foi chamado de “fábrica de cascos”. A licitação para definir o consórcio responsável pela construção foi realizada em agosto do ano passado.

Na época, consultado por Zero Hora, o vice-presidente de indústria e infraestrutura da Engevix, Gerson de Mello Almada, mencionara a intenção de usar “áreas próximas ao dique para aumentar a eficiência de produção e cumprir os prazos estabelecidos no edital”. Desde então, Engevix e Petrobras negociam as condições para assinatura do contrato. Agora, a estatal comunicou ter assinado carta de intenção para “não gerar atrasos no cronograma de desenvolvimento da área”.

Como o dique seco está pronto, a Engevix já tem condições de começar a preparar a estrutura que vai permitir a movimentação para a construção, em Rio Grande. Conforme a Petrobras, a assinatura da carta de intenções “deve evoluir para a assinatura de um contrato final com as empresas, após realização dos trâmites necessários para a formalização das aprovações dos demais parceiros”. Pelas estimativas da Engevix, cerca de metade do investimento total deve ser direcionada à mão de obra.

De futuro incerto a ritmo acelerado

Foi tímida e de futuro incerto a estreia de Rio Grande na indústria da construção naval. Até então, o Rio de Janeiro concentrara esse tipo de atividade, em declínio desde a década de 1980 no Brasil.

Um contrato vencido pelo consórcio Quip para construir a P-53, em 2007, deu início a uma movimentação que só fez crescer nos últimos três anos na então desindustrializada Metade Sul. Há mais de um ano em operação no campo de Marlim Leste, no litoral fluminense, a P-53 leva gaúchos embarcados como sinal de integração do Estado a um dos segmentos mais ativos da indústria nacional.

O reforço nas atividades em Rio Grande também abriu possibilidade de que indústrias gaúchas de outras especializações encontrassem na construção de plataformas um promissor filão de negócios, como a Metasa, de Marau, e a Intecnial, de Erechim. A Metasa, inclusive, é uma das dezenas de empresas que já preparam a instalação de novas unidades no porto de Rio Grande, de olho no futuro do negócio.

São Lourenço leva Prêmio Empreendedor

30 de abril de 2010 0

Prefeito José Sidney Nunes de Almeida levou o prêmio do Sebrae. Crédito: Divulgação

O prefeito de São Lourenço do Sul, José Sidney Nunes de Almeida, faturou o Prêmio Empreendedor, concedido pelo Sebrae-RS.  A cidade venceu na categoria destaque temático estadual – educação empreendedora e inovação – melhor política municipal de estímulo à inovação e à educação empreendedora pela prefeitura municipal.

A solenidade de entrega do prêmio foi ontem, no Salão de Convenções da Fierg, em Porto Alegre. Nesta sexta edição foram inscritos 252 projetos, o que corresponde a 50,8% dos municípios gaúchos. Agora, José compete na esfera nacional.  A premiação final será no dia 18 de maio, em Brasília, após julgamento que ocorre na próxima semana. Serão 11 vencedores, sendo um por cada uma das cinco regiões do País e seis destaques temáticos.

R$ 780 mil para o cais do Porto Velho

30 de abril de 2010 0

Porto Velho tem parte da verba de sua revitalização assegurada. Crédito: Alan Bastos

O projeto de revitalização do cais oeste do Porto Velho está mais próximo de se materializar. O Ministério do Turismo liberou R$ 780 mil para a obra, a partir de emendas do deputado federal Cláudio Diaz (PSDB).

Mais R$ 585 mil estão à espara de liberação, já que a primeira etapa da obra está orçada em R$ 1,4 milhão. O projeto de revitalização urbanizará o local, à margem da Lagoa dos Patos. Estacionamento, iluminação, paisagismo, equipamentos urbanos, piso, bancos, guarita, atracadouro e rampa de acesso para os barcos aproveitariam um espaço ocioso no centro histórico de RIo Grande.

Gado para o Egito

29 de abril de 2010 0

Bovinos podem abrir um novo mercado para o Estado, que já exporta para o Líbano. Crédito: Alan Bastos

O gado gaúcho está perto de ganhar um novo mercado. Às 23h45min de ontem o Porto de Rio Grande iniciou a primeira exportação de bovinos para o Egito. O embarque piloto dos animais vivos vai até amanhã. A previsão é de despachar no navio-curral Kenoz, de bandeira panamenha, 10 mil animais.

Mais de 130 homens, entre arrumadores, conferentes e estivadores, atuam na operação em andamento. Os animais estão confinados em uma área na Vila da Quinta, de propriedade da Angus Trading, empresa exportadora dos bovinos. Quarenta caminhões fazem o transporte até o cais riograndino.

O porto exporta gado desde 2005. O Líbano é o destino disponível Ao todo, 156,2 mil animais partiram da margem riograndina. Se o embarque piloto der certo e os compradores egípcios aprovarem a qualidade do gado gaúcho, um novo mercado estará conquistado.

Dois pés para a soja gaúcha

29 de abril de 2010 0

Tergrasa e Termasa serão beneficiadas assim que a Capitania homologar o novo calado do porto. Crédito: Gerson Pantaleão

Dois pés - 60 centímetros - têm o poder de injetar US$ 16 milhões na economia gaúcha. Se homologado pela Capitania dos Portos até o final da safra de soja, no próximo mês, o aumento do calado do Porto de Rio Grande de 40 para 42 pés (12 para 12,6 metros) valorizará o preço do grão gaúcho em até US$ 0,20 por saca.

A mudança de 40 pés para 47 seria oficializada em junho, ao término da dragagem de aprofundamento do canal, obra financiada por R$ 196 milhões do Programa de Aceleração do Movimento (PAC).  Em sua porção interna o trabalho está concluído: elevou a profundidade de 12 para 16 metros. Já na parte externa, onde irá de 14 para 18, o calado está em 15,5 metros.

Com as cerca de 5 milhões de toneladas de soja sendo escoadas até o final de maio, terminais como a Tergrasa e Termasa, responsáveis por 80% do grão movimentado no Estado, pressionaram para que a Superintendência do Porto de Rio Grande (SUPRG) homologasse o novo calado de olho no sistema de bonificação bancada pelos importadores.

São os prêmios, positivos ou negativos, cotados em dólar e definidos pela bolsa de Chicago, nos Estados Unidos. O sistema engloba a eficiência do embarque e a qualidade do produto. A equação eleva ou diminui o valor pago pelo saco de soja ao produtor gaúcho. Já o porto se beneficia por exportar maiores volumes e por ampliar sua credibilidade no mercado internacional.

A SUPRG levou a questão à reunião do Conselho de Autoridade Portuária (CAP), realizada ontem pela manhã. Do encontro saiu a decisão de conceder um aumento gradual: de 40 para 42 pés. Uma portaria será enviada à Capitania dos Portos, que cuida da segurança da navegação no porto gaúcho. Após a chancela do órgão, a nova profundidade estará oficializada.

A partir do aumento do calado, os terminais ficarão habilitados a receber navios de tamanho proporcional. Cada Panamax que carrega 60 mil toneladas poderá embarcar 3 mil toneladas extras.

- Acresce 5% em capacidade de embarque, o que baixa o preço do transporte e melhora o prêmio. Precisaríamos de menos navios para escoar a produção, o que torna o processo mais barato e rentável – comemora Guillermo Dawson, diretor-superintendente da Tergrasa e Termasa, ansioso pela homologação.

A previsão de mais US$ 16 milhões na economia gaúcha partiu dos próprios terminais de grãos, após consultas a duas operadoras marítimas. Atualmente, o Porto de Rio Grande opera com prêmio de US$ 0,30 por bushel (unidade americana, que equivale a meio saco de soja). Com as 807 mil toneladas exportadas até ontem, o benefício rendeu US$ 10 milhões – a estimativa é gerar US$ 64 milhões ao final da safra. Com o plus de dois pés no calado, o prêmio deverá subir a US$ 0,40, rendendo mais US$ 16 milhões, num total de US$ 80 milhões.

O PRÊMIO

>> O preço do saco de soja é determinado pela bolsa de Chicago, nos Estados Unidos. O valor é praticado na China, por exemplo, principal país consumidor da soja gaúcha.

>> Para chegar ao valor pago ao produtor, é necessário pegar o preço fixado por Chicago e subtrair os custos com armazenagem, transporte terrestre, taxas portuárias, lucro do intermediário e transporte marítimo.

>> Além disso, os portos trabalham com um sistema de bonificação por produtividade, também definido por Chicago e pago pelos importadores. São os prêmios, cotados em dólar, que podem ser positivos ou negativos. O sistema leva em conta logística e qualidade do produto exportado. O prêmio é pago por bushel, unidade americana que equivale a meia saca de soja.

>> Quanto mais ágil e rentável for esta cadeia, maior o prêmio e maior o preço final pago ao produtor. Se o porto tiver problemas como filas, cargas mal informadas, o prêmio é negativo, diminuindo o lucro de quem planta.

>> Se a saca de soja estiver cotada em R$ 34 e o prêmio for de US$ 0,30 por bushel, o produtor receberá R$ 35,34 por saca. Se o prêmio for negativo, perderá dinheiro.

>> Até 2007 o Porto de Rio Grande trabalhava com prêmios negativos, na casa de – US$ 0,10. A partir da boa profundidade do calado e da adoção do sistema japonês de agendamento de embarques, o justing time, os prêmios se tornaram positivos: cerca de US$ 0,30 em 2010.

>> Com o aumento do calado do porto em dois pés, maiores volumes de carga poderão ser embarcados, diminuindo o custo do frete marítimo. O fenômeno reflete no prêmio, que terá acréscimo, aumentando o valor pago ao produtor por saca de soja.

Lagarteando em Rio Grande

28 de abril de 2010 0

Com a chegada do frio e a ausência de chuva, o sol tem sido convidativo nesta semana. Perfeito para, como diz o vivente, lagartear. O Rumos do Sul dá sua dica de um bom lugar para curtir o frio e o sol aqui em Rio Grande. Trata-se do entorno do Mercado e das docas, na beira da Lagoa dos Patos. Bela vista, alguns bancos. Ideal para tomar um chimarrão. Quem curte pescar, pode atirar as linhas e ficar de bobeira esperando o peixe fisgar.

Arte de Rua em Jaguarão

28 de abril de 2010 0

Arte de Rua visita cinco escolas de Jaguarão em maio. Crédito: Divulgação
O projeto Arte de Rua aos Quatro Ventos tem programação definida em Jaguarão. A iniciativa oferece oficinas de grafite, hip -hop, MC e dança de rua. Em 2010 elas entra o plus do samba e capoeira. Desenvolvido pela prefeitura, o projeto beneficiou mais de cem crianças nos dois primeiros encontros de 2010, nas Escola Sampaio e Ceni Dias. A agenda tem mais cinco escolas para maio. Informações no telefone (53) 3261 5100.

Confira a agenda completa do Arte de Rua aos Quatro Ventos
1º de Maio – Escola Padre Pagliani
08 de Maio – Escola Espírito Santo
15 de Maio – Escola Fernando Ribas
22 de Maio – Escola Castelo Branco
29 de Maio – Escola Amaro Junior

O frio continua por aqui

28 de abril de 2010 0

Mais uma manhã de gente encasacada pelas ruas de Rio Grande. Crédito: Guilherme Mazui

A quarta-feira registrou temperaturas mais baixas em relação à terça, porém logo o frio se dissipou em Rio Grande. Se ontem das 6h às 8h os termômetros ficaram nos 10ºC, hoje oscilaram de 8,9°C a 14°C no mesmo horário. As informações são do Inmet. O sol predomina por aqui, deixando o dia perfeita para lagartear. Confira as mínimas às 6h em outras cidades da região.

Jaguarão – 7,5ºC

Camaquã – 7,9ºC

Chuí – 9,7ºC

Canguçu – 11.1ºC

Pelotas – 12ºC

Envelopes do Porto Novo abrem na segunda

27 de abril de 2010 0

A abertura das propostas das empresas interessadas na modernização do cais do Porto Novo ficou para segunda-feira. O conteúdo dos envelopes será descoberto a partir das 10h, na sede da Secretaria Especial de Portos (SEP), em Brasília.

A Comissão Especial de Licitação abrirá os envelopes com documentos e preços. Os documentos serão analisados. A data e hora da da abertura dos envelopes com as propostas de preços será informada na segunda.

Orçada em R$ 113,8 milhões, oriundos do Governo Federal, a obra prevê a reforma de 1.125 metros de cais, com a execução de uma nova plataforma portuária, em concreto armado pré-moldado, que avança 11,2 metros para dentro do canal. O calado irá de de 31 para 40 pés, possibilitando a atracação de navios de até 75 mil toneladas, além do uso de equipamentos portuários mais modernos, como guindastes de grande porte.

10ºC em Rio Grande

27 de abril de 2010 1

Encasacados cruzaram a praça Tamandaré. Crédito: Guilherme Mazui

O frio pegou nesta terça-feira. Às 6h, o Inmet registrou 10ºC em Rio Grande, mesma temperatura marcada às 8h. Um vento gelado arrepiou quem saiu de casa logo cedo. Moleton, jaqueta e um café na mão foram companheiros para combater o frio. O outono vai dando as dicas de como será o inverno.